Edição digital
Assine já
Engenharia

Zero.e aposta na certificação de grandes edifícios

Para a empresa trata-se de um “nicho bastante compensador”

Pedro Luis Vieira
Engenharia

Zero.e aposta na certificação de grandes edifícios

Para a empresa trata-se de um “nicho bastante compensador”

Sobre o autor
Pedro Luis Vieira
Artigos relacionados
Luxury Lifestyle Awards 2021 premeia Hotel Casino Chaves
Arquitectura
City Center Covilhã com abertura no 2º trimestre de 2023
Imobiliário
Mota-Engil inicia construção do Terminal de Cruzeiros do Mindelo
Construção
Gabriel Couto ganha obras de 145M€ no Gana
Construção
Ateliermob: “Estarmos na shortlist do prémio EUMiesaward já é uma distinção muito importante”
Arquitectura
Swanepoel Power 200 elege Gary Keller como pessoa mais influente no Imobiliário
Imobiliário
“Q19 – The most natural view” é o novo projecto residencial da Quinta de Cravel
Imobiliário
Lamego lança “CASA – Juntos construímos a nossa casa!”
Imobiliário
Worten é a primeira empresa a ocupar os escritórios da WTC Lisboa
Imobiliário
Fundos de investimento imobiliário atingiram os 10,9 MM€ em Dezembro
Imobiliário

A Zero.e anunciou que se vai dedicar à certificação energética de grandes edifícios.

De acordo com o comunicado da empresa, "como estratégia de mercado, a Zero.e aposta na certificação energética de grandes edifícios, um nicho que requer uma marca forte e um trabalho comercial personalizado, mas que se revela bastante compensador".

Conforme revela o director da Zero.e, Rodrigo Santos, "sem menosprezar a certificação energética de moradias e apartamentos unifamiliares, a certificação energética de grandes edifícios tais como hotéis, edifício públicos, sedes de empresas, centros comerciais, entre outros, é um objectivo da Zero.e".

Não obstante, Rodrigo Santos acrescenta que "nestes últimos meses têm nascido muitas empresas para a certificação de apartamentos e moradias unifamiliares, mas a certificação de grandes edifícios é um mercado muito restrito".

Publicidade


Recorde-se que a definição de grande edifício é feita com base na sua área e na potência de climatização instalada.

A estes aplica-se o RSECE (Regulamento dos Sistemas Energéticos de Climatização de Edifícios) e não o RCCTE (Regulamento das Características de Comportamento Térmico dos Edifícios).

Sobre o autorPedro Luis Vieira

Pedro Luis Vieira

Mais artigos
Artigos relacionados
Luxury Lifestyle Awards 2021 premeia Hotel Casino Chaves
Arquitectura
City Center Covilhã com abertura no 2º trimestre de 2023
Imobiliário
Mota-Engil inicia construção do Terminal de Cruzeiros do Mindelo
Construção
Gabriel Couto ganha obras de 145M€ no Gana
Construção
Ateliermob: “Estarmos na shortlist do prémio EUMiesaward já é uma distinção muito importante”
Arquitectura
Swanepoel Power 200 elege Gary Keller como pessoa mais influente no Imobiliário
Imobiliário
“Q19 – The most natural view” é o novo projecto residencial da Quinta de Cravel
Imobiliário
Lamego lança “CASA – Juntos construímos a nossa casa!”
Imobiliário
Worten é a primeira empresa a ocupar os escritórios da WTC Lisboa
Imobiliário
Fundos de investimento imobiliário atingiram os 10,9 MM€ em Dezembro
Imobiliário
Arquitectura

Luxury Lifestyle Awards 2021 premeia Hotel Casino Chaves

Prémio distingue o atelier de arquitectos RDML na categoria “Best Luxury Hotel Architecture”, pelo projecto de arquitectura do hotel

O Comité Organizativo dos Luxury Lifestyle Awards 2021 acaba de distinguir o atelier de arquitectos RDML na categoria “Best Luxury Hotel Architecture”, pelo projecto de arquitectura do Hotel Casino Chaves.

A partir de Nova Iorque, nos Estados Unidos da América, estes prémios globais, que vão já na sua 13.ª edição anual, seleccionam e promovem os melhores produtos e serviços de luxo em todo o mundo. O objectivo destes prémios é reconhecer a excelência em toda a gama de sectores da indústria e manter os mais altos padrões da indústria imobiliária em todo o mundo.

O Hotel Casino de Chaves é uma estrutura que não se reduz ao espaço de jogo, mas a outras condições que se complementam, formando um todo, onde o estar e a diversão se misturam. Situa-se numa das entradas da cidade de Chaves, como se de uma porta de entrada se tratasse. Implantado no ponto mais alto do terreno, desenvolve-se em vários níveis, alguns enterrados, abrindo em diferentes sentidos, assumindo-se como muros definidores de espaços e de contenção de terras. O conjunto molda-se ao terreno, fundindo-se com a paisagem, aparecendo e desaparecendo, perfurando-a ou assumindo-se.

Segundo o responsável pela RDML, “o Hotel e o Casino tinham de ser implantados e desenhados tornando-se uma valência entre o uso urbano e o distanciamento do lugar, referencial tanto para quem entra na cidade, como para quem o vê a partir da mesma. Era importante manter o diálogo com a cidade. A ideia fundamental desta obra são as fronteiras físicas criadas pelas linhas geométricas, que se tornam muros que definem espaços distintos, mas que podem ser vividas sequencialmente, onde a surpresa acontece ao transpor um vão. Permitir o sentir de atmosferas distintas, mas sequenciais. A pedra, o zinco e o concreto são o suporte material que solucionam a integração ao meio e ao valor cromático da paisagem.”

Durante todo o ano, o Casino Chaves abre portas à diversão com uma enorme diversidade de jogos e slot machines, a melhor gastronomia e um cartaz cultural do qual fazem parte diversos espectáculos de artistas nacionais e internacionais. A sala de jogos está equipada com mais de 200 slot machines e com 4 jogos de mesa diferentes.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

City Center Covilhã com abertura no 2º trimestre de 2023

O novo projecto comercial da Covilhã, o City Center Covilhã, promovido pela Forumlar, já tem data de inauguração. A abertura do espaço está prevista para o segundo trimestre de 2023

Com uma área total de aproximadamente 18.000m2 e 14 lojas, o novo espaço vai dividir-se em três pisos, dois deles com acesso directo a partir das artérias que circundam o projecto e uma zona de estacionamento com aproximadamente 740 lugares, dos quais 242 se situam à superfície.

O City Center Covilhã está situado no principal eixo rodoviário da Covilhã, com acessos privilegiados para a A23 e baixa da cidade. Nas imediações, podem ser encontradas uma diversidade de valências que englobam sectores como a saúde, turismo e lazer, nomeadamente o Centro Hospitalar Universitário Cova da Beira, o Complexo Desportivo da Covilhã, hotéis, estruturas de lazer, entre outros locais de destaque.

“Este tipo de projectos, que em algumas situações podem ser vistos como uma extensão do comércio de rua, com uma valência adicional de estacionamento para conforto dos clientes, revelou ser uma tipologia de activos resiliente aos efeitos negativos da pandemia. Esta particularidade deveu-se por um lado às características físicas, por se tratar de espaços ao ar livre, de grandes dimensões e acesso directo às lojas desde o exterior, o que transmite uma sensação de segurança aos consumidores e, por outro, pela oferta que tradicionalmente apresentam, onde figuram alguns dos sectores de actividade que foram menos afectados pela quebra no consumo”, explica Carlos Récio, director de Retail Advisory & Transaction Services da CBRE, consultora que tem a seu cargo a comercialização do espaço.

“Este novo espaço comercial trará dinamismo e investimento a uma cidade com uma importante tradição empresarial e industrial, que é hoje um centro urbano que soube criar capacidade e competências para a formação de jovens altamente qualificados. Perante factores como uma oferta comercial diferenciadora, qualidade, imagem e design, o City Center Covilhã irá servir os habitantes locais, mas igualmente os de zonas circundantes como os do Fundão, Belmonte, Manteigas e Seia”, acrescenta Carlos Récio.

O projecto é promovido pela Forumlar, e tem a assinatura do atelier Frontcity.
Com este investimento, os administradores da Forumlar, Artur Costa Pais e Paulo Ramos, consolidam o seu investimento na região da Serra da Estrela. Com um portefólio de investimentos de dezenas de milhões de euros, em consórcio com outros parceiros nas áreas do Turismo, Distribuição e Saúde a empresa está atenta à evolução e dinâmica do mercado e tem em preparação, para os próximos anos, investimentos de dezenas de milhões de euros em diversas áreas de negócio na região.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Mota-Engil inicia construção do Terminal de Cruzeiros do Mindelo

Arrancou em Cabo Verde a construção do Terminal de Cruzeiros do Mindelo, uma obra orçada em cerca de 27 milhões de euros, a cargo da construtora portuguesa e da cabo-verdiana Empreitel Figueiredo

É considerado um dos maiores investimentos públicos de Cabo Verde e tem um prazo de construção estimado em 22 meses. Os trabalhos vão envolver a conquista de um terrapleno, denominado “Ponte Terrestre”, com 2.700 metros quadrados, a dragagem de aproximadamente 124 mil metros cúbicos na bacia portuária e no canal de acesso, e a reabilitação do cais número 9, que passará a servir navios de recreio de pequeno porte.

A obra, que é co-financiada pelo Fundo Orio, dos Países Baixos, e pelo Fundo OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) para o Desenvolvimento Internacional, prevê ainda a construção de um molhe de atracação de 400 metros de comprimento com uma profundidade de 11 metros a norte e nove metros a sul, e uma gare de passageiros com 900 metros quadrados de área e respectivo ordenamento exterior, com a inclusão de um parque de estacionamento.

Recentemente, o presidente do conselho de administração da Enapor – Portos de Cabo Verde, Alcídio Lopes, perspectivou que, com este projecto, São Vicente terá um Terminal de Cruzeiros “inovador, moderno e com características técnicas bastante avançadas”. Em 2019 48.500 turistas em viagens de cruzeiro visitaram Cabo Verde, o que representou um aumento de 3 % ao ano de 2018. Com a pandemia a indústria de cruzeiros está praticamente parada mas o Governo local mantém a expectativa do seu crescimento e do impacto que a mesma irá gerar naquela que é a principal actividade económica do país, o Turismo.

Publicidade


Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Gabriel Couto ganha obras de 145M€ no Gana

A construtora Gabriel Couto ganhou o concurso internacional lançado pelo Governo do Gana para a construção de duas estradas, no valor global de 145 M€. As novas empreitadas marcam o regresso da construtora portuguesa a África ocidental

É o regresso da construtora portuguesa à África Ocidental. Depois do Senegal a Gabriel Couto vai iniciar duas empreitadas no Gana no valor global de 145 milhões de euros.

O primeiro contrato foi adjudicado pelo valor de 95 milhões de euros e diz respeito à construção de uma estrada que ligará Tarkwa à cidade de Nkwanta, passando pelo município de Agona, numa extensão de 66 quilómetros. A empreitada tem a duração de 1095 dias, cerca de três anos. A obra é considera vital para o desenvolvimento destas três cidades, bem como para a dinamização económica do país, já que esta é uma zona central da exploração de minérios que são a base das exportações do Gana. A cidade de Tarkwa dá o nome a uma grande mina de ouro a céu aberto, uma das maiores do sul de Gana, onde são produzidas aproximadamente 24 toneladas de ouro por ano e ainda a mina de ouro Iduapriem localizada a 10 quilómetros do sul da cidade.

O segundo concurso adjudicado à construtora pelo Ministério das Infraestruturas Rodoviárias ganês, refere-se à reconstrução da ligação rodoviária entre Bechem e Akumadan, numa extensão de 40 quilómetros. Avaliada em 50 milhões de euros, a obra deverá estar concluída em 730 dias. Localizada na zona central do Gana, a região é predominantemente agrícola, sendo a ligação rodoviária o meio para escoar os produtos para as zonas mais carenciadas do país.

Publicidade


A Gabriel Couto está na Zâmbia e Moçambique, países da África Oriental, tendo concluído nos últimos anos várias empreitadas em Essuatíni, ex-Suazilândia, na África Austral. “O cumprimento rigoroso de todos as alíneas dos contratos assinados e a qualidade evidenciada das obras é também uma imagem da nossa marca que vamos espalhando pelo continente africano”, sublinha Tiago Couto, director da construtora e responsável pelos projectos internacionais e de infra-estruturas.

Em Portugal a construtora terminou o ano de 2021 com a conclusão da extensão do taxiway do Aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto. A ampliação do aeroporto que serve a região norte do país custou 30 milhões de euros e incluía a expansão de 1300 metros da via de circulação que liga a pista e a placa de estacionamento dos aviões. A obra possibilita, assim, uma maior sequência de descolagens e aterragens, acompanhadas com uma saída rápida da pista, contribuindo para o aumento da capacidade do aeroporto.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Arquitectura

Ateliermob: “Estarmos na shortlist do prémio EUMiesaward já é uma distinção muito importante”

Tiago Mota Saraiva revela que o que está a ser feito, desde 2017, no Palácio Marquês de Abrantes “é um processo de reabilitação urbana participada, e a partir de um edifício público que estava, praticamente, desabitado e à espera de ser alienado”

O Palácio Marquês, em Abrantes, que está a ser alvo de trabalhos de recuperação desenhados pelo ateliermob e pela cooperativa Trabalhar com os 99%, está na lista das 40 obras seleccionadas pela Comissão Europeia e pela a Fundació Mies van der Rohe candidatas ao Prémio de Arquitectura Contemporânea da União Europeia – Prémio Mies van der Rohe 2022.

A escolha, revelada esta terça-feira pelos promotores do galardão, contempla igualmente o projecto das Portas do Mar, em Lisboa, concebido pelos arquitectos Carrilho da Graça e Victor Beiramar Diniz.

Ao CONSTRUIR, o sócio fundador do ateliermob revela que a presença na shortlist do Prémio Mies van der Rohe 2022 já é, por si mesma, “uma distinção muito importante”. Tiago Mota Saraiva revela que o que está a ser feito, desde 2017, no Palácio Marquês de Abrantes “é um processo de reabilitação urbana participada, e a partir de um edifício público que estava, praticamente, desabitado e à espera de ser alienado”. No entender do arquitecto, “a intervenção realizada no seu interior, com espaços de exposição, discussão/participação e de trabalho do gabinete local, procura ensaiar outras formas de trabalho e concepção da arquitectura”, assegurando acreditar que “é essa tentativa de esticar os limites da disciplina da arquitectura que está a ser distinguida, que estamos num momento em que se começa a valorizar outras formas de fazer arquitectura e cidade”.

Os cinco finalistas serão anunciados a 16 de Fevereiro de 2022. Os vencedores do Prémio de Arquitetura e Emergente serão anunciados em meados de abril em Bruxelas. O EU Mies Award Day, que contará com a Cerimónia de entrega dos Prémios, terá lugar a maio de 2022 noPavilhão Mies van der Rohe em Barcelona.

Sobre o autorRicardo Batista

Ricardo Batista

Director Editorial
Mais artigos
Imobiliário

Swanepoel Power 200 elege Gary Keller como pessoa mais influente no Imobiliário

Gary Keller, cofundador da Keller Williams e Chairman da holding KWx , volta a alcançar o 1º lugar na lista do Swanepoel Power 200, o ranking dos 200 líderes mais influentes e poderosos do mercado imobiliário residencial

Gary Keller, cofundador da Keller Williams e Chairman da holding KWx , volta a alcançar o 1º lugar na lista do Swanepoel Power 200, o ranking dos 200 líderes mais influentes e poderosos do mercado imobiliário residencial.

Gary Keller é considerado o líder mais dinâmico e carismático da sua geração, tendo sido considerado uma das cinco pessoas mais poderosas no sector imobiliário residencial desde que este ranking Swanepoel Power 200 foi lançado em 2014. De acordo com Stefan Swanepoel, CEO da T3 Sixty, empresa responsável pelo ranking, esta nomeação surge num dos tempos mais dinâmicos e emocionantes para ser um líder no sector imobiliário.

“Internamente, este reconhecimento valida aquela que é a visão do Gary Keller e da KW para o sector – manter o consultor no centro da transacção capacitando-o com a melhor tecnologia e formação do mercado – e que estamos também a implementar em Portugal. A grande proximidade do Gary às operações, permite-nos garantir um alinhamento com os modelos, sistemas, ferramentas e melhores práticas do mercado americano quase em tempo real”, realça Marco Tairum, regional director da Keller Williams Portugal.

O ranking é elaborado anualmente pela empresa de consultoria T3 Sixty e os nomeados são escolhidos pelo presidente e CEO da mesma, Stefan Swanepoel. Esta nomeação pretende premiar quem exibe na sua conduta profissional uma forte influência no que toca às suas relações dentro da área, na forma como se movimenta no negócio e no seu percurso, referente ao ano anterior, e na visão que tem do futuro.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

“Q19 – The most natural view” é o novo projecto residencial da Quinta de Cravel

O novo edifício Q19 – The most natural view da Quinta de Cravel, em Vila Nova de Gaia, acaba de chegar ao mercado. Promovido e construído pela Teixeira Duarte, este projecto é composto por 50 apartamentos

Promovido e construído pela Teixeira Duarte, este projecto é composto por 50 espaçosos apartamentos, com áreas entre os 74 e os 263 m², e oferece um leque diversificado de tipologias, entre o T1 e o T4, ajustadas às diferentes necessidades das famílias que o procuram.

“O novo edifício Q19 – The most natural view vem consolidar o desenvolvimento residencial da Quinta de Cravel, destacando-se, desde logo, pelas vistas sobre o Cravel Park e sobre a cidade, bem como pela fachada em plena integração com a natureza, com um traço arquitectónico suave e uma escolha criteriosa de materiais de inspiração natural”, sublinha a JLL, que tem a seu cargo a comercialização do novo edifício. As amplas varandas e terraços exclusivos dos apartamentos são outro trunfo do Q19 – The most natural view, que oferece ainda áreas interiores muito generosas. A completar os argumentos deste novo produto residencial da Quinta de Cravel estão as valências exclusivas propostas para os seus habitantes, nomeadamente uma piscina panorâmica, um outdoor lounge e um espaço fitness com a vantagem adicional de ter também vistas sobre a cidade.

“O Q19 – The most natural view, na Quinta de Cravel, é um produto residencial único, pois é desenvolvido em meio urbano, mas perfeitamente integrado na Natureza. Este equilíbrio está presente na arquitectura do edifício, nas valências de lazer e nos próprios apartamentos, que foram desenhados com amplos espaços exteriores para tirar o máximo partido da envolvente natural. Além disso, é uma excelente oportunidade para desfrutar das esplêndidas vistas sobre o Cravel Park e da cidade. Tudo isto junto a uma das principais avenidas de Gaia, uma cidade muito bem servida em termos de comércio, serviços e equipamentos”, sublinha Patrícia Barão, Head of Residential da JLL.

“Um verdadeiro oásis urbano”, a Quinta de Cravel alia uma localização de excelência a dois passos do centro da cidade Gaia e do Porto, num ambiente protegido e plenamente integrado na natureza, beneficiando de acesso direto e exclusivo ao Cravel Park, uma reserva natural de mais de 6 hectares com trilhos e miradouros. A Quinta de Cravel situa-se junto à Avenida da República, uma das principais artérias de Vila Nova de Gaia, proporcionando aos seus moradores todo o conforto urbano de uma localização central.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

Lamego lança “CASA – Juntos construímos a nossa casa!”

O projecto integrado no programa nacional “Bairros Saudáveis” vai actuar junto da comunidade do Bairro Social da Quinta de Santo António e prevê intervenções a nível social, ambiental e urbanístico

O município de Lamego lançou o projecto “CASA – Juntos construímos a nossa Casa!”, uma iniciativa aprovada no âmbito do programa “Bairros Saudáveis”. Com o financiamento de 50.000 euros, o projecto prevê a intervenção a nível social, ambiental e urbanístico junto da comunidade do Bairro Social da Quinta de Santo António, para promover a qualidade de vida dos residentes e incentivar a integração social.

O “CASA (Comunidade, Afectos, Sonhos, Ambições) – Juntos construímos a nossa Casa!” é um projecto da Santa Casa da Misericórdia de Lamego e da Obra Kolping de Portugal, em parceria com a Câmara Municipal de Lamego, a Junta de Freguesia de Lamego (Almacave e Sé) e a Cruz Vermelha Portuguesa – delegação de Lamego, que pretende capacitar e envolver as comunidades locais para a sua efectiva integração social.

A cerimónia de apresentação do projecto contou com a presença, que explicou «O projeto aprovado no âmbito do programa “Bairros Saudáveis” para Lamego é uma excelente oportunidade para resolver carências previamente identificadas no Bairro Social da Quinta de Santo António e melhorar a qualidade de vida da comunidade residente. Tem a vantagem de ser liderado por uma equipa que reúne diferentes entidades, que vai permitir uma abordagem integrada e cooperação de diferentes valências para tentar solucionar, já nos próximos meses, pequenos problemas de acordo com os eixos definidos”, sublinhou Catarina Ribeiro, vice-presidente da CML que presidiu ao lançamento.

Os três eixos de intervenção, nomeadamente a nível social, ambiental e urbanístico, têm como o objectivo fomentar as relações entre os residentes do Bairro Social da Quinta de Santo António e a comunidade local, incentivar a integração social e reabilitar espaços comuns do edificado. A intervenção centra-se na resolução das necessidades identificadas localmente, através da promoção de acções de apoio ao estudo e ao desenvolvimento de competências pessoais, sociais e profissionais; da valorização da identidade cultural das comunidades locais, enquanto veículo de inclusão e coesão social; da qualificação e reabilitação de espaços comuns e do edificado e também da promoção de acções de educação ambiental.

O “CASA – Juntos construímos a nossa Casa!” foi um dos 246 projectos aprovados em 774 candidaturas recebidas pelo programa “Bairros Saudáveis”, tendo como financiamento o montante máximo de 50.000 euros. Este programa destina-se às populações residentes em bairros e outros territórios, sendo que estes têm de cumprir determinados requisitos, designadamente: condições de habitabilidade deficientes; baixos rendimentos; jovens em idade escolar a não frequentar a escola ou com elevada percentagem de insucesso; pessoas em situação de exclusão social ou abandono; pessoas de risco em caso de COVID-19 e com constrangimentos de acesso a cuidados de saúde.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

Worten é a primeira empresa a ocupar os escritórios da WTC Lisboa

JLL assessorou a Worten e a Worx representou o FVC Group numa das maiores operações de escritórios de 2021

CONSTRUIR

A cinco meses da data prevista para a conclusão do edifício que nasce no Oeiras Valley – o World Trade Center Lisboa (WTC) – a Worten é a primeira empresa a confirmar a mudança para este espaço, onde irá ocupar uma área de cerca de 6000 m2 para instalar a sua nova sede.

Paulo Simões, CFO da Worten, acrescenta que “os modelos de trabalho das organizações estão a mudar de forma bastante acelerada e significativa, dando lugar a modelos mais flexíveis e direcionados para um maior equilíbrio entre as vertentes profissional e pessoal, numa aposta clara no wellbeing dos colaboradores e na sustentabilidade. Cientes de que o local e o modelo de trabalho são, cada vez mais, variáveis importantes de atração e retenção de talento dentro das empresas, queremos, com a mudança para estes novos escritórios, proporcionar toda uma employee experience inspiradora, que permita manter as pessoas motivadas, a trabalhar em equipa, com entusiasmo e utilizando as mais avançadas tecnologias, num ambiente agradável, colaborativo, saudável e sustentável.”

A equipa de Leasing Markets Advisory da JLL foi uma das peças chave na concretização deste negócio, tendo acompanhado a Worten em todo o processo de selecção e negociação das suas novas instalações. A consultora actuou no âmbito de um mandato de Tenant Representation, enquanto a Worx actuou em representação do proprietário do imóvel o FVC Group.

“Este projecto é o culminar de um longo caminho da Worten na procura dos escritórios ideais, onde o principal objectivo foi a criação de uma nova sede moderna e funcional, focada na retenção e atracção de novos talentos. Esta é uma das maiores transacções de escritórios do ano, confirmando a reactivação do mercado e apresentando-se como uma referência nas tendências que vão marcar o futuro da ocupação. O facto de este edifício vir a ter as certificações Leed Gold e Well Gold foi um factor especialmente valorizado pela Worten nesta decisão”, afirmou Mariana Rosa, head of Leasing Markets Advisory da JLL.

“O WTC Lisboa reúne todas as características para se tornar num empreendimento ícone do nosso mercado. A sua imagem institucional e condições de trabalho de última geração vieram claramente elevar o standard de qualidade dos edifícios de escritórios em Lisboa, conseguindo assim captar as mais importantes marcas, tais como a Worten”, refere, também, Bernardo Zammit e Vasconcelos, head of Agency da Worx Real Estate Consultants.

Este edifício veio responder à procura crescente por espaços empresariais ajustados aos novos formatos de trabalho que têm vindo a emergir. O conceito Hi Tomorrow, que define o WTC, vem reforçar a visão inovadora e orientada para a tecnologia, para o ambiente e para o futuro das pessoas e das suas ideias. Isso é o que melhor caracteriza este projeto de referência.

A comercialização deste empreendimento está a cargo das consultoras Cushman & Wakefield e Worx.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

Fundos de investimento imobiliário atingiram os 10,9 MM€ em Dezembro

Os indicadores mensais dos fundos de investimento imobiliário, referente ao último mês de 2021 revelam que cerca de 47% do investimento imobiliário foi canalizado para o sector de serviços

CONSTRUIR

Segundo as estatísticas divulgadas pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) em Dezembro de 2021, o valor sob gestão dos fundos de investimento imobiliário (FII), dos fundos especiais de investimento imobiliário (FEII) e dos fundos de gestão de património imobiliário (FUNGEPI) atingiu 10.923,5 milhões de euros, mais 109,7 milhões (1,01%) do que em Novembro.

O montante investido nos fundos de investimento imobiliário aumentou 0,7% para 8.198,1 milhões de euros. Nos FEII, o valor cresceu 0,40% para 2.323,1 milhões de euros e nos FUNGEPI cresceu 13,1% para 402,3 milhões de euros, refere a CMVM.

No período em análise, os países da União Europeia foram o destino da totalidade do investimento feito em activos imobiliários, tendo 47,7% da carteira dos FII e FEII abertos sido aplicados em imóveis do sector dos serviços. Também os investimentos realizados pelos FUNGEPI se destinaram, sobretudo, ao sector dos serviços (46,1%).
A Square AM (11,6%), a Interfundos (11,2%), e a Caixa Gestão de Activos (8,5%) detinham as quotas de mercado mais elevadas.

Em Dezembro foram constituídas a sociedade de investimento imobiliário “Reward Properties I – SICAFI, S.A.” gerida pela Insula Capital, a “Touchwise, SICAFI, S.A”, gerida pela LYNX Asset Managers e a “Castro Red Capital, SICAFI, S.A.”, gerida pela Silvip.

Foram liquidados o fundo especial de investimento imobiliário “Porto d’Ouro – Fundo Especial de Investimento Imobiliário Fechado”, gerido pela Caixa Gestão de Activos e os fundos de investimento imobiliário “Montepio Arrendamento – Fundo de Investimento Imobiliário de Arrendamento Habitacional” e “Montepio Arrendamento II – Fundo de Investimento Imobiliário de Arrendamento Habitacional” geridos pela Montepio Valor.

Neste mês foi ainda declarada a insolvência do fundo de investimento imobiliário “Invesfundo II – Fundo de Investimento Imobiliário Fechado”, gerido pela Gesfimo.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos

Toda a informação sobre o sector da construção, à distância de um clique.

Assine agora a newsletter e receba diariamente as principais notícias da Construção em Portugal. É gratuito e não demora mais do que 15 segundos.

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.