JLL: O futuro da procura de escritórios

Por a 14 de Julho de 2020

O futuro da procura de escritórios é um tema central de debate em todos os países, à medida que a pandemia de Covid-19 exigiu às empresas que aderissem à maior experiência de teletrabalho da história. Ao analisar tendências históricas com a pesquisa mais actual e as perspectivas dos clientes, o novo relatório da JLL The Future of Office Demand (O Futuro da Procura de Escritórios) conclui que, apesar do teletrabalho ser uma tendência, o escritório físico irá manter a sua importância enquanto espaço facilitador de inovação e colaboração e de saúde, bem-estar e produtividade dos colaboradores.

Segundo o estudo da JLL, as estratégias de localização das empresas também poderão mudar, com maior foco num ecossistema mais diversificado. No curto-prazo, haverá uma maior procura em zonas suburbanas e em cidades de segunda e terceira linha, por parte de empresas que necessitam apenas de um espaço que possibilite que os seus colaboradores possam interagir com os colegas em zonas mais próximas de casa. Esta pode também ser uma tendência pós-pandemia, já que a ausência de deslocações casa-trabalho foi o factor que mais colaboradores apreciaram no teletrabalho – foi essa a resposta de cerca de metade (49%) dos inquiridos num inquérito recente da JLL a 3.000 profissionais em vários países – que serviu de base para a elaboração do estudo The Future of Office Demand.

“O teletrabalho foi também estudado em Portugal e concluiu-se que existe a necessidade de reequilibrar o tempo passado a trabalhar em casa com o tempo passado no escritório. Isso vai ter implicações nos escritórios enquanto activo imobiliário, mas acreditamos que será sobretudo a nível da estruturação do espaço e na redefinição dos requisitos de localização, e não necessariamente na perda de área total ocupada. Se é claro que o teletrabalho e a pandemia exigem tendências de menor densificação no espaço de trabalho, devido às prudências do distanciamento social, também é verdade que as empresas reconhecem cada vez mais os ganhos de produtividade, colaboração e inovação que a partilha de um espaço físico traz. Isso não vai mudar”, comenta Mariana Rosa, Head of Office & Logistics Agency & Transaction Manager.

Por outro lado, os escritórios encorajam a colaboração, a inovação, o mentoring e o team building, ou seja, situações que a tecnologia tem dificuldade em replicar. De facto, o mesmo inquérito da JLL mostra que 58% dos colaboradores sentem falta do escritório, com os mais novos – até aos 35 anos – a mostrar um desejo ainda mais forte de regressar (65%). A interacção humana e a socialização com os colegas foi o que mais se sentiu falta durante a ausência do escritório (44%), seguido pelo trabalho colectivo cara-a-cara (29%), de acordo com o survey.

PUB

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *