Construção regista variação de  1,7%

Por a 10 de Fevereiro de 2020


O Índice de Produção na Construção registou uma variação homóloga de 1,7% em Dezembro, menos 0,2 pontos percentuais (p.p.) que o observado no mês anterior, de acordo com os dados divulgados pelo Índices de Produção, Emprego e Remunerações na Construção do Instituto Nacional de Estatística (INE) esta segunda-feira, 10 de Fevereiro.
Os índices de emprego e de remunerações aumentaram 1,6% e 5%, respectivamente, em comparação com os 2% e 5,2% registados no mês anterior. Em termos de média anual, a produção, o emprego e as remunerações aumentaram, respectivamente, 2,7%, 2,2% e 5,8% em 2019 (3,4%, 2,3%, e 4,0% no ano anterior). Já remuneração por pessoa ao serviço aumentou 3,5% em 2019, contra os 1,7% em 2018..
Em termos da produção, o segmento da construção de edifícios determinou o andamento do índice agregado ao recuar 0,4 p.p., para uma taxa de variação de 1,2% em Dezembro. Já a engenharia civil aumentou 2,4%, variação idêntica à observada Novembro.
No que diz respeito ao emprego e remunerações e em relação ao mês de Novembro, estes índices variaram entre os -0,9% e 1,4%, respectivamente (-0,6% e 1,6% em Dezembro de 2018).

e custos desaceleram

Em Dezembro os custos de construção de habitação nova aumentaram 2%, menos 0,3% que no mês anterior, de acordo com o Índice de Custos de Construção Nova, lançado também hoje pelo INE. Uma subida que se deve, sobretudo, ao custo da mão de obra e ao preço dos materiais que registaram uma variação de 3,9% e de 0,6%, no período homólogo. Ainda no que se refere ao custo a mão de obra, que manteve em 2019 um forte impacto na formação do índice de custos de construção nova, este registou um abrandamento de 1,1 pontos percentuais.
Já a análise anual revela que o índice de custos de construção de habitação nova apresentou um variação média de 2,1% em 2019, menos 0,2 pontos percentuais que em 2018. A variação média anual do ICCHN foi 2,1% em 2019 (variação média de 2,3% no ano anterior). Os índices de materiais e de mão de obra registaram aumentos médios anuais de 0,6% e 4,5%, respectivamente (1,3% e de 3,7% em 2018, pela mesma ordem).


Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *