Usar produtos de cortiça ajuda a atenuar alterações climáticas

Por a 1 de Fevereiro de 2016

A investigadora Ana Cláudia Dias com uma pen drive revestida de cortiça
A cortiça está na moda, é matéria-prima muito apreciada em vários sectores, serve a economia nacional e, segundo um estudo coordenado pela Universidade de Aveiro, contribui para remover da atmosfera gases com efeito de estufa.

O estudo, o primeiro no País a quantificar a pegada de carbono do sector da cortiça, não deixa dúvidas quanto aos poderes ecológicos do sobreiro e do ecossistema que o envolve: “por cada tonelada de cortiça produzida, o montado sequestra mais de 73 toneladas de dióxido de carbono, o equivalente às emissões daquele gás libertadas para percorrer cerca de 450 mil quilómetros de automóvel”.

Para chegar a tais conclusões, na Herdade da Machuqueira do Grou, em Coruche, o Instituto Superior de Agronomia, parceiro neste estudo, registou ao longo dos últimos sete anos a quantidade de dióxido de carbono retirada da atmosfera por um ecossistema de montado (sobreiros, solo e toda a restante vegetação característica dos montados) com uma média de 177 árvores por hectare. No âmbito do estudo, foi também avaliada a quantidade de gases com efeito de estufa emitida pelo sector nacional da cortiça, desde a floresta até ao destino final dos produtos feitos à base de cortiça, incluindo o respectivo processamento industrial. O saldo, sublinha a Universidade de Aveiro, “é extremamente positivo para o meio ambiente”.

Ana Claúdia Dias, investigadora do Departamento de Ambiente e Ordenamento e do Centro de Estudos do Ambiente e do Mar (CESAM) da UA e coordenadora do estudo que pretendeu avaliar a pegada de carbono do sector da cortiça em Portugal, garante que o sector de cortiça “é um sumidouro efectivo de gases com efeito de estufa uma vez que o sequestro de dióxido de carbono da atmosfera é bastante superior às emissões desses gases emitidos ao longo do sector, desde a floresta até ao destino final dos produtos de cortiça”.

Segundo a investigadora, “os produtos produzidos a partir de cortiça nacional constituem reservatórios crescentes de carbono, quer durante a sua utilização, quer quando são depositados em aterro, tendo acumulado entre 150 e 250 mil toneladas de dióxido de carbono por ano nos últimos 15 anos”.

Note-se que, a capacidade da própria cortiça de reter o carbono absorvido durante o crescimento do sobreiro, garante que por cada tonelada de cortiça duas de dióxido de carbono sejam sequestradas da atmosfera.

Os números sugerem mesmo que “a utilização de produtos de cortiça contribui para a mitigação das alterações climáticas, quer pela sua capacidade de acumular carbono quer pelo facto de substituírem produtos alternativos mais intensivos do ponto de vista energético”.

Ana Cláudia Dias sublinha ainda que o estudo “dotou o sector da cortiça de informação e ferramentas que permitem apoiar a tomada de decisão no que respeita a práticas que possam optimizar a pegada de carbono do sector e reforçar o papel do sector como elemento importante na mitigação das alterações climáticas”.

O estudo foi financiado por fundos nacionais através da Fundação para a Ciência e a Tecnologia e pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional através do Compete e permitiu desenvolver um modelo de cálculo que permite que os produtos de cortiça passem a ser incluídos nos inventários nacionais de gases com efeito de estufa, tal como já sucede com os produtos de madeira.

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *