Edifer ganha obra de 80 milhões de euros

Por a 15 de Julho de 2005

Office Park Expo

A adjudicação da obra do Office Park Expo foi ganha pela Edifer Construção, um projecto que resulta num dos maiores, se não o maior, contrato de construção de 2005

A Edifer Construções, acabou de ganhar a adjudicação da empreitada de construção de um empreendimento de escritórios na zona norte do Parque das Nações em Lisboa, no valor de 80 milhões de euros. O Office Park Expo, assim designado o projecto é promovido pela Norfin, Sociedade Gestora de Fundos Imobiliários. Os arquitectos Frederico Valsassina, Nuno Leónidas e Rocha e Saraiva são os arquitectos autores do parque de escritórios, que terá uma área bruta de construção de 206.100 metros quadrados.

As obras têm um prazo de construção de 22 meses estando previsto o término em Setembro de 2007. À Edifer Construções, presidida por Vera Pires Coelho, coube a tarefa de construir a estrutura enterrada e superestrutura, alvenarias, acabamentos e instalações especiais. Os escritórios irão ocupar uma área de construção de 65 mil metros quadrados. O Office Park Expo terá um conjunto de 10 edifícios de escritórios, de altura variável. De acordo com fonte da Edifer Construções «trata-se de um dos maiores, se não o maior, contrato de construção de 2005».

O empreendimento ficará localizado entre a avenida D. João II e a Alameda dos Oceanos perto da Gare do Oriente e do centro Vasco da Gama. A Norfin – Sociedade Gestora de Fundos de Investimento Imobiliários, resulta da associação de quatro entidades institucionais, designadamente: Fundo de Pensões do Banco de Portugal, Fundo de Pensões da Caixa Geral de Depósitos, Instituto de Capitalização da Segurança Social e Fundação Calouste Gulbenkian. A Norfin tem realizado nos últimos tempos diversas aquisições importantes, entre elas a de uma nave logística com cerca de 18.000 metros quadrados de área, na Maia.

A preferência por este tipo de investimento resulta numa tendência internacional crescente entre fundos institucionais, de seguros e pensões devido em grande parte, ao seu risco quase nulo, protegendo dessa forma os capitais investidos e oferecendo um retorno seguro e uma rentabilidade atractiva necessária à prossecução dos seus objectivos sociais. A par disto, a rentabilidade fica assegurada com um investimento em activos não voláteis que se traduz num enriquecimento do património dos fundos. O Office Park Expo será também composto por uma áreade 1.600 metros quadrados para comércio, de 4.500 metros quadrados para serviços e de 135.00 metros quadrados para estacionamento, que se traduzem em 4.000 lugares.

O centro empresarial será alugado em várias modalidades, desde meio piso até um piso completo. O empreendimento será frequentado diariamente por cerca de 5.000 utentes. Serão construídos oito edifícios com máximo de nove pisos e a uma torre com 18 pisos no meio de um jardim. A torre foi concebida com uma dupla pele em vidro e constituirá o edifício mais emblemático do Office Park Expo. A torre destinar-se-á preferencialmente à sede de uma empresa de grande dimensão e ficará localizada numa praça designada VIP, reservada aos utentes e que faz parte de um conjunto de espaços exteriores, com zonas de circulação e estadia integradas num imenso jardim.

De acordo com a memória descritiva do projecto, o Office Park Expo, prevê também soluções na sua funcionalidade e impacto ambiental, compatíveis com as necessidades das empresas a que se destina. No primeiro domínio surge o conceito de modulação e flexibilidade, o qual assenta na capacidade de mudar facilmente a configuração do espaço disponível para albergar por exemplo, gabinetes de diferentes dimensões ou um «open space». Serão igualmente utilizados tectos falsos, divisórias e as fachadas surgirão neste contexto associadas num sistema modular que permite a conversão de módulos de «open space» em gabinetes e vice-versa, sem necessidade de alterações nos pavimentos, tectos e instalações técnicas.

Ao nível ambiental, este empreendimento, apresenta um conceito «inteligente» proporcionada por um design bioclimático, com vista à adaptação do conjunto de edifícios ao espaço onde se inserem, nomeadamente em domínio como a qualidade do ar, radiação solar, insolação, ventilação natural, iluminação natural e ventos dominantes. Foi com essas indicações que a implantação dos escritórios se realizou na perpendicular ao rio, optimizando assim, a exposição solar dos edifícios em termos de ganhos solares no Inverno e protecção excessiva de radiação no período do Verão. Por outro lado, para ser salvaguardado o sistema de vistas na direcção do rio, irão ser construídos edifícios de volumes perpendiculares de forma a evitar a formação de uma barreira visual. Só assim, será assegurada a redução da dependência energética e proporcionar uma adequada qualidade ambiental e de conforto no Office Park Expo.