Edição digital
Assine já
Empresas

Empresa portuguesa vai fazer manutenção das piscinas olímpicas no Rio de Janeiro

A empresa está encarregue da manutenção, no Rio de Janeiro, de 7 piscina – das quais 6 são Olímpicas (50x25m) -, com destaque para a principal, a Arena Olímpica

CONSTRUIR
Empresas

Empresa portuguesa vai fazer manutenção das piscinas olímpicas no Rio de Janeiro

A empresa está encarregue da manutenção, no Rio de Janeiro, de 7 piscina – das quais 6 são Olímpicas (50x25m) -, com destaque para a principal, a Arena Olímpica

CONSTRUIR
Sobre o autor
CONSTRUIR
Artigos relacionados
A Cimenteira do Louro lança Slimcrete
Empresas
Remax Collection promove conferência sobre o futuro do mercado imobiliário
Imobiliário
Imperial Brands muda-se para o Edifício Ramazzoti
Imobiliário
Grupo ao qual pertence a STET adquire nova empresa em Espanha
Empresas
Diera inaugura nova unidade de produção em Rio Maior
Empresas
ERA reforça presença no país com abertura de três novas lojas
Imobiliário
Um momento de viragem para a Construção Metálica e Mista
Construção
CMM leva Portugal Steel à EXPOFERR 2023 em Espanha
Empresas
Cushman & Wakefield vende sede da Bayer em Carnaxide
Imobiliário
Carlos Mota dos Santos é o novo presidente da Mota-Engil
Empresas

A empresa está encarregue da manutenção, no Rio de Janeiro, de 7 piscina – das quais 6 são Olímpicas (50x25m) -, com destaque para a principal, a Arena Olímpica. De acordo com a Cimai, também a piscina de aquecimento, e as de treino das seleções de Natação Sincronizada, Polo Aquático e Natação Pura, são monitorizadas pela empresa portuguesa.

Desta forma, a Cimais junta-se à comitiva de 180 portugueses (dos quais 92 são atletas de 16 modalidades diferentes), com “uma equipa de técnicos altamente especializados, para trabalharem exclusivamente na Maior Competição Desportiva do Mundo. No total, a Cimai vai tratar, diariamente, 20 milhões de litros de água”, explica ao CONSTRUIR.

A Cimai é uma empresa com quase 30 anos de experiência, estando presente, além de Portugal, em Espanha, Angola, Moçambique e Cabo Verde. Actualmente, detém duas Unidades de Negócio distintas, a Unidade de Negócios Químicos e a Unidade de Negócios Engenharia.

Na Unidade de Químicos, dedica-se à investigação, fabricação e comercialização de produtos químicos para o tratamento de águas e para a indústria em geral (Química Profissional). Na Unidade de Engenharia presta serviços técnicos especializados de manutenção integrada na área do tratamento de águas, venda e instalação de equipamentos, principalmente em piscinas públicas e sistemas de águas industriais.

 

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Artigos relacionados
A Cimenteira do Louro lança Slimcrete
Empresas
Remax Collection promove conferência sobre o futuro do mercado imobiliário
Imobiliário
Imperial Brands muda-se para o Edifício Ramazzoti
Imobiliário
Grupo ao qual pertence a STET adquire nova empresa em Espanha
Empresas
Diera inaugura nova unidade de produção em Rio Maior
Empresas
ERA reforça presença no país com abertura de três novas lojas
Imobiliário
Um momento de viragem para a Construção Metálica e Mista
Construção
CMM leva Portugal Steel à EXPOFERR 2023 em Espanha
Empresas
Cushman & Wakefield vende sede da Bayer em Carnaxide
Imobiliário
Carlos Mota dos Santos é o novo presidente da Mota-Engil
Empresas
Empresas

A Cimenteira do Louro lança Slimcrete

O novo produto é o resultado de quatro anos de investigação e desenvolvimento. O Slimcrete é um betão leve e flexível, com o qual a A Cimenteira do Louro pretende revolucionar o mercado dos revestimentos

O Slimcrete é um revestimento em betão ultrafino criado pela A Cimenteiro do Louro, ACL. Tem apenas três milímetros de espessura e destina-se a revestir paredes e tectos. Ao contrário da rigidez do betão tradicional, o Slimcrete é “flexível, leve e amigo do ambiente”, inúmera a empresa portuguesa. A sua principal característica é a flexibilidade que lhe permite moldar a qualquer superfície, sem necessidade de recurso a acabamentos finos. “Pode revestir superfícies curvas, côncavas e convexas”, sublinha Dinis da Silva, CEO da ACL, empresa fundada em Vila Nova de Famalicão, em 1975, que celebra este mês de Janeiro 48 anos de existência. A expectativa da empresa é que até 2027 este seja responsável por cerca de 5M€ em vendas.

“Em comparação com outros produtos de betão, o revestimento Slimcrete permitirá a uma construtora economizar cerca de 60%, em matérias-primas, transporte e mão de obra”, estima Dinis da Silva, acrescentando que, “não sendo utilizado o betão tradicional, não é necessária argamassa, nem tempo de secagem, nem são utilizados equipamentos pesados, tradicionalmente usados na construção”, acrescenta o responsável.

Acresce o facto das paredes e tectos revestidos com o Slimcrete também dispensam a pintura, dado que o revestimento de betão ultrafino está disponível em 10 cores.

Segundo o CEO da ACL, este é “um produto amigo do ambiente”, sendo “fabricado com as mais recentes tecnologias produtivas e recorrendo à utilização de refinadas matérias-primas, com reduzidas emissões de CO2”. “Estamos perante um revestimento natural de betão, com zero por cento de contaminantes biológicos, zero por cento de compostos orgânicos voláteis, zero por cento de plastificantes, zero por cento de ftalatos e zero por cento de formaldeídos. Assim, contribui para a protecção da saúde humana e do meio ambiente”, inúmera Dinis da Silva.

Cada metro quadrado pesa apenas quatro quilos, facto que faz do Slimcrete um produto em betão fácil de transportar, o que poderá ter reflexos positivos no aumento das exportações da empresa. “Pela primeira vez na história da construção, temos um produto em betão que pode ser exportado para qualquer parte do mundo com facilidade”, sublinha Dinis da Silva. Um dado tanto mais importante para uma empresa que tem 40% das suas vendas nos mercados externos. Em 2022 o volume de negócios da empresa foi de 23,3 milhões de euros, o que representou um crescimento de 6% face ao exercício anterior.

Apresentado ao mercado no último trimestre do ano, o novo produto esteve na Cersaie, em Bolonha, na Batimat, em Paris, na Downtown Design, no Dubai, e na DecorHotel, na Exponor, em Matosinhos. “Pelas reações que recolhemos de arquitectos, decoradores e construtoras, acreditamos que o Slimcrete será um sucesso”, afirma Dinis da Silva, revelando que a ACL “já está a trabalhar para novos projectos imobiliários, onde o Slimcrete será o elemento-chave”.

O novo revestimento de betão flexível pode ser aplicado em paredes e tectos de qualquer projecto de construção, seja em habitação, indústria, comércio, escritórios ou todo o tipo de edifícios públicos.
O próximo desafio da empresa de Vila Nova de Famalicão será desenvolver o Slimcrete para a sua aplicação também em pavimentos e fachadas ventiladas.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

Remax Collection promove conferência sobre o futuro do mercado imobiliário

“Investir em Portugal: O Futuro Mora Aqui”, é a segunda conferência de um ciclo de debates sobre o sector, que tem por objectivo analisar o futuro do mercado imobiliário de luxo em Portugal

A Remax Collection, especializada nos empreendimentos de luxo, organiza, no dia 15 de Fevereiro, a II Conferência “Investir em Portugal: O Futuro Mora Aqui”, o segundo de um ciclo de debates sobre o sector, que tem por objectivo analisar o futuro do mercado imobiliário em Portugal. O evento em formato presencial, no Hotel Holiday Inn, em Gaia, contará com alguns dos principais responsáveis do sector para explicar as dinâmicas deste importante e actual tema.

O que esperar em 2023 do mercado imobiliário nacional, os principais desafios futuros que o sector enfrenta, as razões da atractividade do País no que respeita ao investimento internacional em imobiliário de luxo, entre outros, são alguns do temas que serão tratados no evento.

Na mesa-redonda participarão Beatriz Rubio, ceo da Remax Collection, José Cardoso Botelho, ceo Vanguard Properties, Paulo Caiado, presidente da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP) e Ricardo Guimarães, director do Confidencial Imobiliário.

Segundo Beatriz Rubio, “Portugal está, mais do que nunca, no radar de muitos investidores além-fronteiras, que veem no nosso país excelentes oportunidades, quer de construção nova, quer de reabilitação, quer de reconversão”. Neste sentido, “o mercado imobiliário de luxo tem dado provas de grande dinamismo, que se explica por uma maior resistência a dificuldades de origem económica e financeira, como as derivadas das subidas da inflação e das taxas de juro, assim como do contexto actual de alguma incerteza”.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos

DCIM100MEDIADJI_0010.JPG

Imobiliário

Imperial Brands muda-se para o Edifício Ramazzoti

A operação foi assessorada pela CBRE, tendo actuado em nome do proprietário do espaço, a Marathon MCAP Global Finance, gestora de fundos com sede em Londres

A empresa especialista nos segmentos de charutos, cigarrilhas, cigarros electrónicos e tabaco de enrolar, Imperial Brands está a agora no Edifício Ramazzotti, em Carnaxide. A operação foi assessorada pela CBRE, tendo actuado em nome do proprietário do espaço, a Marathon MCAP Global Finance, gestora de fundos com sede em Londres.

O novo escritório da Imperial Brands, com uma área de 580 metros quadrados (m2), encontra-se no segundo piso do Edifício Ramazzotti. Com um total de 14 mil m2, este edifício integra escritórios, retalho e armazéns, além de estar localizado perto do centro de Lisboa e das principais vias de distribuição rodoviárias, como a autoestrada A5.

“O novo escritório é estratégico para o negócio da Imperial Brands. Além de um espaço à medida e com excelentes acessos, principalmente ao centro de Lisboa, é a solução ideal para fixar os colaboradores da Imperial Brands e desenvolver novos modelos de trabalho e de relação com stakeholders”, destaca André Almada, senior director Offices Advisory & Transaction da CBRE Portugal.

“Os modelos de trabalho instituídos pelas empresa, bem como os locais de trabalho são factores decisivos para as novas gerações. O nosso propósito com o novo escritório é encontrar um espaço que promova o networking, as boas práticas de sustentabilidade, mas que seja, também, orientado para proporcionar “employee experience” a todos os colaboradores, de forma a que se sintam mais motivados num espaço mais colaborativo com várias zonas de trabalho e de lazer, focados sempre no bem-estar das nossas pessoas”, destaca Miguel Simões, market manager de Portugal & Andorra da Imperial Brands.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Grupo ao qual pertence a STET adquire nova empresa em Espanha

Aquisição da empresa do sector da locação por parte do Grupo Tesya vai ao encontro dos objectivos traçados no plano industrial para 2025

CONSTRUIR

A Tesya, grupo internacional do qual faz parte a empresa portuguesa STET, especialista no fornecimento de serviços sofisticados e soluções integradas B2B altamente customizadas para construção, geração de energia eléctrica e mecânica, gestão de obras, armazéns e logística, inicia 2023 com uma nova aquisição na Europa, a Emerent em Espanha.

A aquisição da empresa especializada no aluguer de máquinas de construção, obras de construção civil e industriais, equipamentos completos e soluções de montagem na organização de eventos sociais, de lazer e culturais, com sede nas Astúrias, em Espanha, representa um importante investimento para o Grupo, assim como a consolidação do seu plano estratégico.

Com um volume de negócios de 1.600 milhões de euros e mais de 3.400 colaboradores em 15 países, a aquisição da empresa do sector da locação, vai ao encontro dos objectivos traçados pelo Grupo no plano industrial para 2025.

“No processo de desenvolvimento e consolidação do nosso plano estratégico, pretendemos fortalecer significativamente a nossa presença no aluguer de curto prazo em Espanha, de forma semelhante ao que fizemos na Itália com a CGTE. Como Grupo, ambicionamos uma maior cobertura geográfica no setor e uma forte interação com o objetivo de aumentar significativamente a oferta em Itália e alargar a nossa presença na Península Ibérica em todos os segmentos onde o valor acrescentado das nossas soluções é recompensado . Esta aquisição marca a conclusão de um longo processo de procura de uma empresa onde alicerçar a ambição de nos tornarmos uma empresa de referência no sector do aluguer de curta duração também na Península Ibérica”, declara Lino Tedeschi, presidente e ceo do Grupo Tesya.

Em particular, no setor do aluguer, o Grupo consolida décadas de experiência em vários segmentos de mercado, oferecendo soluções diversificadas: desde as máquinas de movimentação de terras CGT, até aos carros e equipamentos do sector da intralogística com CLS, passando pelos veículos industriais da CGT Trucks até aos multiespecialistas de aluguer da CGTE.

A CGTE oferece aos seus clientes soluções integrais de aluguer em diferentes aplicações: edificação e construção, infraestruturas (estradas, pontes e túneis), manutenção e cuidado de zonas verdes e reestruturação. Além disso, em 2016 inaugurou uma unidade vocacionada para eventos e espetáculos, Indústria e Serviços, especializada na conceção, gestão e aluguer de grandes sistemas e instalações.

Em Espanha, o Grupo Tesya está actualmente presente com a Finanzauto Rental, que oferece soluções chave-na-mão para as necessidades de produção de electricidade a médio e curto prazo. Uma empresa que alia as competências e mais de 20 anos de experiência da Energyst à força comercial e rede de assistência da Finanzauto em Espanha e da STET em Portugal, que conta com um total de 25 delegações.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Diera inaugura nova unidade de produção em Rio Maior

Com um investimento superior a 2,5 M€, a nova unidade vai permitir um aumento da produção de argamassas de cerca de 50 mil toneladas/ano, com capacidade para expansão a 100 mil toneladas anuais

CONSTRUIR

A fábrica de revestimentos, colas e tintas, Diera, adquirida pelo Grupo Barbot no início de 2019, vai inaugurar uma nova unidade de produção de argamassas em Rio Maior, no próximo dia 3 de Fevereiro. Uma aposta no crescimento da marca, que pretende reforçar a sua presença em território nacional.

Com um investimento superior a 2,5 milhões de euros, realizado pela Diera e Grupo Barbot, a nova unidade de produção representa uma etapa chave na estratégia comercial da Diera e  vai permitir um aumento da produção de argamassas de cerca de 50 mil toneladas/ano, com capacidade para expansão a 100 mil toneladas anuais.

“A instalação desta unidade de produção na zona de Rio Maior faz todo o sentido em termos económicos, pois permite-nos reduzir custos no acesso às matérias-primas que abundam na região, e é um elemento-chave na nossa política de expansão da marca para os mercados centro e sul” refere Carlos Barbot, gerente da Diera e ceo do grupo Barbot.

“Paralelamente, trata-se de um investimento que permitiu a criação de seis postos adicionais de trabalho no município, e que pretendemos que seja um importante polo dinamizador da economia local”, conclui ainda Carlos Barbot.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

ERA reforça presença no país com abertura de três novas lojas

Duas novas lojas na AML, em Rio de Mouro e no Montijo, e uma no Minho, em Viana do Castelo reforçam o plano de expansão da rede imobiliária

CONSTRUIR

No âmbito do seu plano de expansão, no qual pretende chegar até às 120 lojas até 2025, a ERA Portugal acaba de abrir este mês três lojas: duas na Área Metropolitana de Lisboa, ERA Rio de Mouro e ERA Montijo Rio, e uma no Minho, em Viana do Castelo, a ERA Viana Sul. “Estas lojas têm como objectivo responder à dinâmica do mercado nas respectivas regiões e aos desafios que o sector imobiliário apresenta em todo o território nacional”, assegura a marca.

Na Área Metropolitana de Lisboa, apesar da sua actual vasta cobertura (60 agências), a ERA continua a detectar novas oportunidades em diferentes concelhos devido à procura crescente de casas nas regiões próximas da capital.

No Montijo, em particular, a procura tem-se mantido constante e a construção de obra nova continua a ser forte. A proximidade a Lisboa, assim como a centralidade e facilidade de acessos, têm sido alguns dos factores para o crescimento da procura na região e justificam a abertura de uma segunda agência ERA. A maioria dos clientes são portugueses, mas têm surgido outras nacionalidades, sobretudo brasileiros e angolanos, a investirem na zona.

Em Rio de Mouro, a nova loja ERA pretende responder à oportunidade de mediação imobiliária da região que soma muitas transacções e onde a maioria dos clientes é de nacionalidade portuguesa. A procura crescente de clientes compradores nos últimos anos é justificada pelos valores praticados na zona, mais acessíveis a grande parte das famílias portuguesas, e pelo facto do arrendamento ter assumido valores substancialmente elevados, imprimindo uma necessidade maior de compra de casa.

Em Viana do Castelo, a abertura de uma segunda loja ERA surge com o intuito de trabalhar a proximidade e a captação de mais oportunidades num distrito de enorme potencial. A nova agência, situada na margem sul do rio Lima, está focada em dar resposta à procura dos clientes portugueses, que na sua maioria pretendem adquirir uma casa para habitação própria permanente, mas também dos clientes de países francófonos e, mais recentemente, americanos. A procura de moradias com espaços exteriores tem sido uma realidade em crescimento nesta região.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Um momento de viragem para a Construção Metálica e Mista

Os últimos 10 anos têm sido de crescimento e 2023 não deverá ser uma excepção, não obstante as dificuldades de fazer previsões num ano que é, vários níveis, imprevisível. Mas Luís Simões da Silva, presidente da Associação Portuguesa de Construção Metálica e Mista, sublinha as virtudes e conquistas que tornam este sector resiliente à conjuntura

Os últimos números do sector da construção metálica e mista traduzem um crescimento “histórico” do sector. Em 2021 as exportações portuguesas de construção metálica somaram 2.3 mil milhões de euros, o que traduz um crescimento de 3,8% face ao ano anterior. O sector, que emprega 35 mil postos de trabalho directos atingiu nesse ano um volume de negócios de 5,6 mil milhões de euros, que representa um crescimento de 5,2% face a 2020. O presidente da Associação Portuguesa de Construção Metálica e Mista, CMM, Luís Simões da Silva, relembrou o crescimento e a evolução continua do sector e sublinhou os factores que lhe dão resiliência para viver com as incertezas da conjuntura. Este será um ano, também, de realização do Congresso promovido pela Associação. Já na sua 14ª edição, o encontro terá como temos a Construção Modular e a Manufactura Aditiva, dois temas disruptivos e decisivos para o futuro do sector.

As últimas estatísticas mostram uma grande resiliência do sector. É assim?
Começando por uma série mais longa desde 2010 que nós temos aqui claramente dois períodos. Um período inicial até 2015-2016 em que houve um efeito da recessão significativo, mas em que, ainda assim, o sector se comportou muito bem. E depois, a partir de 2016, em que se nota uma recuperação sistemática e contínua que conduziu a que em 2021 tivéssemos números recordes. Estamos a falar em 5,6 mil milhões de euros de volume de negócios, o que representa um aumento de 30%, face a 2020, um peso de 2,6% do PIB nacional e exportações que cresceram 37% relativamente ao ano anterior. Atingindo 3,8% do total das exportações nacionais, com valor recorde de 2,3 1000 milhões de euros. O sector é responsável por cerca de 35 mil postos de trabalhos directos.

Quais têm sido os principais drivers desse crescimento?
Julgo que este dinamismo é o resultado das estratégias que as empresas têm implementado de forma muito consistente ao longo desta última década. Houve, em primeiro lugar, uma aposta clara no mercado europeu, como um mercado de longo prazo muito mais previsível e que conduziu, e suportou, investimentos de médio e longo prazo. Depois, existe uma aposta muito clara das empresas em estarem equipadas de forma a promoverem uma melhoria contínua da produtividade e também, devo dizer, um foco interessante no desenvolvimento de soluções inovadoras que aumentam o valor acrescentado dos produtos que passam a incorporar conhecimento próprio e não apenas especificações de terceiros. Eu penso que estes factores são responsáveis por este contínuo crescimento e a esta boa performance do sector

É expectável que os números referentes a 2022 tenham essa boa performance?
Pelas indicadores que temos o ano de 2022 foi excepcional, ainda que tenha sido um ano turbulento, com uma pandemia, uma guerra e uma situação internacional global complexa e imprevisível. O que é que conseguimos apurar nesta fase sobre 2022, e vou ter que dividir em duas partes: a parte da fabricação de estrutura e a parte do material. E o que vemos é que há uma diminuição, não posso quantificar de quanto, espera que pequena, do ponto de vista da matéria-prima que reflecte as oscilações de preço que ocorreram e que foram brutais e que colocaram em stand by muitas coisas. Agora do ponto de vista da fabricação aí eu penso que o ano 2022 ainda vai ser melhor, em reflexo dos contratos que não pararam e estavam consolidados.

Não vê aí uma contradição?
É uma questão do escalonamento do tempo dos contratos. Os que estavam em curso sofreram com esse aumento, mas a parte mais, digamos, final dos contratos continua pujante. Houve alguma contenção em criar contratos novos agora se o valor global vai reflectir muito ou pouco não consigo dizer neste momento. Esta é uma percepção que temos do feedback dado pelas que já começaram a apurar os seus resultados de final do ano.

E qual a perspectiva para 2023, tendo em conta que o cenário de imprevisibilidade dos mercados e alguns factores de instabilidade se vão manter?
Há alguns sinais que nos dão confiança, mas não é fácil prever 2023.

Este sector é mais ou menos resiliente às imprevisibilidades do mercado?
Estamos a falar de um sector que tipicamente tem um ciclo contratual de um a dois anos desse ponto de vista é muito dependente das oscilações da economia global mundial. Agora, a forma como está organizado e a saúde financeira das empresas têm permitido que haja aqui uma base muito resiliente para permitir continuar a fazer investimentos e a acomodar estas flutuações do mercado e da economia mundial.

Um sector que está vivo e dinâmico

Como é que o tecido empresarial do sector tem evoluído e acompanhado este dinamismo do mercado?
A grandes empresas representam 17% do volume de negócio, o que significa que há uma distribuição equilibrada. Vemos muitas empresas a aparecer naturalmente a aparecer com pequenas ou microempresas e que vão trabalhar com produtos próprios de nicho ou como subempreiteiros das outras. Temos assistido a um dinamismo muito interessante de renovação. Se tivéssemos variações muito grandes nos quatro grandes grupos, Grande, Média, Pequena e micro empresas, haveria aqui um desequilíbrio significativo e iria haver consequências rápidas a três/quatro anos, e isso não acontece. A resiliência do sector também se deve a isso. O volume de negócios por cada um destes grupo mantem-se mais ou menos, com as flutuações normais. Significa que há empresas que conseguem evoluir e compensar eventuais piores performances de outras mas há uma estabilidade significativa relativamente a esta distribuição por dimensão eu acho que isso é uma chave para ter um desenvolvimento que perdure no tempo de forma equilibrada.

O Portugal Steel também tem sido responsável por esta evolução do sector?
O Portugal Steel tem a missão de promover o sector junto dos vários stake holders, obviamente com uma grande ênfase na formação. E qual é a nossa aposta neste momento? O Portugal Steel tem estado muito virado para a promoção no mercado interno, mas este ano estamos a tentar também fazer promoção no mercado externo, nomeadamente com Espanha. Estamos a aliar ao Portugal Steel um pouco da componente de internacionalização num mercado que irá beneficiar as empresas portuguesas.

Espanha foi escolhida pela proximidade?
Sim pela proximidade porque este trabalho do Portugal Steel é um trabalho muito de proximidade. Obviamente temos outros projectos de internacionalização que têm outro cariz, mas aqui é mais este contato próximo com as pessoas, com os vários grupos de interesse para tentar aumentar a quota de mercado que tem que aumentar, mostrando a esse mercado as práticas e soluções em construção metálica que podem ser competitivas e dar, assim, resposta a necessidades.

Que acções é que tem previstas neste âmbito aproximação a Espanha?
Estamos a falar em participação em feiras e eventualmente na realização de seminários em instituições de ensino espanholas, no sentido de criar uma rede mais forte em Espanha. Depois, queremos trabalhar mais a região transfronteiriça, para facilitar a relação com as empresas locais e que estas não sintam esta aproximação como um ataque ao mercado.

Quais os principais mercados alvo da vossa estratégia de internacionalização?
Primeiro temos que nos perguntar quais os nossos mercados de exportação mais pujantes e perceber quais os mercados internacionais que temos que reforçar. Aqui vamos seguir, uma vez mais, uma lógica de internacionalização que privilegia os mercados europeus, incluindo aqui o Reino Unido. A nossa prioridade o será a de reforçar a presença nestes mercados. Depois, naturalmente, que há acções de exploração de mercados onde temos ainda pouca participação e aí o Canadá é um desses mercados. Um mercado onde Portugal tinha pouca exportação neste sector e fomos tentar abrir as portas. Portanto «, temos por um lado uma estratégia de consolidação no mercado europeu, mas não queremos desprezar mercados onde existe potencia de crescimento e onde as empresas portuguesas ainda não têm uma presença consolidada.

Os temos disruptivos em Congresso

O Congresso da Construção Metálica realiza-se em Novembro. Quais os temas que estarão em destaque?
A Construção Modular e a Manufactura Aditiva serão os temos em destaque e que foram escolhidos pelo seu potencial de disrupção. Temos que ajudar a desmistificar, ajudar a incorporar o fabrico e a produção aditiva nos processos normais, o que no sector da construção não é muito fácil.
A produção aditiva é a junção de dois processos num processo único, que tem o potencial primeiro de aceleração os processos e de optimização e ganho de produtividade, porque conseguimos fazer peças optimizadas, caso a caso, por medida num processo integrado e digitalizado e esse é um grande potencial de crescimento. É esse o desafio que está neste momento a acontecer em todos os sectores e que trará maior competitividade ao sector da construção metálica.

Que alterações vamos assistir nos próximos anos?

Há aqui uma mudança de paradigma da forma de funcionamento que implica com toda a organização do processo produtivo, que vai desde a concepção até à execução e montagem. E esta é uma parte extremamente complexa e um percurso que precisa ser feito prejudicar o que é o funcionamento normal das empresas que não podem, de repente, transformar os processos.
Aliás, não há nenhuma solução que seja uma panaceia universal e temos é que incorporar o que há de bom em novos procedimentos, naquilo que já fazemos bem. Acho que vamos assistir progressivamente as empresas a adoptar componentes de produção aditiva, que vão ser integradas com o resto da produção normal.

A construção modular é outro tema em análise.

A construção metálica tem por trás esta ideia de industrialização e de tentar que um produto complexo, como é um edifício ou qualquer outro produto da construção, possa beneficiar de ser produzido em massa. Isto é um desafio, que já existe há alguns anos, mas o que sabemos é que só conseguiremos dar resposta aos problemas da sociedade se aumentarmos a produtividade do sector e a industrialização é a chave para conseguir isso e a construção modular é a sua concretização. Este é um tema que casa muito bem com o fabrico e produção aditiva. Estes dois temas são muito relevantes no momento actual e queremos mostrá-los demonstrá-los de forma muito prática e trazer soluções inovadoras e fora da caixa.

Sobre o autorManuela Sousa Guerreiro

Manuela Sousa Guerreiro

Mais artigos
Empresas

CMM leva Portugal Steel à EXPOFERR 2023 em Espanha

A CMM marca presença na Feira Profissional de Acessórios e Ferramenta industrial, Protecção Laboral e Maquinaria, que terá lugar em Silleda, Espanha. Uma presença que pretende alavancar a presença e as exportações das empresas nacionais do sector para o mercado vizinho

CONSTRUIR

A Associação de Construção Metálica e Mista (CMM) vai estar presente pela primeira vez na 3ª edição da feira de referência da indústria dos acessórios e ferramentas industriais, protecção laboral e maquinaria, em Espanha, para promover o projecto “Portugal Steel”, o qual pretende divulgar nacional e, agora, internacionalmente o sector da construção metálica e mista portuguesa, alavancar oportunidades de exportação e promover as competências e as qualidades do sector da Construção Metálica.

Dirigida a profissionais de todo o tecido empresarial como da automação, construções metálicas, indústria naval e aeronáutica, energia, auxiliar, alimentar e serviços, a Expoferr decorre de 9 a 11 de Fevereiro e irá reunir profissionais e peritos do sector, para dar a conhecer as recentes novidades da indústria.

a CMM ter neste certame um stand onde dará a conhecer o projecto “Portugal Steel”, que apresenta como objectivo aumentar a projeção nacional e internacional do setor da construção metálica e mista portuguesa, evidenciando as vantagens deste método construtivo.

Luís Figueiredo Silva, director da CMM, sublinha que a presença do “Portugal Steel” na Expoferr 2023 é uma alavanca para “a promoção das empresas nacionais da fileira da construção metálica num mercado internacional importante para o sector. A presença neste evento será também uma óptima oportunidade para estabelecer contactos institucionais ao nível da CMM, promovendo a associação e todas as actividades desenvolvidas, em especial o XIV Congresso de Construção Metálica e Mista, que decorrerá este ano em Coimbra, nos dias 23 e 24 de novembro, e onde se espera uma participação de relevo de congressistas e empresas de Espanha”.

Após três anos, o evento Expoferr 2023 regressa com a participação de 320 marcas nacionais e internacionais e de 110 empresas expositoras para debater temas do sector e conhecer os mais recentes produtos através de zonas de exposições e demonstrações. Com programa variado e abrangente que inclui a apresentação e teste de novos produtos, a Expoferr 2023 conta com a presença de mais 3.000 profissionais especializados do sector.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

Cushman & Wakefield vende sede da Bayer em Carnaxide

A venda ocorre após a mudança dos escritórios da farmacêutica alemã para o World Trade Center. O edifício de 5.600m2 foi vendido a um family office nacional

CONSTRUIR

A Cushman & Wakefield anuncia a venda da antiga sede da alemã Bayer, em Carnaxide, a um family office nacional.
A venda do imóvel surge após a farmacêutica ter anunciado, o ano passado, que ia realocar os seus colaboradores num novo escritório no World Trade Center, numa operação apoiada também pela consultora.

O edifício “stand-alone” de Carnaxide, tem 5.600m2, fica próximo de várias sedes de entidades internacionais e do centro comercial ALEGRO. Dispõe de 110 lugares de estacionamento e características técnicas de grande qualidade, como o uso de tinta à base de cortiça na fachada para garantir a maior eficiência do edifício. A par disso, algumas áreas específicas, como a recepção e a cantina, sofreram recentemente algumas remodelações, pelo que o imóvel encontra-se pronto para acolher um novo inquilino.

“Numa zona com alguma disponibilidade de escritórios de qualidade, o comprador percebeu que este imóvel reúne características muitíssimo interessantes e competitivas apesar de não ser novo, nomeadamente a localização e visibilidade, a eficiência dos pisos, o espaço verde exterior e o excelente estado de manutenção. Foi uma transacção simples e isto diz muito”, refere Carlos Oliveira, Partner da Cushman & Wakefield Portugal.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos

Mota Engil – Eng. Carlos Mota Santos

Empresas

Carlos Mota dos Santos é o novo presidente da Mota-Engil

A nova comissão executiva da construtora já foi oficializada. Manuel António Mota é o novo vice-presidente e José Carlos Pinto Nogueira assume o pelouro financeiro

CONSTRUIR

O conselho de administração da Mota-Engil oficializou esta segunda-feira a designação de Carlos Mota dos Santos como novo presidente executivo do grupo.

Em nota enviada à comunicação social, a Mota-Engil informa ainda as alterações introduções. Manuel António Mota, filho de António Mota, assume a vice-presidência do grupo, José Carlos Pinto Nogueira é o novo chief financial officer, (CFO), substituindo Xiangrong Wang, que deixou o conselho de administração da sociedade.
Fazem também parte da comissão executiva da Mota-Engil, para o triénio em curso 2021-2023, João Pedro dos Santos Dinis Parreira e Xiao Di.

A assembleia geral realizada no Porto, elegeu ainda três novos membros do conselho de administração, a par de José Carlos Pinto Nogueira e João Pedro Parreira, Paulo Portas é o novo administrador não executivo do Grupo. As nomeações fazem subir para 17 o número de membros deste órgão.

Na Assembleia Geral realizada no auditório da Fundação Manuel António da Mota, no Porto, “estiveram presentes representantes de 74,76% do capital social da empresa, tendo todos os pontos sido aprovados por votações favoráveis superiores a 97,58% dos votos emitidos na assembleia”.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.