Sector de equipamentos de construção europeu foi o segundo mais dinâmico em 2014

Por a 12 de Março de 2015

As vendas da indústria europeia de equipamentos de construção subiram 9% o ano passado, relativamente a 2013, tornando-a a segunda região mais dinâmica, ficando atrás apenas da América do Norte.

Segundo o Relatório Económico 2014, do Comité para o Equipamento de Construção Europeu (CECE), as exportações registaram um “ligeiro crescimento”. Sebastian Popp, economista do CECE, referiu que isto é um “desenvolvimento positivo”, mas tem de ser tido em conta que “a boa performance foi apenas suficiente para recuperar o que se perdeu em 2013”. Segundo Popp, o mercado está ainda “40% abaixo dos níveis recorde registados em 2007”.

Ainda assim, o comunicado da CECE sublinha que existem “enormes disparidades”, como a Europa do Sul, que permanece em níveis “muito baixos”, enquanto que mercados como o Reino Unido e a Alemanha “não estão assim tão longe dos níveis anteriores à crise”.

Na Europa, a indústria viveu “um ciclo económico inteiro em apenas um ano”, tendo começado de forma “extraordinariamente forte após um Inverno muito incipiente”, mas registando, de seguida, “uma prlongada queda de Verão, seguida de mais um aumento da procura pelo final do ano”.

Enquanto as vendas no Reino Unido cresceram um terço, comparando com o “já forte” ano de 2013, a Turquia e a Rússia tiveram um ano “devastador”, com quedas de mercado de 25% e 37%, respectivamente.

O mercado de equipamentos de movimentação de terra registou, na Europa, a venda de 135 mil unidades, o que traduz um crescimento de 6% e coloca o sector “de volta aos níveis de 2012”.

Neste campo, a CECE destaca que a Europa do Sul deu “finalmente sinais de vida, embora a partir de um nível extremamente baixo”. O mercado espanhol cresceu 54% e o “pequeníssimo” mercado português deu um salto de 69%.

De todos os sub-sectores, o de material de construção de estradas foi o que teve a melhor performance em 2014, crescendo 19%, relativamente ao ano anterior.

Para 2015, as perspectivas “não são muito más”. “É provável que a recuperação continue, contudo, a sua extensão é mais questionável”, afirmou Sebastian Popp, explicando que a indústria europeia de construção “deveria estar num rumo de retoma, com todos os três sectores a terem uma previsão de crescimento positiva”.

Neste contexto, a CECE ressalva que o conflito que opõe Rússia e Ucrânia é, provavelmente, o mais severo para a indústria europeia de equipamentos, enquanto que o reacender da crise do Euro poderia colocar ainda mais obstáculos à disposição de investir dos clientes.

Perante isto, o Comité refere que um crescimento nulo ou ligeiro parece ser o cenário “mais realista” para a Europa durante este ano. Segundo o Barómetro de Negócios do CECE, os fabricantes de equipamento de movimentação de terras e de construção de estradas permanecem optimistas, enquanto que os fabricantes de equipamentos de betão estão mais hesitantes.

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *