Menezes vai atribuir dois prémios internacionais “superiores ao Pritzker”

Por a 21 de Novembro de 2012

O presidente da Câmara de Gaia, Luís Filipe Menezes, anunciou esta terça-feira a criação de dois prémios internacionais de arquitectura e engenharia para 2014, que terão valores “inferiores ao Nobel, mas superiores ao Pritzker”.

O autarca garantiu que os prémios “Porto da Arquitetura” e “Porto de Engenharia” servirão para “ancorar um grande congresso internacional no Porto” e que “já estão financiados” por várias instituições privadas.

“A ideia é a de que congressos lançados com estas dinâmicas e estes prémios possam tornar a cidade [do Porto] emblemática”, explicou Menezes, segundo o qual já existe uma associação a trabalhar nos prémios e que estes conta, com o apoio da Ordem dos Engenheiros, AICEP e Instituto do Turismo, entre outras instituições.

Menezes, que falava durante uma visita ao já concluído Museu da Afurada, voltou a defender que a cidade do Porto pode ser “um ponto central de turismo de congressos”, ancorado em “grandes” prémios internacionais “suculentos e substantivos” a serem distribuídos e entregues durante os congressos.

Mais de 100 mil euros

O valor do prémio, ainda a ser “negociado com instituições privadas que o vão financiar”, situar-se-á “abaixo do prémio Nobel e acima do Pritzker”, sendo que este último ronda os 100 mil euros.

Para desenvolver o congresso e os prémios associados, “a associação vai ter de começar a trabalhar no início do ano que vem”, assinalou o autarca, que quer ter “júris internacionais de referência” no projecto como, por exemplo, Óscar Niemeyer.

Luís Filipe Menezes deixou no ar ainda a ideia de criação de um “prémio de globalização” associado a um congresso no Porto – dada a “forte ligação de Fernão de Magalhães a Porto e a Gaia” – e no qual pretende reunir os presidentes de câmara, de associações empresariais, empresários e agentes culturais das principais cidades por onde passou Fernão de Magalhães.

“À volta da ideia de sermos nós, os portugueses, os primeiros globalizadores, de o Fernão de Magalhães ser o patrono máximo dessa ideia de globalização, porque não colocarmos de pé um debate público periódico, centrado no Porto, onde Fernão de Magalhães teria essas todas ligações, para discutir a problemática da globalização?”, disse.

Um comentário

  1. Augusto Alpalhão de Matos

    23 de Novembro de 2012 at 18:52

    Uma excelente ideia que merece ser divulgada e acarinhada.
    Quando só se fala de crise haja alguém que dê uma lufada de ar fresco,leia-se divulgação do que de bom se faz neste país.
    Que seja um contraponto ao negativismo que anda no ar.
    Saúdem-se os que promovem eventos deste tipo.

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *