Imobiliário de luxo: investimento em Portugal é menor que a média europeia

Por a 10 de Fevereiro de 2019


Brasileiros, espanhóis e franceses, além dos próprios portugueses, são os que mais investem no nosso país em termos de imobiliário de luxo, contudo a disponibilidade desse investimento tem vindo a reduzir e encontra-se já abaixo do valor médio praticado neste tipo de imóveis em Portugal. Ou seja, segundo o portal LuxuryEstate, um imóvel de luxo vale, em média, 2.9 milhões de euros, mas 2.2 milhões de euros é o valor que estes investidores estão dispostos a pagar, cerca de menos 1.3 milhões do que no resto da Europa.

Sem surpresas, o portal aponta, ainda, Lisboa, Cascais/Estoril, Loulé (Quinta do Lago), Lagos (São Sebastião e Santa Maria) e Porto como os locais mais procurados por quem investe em residências de luxo. “No entanto, a disponibilidade financeira de quem investe em território nacional é menor do que os preços dos imóveis, ou seja, estes valem mais do que aquilo que os compradores estão dispostos a pagar”,  de acordo com Silvio Pagliani, fundador da LuxuryEstate.com.

Os dados da LuxuryEstate.com de 2018 também demonstram, ainda, que os portugueses no estrangeiro investem principalmente no Canadá, Austrália, Itália e Brasil.

Silvio Pagliani acredita que o mercado vai continuar dinâmico, contudo será “um crescimento assente num mercado maduro”.  “Durante os próximos anos, antevemos a continuação de uma procura forte por parte de compradores e investidores nacionais e internacionais. O ano de 2019 espera-se que seja um ano de crescimento para Portugal assente num mercado maduro e de referência no sector de luxo. Tudo aponta para isso, sendo que em Janeiro já obtivemos melhores resultados que num dos melhores meses do ano passado.”

O portal LuxuryEstate.com disponibiliza informação de mais de 400 mil imóveis de luxo disponíveis em 120 países. O objectivo principal é “oferecer a forma mais simples e eficiente de procurar imóveis de luxo em todo o mundo, com uma equipa profissional e de confiança formada por profissionais do sector”, refere Silvio Pagliani.

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *