Estudo: Novo tipo de argamassa cria fachadas vivas

Por a 30 de Outubro de 2018

Um grupo de investigadores está a desenvolver um novo tipo de argamassa, bioreceptiva ao crescimento de musgo, que representa uma inovação no sector da construção sustentável. Esta investigação pretende contribuir com uma alternativa, mais económica e ecológica, às fachadas vivas tradicionais. Este foi um dos 15 projectos contemplados com uma Bolsas de Ignição financiada pelo INOV C 2020, um projecto suportado por fundos do FEDER que pretende alavancar ideias de empreendedorismo e inovação a nível nacional.

O aumento da qualidade ambiental das cidades e da eficiência energética dos edifícios, assim como o melhoramento do conforto térmico e acústico das construções onde for implementado este novo sistema de fachada viva, são algumas das vantagens do desenvolvimento deste tipo de argamassa que revela ser receptiva à inoculação e crescimento de musgos.

Este é um projecto que está a ser realizado no Instituto de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico para a Construção, Energia, Ambiente e Sustentabilidade (ITeCons) da Universidade de Coimbra e a partir do qual, em parceria com a empresa Primefix – Colas e Argamassas Técnicas, deverá resultar a formulação de novas argamassas bioreceptivas com potencial de mercado.

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *