Edição digital
Assine já
Imobiliário

Novos 15 mil m2 em flexible offices até ao 1º semestre de 2018

Novos espaços como os flexibile offices ou o co – working são cada vez mais uma tendência. Até Junho são esperados cerca de 15 mil m2 de espaços que procuram responder a esta procura

Cidália Lopes
Imobiliário

Novos 15 mil m2 em flexible offices até ao 1º semestre de 2018

Novos espaços como os flexibile offices ou o co – working são cada vez mais uma tendência. Até Junho são esperados cerca de 15 mil m2 de espaços que procuram responder a esta procura

Cidália Lopes
Sobre o autor
Cidália Lopes
Artigos relacionados
CBRE cresce 22% em 2017 em Portugal
Imobiliário
Escritórios: Take up no Porto acumula 8.000 m2 nos dois primeiros meses do ano
Imobiliário
Escritórios: Absorção em Lisboa mantém efeito da pandemia, mas Porto desagrava
Imobiliário
CBRE assume gestão do Liberdade 108
Imobiliário
Porto Office Park entra em comercialização
Imobiliário
CBRE assessora venda do Latino Coelho 142 no Porto
Imobiliário
Escritórios: Março registou quebra de 54% na ocupação face ao mês anterior
Imobiliário
CBRE Capital Advisors assessora NIPA capital em processo de financiamento
Imobiliário
CBRE ganha gestão do Restelo Business Center e Edifício Bloom
Imobiliário
Escritórios: Lisboa e Porto com dinâmicas diferentes
Imobiliário

Texto: Cidália Lopes (clopes@construir.pt)

A procura de espaços empresariais deverá manter-se robusta ao longo de 2018. Diversas empresas com serviços partilhados e do sector tecnológico, responsáveis nos últimos dois anos por 45% da ocupação em Lisboa e Porto, continuam a demonstrar interesse em estabelecer-se em Portugal e algumas das que já cá estão têm planos de expansão. De facto, as empresas internacionais começaram por trazer para o nosso País áreas de serviços partilhados devido aos mais baixos custos e à disponibilidade de mão-de-obra qualificada, mas a qualidade de vida tem actualmente um peso preponderante que, na maioria das vezes, ainda compensa o aumento que se tem verificado no valor das rendas.

A reduzida disponibilidade de escritórios, a par das novas tendências focadas na satisfação dos colaboradores tem levado à conversão e ocupação de edifícios obsoletos que não eram inicialmente de escritórios, tais como armazéns, oficinas automóveis e galerias comerciais. Paralelamente, as novas localizações de expansão, nomeadamente a frente ribeirinha e a envolvente ao Parque das Nações, em Lisboa, incentivam o desenvolvimento de um tipo de imóveis mais enquadrado na morfologia da zona. Os “não escritórios” adaptam-se, assim, a uma nova cultura de trabalho mais orientada para as pessoas e para novas formas de trabalho – os flexible office spaces.

Os novos edifícios da Vieira de Almeida, Abreu Advogados e WPP, inaugurados em 2017, são disso exemplo. A CBRE antecipa que este ano surjam novos projectos em edifícios alternativos, nomeadamente as novas instalações da Teleperfomance, o Espaço7Rios, que resulta da conversão da área comercial nas Galerias Twin Towers em Lisboa. Também no Porto se encontram em estudo projectos semelhantes, uma tendência que teve início com a conversão da antiga Fábrica da Lionesa em escritórios.

Os espaços de escritórios flexíveis, nos seus diversos formatos (serviced offices, managed offices, co-working, aceleradores empresariais e incubadoras) aumentou significativamente. É expectável que esta oferta se mantenha nos próximos anos.

De acordo com André Almada, Director Sénior de agência de escritórios da CBRE, “até ao final de 2018, são esperados novos 15 mil m2 para receber estas empresas, nomeadamente a inauguração do Hub do Beato, do LACS em Alcântara e de um espaço da Startup Portugal. Operadores como a Second Home e a Regus têm planos para expandir em 2018.

Equilíbrio da oferta só a partir de 2019

Por outro lado, e embora os chamados escritórios tradicionais continuem a existir, verifica-se já uma tendência cada vez maior para aumentar os espaços de trabalho ou até torná-los open space, mas também zonas de lazer e salas de reunião.

Se 2017 fechou o ano acima dos 160 mil m2 colocados, este ano é esperado que a ocupação fique muito abaixo, isto porque apesar de já existirem cerca de 32 mil m2 de contratos em pré-arrendamento, a oferta existente não vai ser suficiente para suprir a procura existente até porque este são contratos que transitaram de 2017 para 2018.

Neste aspecto, André Almada reforçou que além dos espaços já existentes, “seriam necessários mais 100 mil m2 de novos escritórios para corresponder à procura existente”. 2018 vai ser um ano de arranque na construção de vários escritórios mas só a partir de 2019 ou 2020 é que a oferta deverá estar mais equilibrada.

Em pipeline, até 2021, é esperado perto de 185 mil m2 em termos de nova oferta, de acordo com o relatório anual da JLL, o Market 360º.

Mais uma vez, o pré-arrendamento será este ano uma forma de manter a colocação das empresas e para os novos espaços já anunciados é esperado que fiquem ‘reservados’ cerca de 70 mil m2.

Já no Porto, os novos espaços que estão previstos inaugurar, deverão permitir uma ocupação superior verificada no ano transacto e, provavelmente, superar o máximo de 50 mil m2 observado em 2016.

 

Caxa:

Principais negócios 2017

Edifício VdA

12 000 m2

Zona 4 – Zona Histórica e Ribeirinha

Grupo WPP

Edifício 24 Julho, 62

9.200 m2

Zona 4 – Zona Histórica e Ribeirinha

Abreu Advogados

Edifício Infante D. Henrique, 26

5.800 m2

Zona 4 – Zona Histórica e Ribeirinha

Úria Menéndez

Marquês de Pombal, 12

5.260 m2

Zona 1 – Prime CBD

Janssen Clag

Edifício 9 – Lagoas Park

4.907 m2

Zona 6 – Corredor Oeste

 

Sobre o autorCidália Lopes

Cidália Lopes

Jornalista
Mais artigos
Artigos relacionados
Imobiliário

ALF com nova direcção

Apesar da pandemia, a ALF mantém um elevado peso na economia. Em 2020 o Leasing financiou investimentos em mobiliário e imobiliário no montante de 2,4 MM€

A Associação Portuguesa de Leasing, Factoring e Renting (ALF) elegeu os novos órgãos sociais para o triénio 2021-2023. Luís Augusto, CEO para Portugal do BNP Paribas Factor, é o novo presidente da entidade que representa o sector do financiamento especializado no país.

“Vivemos momentos de grande exigência para os agentes económicos, e os associados sentem-no nas suas actividades e no apoio que têm continuado a prestar à economia nacional, apesar dos constrangimentos provocados pela pandemia no último ano e meio”, afirmou Luís Augusto. O responsável da associação destaca a “importância do sector do financiamento especializado para a revitalização da economia e na resposta aos enormes desafios das alterações climáticas”.

No contexto pandémico de 2020, os associados da ALF registaram uma redução da actividade, mas mantiveram o elevado peso na economia em período de contração. O Leasing financiou investimentos em mobiliário e imobiliário no montante de 2,4 mil milhões de euros, enquanto o Factoring totalizou 31,5 mil milhões de euros em créditos tomados (equivalente a cerca de 16% do PIB nacional). O Renting, por seu lado, registou uma produção de viaturas ligeiras novas no valor de 557,3 milhões de euros. Em conjunto, o Leasing e o Renting foram responsáveis pela aquisição de cerca de 34% das viaturas novas vendidas em Portugal.

A restante Direção da ALF eleita em Assembleia Geral é constituída por Pedro Cunha, em representação do Santander, Pedro Pessoa, em representação da Leaseplan, Paulo Franco em representação do Novo Banco, e Paulo Matos, em representação do Millennium BCP. Luís Augusto sucede a Alexandre Santos – que assumiu o cargo em abril de 2019 e será agora o presidente do Conselho Fiscal, em representação da Caixa Geral de Depósitos.

Sobre o autor
CONSTRUIR
Imobiliário

Lisboa com valorização de 4,9% nos preços das casas

De acordo com o Índice de Preços Residenciais da Confidencial Imobiliário Lisboa teve uma valorização de 4,9%. A norte a AM do Porto mantém crescimento mas a um ritmo menos acentuado.

Os preços das casas aumentaram 4,9% em Lisboa no 2º trimestre de 2021 face ao trimestre anterior. Os dados refletem os mais recentes resultados do Índice de Preços Residenciais da Confidencial Imobiliário. Esta subida sucede à variação trimestral de -0,3% observada no 1º trimestre e coloca a capital de novo a alinhar com a dinâmica de valorização da restante Área Metropolitana de Lisboa.

Para o cômputo da região, apurou-se uma variação trimestral média dos preços no patamar de 5,6% no 2º trimestre, igualmente em forte intensificação face aos 1,5% observados no 1º trimestre. A aceleração na variação trimestral foi uma realidade transversal à região, intensificando-se a subida de preços em todos os mercados da AM Lisboa sem excepção. O índice acompanha a evolução dos preços efectivos de venda, apurados a partir das transacções reportadas ao SIR-Sistema de Informação Residencial.

À semelhança de Lisboa, na região norte o Porto também intensificou a subida de preços, mas mantém-se como o mercado que menos valoriza na respectiva Área Metropolitana, apurando-se uma subida trimestral de 1,8% no 2º trimestre. No trimestre anterior, este indicador tinha ficado em 0,6%.

Na Área Metropolitana do Porto, o 2º trimestre trouxe igualmente uma aceleração da valorização trimestral a todos os mercados, embora, em geral, com intensificações menos acentuadas do que na AM Lisboa. Assim, de uma valorização média de 1,8% apurada para a região no 1º trimestre de 2021, evoluiu-se para uma de 4,2% no 2º trimestre.

O preço médio de venda da habitação no 2º trimestre ascendeu a 3.833€/m2 em Lisboa e a 2.506€/m2 no Porto, conforme os dados do SIR-Sistema de Informação Residencial.

Sobre o autor
CONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

CBRE lança flash report dedicado ao Porto

“Porto at a Glance” é o mais recente flash report criado pela consultora para atrair investidores e ocupantes. Uma aposta no potencial de atracção de investimento

CONSTRUIR

Nos últimos anos a cidade do Porto tem atraído a atenção dos visitantes e investidores. Para dar a conhecer as potencialidades da cidade a CBRE acaba de lançar o ‘Porto at a Glance’, um flash report anual direcionado a investidores e ocupantes, com informação sobre a cidade do Porto e o seu potencial enquanto mercado de investimento imobiliário.

O documento foi elaborado pela equipa da CBRE no Porto e pela equipa de Research, e oferece uma visão 360º sobre a cidade, desde dados demográficos chave, a matéria relacionada com os segmentos de escritórios, retalho e residencial, bem como informação acerca do sector do turismo.

“O Porto tem, desde há muitos anos, um peso importante na estratégia de crescimento da CBRE. É um mercado atrativo, que nem com a pandemia abrandou o interesse por parte dos investidores, mantendo uma dinâmica associada aos vários segmentos muito positiva. Este relatório que agora lançamos exclusivamente dedicado a esta cidade pretende ser um breve e curto guia orientador e fornecer, de uma forma breve e resumida toda a informação relevante sobre a cidade”, explica Francisco Horta e Costa, Diretor Geral da CBRE Portugal.

Entre outros dados, a análise refere a vocação industrial do norte e a sua atractividade para o investimento estrangeiro, indica as localizações privilegiadas da cidade e o crescimento do preço do m2, não esquecendo o forte crescimento que o turismo tem registado.

Sobre o autor
CONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

Hipoges: mercado de arrendamento com tendência positiva

A empresa está a investir no desenvolvimento da sua actividade no mercado português, com o reforço de meios humanos e tecnológicos

CONSTRUIR

Em vários países, os mercados de locação têm crescido nos últimos anos, muito suportado pelo investimento de grandes empresas que procuram oportunidades de negócios que lhes permitem obter bons retornos com menores riscos.

As grandes carteiras de activos construídas necessitam de uma gestão profissional para maximizar a rentabilidade, o denominado Build to Rent. Em países como Espanha este tem se tornado um importante vector de investimento, com 6.000 casadas desenvolvidas em pouco mais de dois anos.

Em Portugal o mercado segue mais lento mas grandes operações começam a ser desenvolvidas.

“Dados de diferentes consultoras destacam que cerca de 15% do total de imóveis do mercado português passarão a fazer parte do mercado de arrendamento, o que reflete o interesse por este tipo de activo”, sublinha a Hipoges. A empresa actua no sector de Asset Management, gerindo actualmente uma carteira de arrendamento residencial com mais de 4.400 activos.

Um número que surge em virtude da aposta e investimento da empresa na criação de um departamento próprio “composto por mais de 20 profissionais que se dedicarão exclusivamente à gestão deste tipo de activos em Portugal e em Espanha”.

Simultaneamente, a Hipoges desenvolveu uma plataforma de gestão” que é uma novidade no mercado e que, aliada à capacidade de gerir todo o tipo de activos, tem sido fundamental na adjudicação por parte do cliente”.

“Esta aposta é mais um passo na consolidação da Hipoges como uma referência em gestão de activos em Portugal e evidencia a posição de liderança no mercado”, sublinhou Luís Silveira, Diretor de Real Estate Portugal.

A empresa está a trabalhar para colocar os primeiros activos à disposição de possíveis consumidores ou investidores nas próximas semanas, oferecendo o serviço de arrendamento por meio do seu portal imobiliário online: portalnow.com.

Sobre o autor
CONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

Mercados de Escritórios em queda em Lisboa e Porto

Apesar da descida de 34% em Lisboa e 66% no Porto, a Savills aponta para uma recuperação ainda em 2021, com a atenuação dos efeitos da pandemia e o regresso aos escritórios

CONSTRUIR

A análise recente da consultora imobiliária internacional Savills evidencia que o mercado de escritórios de Lisboa contabilizou nos primeiros seis meses deste ano um volume de absorção total aproximado de 55.500 m2. Isto revela um decréscimo de 34% comparativamente ao mesmo período de 2020 e uma quebra de 50% comparando com o volume alcançado no 1.º semestre de 2019, no período pré-pandemia.

“Não são resultados que nos tragam surpresa, nem geradores de pessimismo. As previsões que temos avançado no decorrer deste ano têm sido coerentes com os resultados que estão a ser observados, assentes num contexto de recuperação da pandemia que ainda coloca muitas empresas em regime de teletrabalho e consequentemente conduz a um prolongamento das decisões de mudança ou expansão de novas instalações”, referiu Alexandra Portugal Gomes, Head of Research da Savills Portugal.

No entanto, a responsável nota que “é curioso verificar que o volume de absorção segue ao sabor do ritmo da pandemia e que, nos últimos dois meses, os valores já conseguiram ultrapassar, ainda que de forma ligeira, os valores registados no ano 2020”.

No balanço do 1.º semestre de 2021, a Zona 5 (Parque das Nações) observou o maior volume de absorção, com aproximadamente 21.000 m2 (um aumento de 53% face ao 1.º semestre 2020). Este foi o resultado do fecho de 10 operações, com o sector das TMT´s & Utilities a exercer um peso de 64% no volume total de absorção, confirmando claramente a atratividade que esta zona de mercado detém para a implementação de empresas ligadas ao sector da informática e tecnologia.

Já as zonas 1 (Prime CBD) e 6 (Corredor Oeste) viram os seus volumes de absorção decrescer 67% comparando com o período homólogo de 2020. A Zona 1 (Prime CBD), zona de maior prestígio do mercado de escritórios de Lisboa, somou um total de 10 operações, sendo que 29% das operações registadas foram direccionadas para áreas entre os 300 m2 e os 800 m2. As maiores operações do semestre pertenceram ao BPI, que ocupou cerca de 2.700 m2 no Edifício Monumental, e à Finsight Labs, uma nova empresa instalada em Lisboa, que elegeu o Edifício Café Lisboa para ocupar 1.826 m2.

Na Zona 6 (Corredor Oeste), as 7 operações fechadas ao longo do 1.º semestre de 2021 somaram um total de 4.680 m2 de espaços de escritórios ocupado. É importante notar que 60% do volume total absorvido nesta zona disse respeito à ocupação de 2.800 m2 no Taguspark pelo Novo Banco, dando força ao momento muito dinâmico de procura que está a ser registado por parte do sector financeiro.

No total do 1.º semestre de 2021, foram contabilizadas 54 operações, uma descida de 5% do número de operações verificadas no mesmo período de 2020, com a zona CBD a liderar a tabela com 18 negócios fechados. Relativamente à análise de ocupação por intervalos de área, as áreas entre os 1.501 m2 e 3.000 m2 somaram o maior volume de absorção, num total aproximado de 17.500 m2, observando uma variação positiva de 53% face ao 1.º semestre de 2020.

Os sectores de serviços financeiros e TMT´s & Utilities permanecem os mais activos na procura de novos espaços escritórios, tendo exercido um peso de 64% no volume total de negócios fechados no decorrer do 1.º semestre de 2021. O aumento da procura por parte destes dois sectores tem sido bastante notório, com uma aposta clara na expansão dos seus espaços de escritórios ou relocalização da sua atividade.

No total do 2.º trimestre de 2021 foram fechadas 27 operações, o que representa uma subida de 12,5% comparativamente ao mesmo período de 2021, com a Zona 1 (Prime CBD) e Zona 2 (CBD) a exercerem um peso conjunto de 59% no número total de negócios fechados no 2.º trimestre de 2021.

“O sector das TMT´s & Utilities e o sector financeiro têm sido as grandes forças motrizes do mercado de escritórios de Lisboa. Seja por motivos de mudança de escritórios ou expansão de atividade, estes dois sectores mantêm uma procura que tende a ser cada vez mais expressiva e dinâmica, colocando a tónica nos fatores qualidade, modernidade e inovação. São áreas de atividade que, pela sua natureza operacional e grau de internacionalização, colocam ao mercado novos desafios de ocupação, necessários para a contínua e bem-sucedida modernização do parque de escritórios de Lisboa”, referiu Ana Redondo, Associate Director do Departamento de Office Agency da Savills Portugal.

Porto com descida de 66% no 1º semestre,
mas subida gradual antecipa recuperação

No mercado de escritórios do Porto, o volume de absorção total relativo aos primeiros 6 meses de 2021 situou-se nos 9.558 m2, o que representa uma descida de 66% comparativamente ao período homólogo de 2020 e uma quebra de 53% face ao mesmo período no ano 2019.

No total, foram registadas 24 operações, o mesmo número de transações fechadas no 1.º semestre de 2020, com uma área média de 398m2.
À exceção da Zona CBD Baixa, que observou um aumento de absorção na ordem dos 135% no decorrer do 1.º semestre de 2021, todas as restantes zonas de mercado verificaram descidas de ocupação entre os 66% e os 94%, comparativamente ao período homólogo de 2020.

No total do 1.º semestre de 2021, não foram registadas operações acima dos 1.500 m2, tendo sido observado que os espaços com áreas entre os 800 m2 e os 1.500 m2 representaram 50% do volume total de absorção, seguidos dos espaços de escritórios entre os 300 m2 e os 800 m2, com um peso de 24%.

“No mercado de escritórios do Porto, é mais visível uma retração da procura e o adiamento de decisões de mudança ou expansão de instalações. Ainda assim, a observação dos valores de absorção desde o início do ano 2021 até ao final de junho de 2021, permite-nos verificar uma evolução muito consistente mês a mês, ainda que em níveis abaixo dos verificados no mesmo período do ano 2020, mas que progridem e reagem positivamente à recuperação do mercado”, sublinhou Alexandra Portugal Gomes, Head of Research da Savills Portugal.

O sector financeiro, e à semelhança do que também se tem observado no mercado de escritórios de Lisboa, foi o mais activo no mercado de escritórios do Porto ao longo do 1.º semestre de 2021, com o fecho de 5 operações num total superior a 2.000 m2. No que diz respeito ao motivo da procura no mercado do Porto, a mudança de instalações e abertura de novas empresas foram responsáveis por 88% do volume de absorção registado ao durante o 1.º semestre de 2021.

De acordo com Ana Redondo, “independentemente dos resultados alcançados, é importante ressalvar que os escritórios irão continuar a exercer um papel fulcral no reforço dos valores e cultura da empresa. Com 54% dos novos espaços de escritórios projetados para 2021 já pré-arrendados e um processo de vacinação que segue a bom ritmo, os próximos meses prometem abrir caminho a um ano 2022 mais próximo dos valores pré-pandemia”.
“O retorno dos colaboradores e a recuperação dos efeitos da pandemia, a par de uma procura que se prevê continuar ativa, sustentam também a estabilidade dos valores de renda praticados”, concluiu.

Sobre o autor
CONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

RioSul Shopping aposta na sustentabilidade com novo espaço

Amplo e versátil o novo espaço apresenta uma decoração focada, sobretudo, em materiais naturais apostando no meio ambiente e na sustentabilidade

CONSTRUIR

O RioSul Shopping, localizado no Seixal, gerido e comercializado pela consultora imobiliária CBRE, renovou a sua esplanada para melhorar a experiência no exterior do centro, reaproveitando muitos dos materiais do espaço, sendo agora mais sustentável.

Localizada no piso 1, este espaço oferece agora mais lugares para a restauração do Centro. A nova esplanada, ampla e versátil, com iluminação exterior, apresenta uma decoração focada sobretudo em materiais naturais, como a madeira, tornando-se num local orientado para o ambiente e a sustentabilidade.

“A esplanada reforça mais um dos objectivos, no âmbito da sustentabilidade e política ambiental, definidos para o ano de 2021 e, com todas as restrições ainda impostas para o interior do centro, esta será, sem dúvida, uma mais valia para todos os nossos restaurantes e clientes. Foi também possível reaproveitar alguns dos materiais que já se encontravam no espaço, pondo em prática medidas que promovem a economia circular”, explicou Paulo Ruivo e Silva, Diretor do RioSul Shopping.

O objectivo da esplanada é dar apoio à área da restauração e reforçar ainda a oferta de lugares ao ar livre no RioSul Shopping. A esplanada pode ser utilizada durante o período de normal de funcionamento do Centro Comercial.

Sobre o autor
CONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

UBBO distinguido com ‘Excelente’ na certificação BREEAM

Para Bernardo Rebelo de Freitas, director de Sustentabilidade da CBRE Portugal, este reconhecimento a nível internacional é o espelho do esforço e das diversas optimizações realizadas

CONSTRUIR

O UBBO Shopping Resort, gerido e comercializado pela CBRE, foi distinguido com ‘Excelente’ por um dos principais sistemas de certificação de sustentabilidade de edifícios reconhecido internacionalmente – BREEAM, para as categorias Edifício e Gestão na vertente “Em-Uso”. Este sistema, desenvolvido pelo Building Research Establishment (BRE), permite medir o grau de sustentabilidade dos edifícios, tendo como principal objectivo reduzir os custos de funcionamento e melhoramento do comportamento ambiental dos mesmos.

A certificação BREEAM avalia os edifícios em três categorias distintas – “Nova Construção”, monitorizando o desempenho sustentável dos edifícios nas fases de projecto e construção; “Em Uso”, que mede o mesmo parâmetro, incluindo as características do edifício e os procedimentos de gestão do mesmo; e a categoria “Remodelação”.

Esta certificação permite a proprietários e inquilinos avaliar as práticas de gestão do edifício, desenvolver planos de acção que permitam a melhoria da mesma, desenvolvendo uma avaliação comparativa com outros edifícios. Através deste sistema, os imóveis irão beneficiar de uma redução de custos operacionais, redução do impacto ambiental, melhoria dos níveis de reconhecimento internacional, reforço da responsabilidade corporativa e, consequentemente, o aumento do desenvolvimento de boas práticas, afirmando-se como
empresa mais sustentável.

Para Bernardo Rebelo de Freitas, director de Sustentabilidade da CBRE Portugal, este reconhecimento a nível internacional é o espelho do esforço e das diversas optimizações realizadas, que têm vindo a ser aplicadas e em harmonia com a tendência que se tem vindo a
afirmar no segmento do imobiliário comercial, nomeadamente, a preocupação revelada pelos investidores, no que toca à sustentabilidade dos seus portefólios, ao procurarem práticas de investimento e de gestão mais responsáveis. Mesmo em tempo de pandemia, o UBBO, único
Shopping Resort do país, trabalhou no sentido de poder afirmar a sustentabilidade como um dos seus pilares estratégicos, sendo esta certificação um patamar alcançado de grande importância para todos.

Sobre o autor
CONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

Zome Pr1me reforça presença em Lisboa

Os hubs das Amoreiras e Alvalade são, apesar da actual conjuntura económica, uma confirmação das expectativas de crescimento definidas para 2021, segundo os responsáveis da imobiliária

CONSTRUIR

A Zome Pr1me, empresa do Grupo Pr1me especializada no ramo de mediação imobiliária, acaba de anunciar a abertura de dois novos hubs, um em Alvalade e outro nas Amoreiras. O Grupo mudou ainda de instalações o hub do Campo Pequeno, que está agora num espaço maior nas Avenidas Novas. Estas novas operações significam não só um investimento superior a 1 milhão de euros, mas também um reforço na equipa que ultrapassa agora um total de 250 colaboradores.

Os hubs das Amoreiras e Alvalade são, apesar da actual conjuntura económica, uma confirmação das expectativas de crescimento definidas para 2021. Vêm fortalecer a rede já existente – Abóboda, Avenidas Novas, Cascais e Restelo – assim como o número de colaboradores do Grupo Pr1me. Esta evolução é sinónimo da elevada qualidade e produtividade dos seus Consultores e de toda uma equipa e estrutura que apoia e consolida a sua estratégia de crescimento e negócio.

“Estamos satisfeitos em verificar que as nossas perspectivas de crescimento continuam a consolidar-se apesar do momento conturbado. O nosso sucesso assenta na qualidade profissional dos nossos consultores” refere Nelson Morgado, do Grupo Pr1me

Com um total de seis hubs, o Grupo Pr1me procura assim continuar o crescimento sustentável. “Contamos com um universo de mais de 250 colaboradores, e é nas pessoas que reside a nossa maior vantagem competitiva. Somos a empresa do sector mais produtiva e isso deve-se a um criterioso processo de recrutamento e selecção. Só fazem parte da família Zome Pr1me aqueles que estão cientes e vivem esse espírito. Logo no primeiro momento, e de forma a não gorar expectativas, transmitimos a nossa estratégia e posicionamento, ou seja, o foco na produtividade. Só assim podemos continuar a crescer, manter clientes satisfeitos e equipas estáveis e ansiosas por inovar”, acrescenta.

Sobre o autor
CONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

CBRE: investimento imobiliário no 1º semestre comparável a 2014

Os 530 milhões de euros investidos representam uma redução da actividade apenas comparável com 2014 e os anos anteriores à crise económica e financeira

CONSTRUIR

Acompanhando a tendência do mercado a CBRE terminou a primeira metade do ano com uma quebra de 70%, face ao período homólogo no investimento imobiliário de rendimento. Assim, nos primeiros seis meses do ano, foram investidos 530 milhões de euros em imobiliário de rendimento, o que representa uma redução da actividade apenas comparável com 2014 e os anos anteriores à crise económica e financeira, adiantou a consultora em comunicado. Não obstante, no segundo trimestre registou-se um volume de investimento de 330 milhões de euros, que se traduz num crescimento de 65% face ao trimestre anterior.

Do total investido durante a primeira metade do ano, 40% foi canalizado para activos de escritórios (210 milhões de euros), 31% para imóveis residenciais de arrendamento (165 milhões de euros) e 14% para retalho (75 milhões de euros).

Entre os principais negócios concretizados com a intervenção da CBRE no período em análise destaque para a transação do portefólio Navigator, que integra sete edifícios de escritórios, a assessoria na venda do edifício que aloja a sede da WPP Portugal em Lisboa, a venda do edifício D. Manuel II, no Porto, e ainda a venda do Hotel Exe Saldanha, localizado no centro de Lisboa.

Francisco Horta e Costa Diretor-Geral da CBRE Portugal, destacou em comunicado o facto da consultora ter concluído o primeiro semestre de 2021 na liderança do mercado de investimento, ao participar em 50% das transações realizadas, às quais corresponde 71% do volume total de investimento. O que reflete a resiliência da consultora num período marcado pelo abrandamento no volume de investimento imobiliário.

“Mantemo-nos focados no crescimento da nossa empresa e no seu portefólio de serviços, e neste sentido, no primeiro semestre de 2021, contratámos um novo responsável para a área de Agribusiness e reforçámos a nossa equipa de Capital Markets com um diretor no Porto, confirmando a importância estratégica desta região para a CBRE e a nossa aposta no seu potencial”, referiu Francisco Horta e Costa.

Expectativa e crescimento na 2º metade de 2021

A CBRE projecta uma segunda metade do ano bastante mais dinâmica, em função dos negócios em curso, cujos mais relevantes em termos de valor envolvem as classes de activos associadas a camas – tais como hotéis, habitação e até mesmo algumas unidades de saúde, existindo ainda diversos edifícios de escritórios em negociação.

A consultora prevê um volume de investimento adicional que poderá atingir os 2.200 milhões de euros, o qual inclui “uma transação que per si representa cerca de mil milhões de euros. No entanto, devido à sua dimensão e complexidade, esta poderá derrapar para 2022, impactando fortemente os resultados de 2021″, refere a consultora.
Desta forma, a previsão da CBRE aponta para um intervalo de volume total de investimento em 2021 entre 1.700 e 2.700 milhões de euros, estando a consultora envolvida em 90% do volume de investimento estimado para o segundo semestre.

“Mesmo com toda a incerteza relativamente ao futuro do trabalho e ao regresso ao escritório físico, vemos muito interesse por parte dos investidores em activos de escritórios, em particular nas localizações prime e de referência na cidade. Há muita procura por produto residencial e apesar de Portugal não ter ainda projetos de Build to Rent, estamos envolvidos em algumas transações, tanto de grandes portefólios como de edifícios avulsos. Adicionalmente têm-se concretizado diversos negócios envolvendo vistos ‘gold’ em lojas de comércio de rua, uma tendência que advém da decisão legislativa de término deste programa para o mercado residencial nas zonas litorais, nomeadamente nas cidades de Lisboa e Porto”, adiantou Nuno Nunes, Senior Director para a área de Capital Markets da CBRE Portugal.

Sobre o autor
CONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

JLL comercializa Liberdade 136 em exclusividade

O imóvel foi totalmente reabilitado e na sua concepção interior, com assinatura da Tétris (empresa de construção e arquitectura da JLL), privilegia a flexibilidade funcional

CONSTRUIR

A JLL foi mandatada pela Prowinko, proprietária do imóvel, para a comercialização exclusiva do Liberdade 136, situado em plena Avenida da Liberdade, o mais nobre eixo de escritórios de Lisboa.

No total, estão disponíveis para ocupação 1.367 m 2 de escritórios distribuídos por cinco pisos, destacando-se a fachada requalificada de século XIX do edifício e as enormes janelas que conferem muita luz natural ao espaço e uma vista privilegiada sobre esta emblemática avenida. O imóvel foi totalmente reabilitado e na sua concepção interior, com assinatura da Tétris (empresa de construção e arquitectura da JLL), privilegia a flexibilidade funcional, com recurso a áreas de open space que permitem juntar fracções sem proceder a quaisquer alterações. Dispõe ainda de estacionamento com capacidade para 16 viaturas.

O edifício, situado junto ao teatro Tivoli, integra ainda um espaço comercial no piso térreo, que acolhe a flagship store do grupo André Ópticas, já uma referência incontornável do comércio de luxo naquela zona da cidade. A Avenida da Liberdade reúne uma vasta oferta de hotéis, restaurantes, comércio e serviços, com um forte foco no segmento de luxo, sendo também um eixo estruturante da cidade a nível de acessos e rede de transportes.

Mariana Rosa, Head of Leasing Markets Advisory da JLL, destaca “a disponibilidade imediata de uma área de escritórios moderna no mais conceituado eixo de escritórios de Lisboa, ainda para mais tendo em conta que se trata de uma área cuja dimensão média é atualmente a mais procurada pelas empresas. São muitas vantagens, a que acresce o facto de poder garantir-se uma ocupação única. É uma oportunidade rara, que temos a certeza de que vai ser bastante disputada”.

Sobre o autor
CONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos

Toda a informação sobre o sector da construção, à distância de um clique.

Assine agora a newsletter e receba diariamente as principais notícias da Construção em Portugal. É gratuito e não demora mais do que 15 segundos.

Navegue
Sobre nós
Grupo Workmedia
Mantenha-se conectado
©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.