Já são conhecidos os vencedores do Prémio Nuno Teotónio Pereira 2019

Por a 2 de Outubro de 2019

Atribuído pelo Instituto de Habitação e Reabilitação Urbana (IHRU), o Prémio Nuno Teotónio Pereira 2019 distinguiu diferentes projectos de reabilitação, assim como teses de mestrado e doutoramento num total de 11.

Na categoria de Reabilitação de Edifício de Habitação foi premiada a Casa António Patrício, no Porto. O projecto é do Atelier in.vitro, de Joana Leandro Vasconcelos, com colaboração de Mafalda Cabeleira, promovido por Cristina Coelho e Frederico Burmester e obra da Coeng Construção. O júri distinguiu, ainda nesta categoria, o projecto Restauração 430, de César Machado Moreira e Cláudia Dias. A promoção é de  Country Corner – Gestão e Investimentos e executada por Matriz Sociedade de Construções.

Na categoria de Reabilitação de Edifício de Equipamento foi distinguida a recuperação das Instalações da Cerâmica Antiga de Coimbra. Com projecto de Luísa Bebiano e Atelier do Corvo, a obra foi promovida pela Sociedade Cerâmica Antiga de Coimbra e executada por Civifran – Construções.

Ainda na mesma categoria foi atribuída uma Menção Honrosa – Galeria da Biodiversidade à reabilitação da Casa Andresen no Jardim Botânico. O projecto é de Nuno Valentim e Frederico Eça, promovido pela Universidade do Porto e executada por AOF – Augusto de Oliveira Ferreira & Co.

Já na variante de Reabilitação ou Requalificação de Espaço Público, o Campo das Cebolas e construção de parque de estacionamento semi-subterrâneo, projecto de João Luís Carrilho da Graça com Victor Beiramar Diniz recebeu uma Menção Honrosa. Promovida pela Câmara Municipal de Lisboa, a obra foi executada por ABB – Alexandre Barbosa Borges.

Foram ainda atribuídos mais seis prémios e menções para trabalhos académicos com vista a teses de mestrado e doutoramento que abordaram temáticas relacionadas com a Habitação e a Reabilitação Urbana.

Assim, na Reabilitação Urbana, na variante Tese de Doutoramento o prémio foi para o arquitecto João Appleton, pela Tese “A Avenida Almirante Reis, Uma História Construída do Prédio de Rendimento em Lisboa”. Na variante Dissertação de Mestrado foi premiada a arquitecta Ana Sofia Antunes Moreira, pela dissertação “O Regime Jurídico da Reabilitação Urbana – da programação à intervenção. Operacionalizar a reabilitação urbana: o caso de Condeixa-a-Nova”. Nesta variante houve ainda uma Menção Honrosa para a arquitecta Ana Filipa Moreira Dias, pela dissertação “Instrumento, processo, estratégia: Caldas do Moledo como laboratório metodológico da metamorfose do Lugar e do Tempo nas paisagens arquitetónicas do Douro”.

Já com o tema Habitação e Modelos de Habitar, foi premiado a Tese de Doutoramento “Culturas de Investigação em Arquitetura: Linhas de pensamento nos centros de investigação, 1945-1974”, do arquitecto Bruno Gil. Já a dissertação “FUZETA – Um núcleo urbano piscatório singular”, da arquitecta Mafalda Pacheco, recebeu a Menção Honrosa.

Na variante Dissertação de Mestrado, o prémio foi para o trabalho da arquitecta Andreia Jorge Martins, “A habitação temporária no Barrocal do Douro – Picote, 1953-1957”.

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *