Flores & Prats: Participação na Bienal de Veneza assinala “grande marco na carreira” do gabinete

Por a 4 de Junho de 2018

“Liquid Light”, Bienal de Veneza © Adrià-Goula

O gabinete de arquitectura Flores & Prats Architects, com sede em Barcelona, participa na 16ª Exposição Internacional de Arquitectura da Bienal de Veneza com duas obras, confirmando assim, como referem em nota de imprensa enviada ao CONSTRUIR, “o seu papel no debate internacional” e assinalando um “grande marco na sua carreira”.

Convidados por Yvonne Farrell e Shelley McNamara, curadoras desta edição, em resposta ao tema FREESPACE, a dupla de arquitectos conseguiu transportar até Veneza, “um fragmento do seu trabalho de reabilitação e renovação, muito aplaudido em Barcelona, adaptando-o às condições específicas de luz no Arsenale”, explicam em nota de imprensa.

“Liquid Light” é uma répica da Sala Beckett – o clube de trabalhadores dos anos 1920 convertido num teatro –, à escala 1:1, onde Ricardo Flores e Eva Prats aproveitaram uma janela voltada para Sul na Corderie, para simular a maneira como a luz entra no edifício original.

A dupla Flores & Prats foi também seleccionada pelo Vaticano, que participa na Bienal pela primeira vez e que convidou dez gabinetes para projectarem 10 capelas que, após a Bienal, serão colocadas em diferentes partes do mundo.  As dez capelas juntam-se a uma décima primeira projectada pelo escritório MAP Architects, que reflecte sobre o projecto de Gunnar Asplund para a Capela Woodland, construída em 1920. A proposta do Vaticano é que os visitantes visitem as dez capelas que simbolizam os  Dez Mandamentos,.

O tema dado – “a capela como local de orientação, encontro e saudação”-, foi reinterpretado por Flores & Prats através de uma meditação sobre o uso da luz. Os arquitectos criaram uma capela – a “Capela da Manhã”-, construída na parte Leste da ilha, que capta os primeiros raios do dia através de um buraco circular nas paredes, “estabelecendo um lugar tranquilo, um convite para sentar, sozinho ou em grupo”, explicam.

Esta é a terceira vez que o gabinete participa no evento, tendo feito parte do Pavilhão Catalão em 2014 e do Pavilhão Espanhol em 2016. A 16ª Exposição Internacional de Arquitectura da Bienal de Veneza decorre até 25 de Novembro.
“Public Without Rhetoric” é o projecto selecionado para representar Portugal na 16ª Exposição Internacional de Arquitectura La Biennale di Venezia. Nuno Brandão Costa e Sérgio Mah, os Curadores da representação portuguesa, “propõem um percurso pelo ‘Edifício Público’ de autoria portuguesa, através de 12 obras criadas num momento em que a Europa Ocidental se confronta com os seus limites e possibilidades e a arquitectura acentua o seu inconformismo, reforçando o seu papel na intervenção política e social”, explica a DGArtes.

 

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *