Crítica internacional distingue Carrilho da Graça e André Tavares

Por a 8 de Setembro de 2017

DGArtes

O catálogo da exposição “Carrilho da Graça: Lisboa” e a obra “Uma Anatomia do Livro de Arquitetura”, de André Tavares, foram distinguidos com duas menções honrosas pelo Comité Internacional de Críticos de Arquitetura (CICA).

A edição inglesa da obra de “A Anatomia do Livro de Arquitectura “(The Anatomy of the Architectural Book), editada pelo Centro Canadiano de Arquitectura (CCA), de Montréal, com as publicações Lars Müller, de Zurique, foi ainda recomendada pelo júri do CICA, no âmbito do Prémio Internacional Bruno Zevi do livro de arquitectura.

Recorde-se que, ambos os livros – “Uma Anatomia do Livro de Arquitectura” e “Carrilho da Graça: Lisboa” -, foram publicados em Portugal pela editora Dafne e têm André Tavares, curador da Trienal de Arquitectura de Lisboa 2016 juntamente com Diogo Seixas Lopes (1972-2016, como editor.

“Carrilho da Graça: Lisboa” esteve patente no CCB, entre Setembro de 2015 e Fevereiro de 2016, e entrou em itinerância internacional no ano passado, tendo já passado pela Colômbia, Brasil, Espanha e Uruguai. Actualmente, a exposição pode ser vista no Convento de Cristo de Tomar, até 15 de Setembro.

O vencedor do Prémio Julius Posener foi o catálogo da mostra Demo: Polis – The Right to Public Space, da Academia das Artes de Berlim e da Escola de Arquitectura da Universidade do Texas, coordenado por Barbara Hoidn, com edição da Park Books, de Zurique. E o Prémio Bruno Zevi foi atribuído ao professor britânico Chris Abel, pelo ensaio The Extended Self – Architecture, Memes and Minds, publicado pela Manchester University Press. Foi ainda atribuído o prémio de jornalismo Pierre Vago à edição Perspecta #49, do Jornal de Arquitectura da Universidade de Yale, Estados Unidos, publicado pela MIT Press.

André Tavares partilha as menções honrosas com William Curtis, por Le Corbusier – Ideas and Forms, publicado pela Phaidon; e Charlie Q.L. Xue, autor de Hong Kong Architecture 1945-2015 – From Colonial to Global, da editora Springer, de Singapura.

 

 

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *