Worx: A influência do COVID-19 no mercado de escritórios

Por a 23 de Março de 2020

Em tempos de incerteza é importante repensarmos aquilo que nos move, transformando uma situação aparentemente menos boa numa oportunidade de desenvolvimento.

Nos últimos anos o mercado de escritórios tem vivido uma época excepcional, com crescimento constante. A chegada do COVID-19 a Portugal foi rápida e inesperada e, apesar de não termos dados concretos de mercado, é certo que o efeito do vírus se está a sentir de forma óbvia, tendo em conta a quarentena que estamos a seguir.  No entanto, existem ainda variáveis desconhecidas: qual será a dimensão e duração da pandemia? Desconhecemos por quanto tempo vai durar e quantas empresas vai ainda afectar.

Acreditamos que os portugueses irão seguir as medidas impostas pelo Governo e assim retomaremos em força no 2º semestre do ano, com as empresas a tomarem as decisões – suspensas nesta fase – nessa altura. O facto de grande parte da população estar a trabalhar remotamente vai mudar o paradigma da procura de imóveis, esta tendência será adoptada por algumas empresas ao perceberem que funciona. Assim, os projectos futuros terão de ser repensados para oferecerem alternativas às empresas que procurem dimensões médias, e não apenas grandes dimensões. Uma empresa que inicialmente procuraria uma área de 1000 m² pode perceber que necessita apenas de 800 m², uma vez que optará por ter parte dos colaboradores a trabalharem remotamente, reunindo todos os colaboradores fisicamente no mesmo espaço apenas esporadicamente.

Tendo em conta que grande parte das pessoas estão actualmente retidas em casa, algumas delas no mencionado regime de trabalho remoto, é expectável que aumentem o número de pesquisas em motores de busca e sites, pesquisas essas que poderão traduzir-se em contactos e posteriormente concretização de negócios, compensando este período de quebra. Assim, iremos continuar a fechar os poucos activos disponíveis uma vez que a procura se vai manter activa, apesar de mais atenta e ajustada.

A taxa de desemprego poderá aumentar temporariamente, devido ao abrandamento do turismo, mas a expectativa é que os números elevados de visita ao país sejam retomados, com franca recuperação no 1º semestre de 2021. Quanto a empresas internacionais, acreditamos que vão continuar a investir em Portugal uma vez que manteremos o factor “mão de obra qualificada” aliado aos excelentes projectos que temos planeados para 2022/23.

Em relação à evolução das rendas prime das diversas zonas, poderá haver uma estabilização e, alguns casos, poderão existir alguns ajustamentos.

Em resumo, estamos a viver um momento de indefinição, mas acreditamos que esta crise vai ser ultrapassada rapidamente e iremos recuperar.


Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *