Estudo da Worx e Uniplaces revela que “Residências de Estudantes” são mercado com potencial

Por a 30 de Outubro de 2017

“A globalização, o crescimento demográfico e económico e a concorrência entre instituições de ensino superior constituem factores que motivam a tendência de mobilidade internacional dos estudantes”, razão pela qual “o mercado de residências de estudantes tem um comportamento ascendente em território nacional”.
Estas notas constam de um estudo levado a cabo pela consultora Worx em parceria com a Uniplaces, segundo o qual
“a procura é superior à oferta, sendo que ‘o aumento é devido à maior visibilidade de Portugal no mercado turístico aliado com a estratégia nacional de atracção de estudantes internacionais'”. De acordo com aquele documento, “a equação equilibrada custo/qualidade de vida, segurança e as boas condições climáticas de Portugal assumem-se como factores fundamentais que estão na génese da aposta de criação de novos espaços de alojamento”.
O estudo alerta ainda para pontos menos benéficos e que devem ser analisados com atenção, como a escassa oferta imobiliária, a reduzida dimensão do mercado nacional e a competição por parte do arrendamento tradicional, não profissionalizado paralelo.
O departamento de Research & Consulting da Worx refere que “este é um mercado que mesmo ainda não se encontrando consolidado no nosso país, está em plena expansão. O futuro passará por conseguir contornar os obstáculos existentes, para que este segmento de mercado tenha hipótese de crescer de forma sólida, organizada, profissional e consequentemente, proporcionar melhores condições aos estudantes influenciando também a imagem e reputação do nosso país.”
A Uniplaces conclui que “o produto imobiliário para estudantes, em Portugal, conta com uma elevada margem de crescimento. Isto deve-se ao crescimento da população estudantil internacional, em mobilidade, associada a uma escassez da oferta de imobiliário. A disponibilização de mais opções e opções acessíveis em termos de preço deve ser vista como uma prioridade para o nosso país”, como aponta o relatório hoje divulgado.

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *