2020 arranca com aumento dos espaços de escritórios ocupados mas menos operações

Por a 12 de Fevereiro de 2020


Em Janeiro o mercado de escritórios de Lisboa somou um total de 14.062 m2 de espaços de escritórios ocupados, representando um aumento significativo de absorção de ABL na ordem dos 50%, face ao período homólogo, não obstante a diminuição do número de operações que se verificou.

“O mês de Janeiro é demonstrativo de um ano que se prevê muito desafiante e que promete manter a procura em alta. As operações concluídas neste primeiro mês, ainda que em menor número relativamente ao ano 2019, foram direccionadas para áreas de maior dimensão, espelhando assim o interesse continuado dos grandes ocupantes em expandir as suas operações na cidade de Lisboa. Será interessante ver como o mercado irá reagir e responder a este tipo de procura enquanto aguarda a entrada dos novos projectos previstos para os próximos dois anos”, explica Rodrigo Canas, Director do Departamento de Escritórios da Savills Portugal.

Durante o mês de Janeiro realizaram-se sete operações, menos cinco do que Janeiro de 2019. A maior operação realizou-se no Parque das Nações, com um volume de absorção de 6.164 m2, que correspondem à operação da ocupação da Randstad do Edifício Oriente 343. Também a zona compreendida entre o eixo do Campo Grande e a 2ª Circular, incluindo a zona de Benfica, a Praça de Espanha e Sete Rios, teve nota positiva no primeiro mês do ano com um total de 3.795 m2de espaços ocupados, dos quais 3.638 m2 dizem respeito à ocupação pela entidade financeira BNP Paribas do empreendimento Green Park.

O eixo da A5, até Porto Salvo e Alfragide, mantém a sua trajectória de performance a um ritmo ascendente, facto já observado no decorrer do ano 2019. No total do mês de Janeiro contabilizou 3.052 m2 de espaços absorvidos, onde mais uma vez uma entidade financeira foi responsável pela operação de ocupação com maior volume de ABL.
Já as denominadas zonas Prime e Central Businnes District, eixo da av. da Liberdade à Praça Duque de Saldanha e eixo da av. da República, Duque de Loulé e zona das Amoreiras, observaram decréscimos nos seus volumes de absorção, iniciando o ano com descidas de 59% e 87% respectivamente e acusando a falta de disponibilidade de oferta dirigida a empresas com necessidades de ocupação de áreas maiores.


Os sectores de actividade dedicados a Serviços Financeiros e Serviços Empresas foram os grandes responsáveis pelos resultados alcançados, representando 91% do volume total de transacções registado no mês de Janeiro de 2020.


Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *