Câmara de Almada avança com Plano para reabilitar Cais do Ginjal

Por a 19 de Julho de 2017

pp
A Câmara Municipal de Almada deu a conhecer o Plano de Pormenor que visa requalificar a zona do Cais do Ginjal. A “fachada” de Almada virada ao Tejo e a Lisboa e território histórico e industrial almadense, que hoje está em ruínas, vai dar lugar a indústrias criativas, equipamentos culturais, restauração, habitação, complexos turísticos e uma área de espaço público que triplica a actual.

O Plano de Pormenor, da autoria do Atelier Samuel Torres de Carvalho, visa orientar as intervenções de reabilitação, requalificação, recuperação e revitalização daquela zona e vai ser colocado à discussão pública, por um período de 120 dias.

Na apresentação à imprensa, Joaquim Judas, presidente da Câmara Municipal de Almada, lembrou “a importância deste Plano de Pormenor e de outros como de Almada Nascente – Cidade da Água ou da Quinta do Almaraz, na concretização do conceito da cidade das duas margens”.

Joaquim Judas salientou também que o projecto “apresenta importantes mais-valias (aumento do espaço público, a aproximação ao rio Tejo com segurança, a manutenção da memória histórica daquele território, a consolidação da arriba), através de soluções que protegem e requalificam esta área, ao mesmo tempo que valoriza o território e o bem-estar de quem cá vive e trabalha, através da criação de mais postos de trabalho, conseguindo-se também uma maior atractividade para o concelho e para a região”.

O presidente da CMA lembrou ainda que “os grandes projectos são polémicos” e que “é muito difícil alcançar a unanimidade”. Contudo, “a discussão pública é muito importante para mobilizar opiniões”, sublinhou, lembrando que “vivemos uma janela de oportunidade relativamente à atractividade de Lisboa e da freguesia de Cacilhas que temos de aproveitar”.

A área de intervenção do Plano desenvolve-se em articulação com o Plano de Pormenor da Quinta do Almaraz (em elaboração), com o Plano de Urbanização de Almada Nascente – Cidade da Água e com o Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana e Funcional de Cacilhas, ambos aprovados e publicados.

Recorde-se que, a propriedade de mais de 90% da área do Cais do Ginjal é da empresa Tejal – Empreendimentos Imobiliários Lda., que integra o Grupo AFA com sede na Madeira

Estratégia

Segundo o Plano de Pormenor, a estratégia de intervenção assenta principalmente na manutenção da 1ª linha de fachada, de forma a preservar o carácter do Cais do Ginjal, com um conjunto mais expressivo de nova construção a localizar-se na chamada 2ª linha de fachada.

Numa cota mais alta, a antiga fábrica de óleo de bacalhau dará lugar à componente turística do Plano. Na mesma cota ficará também o Centro Cívico do Ginjal e um silo automóvel.

No que diz respeito aos diversos usos previstos para a zona, o motor serão as industrias criativas – que permitem a revitalização e reutilização do património industrial construído. Como usos associados, o Plano propõe Habitação, Hotelaria, Comércio/Serviços, Apartamentos turísticos e residenciais e Espaços Públicos.

A ideia passa por concentrar espaços associativos, exposições, mercados de artes, espaços multimédia e espaços multifuncionais, articulando-os com actividades culturais como cinema, teatro e eventos culturais.

Em números trata-se de uma área de intervenção de 80400 metros quadrados, com uma extensão linear de 970 metros. A população prevista é de 693 habitantes e o número de fogos estima-se em 330. O espaço público passará dos actuais 6800 metros quadrados para 21500 metros quadrados e o estacionamento compreenderá uma área de 24387 metros quadrados, dos quais 11300 serão em silo.

O Plano de Pormenor Cais do Ginjal tem entre os grandes desafios o da estabilização sustentável da arriba, mantendo o espaço o mais naturalizado possível e promovendo uma utilização segura da área junta à base e topo da arriba.

Nota ainda para o facto de este território ter sido colocado a concurso pela Câmara de Almada no âmbito da 6ª edição do Concurso EUROPAN, que desafia jovens arquitectos a pensar e reflectir sobre diferentes lugares. Na altura, das 74 cidades e lugares a concurso, a área que compreendia o Cais do Ginjal foi um dos três mais participados, o que, segundo o presidente da autarquia, atesta e valoriza o seu potencial.

 

 

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *