Imobiliário em 2017 com crescimento na ordem dos 50%

Por a 3 de Janeiro de 2018

Em 2017, o investimento em imobiliário comercial em Portugal atingiu um volume de aproximadamente 1 900 milhões de euros, de acordo com dados preliminares apurados pela JLL. Esta actividade está 50% acima dos 1 254 milhões de euros transaccionados em 2016 e projecta o ano de 2017 para um patamar nunca atingido em Portugal. Nos mercados de habitação, escritórios, retalho e hotelaria, 2017 foi igualmente ano de forte crescimento nas transacções e de um aumento evidente de preços e rendas.
O ano é também de recordes para a consultora imobiliária. Assinalando 20 anos de presença em Portugal, a JLL atingiu em 2017 o seu melhor ano de sempre no país, com um volume de negócios 60% acima do ano anterior. O crescimento foi impulsionado pela maior actividade tanto nas áreas transaccionais, com um crescimento agregado de 106%, como nas não-transaccionais, onde negócio da consultora registou um aumento agregado de 28%.
De acordo com Pedro Lancastre, director geral da JLL Portugal, “2017 foi um ano espectacular para o mercado imobiliário em Portugal. Já não estamos a falar de um percurso de recuperação, mas sim de expansão. No investimento e na actividade de ocupação e venda de escritórios, habitação e hotelaria, atingiram-se volumes de negócios e crescimento de valores que superam máximos atingidos no mercado. É um crescimento sustentado e sustentável, porque as fontes de procura são hoje muito mais diversificadas e o posicionamento de Portugal na captação de capital internacional não é conjuntural”.
​“Na nossa actividade, tivemos o melhor ano de sempre desde que estamos em Portugal, quase duplicando o crescimento médio anual dos últimos dois anos. Foi um ano de crescimento a dois dígitos – e até a três em algumas áreas de negócio – além de consolidarmos a nossa quota de mercado. Só na actividade transaccional de investimento, de ocupação de escritórios e venda de habitação premium, atingimos quotas de 30% a 45% do total negociado pelo sector, o que mostra o nosso contributo para o dinamismo do mercado”, acrescenta.
“Este ano excepcional para a empresa e para o mercado imobiliário espelha também o contexto económico favorável e que surpreendeu pela positiva, numa altura em que as agências de notação reviram em alta o rating da dívida portuguesa. A conjugação destes factores impulsionou o crescimento económico, a confiança internacional, o financiamento e o investimento”, diz Pedro Lancastre.​

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *