“Truques” para poupar nas comissões são uma afronta à mediação imobiliária

Por a 23 de Janeiro de 2018

A Associação dos Mediadores do Imobiliário de Portugal (ASMIP) não se revê e rejeita as declarações proferidas aquando da reportagem “Contas Poupança”, emitida pela SIC, na passada quinta-feira, sob o título “Como poupar nas comissões das imobiliárias”.

Para Francisco Bacelar, presidente da ASMIP, é dada a ideia incorrecta de que é muito fácil vender a casa por meios próprios sem recurso às empresas de mediação imobiliária, fazendo crer que há uma poupança significativa nessa opção. Mas nem sempre é assim e explica porquê: “Pelo meio (do processo de venda)podem acontecer riscos inerentes à falta de preparação, que no final podem acarretar prejuízos maiores do que a poupança”

Francisco Bacelar dá como exemplo o caso da obrigatoriedade do Certificado Energético, quando se pretende vender uma casa. “Não foi lembrado que para anunciar é obrigatório ter, de antemão, o Certificado Energético (ponto i, alínea f), nº 1 do artº 14º do Decreto-Lei 118/2013 de 20 de agosto), e que a coima para essa lacuna vai de 250€ a 3.740€ para singulares ou 44.890€ se coletivas.”

Também no que diz respeito aos valores cobrados de comissão pelas mediadoras imobiliárias, o responsável pela ASMIP repudia a afirmação proferida na reportagem “Uma das despesas que encarece as casas é a comissão que tem de pagar às agências imobiliárias”, considerando-a que “cria uma ideia distorcida muito penalizante para a actividade.”

De acordo com Francisco Bacelar, “mesmo com 5% de comissão, os valores médios referidos na reportagem pecam por excesso, para um serviço que pode levar meses, desde a angariação e estudo de mercado, fotografia, colocação em plataformas de anúncios diversos, inúmeros telefonemas, imensas visitas, e por fim acompanhamento de todo o processo burocrático, por vezes do próprio financiamento para que tudo corra bem, num negócio em que apenas somos ressarcidos, se, e quando o finalizarmos, e em que as despesas estiveram sempre a nosso cargo”.

Além disso, Francisco Bacelar recorda que a actividade do mediador imobiliário o obriga a cumprir determinados requisitos, nomeadamente a realização de um seguro de responsabilidade civil de 150 mil euros, formação anual e obrigatória em Prevenção ao Branqueamento de Capitais e investimento em estruturas e outras formações adequadas ao exercício da sua função.

“Mantemos carteiras de investidores que nos ajudam a fechar muitos negócios, mesmo sem os publicitar, com benefício para quem nos procura pela rapidez de venda. Quando tal não é possível investimos, a expensas próprias, em publicidade que nos garanta a realização da venda, e por vezes, quando em regime de não exclusivo, arriscamos a ser ultrapassados por um concorrente, ficando sem nada receber depois de trabalhar e investir”, acrescenta.

4 comentários

  1. João Paulo

    24 de Janeiro de 2018 at 23:33

    Devia ser obrigatório contratar uma Mediadora para qualque transação imobiliária para já havia menos fraude fiscal e por outro se existe actividade Mediação Imobiliária será para venda de imóveis assim como Mediação de Seguros só podem fazer nos Mediadores de Seguros, acho que deviam ponderar esta situação de.

  2. João Paulo

    24 de Janeiro de 2018 at 23:37

    mudem as leis e obriguem a quem quer vender o se imóvel contrate uma Mediadora.

  3. Julio

    4 de Abril de 2018 at 22:16

    Sim. Imobiliária obrigatória. Mas com um comissão razoável. 1 ou 2%+iva já é suficiente. Enganaram-me uma vez. Há segunda já so caio se quiser. 5% é um abuso!!

  4. joao alves

    23 de Setembro de 2018 at 3:51

    o encarecimento das casas se deve em parte aàs imobiliárias 5 a 6 % é uma barbaridade.2% já era bem pago

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *