Edição digital
Assine já
Imobiliário

JLL e Porta da Frente Christie’s comercializam Jardim de S. Mamede

Entre o Príncipe Real e São Bento, o Jardim de S. Mamede é composto por três edifícios que se desenvolvem em torno de um amplo jardim, conjugando a reabilitação de um edifício de fachada tradicional e a reabilitação de um edifício já existente

CONSTRUIR
Imobiliário

JLL e Porta da Frente Christie’s comercializam Jardim de S. Mamede

Entre o Príncipe Real e São Bento, o Jardim de S. Mamede é composto por três edifícios que se desenvolvem em torno de um amplo jardim, conjugando a reabilitação de um edifício de fachada tradicional e a reabilitação de um edifício já existente

CONSTRUIR
Sobre o autor
CONSTRUIR
Artigos relacionados
Alentejo: “A Ordem está agora mais próxima dos problemas locais”
Arquitectura
A digitalização na construção não é o futuro… é o presente
Construção
LIDL vai investir na modernização e abertura de novas lojas
Empresas
Já são conhecidos os 10 finalistas do Prémio Début Trienal de Lisboa. E há um atelier português!
Arquitectura
Jorge Mira Amaral reeleito Presidente da ANIET
Empresas
A nova vida da antiga LUFAPO, onde estarão as novas camas para estudantes, a carteira da Socicorreia na edição 464 do CONSTRUIR
Construção
15 M€ para nova residência de estudantes em Beja
Construção
APCMC quer acelerar a digitalização na indústria dos materiais de construção
Empresas
Grândola: Investidores comprometem-se a reduzir número de camas turísticas e a proteger recursos hídricos
Construção
Hotéis e Logística impulsionam investimento imobiliário para os €640 milhões no 1º semestre
Imobiliário

Situado em plena rua da Imprensa Nacional, que liga o Príncipe Real à tradicional zona de São Bento, está a nascer o condomínio Jardim de S. Mamede. A JLL e a Porta da Frente Christie’s foram as empresas seleccionadas para fazer a sua comercialização.

“É uma oportunidade única de adquirir um apartamento que conjuga a tranquilidade de um condomínio privado, com o quotidiano do bairro mais trendy de Lisboa, o Príncipe Real. Para além dos espaços exteriores, as vistas sobre a cidade e o rio são extraordinárias.”, comenta Patrícia Barão, head of Residential da JLL.

Direccionado para famílias, o Jardim de S. Mamede representa uma oportunidade no centro da capital. “O projecto Jardim de São Mamede representa a última grande oferta numa das zonas mais nobres de Lisboa. Este condomínio pauta ainda pela criação de três conceitos únicos e totalmente diferenciados, adaptados às necessidades de cada família”, refere Rafael Ascenso, director geral da Porta da Frente Christie’s.

O empreendimento é composto por três edifícios que se desenvolvem em torno de um amplo jardim, conjugando a reabilitação de um edifício de fachada tradicional e a reabilitação de um edifício já existente. O conjunto arquitectónico está dividido em três conceitos: Casas da Travessa, Casas da Imprensa e Casas do Jardim.

As Casas da Travessa, arrojadas e luxuosas, reúnem 34 apartamentos (T1 a T3) que se evidenciam pelos amplos terraços e vistas surpreendentes sobre a cidade de Lisboa e rio Tejo. No topo deste edifício localizam-se ainda duas penthouses únicas com vistas de cortar a respiração.

As Casas da Imprensa compreendem 16 apartamentos T1 a T4 (incluindo uma penthouse T4), com vistas não só para o jardim como também sobre a cidade. Este bloco tem entrada a partir da rua da Imprensa Nacional e reinterpreta a história do edifício que ali se localizava.

Já as Casas do Jardim são compostas por apenas dois apartamentos T3, totalmente abrigados e em pleno jardim do condomínio, destacando-se pela sua privacidade, conforto e tranquilidade.

 

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Artigos relacionados
Alentejo: “A Ordem está agora mais próxima dos problemas locais”
Arquitectura
A digitalização na construção não é o futuro… é o presente
Construção
LIDL vai investir na modernização e abertura de novas lojas
Empresas
Já são conhecidos os 10 finalistas do Prémio Début Trienal de Lisboa. E há um atelier português!
Arquitectura
Jorge Mira Amaral reeleito Presidente da ANIET
Empresas
A nova vida da antiga LUFAPO, onde estarão as novas camas para estudantes, a carteira da Socicorreia na edição 464 do CONSTRUIR
Construção
15 M€ para nova residência de estudantes em Beja
Construção
APCMC quer acelerar a digitalização na indústria dos materiais de construção
Empresas
Grândola: Investidores comprometem-se a reduzir número de camas turísticas e a proteger recursos hídricos
Construção
Hotéis e Logística impulsionam investimento imobiliário para os €640 milhões no 1º semestre
Imobiliário
Arquitectura

Alentejo: “A Ordem está agora mais próxima dos problemas locais”

A presidente da recém-criada Secção Regional do Alentejo da Ordem dos Arquitectos fala dos desafios daquele organismo num território que, estando longe de ser pobre, é disperso e obriga a uma maior ‘unidade’ entre os profissionais. Cláudia Gaspar adianta ainda que o PRR não será tábua de salvação na região mas, qualquer que seja o caminho, os arquitectos querem fazer parte do processo de encomenda

“Os princípios da Ordem mantêm-se, com as preocupações naturais da arquitectura e do momento, e de um modo transversal. A Ordem continua a ser uma, mas está agora mais próxima das entidades locais, da sociedade, mais próxima dos problemas locais”.

Dois anos depois de tomar posse como a primeira presidente do Conselho Directivo do Alentejo da Ordem dos Arquitectos, Cláudia Gaspar traça um balanço positivo da nova organização daquele organismo, sublinhando que entre as prioridades da nova secção esteve sempre “o reconhecimento das mais valias existentes localmente, dos saberes locais”.

“Estamos hoje mais próximos das dificuldades que os arquitectos têm na sua prática quotidiana, sejam os que trabalham na Administração publica, os que trabalham nos seus gabinetes privados ou os que são trabalhadores independentes, uma grande maioria da realidade do Alentejo”, salienta Cláudia Gaspar, à margem de um painel dedicado ao Território e que reuniu, no Archi Summit, os presidentes de algumas das novas secções regionais da Ordem dos Arquitectos.

Para a responsável pela estrutura do Alentejo, naquela região, extensa, os arquitectos têm a particularidade de trabalhar num território disperso, de forma dispersa e muitas vezes de costas voltadas uns para os outros.

“Uma das nossas premissas tem sido conseguir colocar os arquitectos a dialogar entre eles mas, acima de tudo, fazer a ponte entre a arquitectura e a sociedade, com uma série de actividades de divulgação da arquitectura, conferências, mesas redondas”, assegura, sublinhando que têm sido iniciativas “muito bem acolhidas”. Cláudia Gaspar destaca, essencialmente, o trabalho institucional que tem sido feito junto das 47 autarquias e das quatro comunidades inter municipais, trabalho que “tem sido um trabalho longo e será extenso, num ano particularmente difícil em que temos o PRR e as câmaras numa logica de contra relógio para conseguir alguns fundos no âmbito do Programa para, sobretudo habitação”.

“Queremos ser intervenientes do processo de encomenda e da contratação publica de arquitectos para um melhor ambiente construído, para uma melhor arquitectura e, com isso, para uma melhoria da qualidade de vida no Alentejo”, acrescenta ao CONSTRUIR a presidente da secção regional do Alentejo dos Arquitectos. “Estamos numa região em que boa parte dos municípios nunca reuniu com a Ordem dos Arquitectos, que começa agora a ser notada. E esse tem, também, de ser o nosso papel”, garante Cláudia Gaspar.

Território “riquíssimo”
Remetendo para uma imagem pré-concebida do Alentejo como território pobre, a arquitecta logo contraria essa ideia, assumindo que estamos a falar de um território “riquíssimo”. “E tem dificuldades como todos têm”, acrescenta. No entender de Cláudia Gaspar, “o Alentejo sofre, desde logo, com a diferenciação entre o que é o rural e o urbano. Temos um território com uma grande área de propriedade rural mas não é de todo pobre. A questão da paisagem, e entenda-se a paisagem cultural, urbana e rural, é altamente dinâmica. Não é agora, que existem fundos e que tanto se fala no famoso PRR, com fundos que chegam de forma transversal a todo o País, que o Alentejo vai dar o salto no seu desenvolvimento”, garante a arquitecta, que assegura que o Alentejo já está em franco desenvolvimento há muito tempo. “O Pólo tecnológico de Sines é apenas um exemplo dessa atractividade”, garante, sublinhando que os arquitectos já estão no terreno a acompanhar essas dinâmicas. Há, no entanto, desafios. Cláudia Gaspar salienta que “o Planeamento no Alentejo nem sempre é feito a pensar no longo prazo ou num ordenamento de território sustentável mas sim, muitas vezes, a pensar no benefício rápido”.

Não sendo uma prioridade, a representante dos arquitectos no Alentejo alerta para um fenómeno crescente que importa ser olhado com atenção e que merece a melhor resposta. Há, em virtude da aposta numa agricultura intensiva, um aumento considerável de população – essencialmente proveniente de países asiáticos – para trabalhar nas estufas, fenómeno que obriga a uma resposta habitacional que hoje ainda não existe. “O papel da Ordem é, mais uma vez, articular todos os agentes, colocar a sociedade em contacto com a arquitectura e desmistificar a ideia de que a arquitectura é uma disciplina para as elites”, conclui.

Sobre o autorRicardo Batista

Ricardo Batista

Director Editorial
Mais artigos
Construção

A digitalização na construção não é o futuro… é o presente

A indústria da construção portuguesa terá em breve uma primeira família de normas BIM traduzida para a contexto nacional, este será um passo importante para acelerar a digitalização e industrialização do sector

Os últimos dois anos mudaram a forma como nos relacionamos, como trabalhamos ou prestamos serviços e nem a construção escapou a essa revolução e ainda bem. Vários dados apontam para que o crescimento anual da produtividade do sector nos últimos 20 anos tenha sido apenas um terço da média total da economia. A digitalização do sector é a mais baixa do que em quase todas as outras indústrias. E este é um desafio premente que o sector tem que enfrentar de forma a poder acelerar a sua industrialização, inovação e sustentabilidade. Mas este não é um desafio que se irá colocar no futuro, antes pelo contrário é algo que já está em atraso e que o sector tem hoje que enfrentar. Afinal, a revolução do sector já está em marcha. Em Portugal o Built CoLAB, o laboratório colaborativo para a digitalização da construção, está a liderar esta revolução. O Laboratório foi criado para aproximar a indústria dos centros de investigação e das universidades e tem focado o seu trabalho na transição digital e na transição verde – a Twin Transition – ou seja, na necessidade de acelerar a digitalização e sensibilizar a indústria para a sustentabilidade.

Um dos projectos em curso no Built CoLAB é o processo de tradução de normas internacionais BIM para Portugal. A normalização é um dos “pilares dos processos de implementação do BIM e uma chave para melhorar a colaboração entre todos os actores da indústria”. Nesse âmbito, o laboratório assumiu o papel de Organismos de Normalização Sectorial, sendo a entidade que coordena a Comissão Técnica de Normalização BIM 197, a CT 197, a qual inclui dezenas de outros intervenientes, entre universidades e indústria.

“A CT 197 tem aqui um trabalho de normalização que é desafiante porque a nível europeu nos últimos anos foram produzidas dezenas de normas. Estamos a falar de normas BIM e não só o âmbito do trabalho desta comissão é mais amplo”, afirma António Aguiar Costa Director de Investigação, desenvolvimento e Inovação Built CoLAB.

Se é verdade que a digitalização e inovação da indústria levou à adoptação de novas tecnologias e softwares, de que o BIM é o exemplo mais comum, também é verdade que criou novos desafios “Como é que organizo os dados? Como é que se transmitem esses dados de forma que os outros percebam? Como é que se gere a qualidade desses dados ou dessa informação? Ou do lado da entidade contratante, como é que eu contrato essa informação? Porque de repente não tenho só um projecto ou só uma obra eu tenho isso e mais um modelo digital de informação que vai crescendo ao longo do ciclo de vida do empreendimento”, explica o director de investigação, desenvolvimento e inovação do Built CoLAB.
A normalização do sector é a chave para descodificar e facilitar todo este ‘novo mundo’. “A nível internacional há várias normas, mas uma das mais relevantes é a EN ISO 19 650, que tem várias partes e que foi assumida como norma europeia e é essa família de normas que temos estado a traduzir para Portugal”, sublinha António Aguiar Costa. As normas estão traduzidas e aguardam pela publicação pelo Instituto Português de Qualidade, o que poderá acontecer já no próximo mês de Setembro.

“A norma NP EN ISO 19 650 será um referencial que no fundo vem mudar o paradigma. A adopção da norma, que é um processo voluntário, vem facilitar o processo de gestão da informação pela utilização de standards e guide lines para gerir o fluxo de informação que os novos softwares criaram. No fundo diz-nos como é que vamos comunicar e que informação partilhamos online e que obriga também a ter um ambiente comum de dados para aquele projecto ou para aquele empreendimento”, refere António Aguiar Costa.

Portugal só agora está a dar passos na introdução deste referencial, mas a nível internacional há países, entre eles o Reino Unido, a condicionar o acesso a concursos a entidades que já o adoptem.
Mas o processo de normalização de dados para produtos de construção é em si um desafio, á que é preciso definir o que é informação relevante “não gráfica” e que essa nomenclatura seja entidade por todos e “partilhável”. “A definição destas informações de uma forma normalizada pode ser realizada através da utilização de Modelos de Dados de Produtos ou Product Data Templates”.
Paralelamente à tradução da família de normas BIM a comissão CT197 está a desenvolver dois outros projectos de investigação o SECCLASS e o [email protected]

O primeiro introduz um Sistema de Classificação de Informações sobre Construção. Este sistema será orientado para a metodologia BIM e servirá não só a componente de sustentabilidade, mas também os restantes usos BIM, como a gestão do processo BIM, quantificação, compatibilização de especialidades ou planeamento de obra. “Este sistema vai ser usado por profissionais de projecto, construção e responsáveis pela gestão e manutenção de edifícios. Permitirá unificar a terminologia a todas as escalas, facilitando a comunicação, selecção de materiais e componentes, bem como uma avaliação precisa dos impactos dos edifícios ao longo do seu ciclo de vida”.

Já o [email protected] é um projecto com um financiamento de 8 milhões de euros que envolve mais de 20 entidades, entre universidades e indústria, cujo trabalho de I&D está orientado para o desenvolvimento de ferramentas digitais que facilitarão a introdução do conceito de Digital Twin na indústria de construção. Uma dessas ferramentas é a criação de uma “biblioteca” de objectos BIM. “Uma espécie de plataforma online disponível para que a indústria possa ter o seu objecto de BIM e que arquitectos e projectistas possam usar nos seus projectos”, simplifica António Aguiar Costa.

Um sector a várias velocidades
Quão envolvida está a indústria em Portugal nesta revolução? E quão preparada está para passar de 2.0 a 4.0, em menos do nada? Num país onde as pequenas e médias empresas ainda são a maioria, estas não são questões fáceis de responder. “Acredito que há aqui dois movimentos: há empresas PME, que serão a maioria, que estarão mais alheadas do investimento em tecnologia e inovação, mas há outras que nasceram neste meio e que hoje em dia fazem consultoria BIM, pré construção virtual e noto que essas empresas estão envolvidas em projectos de investimento estrangeiro associado ao sector imobiliário”, arrisca o especialista.

A “obrigatoriedade” de adopção do BIM pode ser um caminho para acelerar o processo de transformação, mas por enquanto “o Governo não quer assumir essa responsabilidade. Contudo, o que acontece é que cria desequilíbrios porque há entidades que têm força e capacidade de investimento para mudar e há outras não e ninguém se responsabiliza por estes que não têm capacidade para fazer a mudança. Uma grande parte das PME não está dentro do processo sequer, e a obrigatoriedade levava a que houvesse um movimento para criar as bases desta mudança, que tem que ser faseada, progressiva e adaptada ao contexto”, defende António Aguiar Costa.

Sobre o autorManuela Sousa Guerreiro

Manuela Sousa Guerreiro

Mais artigos
Empresas

LIDL vai investir na modernização e abertura de novas lojas

A cadeia de retalho vai investir 200 milhões de euros até ao final do ano em Portugal. Deste 125 milhões de euros destinam-se à intervenção no parque de lojas

Desde 2017, o investimento do Lidl em Portugal já contabilizou 1000 milhões de euros. A cadeia de retalho veio agora sublinhar o compromisso com o país e anuncia o investimento de 200 milhões de euros, a realizar até ao final do ano. A maior parte da verba, 125 milhões de euros, terá como destino “intervenção no parque de lojas (remodelações, modernizações e novas aberturas)”, sublinha a cadeia. “O Lidl contribuirá igualmente, de forma activa, para reabilitar as zonas envolventes, facilitando vida e apoiando as comunidades locais onde está inserido”, acrescenta em comunicado.

O investimento no país tem vindo a intensificar-se ao longo dos anos e, desde 2017, soma cerca de 1000 milhões de euros – em 2018, foi inclusive responsável por 1% do PIB nacional, segundo um estudo de impacto económico realizado pela consultora independente KPMG. Para além da contínua modernização e abertura de lojas, o Lidl inaugurou, em 2020, um novo entreposto em Santo Tirso, semi-robotizado, que levou ao desenvolvimento de uma nova zona industrial no Norte país e à criação de 200 novos postos de trabalho, estando também a construir um novo entreposto em Loures, para reforçar a capacidade de abastecimento e armazenamento das suas lojas da região centro.

Em Portugal há 27 anos, o Lidl tem actualmente uma rede de mais de 269 lojas, de Norte a Sul do país, e quatro entrepostos (Santo Tirso, Palmela, Sintra e Torres Novas), sendo que até ao final de 2022 a cadeia prevê intervir em cerca de 25 lojas, das quais 6 serão totalmente novas.

Actualmente com mais de 8200 colaboradores, e uma aposta numa oferta de emprego estável e de qualidade, as exportações de produtos portugueses que facilita para 29 dos 32 países onde está presente, representam 2% das exportações nacionais de produtos alimentares para países da União Europeia.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Arquitectura

Já são conhecidos os 10 finalistas do Prémio Début Trienal de Lisboa. E há um atelier português!

Segundo o júri, “entre estas práticas jovens de diferentes continentes podemos aprender muito com a diversidade de perspectivas emergentes sobre sustentabilidade, equidade social e inclusão na comunidade”

Já são conhecidos os dez finalistas do Prémio Début Trienal de Lisboa Millennium bcp. Indo ao encontro do tema da 6ª edição da Trienal em 2022 – Terra –  a selecção apresenta uma maior diversidade geográfica, com práticas dos dois hemisférios do globo. São eles o atelier Tiago Antero – ATA (Portugal), o atelier Tropical – Valerie Mavoungou (Congo), Ben-Avid (Argentina), messina/rivas architecture office (Brasil), Nana Zaalishvili (Georgia), Rohan Chavan (Índia), Savinova Valeria (Rússia), Spatial Anatomy (Singapura), vão (Brasil) e Vertebral (México).

Sobre a diversidade desta lista, o júri considera que “se as primeiras obras de um percurso em arquitectura apontam o caminho posterior de quem as projecta, a partir dos dez finalistas Début é possível imaginar o trabalho futuro de toda uma geração. Entre estas práticas jovens de diferentes continentes podemos aprender muito com a diversidade de perspectivas emergentes sobre sustentabilidade, equidade social e inclusão na comunidade. Uma dezena de finalistas que prova não só o que a arquitectura pode fazer, mas, mais relevante, o que deve fazer no presente ao serviço do nosso futuro.”

O Prémio Début Trienal de Lisboa Millennium bcp é atribuído após uma selecção independente com duas fases distintas. Primeiro, é aberta uma chamada à apresentação de candidaturas auto-propostas. Simultaneamente, algumas dezenas de individualidades da área da arquitectura a nível internacional são convidadas pela Trienal a nomear quem considerem merecer esta distinção. Depois, o conjunto das propostas é disponibilizado ao júri, que selecciona a lista de finalistas e a prática vencedora.

A Trienal de Lisboa recebeu para esta edição 95 candidaturas de 38 países.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Jorge Mira Amaral reeleito Presidente da ANIET

Apostar na indústria e manter o forte impacto económico na balança comercial é o objectivo para o próximo triénio

CONSTRUIR

Apostar na indústria e manter o forte impacto económico na balança comercial é o objectivo para o próximo triénio do presidente da Associação Nacional da Indústria Extrativa e Transformadora (ANIET). A reeleição decorreu em Assembleia Geral, onde ficaram definidos também o plano de actividades e os restantes órgãos sociais.

Jorge Mira Amaral foi reconduzido, por unanimidade, a novo mandato na presidência da ANIET. A Assembleia Geral aprovou o plano de actividades para os próximos três anos com foco na resposta às necessidades das empresas associadas.

“O nosso objectivo é continuar a servir os nossos associados, com dedicação e muita acção de proximidade, e aumentar o crescimento, cada vez mais sustentável, das exportações das rochas ornamentais, minerais industriais, metálicos e não metálicos. Somos um país rico em quantidade e em diversidade destes recursos e acreditamos que este sector tem de ser mais divulgado, compreendido e valorizado. Sem indústria extractiva não há presente, nem haverá futuro”, referiu Jorge Mira Amaral.

Tendo em conta obstáculos como o elevado custo de extracção e transformação, comparativamente com outros países concorrentes, a dificuldade em investir em inovação e emprego qualificado, a ANIET pretende “apoiar a internacionalização e exportação, desenvolver uma campanha de comunicação e imagem sobre a importância do sector e tornar possível, a todas as empresas, a sua integração numa economia circular”, acrescentou.

O plano de actividades definido em Assembleia Geral reflecte a preocupação da consolidação da actividade e da dinamização do sector.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

A nova vida da antiga LUFAPO, onde estarão as novas camas para estudantes, a carteira da Socicorreia na edição 464 do CONSTRUIR

Conheça a nova vida do Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro, os projectos que a Socicorreia tem em carteira pela voz do seu CEO e os desafios que os Municípios têm pela frente na edição 464 do CONSTRUIR. Mas há muito mais para ler

CONSTRUIR

Antiga LUFAPO ‘renasce’
como “Hub criativo e inovador”

O Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro pretende recuperar a memória da antiga fábrica de cerâmica. Com base nos conceitos arquitectónicos New European Bauhaus, o ‘novo’ LUFAPO Hub irá ter como premissas a inovação, sustentabilidade e inclusão. O espaço vai recuperar, ainda, o espólio da antiga LUFAPO, que se encontra na Universidade de Coimbra

134 propostas avançam para financiamento
É o maior investimento na criação e modernização da rede de alojamento de estudantes do ensino superior, o que corresponde a um investimento de 375 milhões de euros

Quadrante na Nigéria com obra de 1,85 MM€
Investimento traduz-se no maior projecto desenvolvido [até ao momento] pela Quadrante, estando a construção a cargo da Mota-Engil

‘Dubai na Madeira’ pela mão da Socicorreia
A aposta da Varino, que une os grupos AFA e Socicorreia, envolve sete gabinetes de arquitectura e pretende criar uma nova centralidade, moderna e sustentável

Dossier: Municípios
Habitação, redes de água e descentralização. Muitos são os desafios que as autarquias têm pela frente, ora porque têm verbas adicionais disponíveis, ora porque têm maiores responsabilidades

A versão completa desta edição é exclusiva para subscritores do CONSTRUIR. Pode comprar apenas esta edição ou efectuar uma assinatura do CONSTRUIR aqui obtendo o acesso imediato.

Para mais informações contacte: Graça Dias | [email protected] | 215 825 436

Nota: Se já é subscritor do CONSTRUIR entre no site com o seu Login de assinante, dirija-se à secção PLUS – Edição Digital e escolha a edição que deseja ler

ACEDA AQUI À VERSÃO DIGITAL DA EDIÇÃO IMPRESSA DO CONSTRUIR 464

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

15 M€ para nova residência de estudantes em Beja

O projecto, englobado no Plano Nacional para o Alojamento no Ensino Superior e que será financiado pelo Programa de Recuperação e Resiliência, prevê a criação de 503 camas

CONSTRUIR

O Instituto Politécnico de Beja (IP Beja) viu aprovada a sua candidatura, em parceria com a Câmara Municipal de Beja, para a construção de uma nova residência de estudantes. O projecto, englobado no Plano Nacional para o Alojamento no Ensino Superior e que será financiado pelo Programa de Recuperação e Resiliência, prevê a criação de 503 camas, num investimento de 15 milhões de euros, com execução até 2026.

Esta foi uma das 33 candidaturas relativas a construção de novas residências aprovadas em Julho e que totalizam um investimento global de 178 milhões de euros, na criação de 5857 novas camas em todo o país.
Em comunicado, o IP Beja “congratula-se com o resultado desta candidatura, fruto de um intenso trabalho de cooperação interinstitucional, que irá dotar o Instituto e a cidade de Beja de um alojamento estudantil com características inovadoras e ganhos de eficácia a vários níveis”.

O PNAE irá financiar 1991 novas camas para estudantes na região do Alentejo, para além da nova residência do IP Beja, Sines irá receber também a nova residência de estudantes do Alentejo Litoral, um projecto promovido pelo IP Setúbal. Para além disso serão ampliadas e renovadas residências de estudantes em Évora e Portalegre.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

APCMC quer acelerar a digitalização na indústria dos materiais de construção

Parte central do projecto Speed up: Materiais de Construções a nova plataforma da APCMC já arrancou. A Datacheck vai colocar a indústria dos materiais de construção e as empresas distribuidoras a comunicar com base nos mesmos standards, acelerando a digitalização da indústria dos materiais de construção

Designado “Speed Up: Materiais de Construção 4.0” o projecto da Associação Portuguesa dos Materiais de Construção tem como principal objectivo “acelerar a transição dos materiais de construção para uma nova realidade de adopção tecnológica e digital nos processos de negócio das pequenas e médias empresas. Estas são condições essenciais ao desenvolvimento de uma abordagem integral e integrada na fileira da construção nacional. A criação de uma plataforma nacional de produtos para a construção – a datacheck – é o elemento central deste projecto. A plataforma está pronta agora é preciso a adesão da indústria como afirma José Matos, secretário-geral da Associação Portuguesa dos Comerciantes de Materiais de Construção.

O que é a APCMC Datacheck?
É uma plataforma de gestão que será o garante da qualidade da informação sobre os produtos, a qual será directamente carregada e actualizada pelos fornecedores, num formato e com estrutura standard a nível europeu. A partir daí os comerciantes e distribuidores poderão, de forma simples fazer o download de toda a informação sobre os produtos, incluindo preços, imagens, fichas técnicas, etc, etc..

Qual o ponto de situação da implementação da Datacheck?
Este é um projecto que está a ser desenvolvido há cerca de 2 anos. Registou algum atraso devido à pandemia, mas não do ponto de vista do desenvolvimento tecnológico e deverá estar totalmente operacional até ao final do ano. É parte integrante de um projecto mais amplo o “Speed Up: Materiais de Construção 4.0”, que compreende várias componentes e acções no sentido de informação sobre processos e de capacitação das empresas de forma que estas possam tirar maior partido da digitalização nos seus processos internos, sejam eles logísticos, marketing, entre outros.

Qual é a referência base deste projecto?
O elemento mais importante do ponto de vista instrumental e prático é a criação de uma plataforma nacional, um percurso idêntico ao que o resto da Europa, em especial Alemanha, Bélgica, França, Holanda, Itália ou Áustria tem vindo a fazer ao longo dos anos. Seguindo um movimento voluntário, quer das várias associações do sector dos distribuidores quer também da associação europeia de fabricantes que está neste momento em processo formal de criação de um guia europeu que permita standardizar e harmonizar todas estas plataformas nacionais. Este é um trabalho que tem sido feito nos últimos anos e neste momento está a ser criado o standard europeu destas plataformas para que haja uma interoperabilidade entre elas e para que os fabricantes e comerciantes europeus possam receber os dados nos mesmos formatos e não estar cada país a usar formatos diferentes e estruturas de dados diferentes.

Mas há uma obrigatoriedade do ponto de vista legal ou é uma mobilização da indústria/distribuidores?
É um processo voluntário não é obrigatória, mas que está a ser ajustado face às novas regras que estão a ser propostas nesta revisão de regulamento dos produtos de o qual prevê a criação de uma base de dados europeia sobre os produtos de construção, o que por sua vez está ligado à criação de um passaporte europeu de produtos de construção… mas todo este trabalho está a ser feito com base no que já existe na indústria. Não é algo absolutamente novo. Está-se a aproveitar algo que na Europa já é comum que são estas estruturas de dados que estão a ser comunicados dentro do sector por processos deste género e era muito importante que Portugal acertasse o passo com o resto da europa porque vêm aí as obrigações regulamentares.

Em que fase do processo é que estamos?
A plataforma está a funcionar. Obviamente que há ajustamentos que estamos a fazer de funcionalidade e de adaptação do funcionamento que se mostrem necessário que vão surgindo durante a sua utilização, mas neste momento já está a funcional. Temos entre 50 a 60 distribuidores registados na plataforma nacionais e 35 fabricantes registados, embora nem todos eles tenham ainda disponibilizado todos os dados. Este está a ser um processo lento porque apesar da informação existir nas empresas estas, em especial as de média e pequena dimensão, não têm recursos humanos suficientes para tratar os dados que têm em diferentes plataformas e em diferentes formatos ou em departamentos diferentes. A Datacheck tem cerca de 150 campos de informação que podem ser actualizadas permanentemente. Mas estamos a trabalhar com as empresas no sentido de as ajudar a fazer essa adaptação e acelerar esse trabalho.

Com quantas empresas estão a trabalhar?
Estamos a trabalhar com trinta e tal empresas nacionais e internacionais. Aliás, para estas últimas este é um processo mais fácil porque estão habituados a trabalhar desta forma nos mercados europeus e entendem a necessidade de harmonização.

Mas do ponto de vista nacional esta já é uma indústria exportadora…
E por isso também é importante para a indústria nacional, que esta a ter as solicitações noutros mercados e precisa de enviar os seus dados para data pools diferentes em formatos diferentes e, portanto, digamos que se fizer o processo a nível nacional fica com uma estrutura de dados europeia, o que lhe facilita o envio da informação para os seus clientes internacionais. Além disso, este trabalho de harmonização inclui a harmonização com o sistema de classificação de produtos internacional, o eTime.

O que está interligado com recolha de informação que é pedida pela Datacheck.
Exactamente. Tudo isso está integrado na plataforma se for indicado o sistema de classificação e a classe do produto automaticamente são indicadas as características técnicas do produto na própria plataforma. Se o fabricante não utilizar um sistema de classificação vai ter que identificar as características técnicas do produto na plataforma, o que também é possível.
É preciso não esquecer que a jusante desta indústria, estão os projectistas, arquitectos, construtores para quem esta informação e estes dados são importantes e que podem passar a ter acesso a informação estandardizada e que pode ser usada por outras ferramentas e software designadamente o BIM. Um dos elementos que pode acompanhar a informação produto é o objecto BIM que passa a estar disponível logo no artigo.

Quantas empresas já completaram o processo?
Como lhe disse temos registados entre 35 a 40 empresas, mas disponíveis a ser utilizados estão cinco, as restantes estão em diferentes fases do processo e algumas estão quase em fase de arranque outras têm o seu processo interno mais atrasado. Até ao final do contamos ter em funcionamento estas 35 a 40 empresas.

Face ao universo das empresas do sector este número representa quanto?
Em termas de empresas não representará mais de 20% das empresas fabricantes, mas representará em termos de volume de negócios se calhar 80%.

Para as empresas mais pequenas tem sido fácil explicar a importância e fazê-las aderir ao projecto?
É mais complicado porque as empresas têm poucos recursos humanos e estão mais limitadas, mas a aceitação e a adesão das empresas têm sido enormes, demora é tempo a concretizar-se.

Num mundo que já é globalizado só agora a indústria dos materiais de construção está a despertar para esta necessidade de harmonização?
O sector da construção está atrasado. Todos nós gostávamos de estar como o sector automóvel. Isto é um trabalho de fundo que na Europa se está a fazer há 30 anos e nós estamos a começar agora. Claro que aproveitamos tudo o que a Europa já produziu e todo o seu processo de aprendizagem. Hoje é mais fácil porque temos as ferramentas, a experiência, temos as empresas internacionais a trabalhar nos mesmos moldes e temos standards europeus que antes não existiam.
A implementação torna-se mais rápida, mas, ainda assim, é um trabalho que irá demorar meses, devemos atingir um patamar mínimo no final deste ano e depois esperamos que em dois a três anos se complete.

Sobre o autorManuela Sousa Guerreiro

Manuela Sousa Guerreiro

Mais artigos
Construção

Grândola: Investidores comprometem-se a reduzir número de camas turísticas e a proteger recursos hídricos

A redução do número de camas turísticas irá aplicar-se aos empreendimentos turísticos, que se encontram em fase de construção ou em processo de licenciamento

CONSTRUIR

O Município de Grândola reuniu com os promotores dos empreendimentos turísticos das áreas programadas da faixa costeira, com o intuito de sensibilizar os mesmos para a necessidade de repensarem os seus projectos, com vista à redução do número de camas turísticas, bem como à implementação de medidas que contribuam para o crescimento sustentável da região, em respeito pela população, a natureza e o ambiente.

A participação e os importantes contributos de todos os presentes, revelaram-se unanimes, resultando num compromisso conjunto, com vista à redução significativa do número de camas turísticas, bem como à defesa dos recursos hídricos e à implementação de soluções de dessalinização da água do mar, para utilização das regas dos campos de golfe e áreas verdes.

“O investimento turístico e imobiliário tem de ser assente no crescimento sustentável do nosso concelho, por forma a beneficiar os munícipes e a sua qualidade de vida, tem de respeitar o ambiente, os recursos hídricos, a paisagem e prevenir os riscos das alterações climáticas”, afirmou António Figueira Mendes, presidente da Câmara Municipal de Grândola, salientando a importância da reunião e dos consensos estabelecidos.

Revelámos aos promotores turísticos as nossas prioridades e preocupações a aceitação foi plena. Todos garantiram que tudo farão para o desenvolvimento sustentável do concelho de Grândola”.

A autarquia esclarece que, a redução do número de camas turísticas irá aplicar-se aos Empreendimentos Turísticos, que se encontram em fase de construção ou em processo de licenciamento, abrangidos por áreas programadas em Planos Territoriais de Âmbito Municipal aprovados antes da entrada em vigor do Plano Regional de Ordenamento do Território do Litoral Alentejano (PROTA – 2010).

Actualmente, está em curso e em fase de finalização o processo de alteração do Plano Diretor Municipal, aprovado em Assembleia Municipal, o qual irá definir regras mais apertadas para o investimento turístico e imobiliário.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

Hotéis e Logística impulsionam investimento imobiliário para os €640 milhões no 1º semestre

Em conjunto, os dois segmentos geraram 66% do montante investido nos primeiros seis meses do ano. O 2º trimestre foi o motor deste resultado

CONSTRUIR

A JLL acaba de divulgar os resultados do seu mais recente research trimestral, o Market Pulse, revelando que as transacções de hotéis e de industrial & logística impulsionaram o investimento imobiliário comercial no 1º semestre. Em conjunto, os dois segmentos garantiram 66% do montante transaccionado no semestre, o qual ascendeu a 640 milhões de euros. O 2º trimestre deu o principal contributo a este resultado, registando €436 milhões de investimento. Os dois sectores geraram 84% do investimento no trimestre em questão.

Pedro Lancastre, CEO da JLL Portugal, explica que “depois de um 1º trimestre pouco animado, o 2º trimestre acelerou fortemente e duplicou o investimento. Neste trimestre foi ainda mais visível a influência da compra de hotéis e de activos de industrial & logística, pois foram responsáveis por quase €370 milhões dos €436 milhões transaccionados”. Para o responsável, “a forte recuperação dos indicadores hoteleiros e a intensificação da absorção e das rendas de industrial & logística” são alguns factores a explicar o foco dos investidores nestes dois segmentos.

Quanto ao resto do ano, “a perspectiva para os próximos trimestres mantém-se positiva com o foco nos segmentos que têm tido maior procura em termos de volume. Acreditamos que 2022 vai superar o montante transaccionado o ano passado. Existem actualmente muitos portfólios já em processo de venda e outros em fase de negociação. Claro que as condições macroeconómicas e geopolíticas são desafiantes, mas os negócios imobiliários continuam a ser bastante competitivos e Portugal destaca-se no panorama internacional. O nosso país tem uma boa posição geográfica, segurança e boa qualidade de vida, bons fundamentais de mercado, incluindo as yields. Inicialmente tínhamos previsto uma nova compressão das yields, mas neste cenário de aumento da inflação e taxas de juro, deverão manter-se estáveis e Portugal continua a ter um diferencial muito apelativo face a outros mercados. Temos, em geral, retornos mais atractivos, num mercado percebido de baixo risco”.

O novo relatório da JLL evidencia ainda o desempenho dos mercados ocupacionais, liderados pelos escritórios, onde a ocupação em Lisboa em seis meses já supera a actividade de todo o ano passado, atingindo 168.000 m2. No Porto, soma mais de 30.000 m2, em forte crescimento com os semestres idênticos de 2019, 2020 e 2021. Grande destaque para o 2º trimestre, que gerou mais de 60% do take-up anual em Lisboa e 80% no Porto.

Num contexto de recuperação do turismo, os hotéis estão a destacar-se uma vez que os indicadores de desempenho se aproximam já do período pré-Covid. No caso de Lisboa, a Diária Média actual já supera a de 2019 e no Porto a diferença é residual.

Em industrial & logística, especial nota para o bom desempenho na ocupação (160.000 m2 no semestre) e para uma trajectória de crescimento das rendas, um movimento que se antecipa também para o retalho prime até ao final do ano. O comércio de rua tem registado bons níveis de procura, com novas aberturas em Lisboa e Porto, estimulado pela recuperação do consumo e do turismo.

Na habitação, a nota continua a ser de forte nível de actividade das vendas e níveis robustos de preços, evidenciando-se a crescente dinâmica dos compradores nacionais, ao mesmo tempo que os internacionais continuam a gerar uma procura sólida, liderada pelos Estados Unidos, Reino Unido e Alemanha.

“Um dos principais desafios do mercado imobiliário português continua a ser as limitações do lado da oferta, transversais a todos os segmentos. Acontece que há um forte aumento nos custos de construção e é natural que os novos produtos planeados sofram ajustamentos, afectando ainda mais o fluxo de oferta disponível. Isso deverá ter um impacto no desempenho do mercado a nível de absorção e vendas, sendo importante enfatizar que este facto não é o resultado de escassez de procura. Continua a haver um forte apetite pelo mercado imobiliário, seja enquanto utilizador, comprador, ocupante ou investidor, quer nacionais quer estrangeiros”, sublinha ainda Pedro Lancastre.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.