Ritmo de reabilitação urbana com aumento 0,2% em Outubro

Por a 25 de Novembro de 2019

O nível de actividade de reabilitação urbana manteve-se “praticamente inalterado” no mês de Outubro, registando um aumento de 0,2%, em termos homólogos, revelou a Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas (AICCOPN).

“Constata-se que o índice que mede o nível de actividade se mantém, pelo terceiro mês consecutivo, praticamente no mesmo nível do registado no ano passado”, avançou a AICCOPN, com base nos dados obtidos num inquérito mensal aos empresários do sector da construção que actuam no mercado da reabilitação urbana.

Em Outubro deste ano, a actividade de reabilitação urbana verificou “um aumento de apenas 0,2% face ao apurado em Outubro de 2018”, indicou a associação do sector da construção civil. De acordo com os dados da AICCOPN, a variação do nível de actividade de reabilitação urbana foi de “apenas de 0,6%” em Setembro, em termos homólogos.

No mês de Agosto, o índice que mede o nível de actividade registou “uma variação marginalmente positiva”, com “um ligeiro aumento de 0,2%”, em termos homólogos. Assim, os dados de Agosto, Setembro e Outubro confirmam um abrandamento do ritmo de crescimento da reabilitação urbana, dinâmica que se verificou a partir de Abril deste ano, mas com maior intensidade nestes três meses.

Em Abril, a reabilitação urbana cresceu 11,5%, em termos homólogos, representando uma descida de 1,8% face ao mês anterior, confirmando-se a “tendência de abrandamento”. Segundo a informação do barómetro, a actividade de reabilitação urbana registou “um forte aumento de 27,2%” em Janeiro, em termos homólogos, e de 1% face ao último mês de 2018, pelo que o ano de 2019 teve um início “muito positivo no segmento da reabilitação urbana”, confirmando a “tendência de crescimentos significativos observada nos últimos meses”.

Relativamente à evolução da carteira de encomendas das empresas neste segmento do mercado, o nível das obras em carteira manteve “uma trajectória de recuperação” em Outubro, com um crescimento de 5,7% face ao apurado no mesmo mês de 2018. Quanto à produção contratada em meses, ou seja, o tempo assegurado de laboração a um ritmo normal de produção, foi apurado em Outubro “um prazo médio ponderado de 7,9 meses, valor ligeiramente acima dos 7,6 meses apurados no mês anterior”, segundo os dados do sector.


Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *