Roca tem nova gama de torneiras electrónicas

Por a 12 de Março de 2014

A Roca tem uma nova gama de torneiras eletrónicas que, “garantem, para além da qualidade habitual, elevados níveis de sustentabilidade”. As novas L90-E, L20-E, Moai-E, M3-E e Loft-E, pretendem revolucionar o mercado tando a nível de fiabilidade como de robustez, sublinha a empresa.

Design contemporâneo, robustez e economia de água são algumas das sua características, às quais se juntam as funcionalidades exigidas para os espaços públicos. “Estes novos produtos destacam-se pela sua fiabilidade, tornando-as a escolha ideal para espaços públicos de grande utilização”, refere a mesma fonte

No seguimento daquela que tem vindo a ser a política da Roca, as novas torneiras eletrónicas mantém o compromisso com o meio ambiente, garantindo um uso eficiente e racional dos recursos hídricos.


Em comunicado de imprensa, a Roca explica que as torneiras eletrónicas para lavatório podem ser fornecidas para funcionamento com alimentação eléctrica (ligação à rede 230V) ou  a pilhas . Os benefícios obtidos pela utilização desta gama de produtos, são a limpeza fácil (devido à superficie cromada brilhante), a durabilidade (devido ao design robusto e materiais utilizados).

A empresa destaca também que todas as torneiras eletrónicas Roca dispõem de um sistema anti-vandalismo, e de um sistema de fecho automático após 60 segundos sem serem utilizadas, o que permite consideráveis índices de poupança, tanto de água como de energia. Um infra-vermelho detector de presença abre e fecha a torneira de forma instantânea fornecendo apenas a água necessária em cada utilização sem que haja desperdício de uma só gota. Todos os modelos eletrónicos estão limitados a 5,6 l/min, garantindo uma poupança máxima de água sem retirar conforto para o utilizador, garante a mesma fonte.

A Roca sublinha ainda que, todas as suas series de torneiras eletrónicas de lavatórios incluem um sistema de redução de consumo eléctrico que entra em funcionamento meia hora depois de estar sem uso (modo ECO).


Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *