AICOPPN promove jornadas dedicadas à Reabilitação

Por a 2 de Novembro de 2017

Num momento em que a Habitação e a Reabilitação Urbana são temas que reassumem renovada importância com a aprovação, em Conselho de Ministros, de uma Resolução que estabelece uma “Nova Geração de Políticas de Habitação”, realizam-se esta sexta-feira, na sede da AICCOPN – Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas, as Primeiras Jornadas da Reabilitação Urbana Inteligente e Sustentável, que contarão, na sessão de abertura com a presença da secretária de Estado da Habitação, Ana Pinho e do presidente da associação, Reis Campos.
Esta iniciativa que marca a entrega dos Certificados às primeiras empresas qualificadas com a Marca “R.U.- I.S. – Reabilitação Urbana Inteligente e Sustentável”, visa dar a conhecer os objectivos que estão subjacentes ao Projecto R.U.I.S., com o qual a AICCOPN promove a diferenciação das empresas e a sensibilização do grande público para a necessidade de procurar empresas capazes de dar uma resposta eficiente, com padrões de qualidade e sustentabilidade adequados às novas exigências da reabilitação urbana.
Numa demonstração do “carácter estruturante da Reabilitação Urbana e do seu incontornável papel enquanto vector estratégico para o desenvolvimento do País, aspectos que são consensualmente reconhecidos, irão participar nestas Jornadas o presidente do IMPIC – Instituto dos Mercados Públicos do Imobiliário e da Construção, Fernando Silva, mas, de igual modo, representantes das empresas Certificadas com a marca R.U.I.S, Casais e Ferreira, os quais darão o seu testemunho sobre a importância da adopção de marcas que permitam ao mercado, distinguir todos aqueles que cumprem um referencial de qualidade e de legalidade.
“Esta é uma iniciativa que a AICCOPN lançou e que conta com o apoio do Norte2020 e que reúne as condições para estabelecer um novo padrão de exigência, combatendo a concorrência e, consequentemente, os riscos associados à sinistralidade laboral e a más práticas construtivas, cujos efeitos recaem, mais tarde, sobre os consumidores.

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *