“Estabelecer um diálogo entre os arquitectos e políticos é fundamental para melhorar a política das cidades”

Por a 9 de Julho de 2018

Rodrigo da Costa Lima

Amélia Brandão e Rodrigo da Costa Lima (Brandão Costa Lima Arquitectos), são, à semelhança de 2017, os curadores da 4ª edição do Archi Summit, um convite que, “receberam com enorme prazer”.Em entrevista à TRAÇO falaram sobre a forma como, em parceria com a organização, ajudam a garantir os padrões de exigência e de qualidade exigidos no evento

Quais foram as premissas e os grandes desafios com que tiveram de lidar?
Amélia Brandão e Rodrigo Costa Lima: O principal desafio foi repetir a qualidade do painel de conferencistas do ano anterior – o nosso primeiro ano enquanto curadores do programa de conferências. Naturalmente que a premissa da organização é procurar credibilizar o evento com base nos conferencistas e nos profissionais que consegue agregar fruto da qualidade dos mesmos.

Na vossa opinião, qual a pertinência dos temas em destaque, bem como dos oradores escolhidos?
O principal objectivo das mesas redondas é discutir temas genéricos, que são de todos – no caso o Espaço Público e Habitação – e trazer para a discussão não só os arquitectos mas também representantes dos órgãos de poder e decisão. Esta é uma novidade no Archi Summit que nos parece uma oportunidade para estabelecer um diálogo entre os arquitectos e os políticos, que é fundamental para melhorar a politica das cidades.

Os vários convidados internacionais vão apresentar outros modelos e formas de fazer Arquitectura. Outras formas de construir e pensar a cidade que certamente acrescentarão complexidade nas discussões paralelas ao evento.

Amélia Brandão

Qual o papel do Archi Summit no panorama arquitectónico nacional e que grandes mais-valias tem um evento destes para o sector, o mercado e a criação de massa crítica?

O Archi Summit é singular na forma como coloca os arquitectos em contacto com os vários ramos do exercício da profissão, em particular o da construção. Acreditamos que esta proximidade pode aproximar sensibilidades e facilitar o diálogo.
Porque não podemos perder o Archi Summit 2018?
Porque é uma oportunidade enorme de, apenas em dois dias, ver e ouvir muitos arquitectos de grande prestigio que  excepcionalmente estão presentes em Portugal.

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *