Edição digital
Assine já
Imobiliário

Inovadora metodologia de análise vale Prémio André Jordan a investigadores do ISCTE

A cerimónia de entrega do Prémio André Jordan 2016 decorre a 12 de Outubro, no Museu da Arte Antiga

Ricardo Batista
Imobiliário

Inovadora metodologia de análise vale Prémio André Jordan a investigadores do ISCTE

A cerimónia de entrega do Prémio André Jordan 2016 decorre a 12 de Outubro, no Museu da Arte Antiga

Ricardo Batista
Sobre o autor
Ricardo Batista
Artigos relacionados
Os planos de expansão da Universidade do Porto, betão de cânhamo, a ‘nova’ escola da GNR em Portalegre e mais na edição 461 do CONSTRUIR
Construção
Câmara de Braga avança com plano de execução do Parque Ecomonumental das Sete Fontes
Arquitectura
JJTeixeira celebra 45 anos com reforço na capacidade produtiva e expansão geográfica
Empresas
Zehnder Group opta pelo preto mate
Empresas
Sistema híbrido de construção da Casais acelera hotel B&B em Guimarães
Construção
ESAI lança segunda fase de candidaturas para as licenciaturas de Gestão Imobiliária
Imobiliário
MatosinhosHabit no debate europeu sobre habitação social
Imobiliário
Porta-paletes eléctrico compacto da Jungheinrich vence Red Dot Design Award
Empresas
RE/MAX Collection promove oito novos empreendimentos
Imobiliário
25M€ para a construção do novo centro de Formação e Comando Territorial da GNR
Construção

imobiliarioO grupo de investigadores composto por Fernando Ferreira, Marjan Jalali, Ieva Meidute-Kavaliauskiene e Nelson António, todos do ISCTE Business School, aos quais se juntam as Mestrandas Vanda Martins, Marlene Filipe e Sílvia Canas, foi o vencedor da Edição 2016 do Prémio André Jordan, na categoria de Doutoramentos/Artigos Científicos. O trabalho destes autores focou-se na aplicação de
metodologias de análise multicritério combinadas com a construção de mapas cognitivos, ao mercado imobiliário. Esse tipo de técnicas torna possível a construção de modelos para responder a diversas questões que são essenciais para os investidores no mercado imobiliário, como seja o time-on- market ou o rendimento de rendas dos imóveis. O objetivo é utilizar previsões qualitativas para definir as tendências do mercado imobiliário e suportar com base em dados credíveis a tomada de decisão por parte desses agentes. Este tipo de metodologias permite modelar informação qualitativa e subjetiva, de natureza empírica, obtida através de focus-groups de profissionais de mercado, ultrapassando um dos principais obstáculos à produção de estudos que é a ausência de bases de dados com informação adequada
para esse tipo de análises. Para além dos temas tratados (rendas e time-on- market), existe um elevado potencial de aplicação a muitas outras variáveis chave para a sustentação da decisão sobre investimentos e financiamento de operações imobiliárias. Os estudos em causa resultam em três artigos científicos, sintetizados com o tema-chapéu “Enhancing real estate decisions using cognitive mapping and MCDA: insights from real-life applications”.
Na categoria de Dissertações de Mestrado, o prémio foi para Beatriz Cabral de Melo, da Universidade de Lisboa – Instituto Superior Técnico, com o estudo intitulado “Efeito das externalidades no investimento em reabilitação urbana: uma aplicação da Teoria de Jogos”. Esta investigação parte da aplicação da Teoria de Jogos para avaliar as externalidades envolvidas no processo de reabilitação urbana e a forma como estas influenciam a tomada de decisão dos proprietários. A Teoria de Jogos é uma poderosa ferramenta nas ciências sociais sendo particularmente interessante no estudo de decisões relacionadas com questões espaciais. Neste âmbito foi desenvolvido um modelo teórico e um modelo empírico que demonstraram a ausência de um incentivo natural aos proprietários/investidores para reabilitar uma zona degradada. São necessários fatores exógenos (ex. incentivos públicos) para iniciar o processo, e incentivar os primeiros investidores a decidiram pela reabilitação dos imóveis. Este aspeto poderá ter repercussões na forma como se desenvolvem empreendimentos futuros na área da reabilitação e imobiliário. Trata-se de um estudo com elevada atualidade, ajudando a explicar a falta de dinâmica que os centros históricos tiveram até à implementação de políticas públicas ativas e ao emergir de uma forte procura relacionada com o setor do turismo.
O Prémio André Jordan é uma iniciativa da revista Confidencial Imobiliário, tendo como objetivo distinguir os melhores trabalhos de investigação académica relacionados com o mercado imobiliário, promovendo a difusão desse conhecimento pelos profissionais do mercado. A Edição 2016 contou com 26 candidaturas, entre dissertações de Mestrado, Teses de Doutoramento e Artigos Científicos, oriundas de
universidades nacionais desde Lisboa, Viseu, Santarém, Coimbra e Algarve, e internacionais, designadamente de Valência, Huelva, Memphis/USA e da Lituânia.
A cerimónia de entrega do Prémio André Jordan 2016 decorre a 12 de Outubro, no Museu da Arte Antiga, e conta com a presença de André Jordan, Chairman do Grupo André Jordan, Luís Amado, Gestor e Ex-Ministro dos Negócios Estrangeiros, e Augusto Mateus, Economista e Presidente do Júri do Prémio André Jordan.

Sobre o autorRicardo Batista

Ricardo Batista

Director Editorial
Mais artigos
Artigos relacionados
Os planos de expansão da Universidade do Porto, betão de cânhamo, a ‘nova’ escola da GNR em Portalegre e mais na edição 461 do CONSTRUIR
Construção
Câmara de Braga avança com plano de execução do Parque Ecomonumental das Sete Fontes
Arquitectura
JJTeixeira celebra 45 anos com reforço na capacidade produtiva e expansão geográfica
Empresas
Zehnder Group opta pelo preto mate
Empresas
Sistema híbrido de construção da Casais acelera hotel B&B em Guimarães
Construção
ESAI lança segunda fase de candidaturas para as licenciaturas de Gestão Imobiliária
Imobiliário
MatosinhosHabit no debate europeu sobre habitação social
Imobiliário
Porta-paletes eléctrico compacto da Jungheinrich vence Red Dot Design Award
Empresas
RE/MAX Collection promove oito novos empreendimentos
Imobiliário
25M€ para a construção do novo centro de Formação e Comando Territorial da GNR
Construção
Construção

Os planos de expansão da Universidade do Porto, betão de cânhamo, a ‘nova’ escola da GNR em Portalegre e mais na edição 461 do CONSTRUIR

A Universidade do Porto tem previstos investimentos em torno dos 100 milhões de euros para modernizar e expandir as infra-estruturas. Contamos-lhe os planos da reitoria numa edição onde também lhe damos conta dos projectos em carteira da Fercopor. Mas há muito mais para ler nesta edição

U. Porto tem plano
para modernizar campus avaliado em 100M€

Estes novos investimentos visam, segundo o reitor da Universidade do Porto, a requalificação do edificado e do património da Universidade, bem como a construção de equipamentos de raiz para investigação científica e inovação tecnológica, para alojamento, estudo e lazer e para a prática desportiva e a fruição cultural e artística

O potencial do betão leve de cânhamo
Rute Eiras estudou, pela primeira vez, o betão de cânhamo, naquela que “terá sido a primeira dissertação portuguesa a abordar o uso do cânhamo na construção”

Ordem apoia concurso para nova casa da GNR em Portalegre
As novas instalações do centro de formação e do destacamento territorial de Portalegre estão previstas surgir num terreno com 28 hectares. Investimento ronda 20M€

Fercopor com carteira 190 M€
São nove os empreendimentos que a promotora pretende começar a desenvolver entre 2022 e 2024, incluindo uma torre de escritórios de 17 andares. A região Norte do País irá manter-se o principal alvo de actuação

Dossier: Design, Inovação e Sustentabilidade
Sem surpresas, a Sustentabilidade impõe-se e inaugura quase que uma nova ordem estética, transversal a qualquer sector/actividade. Fomos saber o que pensa o mercado

A versão completa desta edição é exclusiva para subscritores do CONSTRUIR. Pode comprar apenas esta edição ou efectuar uma assinatura do CONSTRUIR aqui obtendo o acesso imediato.

Para mais informações contacte: Graça Dias | [email protected] | 215 825 436

Nota: Se já é subscritor do CONSTRUIR entre no site com o seu Login de assinante, dirija-se à secção PLUS – Edição Digital e escolha a edição que deseja ler

ACEDA AQUI À VERSÃO DIGITAL DA EDIÇÃO IMPRESSA DO CONSTRUIR 461

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Arquitectura

Câmara de Braga avança com plano de execução do Parque Ecomonumental das Sete Fontes

Para o presidente da Câmara Municipal de Braga, Ricardo Rio, o Parque das Sete Fontes “é um projeto absolutamente estratégico para Braga e totalmente irreversível”

CONSTRUIR

O Município de Braga prepara-se para dar mais um passo essencial com vista à concretização do futuro Parque Ecomonumental das Sete Fontes, com a aprovação da delimitação da primeira unidade de execução do Plano de Urbanização das Sete Fontes. O documento será analisado em Reunião de Executivo Municipal, que se realiza na próxima Segunda-feira, 27 de junho.

A referida unidade, com uma área total de 54.215, prevê, de forma exata e efetivamente delimitada, solo para uso cultural (43.282 m2), solo para espaço público pedonal e solo para espaços habitacionais, sendo que a operação assegura, ainda, uma ligação viária à via existente a norte (junto ao Colégio João Paulo II).

Para o presidente da Câmara Municipal de Braga, Ricardo Rio, o Parque das Sete Fontes “é um projeto absolutamente estratégico para Braga e totalmente irreversível”. “Ao longo dos últimos anos, fomos cumprindo diversas etapas necessárias para concretizar o Parque. Logo em 2014, aprovámos a suspensão do Plano Diretor Municipal (PDM) e estabelecemos medidas cautelares preventivas; avançámos com a supressão da via que atravessava as Sete Fontes e promovemos uma ampla discussão pública sobre as alterações ao PDM para esta área e sobre o seu plano de urbanização”, refere o Autarca.

Ricardo Rio salienta, ainda, a postura de “total diálogo e disponibilidade” que a Câmara Municipal teve com todos os proprietários, “mesmo compreendendo que alguns se sentissem defraudados, não nos seus direitos, mas nas suas expectativas”.

A aprovação da delimitação da primeira das 24 Unidades de Execução do Parque das Sete Fontes, acrescenta o Edil, é um “requisito fundamental para a concretização do parque, mas também um passo determinante para o seu sucesso”.

Trinta hectares de parque verde público, 30 hectares de área florestal privada e 30 hectares de área urbana com criação de praças, pequenas edificações de apoio, miradouros, percursos pedestres e cicláveis. Assim será o Parque das Sete Fontes, cujo elemento central é o ancestral sistema de abastecimento de águias à Cidade de Braga, uma obra hidráulica do século XVIII classificada como Monumento Nacional desde 2011.

Este local privilegiado de contacto com a natureza será, em breve, um espaço propício à realização de atividades desportivas e de lazer. Um lugar de convívio e de vivência cultural e ambiental. Um lugar pensado por uma equipa de reputados especialistas nacionais, sob a coordenação da arquiteta paisagista Teresa Andresen.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

JJTeixeira celebra 45 anos com reforço na capacidade produtiva e expansão geográfica

Empresa prevê investir 1,4 M€ no reforço da sua capacidade e na optimização dos seus recursos produtivos, a par da internacionalização para a Bélgica, os EUA e os Camarões nos próximos três anos

CONSTRUIR

Em pleno aniversário de 45 anos, a JJ Teixeira (JJT) apresenta-se com uma nova imagem e convicções reforçadas para o futuro. A empresa de Vila Nova de Gaia produz soluções de carpintaria através da aliança entre tecnologia de ponta e toque artesanal e reafirma-se no mercado com um investimento na ordem dos 1,4 milhões de euros e uma expansão para três novas geografias.

De génese familiar, a empresa, fruto da paixão de João Teixeira pela arte de trabalhar a madeira, teve início em 1977 com a criação da sua própria carpintaria em Vila Nova de Gaia, que ainda hoje mantém. A actividade iniciou com uma máquina universal e, em dois anos, tinha uma carpintaria industrial, mas sempre familiar.

A nova geração da família, trouxe à JJT a modernidade necessária para assegurar o seu crescimento e visão de futuro, unindo a carpintaria à engenharia e à arquitectura, ao design e à arte, graças à sinergia entre a gestão e a força laboral de 244 colaboradores internos e mais de 400 externos.

Foi com a introdução de uma linha de automatização da produção, em 2015, que a empresa transitou para uma indústria 4.0, com capacidade de produção diária de duas mil peças, assegurando mais eficiência, rigor e precisão em cada produto, através de novos processos construtivos inovadores que lhe confere um bom equilíbrio e uma boa performance.

Hoje, contando com uma produção de quase 430 mil peças por ano e de 1645.61m3 de madeira utilizada, a JJT prevê investir 1,4 milhões de euros no reforço da sua capacidade e na optimização dos seus recursos produtivos, como o sistema de aspiração, a racionalização energética e a transição verde.

Sem impactos da pandemia nos volumes de facturação, a empresa, em 2019, alcançou um total de 21,4 milhões de euros, cresceu para 24,2 milhões no ano seguinte, para 24,5 milhões já em 2021 e prevê crescer mais de 2 milhões até ao final de 2022. Também desde 2019 que o valor das exportações ascende, passando de 18% para 22%, atingindo os 24% no último ano. França, Angola, Costa de Marfim, Noruega e Reino Unido são os países que encabeçam os destinos onde mais incidem as vendas internacionais, estando a Bélgica, os EUA e os Camarões no topo das prioridades de expansão internacional para os próximos três anos.

Pela vulnerabilidade ambiental intrínseca à sua actividade, a empresa vê na sustentabilidade um dos seus mais importantes pilares. Através do programa de replantação de árvores, a JJT pretende minimizar o seu impacto no meio ambiente, efectuando cálculos de medição da quantidade de madeira utilizada em cada projecto com vista à sua reposição, replantando árvores em território nacional, acrescendo uma taxa adicional ao preço final do produto.

Para além deste novo programa, os desperdícios são aspirados através de um sistema transversal aos vários pavilhões da fábrica e reaproveitados para várias finalidades, como a criação de novos produtos, o aquecimento das instalações e a produção de pellets e briquetes. 25% da sua produção energética é proveniente de painéis solares instalados na fábrica.

A celebração dos 45 anos da empresa foi, ainda acompanhada pelo rebranding da marca, “que traduz o seu reposicionamento modernizado”, e surge acompanhado por um filme tributo à madeira, que conta com depoimentos de diversas figuras de renome da arquitectura portuguesa. “Wood Stories” é o nome do filme, realizado pela Building Pictures, que serve de tributo à madeira enquanto material natural, flexível, expressivo e quase intrínseco no projecto de arquitetura e que conta com o apoio da Ordem dos Arquitectos Sessão Regional Norte, da Faculdade de Arquitectura do Porto e da Casa da Arquitectura.

O filme conta com os testemunhos de oito gabinetes de arquitectura, numa reflexão entre o seu trabalho e o uso da madeira, na sua perspectiva e contexto de aplicação, de forma particular, nomeadamente, Aires Mateus, Carrilho da Graça, Correia Ragazzi, Depa, Diogo Aguiar Studio, João Mendes Ribeiro, Menos é Mais e Oitoo.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Zehnder Group opta pelo preto mate

Multinacional suíça, especialista em clima interior, junta-se à última tendência do preto mate, em dois dos seus produtos: a válvula de ar Luna Black e o radiador Aura Black Matt

CONSTRUIR

O Zehnder Group tem vindo a introduzir novos acabamentos nos seus produtos de clima interior ao longo de 2022. No início do ano, introduziu o novo sistema de cores “quentes e frías” o que permite “uma integração perfeita em qualquer divisão”. Actualmente, o Grupo suíço optou pelo preto mate para dois dos seus produtos: a válvula de ar Luna, agora Luna Black e o radiador Aura, agora Aura Black Matt. A versão em preto mate de ambos os produtos conferem “sofisticação e elegância, assim como um carácter único a qualquer sala”.

O radiador Aura é um Zehnder clássico, um modelo “que combina design e funcionalidade”. “Com linhas rectas, combina o perfil D liso dos colectores com uma distribuição perfeita entre os tubos, simplificando o uso diário e a limpeza. Elegante e pouco profundo, assegura um ambiente confortável e toalhas secas, mesmo nos espaços mais pequeños”.

Está disponível nas versões com água quente e eléctrica, esta última incluindo um ecrã LCD para visualizar o seu funcionamento, reduzir o consumo em espera e cumprir as mais recentes normas EcoDesign.

A ComfoValve Luna Black é uma válvula de fornecimento de ar fresco, “limpo e saudável” desenvolvida para utilização em sistemas de distribuição de ar sendo adequada para instalação em tectos e paredes. A sua aparência “discreta e minimalista” faz dela uma parte fundamental de qualquer ambiente arquitectónico. Tem uma altura de apenas 30 mm e um diâmetro de 170 mm, facilitando a sua integração estética.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Sistema híbrido de construção da Casais acelera hotel B&B em Guimarães

O novo Hotel B&B em Guimarães, que resulta de um investimento de 11 M€, cuja construção iniciou-se no Fevereiro de 2022 deverá inaugurar já este ano. Este será o primeiro edifício a usar o sistema de construção CREE desenvolvido pela Casais

CONSTRUIR

Está em construção junto ao Pólo da Universidade do Minho, em Guimarães, o complexo que inclui um Hotel B&B com 95 quartos, 44 studios para arrendamento e um espaço comercial. A primeira pedra deste edifício foi lançada Fevereiro deste ano e cinco meses bastaram para que metade do empreendimento esteja já construído.

Este será o primeiro edifício híbrido construído com base no Sistema CREE desenvolvido pela Casais. O termo “edifícios híbridos” vem da combinação madeira-betão, sendo esta uma alternativa que beneficia duplamente o ambiente: pela redução de pelo menos 40% da utilização de betão e a utilização de madeira, um sequestrador de carbono natural.

Desta forma, além de reduzir a pegada de carbono incorporado na construção em mais de 60% quando comparado com um edifício tradicional, este é também um edifício inovador pelo seu processo de construção: foi desenvolvido com uma base BIM, numa lógica de indústria 4.0, com suporte em princípios de design for manufacturing and assembly. O processo de construção permite acrescentar um piso a cada dois dias, incorporando já todos os componentes de instalações técnicas e acabamento interior.

Com cerca de 10.000m2 construídos, inicia dentro de 10 dias a fase mais interessante da empreitada com uma orquestração logística de assemblagem. Trata-se de um projecto que conta com um investimento de cerca de 11 milhões de euros, com a assinatura do arquitecto Mário Fernandes e que será inaugurado ainda este ano.

Segundo a Casais, o sistema CREE apoia-se fortemente numa matéria-prima natural renovável – a madeira. A sua principal característica é o pré-fabrico padronizado de componentes individuais como painéis de tecto, painéis de fachada, pilares e estruturas. Estes podem ser rapidamente montados no local da obra, reduzindo as emissões de carbono, o ruído e as poeiras e permitindo economizar tempo, recursos e dinheiro.

As componentes industrializadas que vão ser aplicadas neste projecto, estão a ser fabricadas na Blufab, que é a unidade de construção off-site do Grupo Casais que abastece as obras com elementos fabricados e montados em fábrica.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

ESAI lança segunda fase de candidaturas para as licenciaturas de Gestão Imobiliária

A ESAI tem vindo todos os anos a conquistar maior reputação e procura pela sua oferta formativa, tendo no binómio 2021/2022 apresentado um crescimento de 27% no que diz respeito às inscrições em licenciaturas, quando comparado com o período homólogo anterior

CONSTRUIR

A Escola Superior de Atividades Imobiliárias (ESAI) está já a promover uma nova fase de candidaturas para as licenciaturas de Gestão Imobiliária e Gestão de Edificação e Obras bem como, para o Mestrado em Avaliação e Gestão de Ativos Imobiliários. As candidaturas nesta 2ª fase vigoram até ao final do mês de Julho.

Segundo Julie Lefebvre, presidente da ESAI, “a taxa de crescimento de inscrições no anterior binómio revela que a ESAI tem vindo a responder às exigências do mercado e sobretudo à exigência dos nossos alunos. A resposta formativa da ESAI garante que este crescimento aconteça. Somos sem dúvida uma Instituição que promove o debate e a troca de opinião, em que se discute vivamente e com muita tolerância tudo aquilo que está a acontecer, sobretudo no setor do Imobiliário. Dotamos os nossos alunos de ferramentas e conhecimentos que fazem com que tenham carreiras de sucesso num mercado altamente competitivo.”

A Licenciatura em Gestão Imobiliária visa dotar os discentes de uma visão do futuro do imobiliário permitindo aprofundar conhecimentos sobre a teoria e prática da gestão imobiliária, bem como um entendimento mais profundo de temas económicos, sociais, políticos e financeiros. Destina-se a todos os que pretendem integrar empresas e instituições que necessitam de quadros altamente especializados na área do imobiliário.

Já a Licenciatura em Gestão da Edificação e Obras une o conhecimento técnico da construção com a gestão, num peso equitativo entre os conhecimentos de Engenharia e Gestão. Esta Licenciatura conta com uma estreita parceria entre a ESAI e o Instituto Politécnico de Tomar (IPT), garantindo uma formação altamente especializada.

No que diz respeito ao Mestrado em Avaliação e Gestão de Ativos Imobiliários tem como objetivo formar profissionais orientados para avaliação imobiliária e gestão do património edificado, capacitando com métodos de investigação e de trabalho que garantam desempenhos de excelência, sustentados por competências inovadoras, desenvolvidas num ambiente académico vocacionado para a realidade imobiliária e os seus intervenientes.

Os alunos que pretendam ingressar no Mestrado têm de ser detentores de grau académico superior nacional ou estrangeiro equivalente ao 1º ciclo nas áreas das finanças, da gestão imobiliária, gestão, economia, contabilidade, matemática aplicada à economia e à gestão, engenharia, direito e arquitetura, com experiência profissional mínima de cinco anos e/ou formação anterior nas áreas científicas de Gestão e Avaliação Imobiliária.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

MatosinhosHabit no debate europeu sobre habitação social

A empresa municipal marcou presença na 3ª edição do Internacional Social Housing Festival (Festival Internacional de Habitação Social), uma iniciativa organizada pela Federação Europeia de Habitação, Housing Europe

CONSTRUIR

A MatosinhosHabit marcou presença na 3ª edição do Internacional Social Housing Festival (Festival Internacional de Habitação Social), uma iniciativa organizada pela Federação Europeia de Habitação – Housing Europe, que decorreu em Helsínquia, com o objectivo de promover o debate sobre a habitação social e pública, abordando as políticas locais e internacionais, tendo em conta 3 eixos fundamentais: Qualidade da habitação como qualidade de vida, Sustentabilidade na habitação, Direito à habitação.

A MatosinhosHabit que esteve representada através da sua administradora Executiva, Helena Vaz, faz oficialmente parte da Housing Europe – Federação Europeia de Habitação Pública, Cooperativa e Social, uma associação que reúne mais de 40 federações nacionais e regionais, a nível europeu.

A Associação Housing Europe implementada em 1988, agrega 44 federações nacionais e regionais, reunindo perto de 43 mil parceiros no domínio da habitação pública, social bem como cooperativas de habitação, oriundos de 23 países. No total, a Housing Europe abrange mais de 26 milhões de habitações, representando assim cerca de 11% dos domicílios públicos existentes na União Europeia.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Porta-paletes eléctrico compacto da Jungheinrich vence Red Dot Design Award

Este equipamento destacou-se pelo seu conceito de design, que combina “agilidade, segurança, conforto e sustentabilidade” graças a uma bateria de iões de lítio totalmente integrada e compacta

CONSTRUIR

O porta-paletes eléctrico ERE 225i da Jungheinrich ganhou o Red Dot Design Award em Essen, na Alemanha. Este equipamento destacou-se pelo seu conceito de design, que combina “agilidade, segurança, conforto e sustentabilidade” graças a uma bateria de iões de lítio totalmente integrada e compacta. O Red Dot Design Award é o segundo prémio entregue ao ERE 225i, num curto espaço de tempo, após a atribuição do IF Design Award, em Maio.

O ERE 225i é o porta-paletes mais compacto da sua classe. Como parte da Jungheinrich POWERLiNE, é completamente neutro em CO2 até ser entregue ao cliente, permitindo assim soluções intralogísticas mais sustentáveis no armazém.

Com a sua bateria de iões de lítio totalmente integrada, o ERE 225i é 270 mm mais curto do que o modelo anterior, o que reduz significativamente o círculo de viragem do equipamento. Os condutores beneficiam de uma melhor manobrabilidade, permitindo operações de transporte seguras nos espaços mais pequenos. Além disso, as protecções laterais fixas proporcionam uma maior protecção, garantindo um elevado nível de conforto no trabalho.

“O objectivo do nosso design de produto é tornar os atributos mais importantes do equipamento diretamente reconhecíveis e compreensíveis. A compactidade, a durabilidade, a segurança e a agilidade são claramente percepcionadas como promessas de desempenho fundamentais e já demonstradas através do design no qual os clientes Jungheinrich podem confiar com este porta-paletes”, diz Andreas Knie, design industrial da Jungheinrich. “Estamos muito satisfeitos por termos vencido este renomado prémio de design com o ERE 225i. Não é apenas um prémio notável para nós enquanto equipa de design, mas também uma apreciação e motivação para todos os que contribuíram para a criação do produto.”

Desde 1955, o Red Dot Award Product Design selecciona anualmente os melhores e mais inovadores produtos do mundo em mais de 50 categorias diferentes.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

RE/MAX Collection promove oito novos empreendimentos

Para a CEO da RE/MAX Collection, Beatriz Rubio, “ao nosso portefólio, que dispõe de uma vasta carteira de empreendimentos de luxo, entre os quais novas construções exclusivas, juntam-se agora mais oito projetos imobiliários verdadeiramente diferenciadores”

CONSTRUIR

A RE/MAX Collection, imobiliária especializada no segmento de luxo, apresenta oito novos empreendimentos residenciais premium, localizados na região da Grande Lisboa. São eles o Edifício Heritage 52, Linea Residences, NooBa, Gestilar Residences Miraflores, Villas do Carmo, empreendimento Aurya, Montisnávia e Bom Sucesso.

A mediadora imobiliária, que dispõe atualmente de 979 consultores certificados neste segmento, junta assim ao seu portefólio oito empreendimentos de caraterísticas únicas como o Edifício Heritage 52, em Lisboa, na Avenida Miguel Bombarda, com sete frações T2, T4 e T5, uma por piso entre 260m2 a 300m2 e jardim privativo comum a todas as frações. Outro dos destaques é o Linea Residences, edifício focado na sustentabilidade e eficiência energética, localizado nas Avenidas Novas, em Lisboa, que conta com 36 apartamentos de tipologias T1 a T4 duplex, duas Urban Villas com piscina e terraço exclusivos e ainda duas lojas.

Já no Barreiro, na margem sul do Tejo, destaca-se o NooBa, um novo e moderno empreendimento habitacional com apartamentos à beira-rio, com tipologias que variam de T1 a T5 duplex e uma piscina no topo do edifício. Um outro edifício que se junta ao portefólio da RE/MAX Collection é o edifício residencial Gestilar Residences Miraflores, situado em Oeiras, próximo do Parque Urbano de Miraflores e do Parque Florestal de Monsanto, composto por 111 apartamentos, de tipologias T2, T3 e T4.

Em destaque outro empreendimento, Villas do Carmo, um condomínio privado de luxo, que contará com quatro imóveis denominados de “Villas” e que se situa nas Avenidas Novas, em Lisboa. Villa Pombal é um desses quatro imóveis, sendo composto por 46 apartamentos, com áreas privativas de 53 a 118m2 no caso dos T1, de 89 a 122m2 no caso dos T2 e de 167 a 196m2 no caso dos T3, e ainda quatro espaços de comércio de 37m2 a 57m2. Em evidência também o Aurya, um novo empreendimento que irá nascer na Quinta do Conventinho em Loures e que irá dispor de apartamentos com duas tipologias de apartamentos, T2 e T3.

Foram ainda apresentados outros dois empreendimentos, um deles o edifício Montisnávia, situado na zona de Alcântara, em Lisboa, e que nasce da união e restauro de uma casa e uma antiga fábrica, dispondo de apartamentos T1 a T4, todos com terraço ou jardim privativo. O outro imóvel designa-se por Bom Sucesso, localiza-se também em Lisboa, concretamente em Belém, agrega um conjunto de quatro edifícios e contempla apartamentos T1 a T5.

Para a CEO da RE/MAX Collection, Beatriz Rubio, “ao nosso portefólio, que dispõe de uma vasta carteira de empreendimentos de luxo, entre os quais novas construções exclusivas, juntam-se agora mais oito projetos imobiliários verdadeiramente diferenciadores. A relação entre a qualidade do nosso portefólio e a formação especializada dos agentes da RE/MAX Collection tem justificado a confiança de quem nos procura, sejam eles investidores nacionais ou internacionais, pelo que acreditamos que estes novos ativos imobiliários representam um investimento seguro, e que, por certo, serão sinónimo de grande procura.”

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

25M€ para a construção do novo centro de Formação e Comando Territorial da GNR

A construção do centro de Formação e Comando Territorial da GNR em Portalegre terá investimento de 25 milhões de euros. O investimento foi confirmado pelo ministro da Administração Interna, José Luís Carneiro

CONSTRUIR

José Luís Carneiro falava após a cerimónia de Compromisso de Honra de 303 novos militares do 46.º curso de formação de Guardas da GNR, em Portalegre. O ministro afirmou que o Governo tem prevista, dentro de “um ano e meio”, a conclusão do projecto de concessão e de execução, sendo depois lançado o concurso para a obra.

“Já está previsto [o investimento] na Lei de Programação de Investimentos, Infraestruturas e Equipamentos. Estamos a falar de um investimento de um milhão de euros para o projecto, articulado com a Ordem dos Arquitectos e que, no fim, permitirá lançar o concurso, não apenas para as novas infraestruturas da escola da Guarda, mas também do futuro comando territorial”, explicou.

O actual Centro de Formação da GNR em Portalegre está instalado no Convento de São Bernardo, ao abrigo de um protocolo de cedência entre os ministérios da Defesa e da Administração Interna.

As novas instalações do centro de formação e do destacamento territorial ocuparão um terreno com 28 hectares, na zona industrial da cidade, assegurando o município de Portalegre a cedência do terreno e a infraestruturação e acessibilidades do espaço.

Durante a cerimónia foi também assinado o protocolo de colaboração entre a Secretaria Geral do Ministério da Administração Interna e a Câmara Municipal de Portalegre, para a execução das obras nos arruamentos junto ao terreno onde serão construídas as futuras instalações.

“Saúdo, assim, o município de Portalegre, que também cedeu o terreno para a construção deste equipamento, por ser parceiro neste modelo que acreditamos ser o que melhor serve o interesse público. Este é um claro exemplo de como o Estado Central e autarquias locais podem e devem colaborar no sentido de melhorar as infraestruturas e as condições de trabalho das nossas forças de segurança”, afirmou José Luís Carneiro.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.