Edição digital
Assine já
Construir TV

Construir TV debate “Edifícios com necessidades quase nulas de energia”

A Construir TV promove um debate e torno das implicações da nova legislação para edifícios públicos e edifícios novos em matéria de energia. João Ferreira Gomes, presidente da ANFAJE e Fernando Brito, presidente da APIRAC discutem os desafios, as potencialidades e problemas da nova legislação a propósito dos Edifício com necessidades quase nulas de energia

admin
Construir TV

Construir TV debate “Edifícios com necessidades quase nulas de energia”

A Construir TV promove um debate e torno das implicações da nova legislação para edifícios públicos e edifícios novos em matéria de energia. João Ferreira Gomes, presidente da ANFAJE e Fernando Brito, presidente da APIRAC discutem os desafios, as potencialidades e problemas da nova legislação a propósito dos Edifício com necessidades quase nulas de energia

admin
Sobre o autor
admin
Artigos relacionados
Schneider Electric implementa sistema de gestão de edifícios em hotel de 5 estrelas no Dubai
Empresas
Branded residences crescem e atraem operadores
Imobiliário
TPF Consultores lidera consórcio para Porto de Buba
Engenharia
Tétris conclui obra da nova sede da Cuatrecasas em Portugal
Construção
Universidade Portucalense debate soluções para o futuro do urbanismo
Arquitectura
Estudo: Mais de 40% dos lares revela intenção de renovar as casas de banho
Empresas
Cushman & Wakefield vende edifício 5 de Outubro 204 para projecto de reabilitação
Imobiliário
Grupo Legendre obtém um financiamento de 150M€
Construção
Zome lança app para consultores imobiliários
Imobiliário
Verdelago Resort antecipa segunda fase [c/galeria de imagens]
Empresas

A Construir TV promove um debate e torno das implicações da nova legislação para edifícios públicos e edifícios novos em matéria de energia. João Ferreira Gomes, presidente da ANFAJE e Fernando Brito, presidente da APIRAC discutem os desafios, as potencialidades e problemas da nova legislação a propósito dos Edifício com necessidades quase nulas de energia

Sobre o autoradmin

admin

Mais artigos
Artigos relacionados
Schneider Electric implementa sistema de gestão de edifícios em hotel de 5 estrelas no Dubai
Empresas
Branded residences crescem e atraem operadores
Imobiliário
TPF Consultores lidera consórcio para Porto de Buba
Engenharia
Tétris conclui obra da nova sede da Cuatrecasas em Portugal
Construção
Universidade Portucalense debate soluções para o futuro do urbanismo
Arquitectura
Estudo: Mais de 40% dos lares revela intenção de renovar as casas de banho
Empresas
Cushman & Wakefield vende edifício 5 de Outubro 204 para projecto de reabilitação
Imobiliário
Grupo Legendre obtém um financiamento de 150M€
Construção
Zome lança app para consultores imobiliários
Imobiliário
Verdelago Resort antecipa segunda fase [c/galeria de imagens]
Empresas
Empresas

Schneider Electric implementa sistema de gestão de edifícios em hotel de 5 estrelas no Dubai

O sistema irá ajudar o Hyatt Centric Jumeirah Dubai a “economizar energia, reduzir as emissões de CO2, diminuir os custos de manutenção e assegurar conforto e segurança aos hóspedes”

A Schneider Electric foi escolhida para implementar um sistema completo de gestão de edifícios no hotel Hyatt Centric Jumeirah Dubai, anunciou a empresa. Através do sistema EcoStruxure Building Operation 3.0, será possível combinar a gestão de edifícios e gestão de quartos de hóspedes e controlar e monitorizar os subsistemas essenciais do edifício. Desta forma, “será possível reduzir o consumo total de energia do edifício, diminuir as suas emissões de carbono e minimizar os custos de manutenção operacional”.

O EcoStruxure Building Operation facilita a troca segura de dados, tanto da Schneider Electric como de sistemas de energia, iluminação, AVAC, segurança contra incêndios, gestão de escritórios e segurança de terceiros, ao mesmo tempo que tira partido da digitalização e do Big Data. O software e o harware capacitados por IP da Schneider Electric englobam todo o ecossistema dos edifícios, com uma fácil integração de dispositivos, outros sistemas de edifícios e serviços Cloud, garantindo a taxa de transferência de dados e o desempenho necessários, tanto para pequenos edifícios como para empresas grandes e complexas com várias instalações.

Localizado no Distrito 1 de Jumeirah, na área de La Mer Waterfront Beach, este hotel de cinco estrelas contará com sete andares acima do solo e dois outros no subsolo, totalizando 173 quartos e uma área bruta de 22.176 m². O hotel é gerido pela Hyatt Hotels Corporation.

Além do software EcoStruxure Building Operation 3.0, cada quarto será equipado com o controlador RP-C, atuadores de válvulas e um termostato TC907. Este hardware estará conectado ao EcoStruxure Building Operation 3.0 para oferecer uma visão completa sobre a configuração eléctrica e a utilização de energia de cada divisão.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

Branded residences crescem e atraem operadores

Os Estados Unidos da América lideram o mercado global desta categoria residencial, mas outros países começam a dar sinais de desenvolvimento. Portugal segue a tendência

As branded residences, ou residências de marca, em tradução livre para língua portuguesa, são um fenómeno em ascensão que se tem vindo a consolidar ao longo dos últimos anos. Entre 2011 e 2021, o número de projectos de branded residences subiu de 69 para 133 e o segmento registou um crescimento de 230%. A conclusão é apresentada pela análise Spotlight on Branded Residences, divulgada em Novembro pela consultora imobiliária internacional Savills.

Actualmente, contam-se 580 branded residences activas em todo o mundo, com mais de 100 mil unidades em operação. Até 2026, estima-se que estejam em funcionamento mais de 900 destas soluções residenciais de luxo.

A maior parte da oferta de branded residences está concentrada nos Estados Unidos da América, onde surgiu este conceito. Nesse país, contam-se perto de 200 branded residences, um número que ultrapassa o total combinado dos 7 mercados seguintes com maiores ofertas. Contudo, nos últimos anos tem sido possível observar a emergência de novos mercados, designadamente na Ásia e no Médio Oriente. A Tailândia, com 42, e os Emirados Árabes Unidos, com 39, são o segundo e o terceiro mercados de branded residences mais desenvolvidos, respectivamente.

Ao nível das cidades, Dubai, Miami e Nova Iorque estão no topo da lista como tendo as maiores ofertas de branded residences de todo o mundo. Estes centros urbanos altamente desenvolvidos estabeleceram mercados imobiliários de luxo e são capazes de atrair investidores domésticos e internacionais.

Portugal segue a tendência

“O mercado das branded residences, em Portugal, também tem vindo a crescer durante os últimos anos.”, afirma Kelcie Sellers, analista da Savills. O país conta actualmente com oito esquemas, totalizando 881 unidades, maioritariamente situados em resorts e zonas prime das grandes cidades. Em pipeline estão ainda nove projectos, com um total estimado de 900 unidades habitacionais. “Para a maioria dos operadores e compradores, amenities relacionadas com o bem-estar serão um elemento essencial no desenvolvimento de empreendimentos futuros, especialmente à luz da pandemia de COVID-19”, refere.

E a tendência é a de, à semelhança do que acontece no mercado internacional, este segmente venha a crescer. #A crescente procura por propriedades maiores, espaços exteriores privados e conexão de banda-larga de alta velocidade para permitir o teletrabalho serão tendências que durarão para além da pandemia”, sublinha Kelcie Sellers.
“A Savills tem uma vasta experiência no sector de branded residences, adquirida através do seu envolvimento em projectos internacionais. Temos prestado consultoria na maioria dos projectos de BR em Portugal”, afirma.

Grandes nomes da hotelaria ainda dominam mercado internacional, mas não estão sozinhos

Nos últimos 10 anos, o segmento das branded residences diversificou-se significativamente, deixando de ser dominado exclusivamente por marcas associadas ao mercado de hotelaria para passar a ser composto por um leque mais amplo de marcas.

O crescimento deste segmento imobiliário é prova do reconhecimento da rentabilidade e robustez do modelo económico que sustenta os empreendimentos de branded residences.

O grupo Marriott mantém uma liderança firme neste sector, posição que detém desde 2002. Actualmente, o grupo francês Accor encontra-se em quinto lugar em termos de números de propriedades completas, uma posição acima da que detinha em 2020, e poderá chegar ao segundo lugar, mesmo abaixo do Marriott, com a conclusão dos projectos que tem em desenvolvimento.

Relativamente a marcas, a Ritz-Carlton, a Four Seasons e a Yoo Inspired by Starck têm ocupado os três primeiros lugares da tabela, tendo já em consideração os produtos em fase de projecto ou em desenvolvimento.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Engenharia

TPF Consultores lidera consórcio para Porto de Buba

O porto de Buba será a maior obra de engenharia civil na Guiné-Bissau, terá 18 metros de profundidade e permitirá o escoamento de bauxite de Boé, no leste do país e a atracagem, em simultâneo, de três navios de até 70 mil toneladas

Foi assinado o contrato relativo aos estudos e projectos para a construção do Porto Comercial e Mineiro de Buba e sua Concessão, na Guiné Bissau. O estudo a cargo do consórcio luso-brasileiro, liderado pela portuguesa TPF Consultores, visa os aspectos técnicos, económicos, financeiros e ambientais do Porto de Buba, e insere-se no quadro do desenvolvimento do país.

O evento realizou-se em Bissau, e contou com a presença de Umaro Sissoco Embaló, Presidente da Républica da Guiné-Bissau, personalidades do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD), entidade financiadora, e membros da equipa do consórcio luso-brasileiro.

A instabilidade política que o país viveu tem atrasado o arranque do projecto, o qual contou, em 2019, com a financiamento de 1,77 milhões de euros, do BAD. O estudo de viabilidade económica do projecto deverá durar 10 meses.

Publicidade


Se for construído, o porto de Buba será a maior obra de engenharia civil na Guiné-Bissau, terá 18 metros de profundidade e permitirá o escoamento de bauxite de Boé, no leste do país, e ainda a atracagem, em simultâneo, de três navios de até 70 mil toneladas.

Actualmente, o porto de atracagem de navios comerciais da Guiné-Bissau é o porto comercial de Bissau, com capacidade para receber navios de até 10 toneladas.

Umaro Sissoco Embaló acredita que a construção do novo porto irá potenciar um novo desenho da geografia económica do país com a criação de caminhos-de-ferro, estradas e um novo polo de desenvolvimento.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Tétris conclui obra da nova sede da Cuatrecasas em Portugal

Situado na Avenida Fontes Pereira de Melo, em Lisboa, as novas instalações “integram as mais modernas tendências a nível de espaços de trabalho”. O projecto de interiores é da GCA Architecs

Situado em plena Avenida Fontes Pereira de Melo, em Lisboa, as novas instalações da sociedade de advogados Cuatrecasas integram as mais modernas tendências a nível de espaços de trabalho, tendo sido totalmente executadas pela Tétris em oito meses, incluindo, o período do segundo confinamento. O projecto de arquitectura de interiores é da autoria da GCA Architecs.

“Foi uma obra muito desafiante, desde logo pela sua dimensão e pela localização, mas também porque foi integralmente desenvolvida durante a pandemia e, designadamente, durante o seu pior período, que coincidiu com o novo confinamento geral. Isso exige um esforço de superação das equipas, além de uma gestão ainda mais rigorosa da obra. Adicionalmente, é um exemplo do que são os escritórios do futuro, com uma interacção muito forte entre espaços colaborativos e espaços de trabalho mais individuais, o que traz muitas nuances em termos do processo construtivo”, comenta Carlos Cardoso, managing director da Tétris Portugal.

No total, o escritório da Cuatrecasas estende-se por 10 mil m2, ocupando a quase totalidade do edifício com o nº 6 daquela avenida, acolhendo mais de 200 profissionais e dando à empresa capacidade de crescimento para o dobro. A forte presença de espaços colaborativos e de socialização é um dos factores distintivos das novas instalações, cujo conceito é também de abertura ao exterior, com aposta em terraços, auditórios e espaço polivalente capacitado para receber eventos externos. Outras características marcantes são a tecnologia incorporada, a eficiência e a sustentabilidade, com um ambiente paperless, um conceito clean desk e muita luz natural.

Publicidade


A Tétris realizou todas as obras de execução de layouts, incluindo os trabalhos de revestimento e acabamentos de interiores e instalações especiais. A empresa de construção e arquitetura da JLL foi, ainda, responsável por criar todas as valências que compõem este escritório, entre as quais se incluem um auditório, ginásio, cafetaria, cozinha e biblioteca, zonas de reunião e todos os pisos com espaços de trabalho.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Arquitectura

Universidade Portucalense debate soluções para o futuro do urbanismo

Primeira edição do “Urban Design & Healthy Cities” debate sobre a cidade do Porto e decorre nos dias 3 e 4 de Dezembro

CONSTRUIR

Nos dias 3 e 4 de Dezembro, a Universidade Portucalense (UPT) debate os desafios e as oportunidades para um futuro saudável das nossas cidades, onde considera necessária a melhoria dos projectos urbanos, como pontos de partida para a qualidade dos espaços em que vivemos, naquela que é a primeira edição do “Porto Meeting on Urban Design & Healthy Cities”.

A inovação, a sustentabilidade e a saúde são alguns dos temas que se revestem de grande actualidade nesta iniciativa, conciliando práticas de investigação e trabalhos profissionais de diversas escalas, no âmbito do planeamento e da gestão urbanística, em quatro sessões moderadas por professores do novo Departamento de Arquitectura e Multimédia Gallaecia da UPT.

Este encontro promove diferentes aspectos e perspectivas para uma urbanidade saudável, reunindo em debate algumas das autoridades nacionais e internacionais mais importantes nesta matéria.

As primeiras duas sessões, na sexta-feira, dia 3, decorrem online e contam com várias comunicações de âmbito internacional, onde se discute também a relevância cultural do património urbano.

No sábado, dia 4, em modo presencial, as intervenções têm um carácter mais local, com exemplos sobre o Porto, no qual procura compreender a evolução da cidade e se debatem diferentes experiências que respondem à presente necessidade de saber como podemos projectar cidades mais saudáveis.

A iniciativa conta como oradores convidados os arquitectos Anna Mazzolini, Matthieu Bergeret, Eric van der Kooij, José Baganha, José Pedro Tenreiro, Daniel Fortuna do Couto, Liliana Cunha, Ivo Barros, os engenheiros Micael Sousa e Paula Teles, e, ainda, os professores, J.M. Fernández Güell e Sofia Aleixo.

O encontro tem o apoio institucional da Associação de Arquitectura, Planeamento e Políticas Urbanas, do colégio português da International Network for Traditional Building, Architecture and Urbanism e da empresa Mobilidade.PT.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Estudo: Mais de 40% dos lares revela intenção de renovar as casas de banho

Estudo encomendado pela Geberit e realizado pelo instituto demoscópico Forsa, revela que 60% dos inquiridos gostariam de ter uma casa de banho “mais agradável e acolhedora”

CONSTRUIR

Desde 2020, a casa de banho transformou-se no centro das atenções de muitas casas. “A casa de banho hoje”, o inquérito da Forsa, realizado pelo Instituto demoscópico Forsa sobre uma amostra de 1.018 pessoas na Alemanha, entre Maio e Junho de 2021.encomendado pela Geberit, especialista em louça sanitária e tecnologia para a casa de banho, mostra a crescente importância que os consumidores dão à casa de banho nas suas casas.

Praticamente todos os inquiridos (98%) vêm a casa de banho como um lugar de higiene pessoal. Para quase metade (48%) é também um lugar de bem-estar, e cerca de um terço gosta de se refugiar na casa de banho para gozar de um pouco de tranquilidade. O estudo confirma a tendência para uma casa de banho acolhedora que proporciona um maior conforto para a higiene pessoal.

Na verdade, o estudo revela que 60% dos inquiridos desejam ter uma casa de banho mais agradável e acolhedora e que 43% dos lares gostaria de renovar a sua casa de banho e, inclusivamente, estariam dispostos a investir dinheiro nisso mesmo que a sua casa de banho ainda não necessite de uma renovação. Uma casa de banho mais espaçosa, com sanita suspensa e autoclismo de interior, com móveis que tenham grande capacidade de arrumação, e o duche ao nível do chão seriam as prioridades para 65% das pessoas inquiridas.

Para a maioria dos inquiridos, as cores harmoniosas, os móveis de casa de banho elegantes e os têxteis contribuem para criar um ambiente acolhedor na casa de banho. O estudo mostra, também, que as soluções com produtos inovadores têm uma procura cada vez maior, com quase metade (49%) dos inquiridos investiria numa divisão mais fácil de limpar.

“Este estudo confirma a crescente procura de casas de banho mais espaçosas, inovadoras e fáceis de limpar por parte do consumidor. Na Geberit, estamos totalmente preparados para dar resposta a esta procura com a nossa longa experiência em soluções embutidas, sanitas suspensas Rimfree, móveis de grande qualidade que têm muito espaço no seu interior e outras propostas inovadoras, como a nossa vasta gama de sanitas com sistema integrado de lavagem ou as engenhosas soluções para instalar duches ao nível do chão”,  afirma Alfredo Cabezas, director de Marketing e Comunicação da Geberit Iberia.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

Cushman & Wakefield vende edifício 5 de Outubro 204 para projecto de reabilitação

O imóvel foi adquirido por um promotor nacional que pretende desenvolver projectos residenciais em Lisboa, em particular nas Avenidas Novas

CONSTRUIR

A Cushman & Wakefield anunciou a conclusão da venda de um edifício na Avenida 5 de Outubro 204, em plenas Avenidas Novas. O edifício, que totaliza aproximadamente 2.350m² de área bruta de construção acima do solo em 12 pisos e que conta ainda com dois pisos em cave com 18 lugares de estacionamento, encontra-se parcialmente ocupado com escritórios e comércio.

A consultora actuou em representação do vendedor, tendo o imóvel sido adquirido por um promotor nacional ainda pouco activo em Lisboa, mas com muita vontade em desenvolver projectos residenciais, especialmente nas Avenidas Novas.

O edifício, que será alvo de obras de reabilitação, está localizado numa das zonas mais procuradas e valorizadas da cidade e a apenas 20 metros da estação de Entrecampos e do grande projecto de Entrecampos e a poucos metros da Avenida da República e do Campo Pequeno.

Para Ana Gomes, partner e directora de Development & Living da Cushman & Wakefield, é “um orgulho” ter contribuído para a realização de mais um negócio em Lisboa e para a transformação das Avenidas Novas. “Concluído nos anos 80, este é um edifício extremamente flexível e versátil numa das melhores avenidas da cidade e numa zona que está a transformar-se no novo centro da Lisboa moderna e dinâmica, onde todos vão querer trabalhar e viver”, acrescenta.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Grupo Legendre obtém um financiamento de 150M€

O refinanciamento irá permitir ao Grupo prosseguir com a sua estratégia de desenvolvimento e de estruturação das actividades em França e nos mercados onde está presente e onde se inclui Portugal

CONSTRUIR

O grupo francês Legendre concluiu, com sucesso, a criação de um novo empréstimo sindicado de 115 milhões de euros, bem como um empréstimo participativo de recuperação de 35 milhões de euros, destinados a refinanciar uma parte da sua dívida e a financiar os seus projectos de desenvolvimento em França e no estrangeiro. O grupo foi acompanhado e aconselhado nesta operação pela Hottinguer Corporate Finance.

“Estes diferentes financiamentos, que totalizam 150 milhões de euros, permitem aumentar significativamente os recursos do grupo para apoiar o seu desenvolvimento futuro, nomeadamente no sector imobiliário. Também oferecem mais flexibilidade para o seu funcionamento no dia a dia, tendo em consideração as especificidades associadas à diversidade das suas actividades, designadamente na construção (construção nova, reabilitação, construção civil, etc.), no sector Imobiliário (promoção imobiliária, exploração, hotelaria e gestão de activos) e energia (produção de energias renováveis e manutenção)”, refere comunicado do grupo.

“O resultado deste refinanciamento irá permitir-nos prosseguir a nossa estratégia de desenvolvimento e de estruturação das nossas actividades. O grupo regista um crescimento contínuo e esta operação irá permitir-nos acelerar a concretização das nossas novas ambições, reforçando, em simultâneo, a nossa liquidez”, comenta Grégoire Charmetant, director Administrativo e Financeiro do Grupo.

Publicidade


O empréstimo sindicado de 115 milhões de euros, 50 % maior do que o implementado em 2019, traduz-se numa expansão do consórcio bancário. Uma prestação específica de 8 anos foi subscrita na íntegra por um investidor privado: La Banque Postale Asset Management. Quanto ao empréstimo participativo de recuperação (35 milhões de euros), este foi criado pelos três coordenadores do empréstimo sindicado: Arkéa, Crédit Agricole Mutuel de Ille-et-Vilaine e LCL, com o apoio do BNPP AM e do Eiffel Investment Group.

A empresa familiar de Rennes, conta com mais de 2200 colaboradores e 770 milhões de euros de volume de negócios em 2021. Actualmente, o grupo centra a sua actividade em França e noutros países europeus, entre eles Portugal. O primeiro projecto no território nacional está localizado a norte: o Antas Build, simultaneamente em regime de co-promoção e co-construção. O edifício de sete andares de uso misto, localizado nas Antas, no Porto, compreende 93 unidades habitacionais, t1 e t3, espaços comerciais no rés-do-chão bem como 2 níveis de cave. Já este ano o grupo anunciou o lançamento do projecto residencial Parque Atlântico, em co-desenvolvimento com o atelier de arquitectura Arqsize e localizado no concelho de Cascais.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

Zome lança app para consultores imobiliários

a ZAP – Zome Actions Platform, é uma aplicação disponível para smartphones e tablets, através da qual os consultores vão poder consultar e registar informação em tempo real, a partir de qualquer lugar

CONSTRUIR

A Zome, mediadora imobiliária 100% nacional, lançou a versão mobile da sua plataforma tecnológica ZAP – Zome Actions Platform, uma aplicação disponível para smartphones e tablets, através da qual os consultores vão poder consultar e registar informação em tempo real, a partir de qualquer lugar. O objectivo é tornar os processos mais ágeis, poupando tempo nas tarefas diárias do consultor, melhorando a sua performance e a sua motivação.

Na ZAP, os consultores podem agendar visitas em tempo real; inserir uma proposta e submeter documentos ainda na casa do cliente; tirar fotografias e guardá-las directamente na sua base de dados; inserir informações utilizando apenas comandos de voz, ditando o que pretendem registar e consultar todas as informações sobre a sua base de dados e os seus imóveis. A possibilidade de registo de informação na aplicação permitirá, por exemplo, reduzir o tempo da proposta de compra e o seu registo oficial, aumentando assim a probabilidade de se concretizar uma compra ou venda de um imóvel.

“O ponto de partida foi ouvir a nossa equipa de consultores e perceber as suas maiores necessidades quando trabalham fora do escritório. No departamento tecnológico, em particular, apercebemo-nos que seria fundamental disponibilizar um conjunto de meios que os consultores pudessem utilizar quando estão no terreno, fora do escritório, e que tornasse as suas tarefas mais ágeis, com a mesma segurança e eficiência. Assim nasceu a versão mobile da ZAP”, detalha Carlos Santos, Chief Technology Officer da Zome.

Antes de ser lançada, a ZAP foi testada durante várias semanas por consultores, que comprovaram as mais-valias da app, nomeadamente a comodidade e rentabilidade que a mesma poderá proporcionar.

“Comodidade e rentabilidade são as palavras-chave. Toda a utilização da ZAP é muito intuitiva, e permite que um consultor, no seu dia-a-dia, poupe tempo para se dedicar aos detalhes que considera serem mais importantes numa angariação de um imóvel, ou numa visita. Por vezes, perdem-se potenciais negócios no tempo entre a saída do imóvel e a chegada ao escritório. Com esta aplicação, o processo torna-se mais rápido e mais ágil, e os consultores podem aceder aos meios necessários para as suas tarefas do dia-a-dia, a partir de qualquer lugar. Acima de tudo, terão mais ferramentas e a sua motivação será maior, e estarão mais felizes. Isso para nós é fundamental”, acrescenta Patrícia Santos, CEO da Zome.

Em 2020, a Zome mediou um volume de negócios de 594 milhões de euros em cerca de 4.500 transacções, que originaram uma facturação de 18,3 milhões de euros. Colaboram com a Zome cerca de 1.200 pessoas, repartidas actualmente por 21 Hubs Imobiliários, localizados em Portugal e Espanha.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Verdelago Resort antecipa segunda fase [c/galeria de imagens]

Apenas quatro meses depois do lançamento comercial do empreendimento, 80% das primeiras 102 unidades residenciais turísticas estão vendidas ou reservadas, obrigando a acelerar o projecto localizado no sotavente algarvio

CONSTRUIR

Localizado entre Altura e a Praia Verde, no Concelho de Castro Marim, o Verde Lago Resort assume-se como um resort de natureza e de luxo, inserido numa área de 85 hectares, onde o índice de construção é de apenas 8.7%. “A sua localização extraordinária, a forte aposta na sustentabilidade, o facto de privilegiarmos a natureza ao estarmos inseridos numa propriedade com mais de 85 hectares de enorme biodiversidade e com um índice de construção de apenas 8,7% e as características únicas de arquitectura sustentável fazem deste projecto um caso único no mercado”, refere Paulo Monteiro, director-geral do Verdelago Resort.

Acresce o facto de estar a 500 metros da praia e ter uma frente de mar de mais de um quilómetro de extensão. Factores que ajudam a explicar que apenas quatro meses depois do lançamento comercial do empreendimento, 80% das primeiras 102 unidades residenciais turísticas estão vendidas ou reservadas (1ª e 2ª fases). “A primeira fase de construção foi iniciada no final de 2020 e é constituída por um conjunto de unidades de alojamento exclusivo, onde se incluem 57 unidades residenciais turísticas que estarão concluídas para entrega já em 2022, dividindo-se em 24 apartamentos (T1, T2 e T3), 26 townhouses (V2 e V3) e 7 villas (V4 +1). 45 novas unidades, que estarão prontas antes do Verão de 2023, viram o seu início de comercialização antecipado face à enorme procura registada na 1ª fase do resort. Este novo lançamento procurou dar resposta à lista de espera de dezenas de interessados para a realização de visitas e novas reservas que tiveram acesso privilegiado aos 29 apartamentos (T1, T2 e T3) e 16 Townhouses(V3), que compõem a 2ª fase de comercialização”, refere o empreendimento em comunicado. Os preços situam-se, neste momento, a partir dos 500 mil euros para os apartamentos, 820 mil euros para as townhouses e 1,750 milhões de euros para as villas, que voltarão a estar disponíveis numa fase posterior do projecto.
O investimento, estimado na ordem dos 270 milhões de euros, é o maior alguma vez realizado nesta zona do Algarve. No total, o Verdelago Resort terá 340 unidades residenciais turísticas e um hotel de cinco estrelas com 197 quartos.

As tipologias mais exclusivas, com maiores áreas interiores e exteriores e também mais caras são aquelas que registam maior procura nesta fase, como é o caso dos apartamentos T3 (esgotados) com preços a partir de 920 mil de euros e das townhouses V3, (mais de metade vendidas ou reservadas) com preços a partir de 820 mil euros. E os portugueses são os principais compradores. “Os portugueses rapidamente se deram conta deste produto e rapidamente perceberam que era uma oportunidade também rara, não só para investimento, como solução para uma segunda casa junto ao mar”, refere o responsável. Para além dos portugueses outras nacionalidades, como holandeses, franceses e ingleses se têm interessado e adquiriram as suas fracções na 2ª fase de vendas do Verdelago. “Notamos que os clientes, nacionais ou estrangeiros, procuram a envolvência da natureza, áreas generosas, espaços facilmente adaptáveis a uma eventual necessidade de teletrabalho e à possibilidade de passarem longas temporadas afastados das grandes cidades, num novo paradigma de turismo residencial acentuado pelo contexto pandémico”, sublinha Paulo Monteiro. “As pessoas que nos procuram valorizam também a rentabilidade que este projecto oferece, uma vez que asseguramos taxas garantidas de até 5% ao ano, permitindo que os clientes usufruam do activo durante algumas semanas ou meses, arredando-o o resto do ano.”

O Verdelago é o primeiro Resort Turístico no país a aderir à Certificação Green Globe desde a fase da construção, uma das mais exigentes certificações internacionais de turismo sustentável e membro afiliado da Organização das Nações Unidas para o Turismo (OMT).

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos

Toda a informação sobre o sector da construção, à distância de um clique.

Assine agora a newsletter e receba diariamente as principais notícias da Construção em Portugal. É gratuito e não demora mais do que 15 segundos.

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.