ADENE assina memorando de cooperação com Marrocos

Por a 27 de Dezembro de 2017

A ADENE – Agência para a Energia assinou com a sua congénere marroquina (a AMEE – Agence Marocaine de l’Efficacité Énergétique) um memorando de entendimento (MoU) que visa promover o intercâmbio de conhecimentos sobre políticas, programas e sistemas de eficiência energética e hídrica em diversas áreas, em particular no sector dos edifícios públicos e privados, dos produtos de construção, da indústria e da mobilidade.

O memorando prevê a colaboração da ADENE em programas de formação de formadores e de peritos qualificados, abarcando também a realização de projectos conjuntos de desenvolvimento e demonstração de inovação tecnológica, no contexto da transição energética, explica a ADENE em nota de imprensa.

“ADENE vai colaborar com a sua congénere marroquina AMEE em projectos e transferência de tecnologia em áreas em que Portugal é uma referência mundial, nomeadamente na certificação energética de edifícios” refere Miguel Sales Dias, administrador da ADENE.

No mesmo documento, a ADENE recorda que, na recente cimeira Luso-Marroquina, realizada em Rabat, “foi consolidado o acordo sobre um projecto de construção de um cabo para interconexão eléctrica, com 220 quilómetros, entre os dois países, devendo a construção arrancar no primeiro semestre de 2018”.

No plano técnico, continua a mesma fonte, “este cabo de interligação eléctrica permitirá a Portugal vender energia a Marrocos em alguns momentos de um determinado dia e, eventualmente, comprar em outras alturas desse mesmo dia, já que o transporte de energia far-se-á nos dois sentidos”.

De acordo com os estudos, que se encontram em fase de conclusão, o cabo deverá ligar a zona de Tavira, no Algarve, à cidade marroquina de Tânger.

Segundo a ADENE, para Portugal, este projecto de interconexão configura “mais um avanço relevante na estratégia de desenvolvimento das infra-estruturas de transporte de energia transfronteiriças, fundamentais para garantir a política de promoção das energias renováveis e de segurança de abastecimento do País”.

 

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *