“Trabalhar com a Enke significa acrescentar valor”

Por a 18 de Maio de 2018


De acordo com Nelson Carvalho, responsável pelo gabinete técnico e comercial da Enke Portugal, a estratégia para a Tektónica “não será muito diferente daquilo que tem sido nos anos anteriores e o stand também será praticamente igual. O objectivo é que os nossos clientes o reconheçam rapidamente e o identifiquem com a qualidade e o compromisso que assumimos em todas as nossas acções do dia-a-dia e que permitem à Enke distinguir-se nas áreas em que actua”. O consumidor está cada vez mais exigente e o mercado cada vez mais competitivo, comenta Nelson Carvalho, acrescentando que, “pelo que para o sucesso de uma marca é fundamental não vender apenas soluções de qualidade, mas também valores como a honestidade, a confiança e o compromisso a longo prazo”.
Durante o certame, o responsável pelo gabinete técnico e comercial da Enke Portugal, pretende, “para além do convívio e da troca de experiências com os nossos clientes e parceiros na maior feira de construção em Portugal, pretendemos também despertar o interesse daqueles que ainda não descobriram a Enke e as soluções de qualidade que fornece na área das impermeabilizações, pavimentos e colas especiais”.
Nelson Carvalho acredita que, “quem visitar o nosso stand não irá sair de lá indiferente. As nossas soluções são bastante versáteis e acontece frequentemente que um arquitecto, engenheiro ou aplicador nos apresenta um problema difícil ou, na sua opinião, quase impossível de resolver e sai do stand com uma solução que não lhe tinha ainda passado pela cabeça”. Contudo, acrescenta, “para nós, muito mais importante do que simplesmente vender uma solução, é transmitir aos visitantes a certeza de que trabalhar com a Enke significa acrescentar valor à sua própria empresa”.
Na feira, os produtos em destaque serão “as telas líquidas, os pavimentos e as colas especiais e haverá uma ou outra pequena novidade que iremos apresentar aos nossos clientes e que como sempre visam acrescentar ainda mais valor aos produtos e sistemas que produzimos para os nossos clientes desde 1924”.

Estado de graça
Sobre o mercado, Nelson Carvalho refere que “a economia nacional vive actualmente um estado de graça que obviamente também tem reflexo no mercado da construção. As empresas do ramo começam a ter dificuldade em dar resposta às solicitações devido à quantidade de obras novas e de reabilitação que estão a surgir em todo o território, com especial incidência no Porto e Lisboa, deparando-se também com maiores dificuldades em arranjar mão-de-obra qualificada para reforçar os quadros e dessa forma aumentar a capacidade de resposta”.
Posto isto, o maior desafio “consiste em manter a qualidade que tem vindo a crescer de forma notória nos últimos anos. A crise que vivemos e que levou a uma manifesta falta de trabalho no mercado nacional, obrigou as empresas a procurar diferenciar-se através de produtos e serviços baseados na qualidade e na inovação. Num mercado com pouco trabalho e muita concorrência era fundamental ser diferente pela positiva para sobressair e marcar a diferença”, refere Nelson Carvalho.
Para o mesmo responsável, “seria importante manter esse registo no futuro, tentando fazer cada vez mais e acima de tudo melhor, de forma a manter a exigência elevada e não cair na tentação de voltar aos ´velhos vícios’. Uma economia pujante e estável a longo prazo assenta na criação de valor acrescentado e isso só será possível com um tecido empresarial que aposte na promoção de qualidade e inovação.

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *