Edição digital
Assine já
Imobiliário

Aberto o concurso para habitações de renda controlada em Matosinhos

A terceira fase de consulta pública do programa “Matosinhos: casa acessível” decorre até 31 de Janeiro

CONSTRUIR
Imobiliário

Aberto o concurso para habitações de renda controlada em Matosinhos

A terceira fase de consulta pública do programa “Matosinhos: casa acessível” decorre até 31 de Janeiro

CONSTRUIR
Sobre o autor
CONSTRUIR
Artigos relacionados
Consumo de cimento cresce 10,7% no primeiro trimestre
Construção
Roca promove debate sobre o acesso a habitação acessível
Construção
Grupo Preceram participa na Tektónica 2022
BNP Paribas Fortis em Bruxelas adopta soluções da OLI
Empresas
The Edge Group investe 45M€ no Beloura Business Campus Lisboa
Imobiliário
Remax com crescimento de 19% no 1º trimestre desde ano
Imobiliário
Inlife abre candidaturas a 45 estágios de Verão
Empresas
Isover apresenta a nova identidade Climaver 360
Empresas
Autarquia de Cerveira investe 1,2M€ em Parque Empresarial
Construção
Associação Smart Waste Portugal anuncia criação de plataforma Vidro+
Construção

Dando continuidade ao programa municipal “Matosinhos: Casa Acessível”, a MatosinhosHabit tem a decorrer a terceira fase de consulta para habitações de renda acessível com valores 20% abaixo do mercado. Em função da taxa de esforço dos agregados concorrentes, poderá ser concedido ainda a cada agregado um subsídio que pode ascender a 30% do valor da renda.

Até ao próximo dia 31 de Janeiro, os interessados poderão candidatar-se ao subarrendamento de 5 fracções arrendadas pela autarquia e que têm como destino a habitação própria e permanente de famílias do concelho.

As cinco habitações disponíveis nesta fase estão situadas em Matosinhos (Rua Afonso Cordeiro e Av. Serpa Pinto), em Leça da Palmeira (Rua do Matinho) e S. Mamede de Infesta (Rua do Troco e Prof. Ricardo Alves).

Face à crescente procura de habitação e aos elevados preços praticados no mercado privado, o programa “Matosinhos: Casa Acessível”, tem dado uma resposta habitacional no concelho, possibilitando que mais pessoas tenham as mesmas hipóteses de ter uma casa com uma renda justa e à medida das suas necessidades.

“O programa Matosinhos: Casa Acessível apoia segmentos sociais que não se encontravam abrangidos nos programas municipais, e que se confrontam com diversas dificuldades económicas para arrendar casa a preços compatíveis com os seus rendimentos”, justifica Helena Vaz, administradora da MatosinhosHabit. A responsável acrescenta que “o programa permite que os Matosinhenses tenham acesso a imóveis atractivos, em boas condições e bem localizados, com rendas até 20% abaixo do valor de mercado e ainda a possibilidade de obter um subsídio até 30% do valor em causa, consoante o seu rendimento familiar.”

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Artigos relacionados
Consumo de cimento cresce 10,7% no primeiro trimestre
Construção
Roca promove debate sobre o acesso a habitação acessível
Construção
Grupo Preceram participa na Tektónica 2022
BNP Paribas Fortis em Bruxelas adopta soluções da OLI
Empresas
The Edge Group investe 45M€ no Beloura Business Campus Lisboa
Imobiliário
Remax com crescimento de 19% no 1º trimestre desde ano
Imobiliário
Inlife abre candidaturas a 45 estágios de Verão
Empresas
Isover apresenta a nova identidade Climaver 360
Empresas
Autarquia de Cerveira investe 1,2M€ em Parque Empresarial
Construção
Associação Smart Waste Portugal anuncia criação de plataforma Vidro+
Construção
Imobiliário

The Edge Group investe 45M€ no Beloura Business Campus Lisboa

Segundo José Luís Pinto Basto, CEO do The Edge Group, “temos desde o início da criação do grupo e actualmente em curso investimentos imobiliários que ascendem a 400M€, sempre com um equilíbrio de capitais próprios e recurso a financiamento”

CONSTRUIR

O Beloura Business Campus, o mais recente projecto no segmento de escritórios da parceria do The Edge Group e Fundo Ardma FCR, já se encontra em comercialização e vem dar resposta às empresas que procuram localizações mais perto das zonas habitacionais e com preços mais competitivos, fora dos grandes centros urbanos.

O empreendimento, cujo investimento ascende a 45M€, consiste num edifício moderno de escritórios, que já se encontra pronto a ser utilizado por uma ou mais empresas, bem como uma área de futura expansão com um potencial construtivo acima de 11.000m2. O edifício actualmente disponível é composto por 3 pisos acima do solo e 3 pisos de estacionamento coberto subterrâneo. Tem cerca de 8.300m2 de área locável e está localizado junto à Quinta da Beloura, em Sintra. Inserido num lote com 27.300m2, o imóvel possui excelentes acabamentos, oferece um total de 563 lugares de estacionamento (409 em parque subterrâneo e 154 no parque exterior) e está pronto a utilizar, de acordo com as necessidades e dimensão de cada empresa. O lote compreende ainda uma parcela de terreno, com potencial construtivo adicional superior a 11.000m2, onde poderão ser projectados até 6 edifícios de escritórios, edificação de uma nave de logística de proximidade como complemento ao edifício de escritórios existente, ou outros usos dentro da indústria, comércio e serviços. O Beloura Business Campus conta ainda com uma excelente localização, uma vez que tem na área envolvente uma vasta gama de serviços, tais como: ginásio, hotel de 5 estrelas, campo de golfe, campos de ténis e padel, campo de futebol, spa, piscinas, escola de equitação, restaurantes, farmácias e supermercados, o que representa uma grande mais valia e qualidade de vida para quem ali trabalha.

Segundo José Luís Pinto Basto, CEO do The Edge Group, “temos desde o início da criação do grupo e actualmente em curso investimentos imobiliários que ascendem a 400M€, sempre com um equilíbrio de capitais próprios e recurso a financiamento.” O CEO acrescenta ainda que “o Beloura Business Campus consolida a posição do Grupo no segmento de escritórios, agora em linha com a procura de algumas grandes empresas, nacionais e internacionais, por localizações com preços mais competitivos, fora dos centros urbanos e mais próximos do local de residência dos colaboradores. Como sabemos, Portugal está no topo das preferências das empresas para sediar as suas operações. E para dar resposta a esta procura, temos uma oferta diversificada de escritórios para todo o tipo de empresas e respectivas necessidades, seja a nível de localização, dimensão ou mesmo de renda.”

Para além do Beloura Business Campus, o The Edge Group tem actualmente em desenvolvimento alguns dos maiores projectos de investimento na área de escritórios a nível nacional, dos quais se destacam o edifício GC30, localizado na Av. Gago Coutinho em Lisboa, com uma área bruta de construção de 25.000m2, distribuídos por 5 pisos de escritórios no embasamento e 195 apartamentos de co-living nas torres; o Metropolis, localizado junto ao Norteshopping (Matosinhos), com uma área bruta de construção de 25.000m2 e também com uma oferta de escritórios, co-living e áreas para comércio e serviços ; e o Cinco District, um projecto de grande dimensão com início de construção prevista em 2022, com uma área bruta de construção de 38.000 m2, que consiste num empreendimento composto por uma torre e dois edifícios de escritórios, um hotel do grupo Marriott, rooftops ajardinados, skybar-restaurante e uma praça de eventos com serviços e retalho, localizado em frente à A5, em pleno nó Carnaxide/Linda-a-Velha.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

Remax com crescimento de 19% no 1º trimestre desde ano

Nos dados agora apresentados, as regiões do Centro de Lisboa e do Grande Porto continuam a representar cerca de 30% das transacções. Entre os investidores estrangeiros, os brasileiros continuam a ser aqueles que mais negoceiam em imobiliário

CONSTRUIR
tagsRE/MAX

A rede imobiliária Remax registou nos primeiros três meses do ano um volume de preços de cerca de 1,74 mil milhões de euros, relativos a 19.669 transacções, 76,7% das quais de compra e venda de imóveis, o que representa o melhor primeiro trimestre de sempre. A empresa finaliza este período com um incremento no número total de transacções, com mais 19,1%, e um volume de preços superior em 31%, quando comparado com igual período de 2021. Num sector que continua a dar provas de grande dinamismo, a Remax cresce em todos os indicadores de actividade.

Continuam a ser os portugueses quem mais está a adquirir ou a arrendar casa, com os investidores nacionais a serem responsáveis por 79,8% das transacções da Remax neste período. Entre os investidores estrangeiros, os brasileiros reforçaram a segunda posição daqueles que mais negoceiam em imobiliário – entre Janeiro e Março, as transacções com  os cidadãos brasileiros a representarem 6,5%, a que se seguiram norte-americanos (1,5%) e franceses (1,2%). Destaque para a nacionalidade norte-americana, que face ao trimestre homólogo de 2021, cresceu 143,3% no número de transacções, subindo quatro posições.

Nos dados agora apresentados, as regiões do Centro de Lisboa e do Grande Porto continuam a representar cerca de 30% das transacções da rede, não obstante os seus crescimentos não terem sido tão acentuados quanto à média nacional (19%). Por seu lado, a Margem Sul revelou um nível de actividade praticamente similar ao verificado nos três primeiros de 2021, em contraste com as regiões do Algarve, Linha de Cascais e Linha de Sintra, que verificaram crescimentos superiores a 30%.

Numa análise por distrito e apenas considerando aqueles que registaram mais de 200 transacções, o destaque vai para os distritos de Viseu (41,6%), Faro (41%) e Braga (26,4%), aqueles que mais cresceram face a igual período do ano passado. Lisboa com um incremento de 10,7%, o Porto 9,9% e Setúbal com 3%, registaram também bons níveis de crescimentos, atendendo ao enorme peso que representam na rede.

Tal como em ciclos anteriores, os apartamentos e as moradias são os dois tipos de propriedade que a rede mais comercializa, representando 62,7% e 20,8% do total, respectivamente, o que corresponde a cerca de 83,5% das transacções da rede no trimestre. Já as restantes foram referentes a terrenos (6,1%), lojas (4,1%), quintas (1,2%) e outros (5,1%). Salientar que com a retoma da actividade económica, sendo que o primeiro trimestre de 2021 foi pautado por um novo período de confinamento, entre Janeiro e Março deste ano houve um forte incremento na procura de lojas, o que originou um crescimento de 54,1% no número de transacções.

Actualmente, a rede imobiliária conta com total de 383 agências e ultrapassou já os 10 mil consultores.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

Investimento imobiliário na baixa e centro histórico do porto aumenta 30% para 197,1M€

As Áreas de Reabilitação Urbana (ARUs) da Baixa e do Centro Histórico do Porto registaram 583 operações de aquisição de imóveis em 2021 num total de 197,1 milhões de euros transaccionados

CONSTRUIR

As Áreas de Reabilitação Urbana (ARUs) da Baixa e do Centro Histórico do Porto registaram 583 operações de aquisição de imóveis em 2021 num total de 197,1 milhões de euros transaccionados. Trata-se de uma recuperação de 30% no montante investido nestes territórios face a 2020, ano em que o investimento tinha totalizado 147 milhões de euros.

A Baixa e Centro Histórico do Porto contribuíram com 48% de todo o investimento imobiliário concretizado no território composto pelas nove ARUs da cidade, conforme os dados do SIR-Reabilitação Urbana, apurados pela Confidencial Imobiliário.

Assim, no conjunto das nove ARUs da cidade, foram transaccionados em 2021 um total de €408,9 milhões de euros em 2021, montante que supera em 12% os 366,7 milhões de euros transaccionados em 2020. Esta evolução positiva é reflexo sobretudo da retoma verificada na Baixa e Centro Histórico, já que nas sete restantes ARUs da cidade do Porto a nota dominante foi de estabilização do investimento imobiliário. Em 2021 contabilizaram-se 211,8 milhões de euros investidos em imobiliário nas outras sete ARUs, quando em 2020 a actividade nesse território tinha ascendido a 219,7 milhões de euros.

A retoma do investimento foi acompanhada pela forte recuperação dos preços na Baixa e Centro Histórico. Em 2021, os preços de venda da habitação neste território aumentaram 13,7%, quebrando dois anos consecutivos de descidas, de acordo com o Índice de Preços da Baixa e Centro Histórico do Porto. No final de 2020, os preços apresentavam um decréscimo de 4,8%.

De acordo com os dados do SIR-Reabilitação Urbana, em 2021 o preço médio de venda da habitação na ARU do Centro Histórico atingiu os 4.558€/m2, liderando em relação a todas as outras ARUS. Na ARU da Baixa, o preço médio de venda fixou-se em 3.763€/m2 em 2021.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

Zome realiza primeira escritura pública em criptoactivos na Europa

A primeira transferência de um activo digital para um activo físico – uma casa – sem qualquer conversão para euros, na Europa, foi concretizado com um apartamento T3, em Braga que custou ao comprador quase 3 bitcoins, cerca de 110 mil euros

CONSTRUIR

A Zome montou, em conjunto com a sociedade de advogados Antas da Cunha ECIJA e outros parceiros do Crypto Valey, na Suíça, a primeira operação de venda em criptoactivos, sem necessidade de conversão para euros antes do acto da escritura. A primeira transferência de um activo digital para um activo físico – uma casa – sem qualquer conversão para euros, na Europa, foi concretizado com um apartamento T3, em Braga.

“A ligação do digital ao físico tangível é um marco incrível, e o primeiro passo da ligação do físico ao digital em áreas tão opostas como uma casa e uma peça de software. Estamos empenhados em continuar a apostar na tecnologia e posicionar-nos na linha da frente no mundo web 3.0, para acompanhar a tendências do sector e, acima de tudo, conseguirmos oferecer o melhor serviço aos nossos clientes. Sabemos que o futuro da mediação passará pelos criptoactivos, por isso acreditamos que esta transacção dará início a todo um novo mundo de possíveis negócios”, destaca Carlos Santos, Chief Technology Officer da Zome.

O processo contou com a assessoria jurídica da Antas da Cunha ECIJA, que ficou a cargo da construção da operação, do enquadramento fiscal, e da conformidade do negócio no que diz respeito às regras preventivas de branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo. O processo integrou todos os passos necessários, desde a identificação dos intervenientes, ao processo de compliance e à rastreabilidade da origem dos criptoactivos, de modo a assegurar a legitimidade dos bens digitais antes da transacção imobiliária.

“Não acreditamos em bons advogados, sem bons clientes. A Zome permitiu-nos ter a certeza de que podemos ser ainda melhores, e ir além do que imaginámos. Este tipo de negócios terá um incremento exponencial e Portugal está a dar sinais muito promissores em termos de economia digital, por isso consideramos que esta operação pode ser uma grande oportunidade de crescimento e de criação de valor”, acrescenta Nuno da Silva Vieira, advogado e sócio responsável pela área de prática de Legal Intelligence da Antas da Cunha ECIJA.

O formato em que a escritura pública decorreu, teve por base o recém-aprovado Código Notarial, liderado pelo Bastonário dos Notários em Portugal, Jorge Silva, que realizou esta primeira escritura pública em Portugal e, em rigor, na Europa.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

Município de Bragança alarga Áreas de Reabilitação Urbana ao meio rural

Desta forma, o alargamento do processo de delimitação das ARU aos aglomerados rurais faz com que todas as freguesias do concelho sejam abrangidas por um conjunto de benefícios e incentivos que irão contribuir para estimular o envolvimento do sector privado no processo de reabilitação do edificado

CONSTRUIR

O Município de Bragança vai alargar a delimitação das Áreas de Reabilitação Urbana (ARU) aos aglomerados habitacionais do meio rural. A proposta do executivo, aprovada na Assembleia Municipal, possibilitará a quem pretenda reabilitar património no meio rural o acesso ao mesmo tipo de benefícios fiscais que outros empreendimentos localizados em zonas delimitadas e prioritárias para o efeito.

Apenas seis meses após a tomada de posse, o executivo municipal levou e aprovou em Reunião de Câmara, e submeteu à Assembleia Municipal, uma proposta para promover a reabilitação do património edificado do concelho, através do alargamento do processo de delimitação das Áreas de Reabilitação Urbana. A criação destas ARU, que passarão a abranger os aglomerados do meio rural, pretende possibilitar o acesso aos mesmos benefícios fiscais inerentes às zonas prioritárias para reabilitação urbana já existentes na cidade [três zonas: Centro Histórico (64 ha), Cantarias (225 ha) e S. João de Deus (138,5 ha)] e estimular a recuperação do património edificado no meio rural.

Em relação aos incentivos fiscais para as Áreas de Reabilitação Urbana, estes passam pela isenção de IMI por um período de 3 anos, passível de prorrogação por mais 5 anos a contar da data de conclusão da acção de reabilitação; pela isenção de IMT na aquisição e na 1ª transmissão do imóvel, desde que reabilitado no prazo máximo de três anos e destinado, exclusivamente, a habitação própria e permanente; assim como pela aplicação de taxa reduzida de 6% de IVA em empreitadas de reabilitação urbana, em empreitadas de reabilitação urbana realizadas em imóveis ou em espaços públicos localizados em Área de Reabilitação Urbana, ou no âmbito de operações de requalificação e reabilitação de reconhecido interesse público nacional ou em empreitadas de beneficiação, remodelação, renovação, restauro, reparação ou conservação de imóveis ou partes autónomas destes afectos à habitação, com excepção dos trabalhos de limpeza, de manutenção dos espaços verdes e das empreitadas sobre bens imóveis que abranjam a totalidade ou uma parte dos elementos constitutivos de piscinas, saunas, campos de ténis, golfe ou minigolfe ou instalações similares.

Destaque igualmente para os fundos de Investimento Imobiliário que ficam isentos os rendimentos de qualquer natureza obtidos por fundos de investimento imobiliário que operem de acordo com a legislação, desde que parte dos seus activos sejam bens imóveis sujeitos a acções de reabilitação realizadas nas áreas de reabilitação urbana.

Desta forma, o alargamento do processo de delimitação das Áreas de Reabilitação Urbana aos aglomerados rurais faz com que todas as freguesias do concelho sejam abrangidas por um significativo conjunto de benefícios e incentivos que irão contribuir, de forma concertada, para estimular o envolvimento do sector privado no processo de reabilitação do edificado.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

Vila Franca de Xira assume-se como eixo logístico

É um dos mais recentes negócios envolvendo o sector logístico na região: um terreno em Vila Franca de Xira, com uma área total de 100.560 m2 foi adquirido por 2 M€ por uma empresa nacional de referência no sector da logística. Um negócio intermediado pela doValue Portugal

CONSTRUIR

A doValue Portugal, gestora de créditos e activos imobiliários, intermediou a venda de um terreno com uma área total de 100.560 m2 a um operador logístico nacional de referência por um valor superior a 2 milhões de euros, numa operação que foi concluída em Março.

O terreno localiza-se em Castanheira do Ribatejo, Vila Franca de Xira, um local de excelência para uso logístico, com acesso directo à EN1 e junto dos nós da AE1 de Castanheira do Ribatejo e do nó da AE1 e AE10 do Carregado.

“O sector da logística apresenta um forte dinamismo, com os operadores e promotores empenhados nas oportunidades de investimento e expansão em Portugal”, refere João Ribeiro, Director de Real Estate da gestora de créditos e activos imobiliários.

“O potencial desenvolvimento de um projecto logístico neste terreno trará maior dinamismo económico, consolidando esta zona como referência logística em Portugal”, acrescenta o responsável.

A doValue Portugal, ex-Altamira Portugal, pertence à companhia de serviços financeiros italiana doValue (anteriormente doBank), cotada na Bolsa de Milão. O Grupo doValue Altamira é um dos maiores servicer do sul da Europa, com uma carteira de activos financeiros e imobiliários superior a 160.000 milhões de euros, distribuída por Portugal, Espanha, Itália, Chipre e Grécia.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

CBRE ganha gestão e comercialização do LeiriaShopping

Inaugurado em 2010, o centro comercial conta com dois pisos, 116 lojas e 7 salas de cinema

CONSTRUIR

Ao portefólio de centros comerciais e retail parks já gerido e comercializado pela CBRE, junta-se agora o LeiriaShopping. Inaugurado em 2010, o centro comercial conta com dois pisos, 116 lojas e 7 salas de cinema.

Com os novos e recentes mandatos de gestão e comercialização, a plataforma ibérica da CBRE chega aos 53 centros comerciais e retail parks na Península Ibérica, dos quais 18 em Portugal, ultrapassando assim os 2 milhões de metros quadrados de área bruta locável. Desta forma, a consultora inicia 2022 com o reforço da sua posição de liderança na gestão imobiliária em Portugal, nomeadamente no sector de retalho e grandes espaços comerciais.

A CBRE gere activos de retalho há cerca de 10 anos em Portugal e, em vários centros comerciais, foi levado a cabo um trabalho de reposicionamento no sentido de garantir que os activos se mantinham relevantes na sua zona de influência, garantindo assim uma experiência de visita única através de processos de reforma e rebranding, repensando a estratégia de comercialização dos centros.

“É um orgulho continuar a ampliar a carteira de activos sob gestão. Esta nomeação revela confiança na CBRE e nas suas equipas e é, acima de tudo, o resultado do trabalho desenvolvido ao longo dos últimos anos em estreita parceria com os nossos clientes. O nosso objectivo para o futuro passa por garantir a implementação da nossa estratégia focada em ESG (Environmental, Social & Governance) e hospitality e criar experiências realmente diferenciadoras maximizadas pela melhores ferramentas tecnológicas e, claro, pelo expertise das nossas pessoas no terreno”, sublinha Luís Arrais, Property Management Director para a Península Ibérica.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

Savills coloca UON Consulting no CCB

O novo espaço, correspondente a duas salas, tem uma área total superior a 1.400 m2

CONSTRUIR

A consultora imobiliária internacional Savills assessorou a Fundação CCB no arrendamento da nova sede da UON Consulting. Os espaços, inseridos no Centro Cultural de Belém (CCB), são duas salas uma com 1.232 m2 e outra com 226 m2 e dispõem de acesso privilegiado a um pátio interior com 242 m2 e de lugar de estacionamento coberto.

Os novos escritórios da UON situam-se numas das zonas mais emblemáticas da cidade de Lisboa, permitindo uma sinergia única entre os novos escritórios e a sua actividade. O CCB é uma das maiores referências culturais a nível nacional e internacional, que proporciona uma dinâmica cultural a todos aqueles que ali se encontram.

Luísa Noronha, offices senior Consultant da Savills Portugal, refere que “esta é uma empresa que valoriza particularmente a interacção entre as suas equipas e as áreas generosas, iluminação aprazível, contacto com arte, criando um ambiente de trabalho onde todos se sintam parte de uma grande equipa. O CCB proporciona e potencia todas estas sensações, seja pelo que representa do ponto de vista da oferta cultural, seja pelo espaço arquitectónico em si mesmo. Este é, pois, o local certo para o desenvolvimento da sua actividade, permitindo, assim, uma simbiose natural entre ambos”.

Após dois anos de pandemia, em que o mote foi o teletrabalho, a UON está já plenamente instalada no novo espaço no CCB, disfrutando das condições que considera privilegiadas para o desenvolvimento das suas diversas actividades. Segundo a UON Consulting, trata-se de “um excelente local para retomar em pleno o trabalho presencial. Localização desafogada, espaço interior amplo, rodeados de beleza, história, jardins, arte. Poderemos assim dar continuidade ao desenvolvimento do nosso grupo, proporcionando aos nossos colaboradores condições de excelência”.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

CML cria comissão para simplificar e acelerar licenciamento urbanístico

A criação da Comissão de Concertação Municipal do Urbanismo é a primeira medida concreta do novo executivo para travar o problema do licenciamento na autarquia

A Câmara Municipal de Lisboa criou a Comissão de Concertação Municipal do Urbanismo, para dar resposta ao volume de processos de licenciamento que carecem de pareceres internos dos vários Serviços Municipais. O objectivo é simplificar e desburocratizar os procedimentos internos e assegurar uma resposta concertada e mais célere, através da maior articulação dos serviços na obtenção de uma decisão final, “com ganhos para os requerentes em termos de melhoria dos prazos de resposta da autarquia, assim como de maior qualidade e objectividade da apreciação”.
“O principal objectivo é simplificar e desburocratizar os procedimentos internos e assegurar uma resposta concertada e mais célere aos requerentes. Para isso, esta Comissão vai sentar à mesma mesa os vários Serviços que têm de se pronunciar sobre os processos urbanísticos e garantir a comunicação de uma forma célere e eficaz inter-serviços, com impacto na redução dos prazos de apreciação”, assegura Joana Almeida, Vereadora do Urbanismo da Câmara Municipal de Lisboa.
Assim, irá ser da competência desta comissão a “ponderação e compatibilização da análise técnica das propostas de pareceres internos, garantindo a coerência, clareza e objectividade necessárias às propostas de decisão.”
Consoante o tipo de processo, e as suas especificidades, são convocados para reunião de concertação representantes de diferentes unidades orgânicas do município, desde a área do ambiente à gestão patrimonial, ao ambiente e/ou desporto, entre outros. A primeira reunião está agendada para 6 de Maio.
A criação desta equipa interdepartamental é o primeiro passo para resolver o problema do licenciamento na câmara municipal de Lisboa. Mas a estratégia para acabar com o atraso e os problemas nos processos de licenciamento incluem ainda a digitalização dos processos e, por fim, a criação da figura do ‘gestor do processo’.

Pela transparência e o fim da corrupção
Também em marcha está já em curso a segunda fase do “urbanismo digital”, um trabalho interno e “profundo” no seio da autarquia, que irá resultar na desmaterialização dos processos, permitindo que os seus requerentes possam, a qualquer momento, consultar em que fase está o seu processo e quais os entraves que estão a bloquear que o processo decorra no tempo contratado.
O presidente da autarquia falou recentemente sobre este processo perante uma plateia de especialista e reconheceu que é preciso imprimir uma maior transparência no processo.
A digitalização dos procedimentos irá concorrer para uma maior accountability e transparência do processo. Com o presidente a assumir que esta “é uma marca que queremos deixar”. Para isso a actual vereadora do Urbanismos conta com todo o apoio de Carlos Moedas e “passou a deter também o pelouro do combate à corrupção. A melhoria digital é um passo gigantesco e é preciso tempo. É algo que não se resolve em dois dias, sendo necessário implementar estruturalmente na camara municipal todos os novos procedimentos. A transparência digital é a capacidade de ter as nossas próprias feridas expostas e isso significa que os nossos erros passam a estar visíveis e que nos podem criticar. Significa assumirmos as culpas e resolvermos. É duro ter a ferida exposta, mas é a única luta que conheço para trazer a transparência”, sublinhou Carlos Moedas.
Neste que é o primeiro ano de mandato o foco recai em dois grandes eixos: na melhoria da fase de instrução dos processos e, segundo, na maior clarificação das normas do PDM que mais entraves colocam nos processos gerando indeferimentos. Nesse sentido, as medidas a implementar compreendem a melhoria da informação disponível no site da Câmara, criação de uma “academia de urbanismo” que irá, entre outras tarefas, organizar sessões de esclarecimento para instrução e submissão de processos, e o lançamento de um guia de boas práticas.

2000 fogos para recuperar “Já!”
Outro dos eixos de actuação da política de Habitação está relacionado com a criação do que Carlos Moedas chamou de “malha social equilibrada”. E este será o princípio base da política de Habitação da autarquia ao nível, por exemplo da habitação acessível, um problema para o qual “não há uma solução, há várias e é da responsabilidade de todos, públicos e privados”, reiterou Carlos Moedas. De acordo com o presidente do município nestes primeiros meses a sua equipa identificou cerca de dois mil fogos, não atribuídos ou em estado devoluto em Lisboa. “Temos que os reabilitar e resolver o problema imediatamente e temos que continuar a fazer novos e a construir novos. E só conseguirmos se olharmos para o problema desta maneira: juntos. Seja em cooperativa, seja em parcerias público privadas, seja com investimento privado”, sublinhou o responsável.

Sobre o autorManuela Sousa Guerreiro

Manuela Sousa Guerreiro

Mais artigos
Imobiliário

AM|48 conclui Promenade [com galeria de imagens]

O empreendimento, que representou um investimento no valor de 50 M€ foi alvo de grande procura de investidores estrangeiros, que representam 80% das vendas do edifício localizado na avenida 24 de Julho em Lisboa

CONSTRUIR

Encontra-se concluído o empreendimento Promenade, um dos projectos da promotora imobiliária AM|48. Localizado em plena Avenida 24 de Julho, na frente ribeirinha de Lisboa o edifício representou um investimento total na ordem de 50 milhões de euros, tem cinco pisos pelos quais estão distribuídos apartamentos de tipologias T1 a T3 e penthouses de tipologias T3 a T6, e ainda espaços comerciais no piso térreo.

Com a maioria dos apartamentos já comercializados, encontrando-se neste momento a aguardar a emissão da licença de utilização pelas autoridades competentes, o edifício, que conta com a assinatura do premiado arquitecto Frederico Valsassina e construção pela Mota-Engil, foi alvo de grande procura por parte de investidores estrangeiros, que representam 80% dos compradores.

No âmbito de uma aposta na criação de oferta residencial de nova construção numa das zonas mais trendy da cidade, oferta esta muito pouco expressiva até então, o Promenade veio abrir novos horizontes com as suas linhas de modernidade inseridas num contexto citadino tradicional. Integra-se esteticamente na sua localização, com uma fachada marcada por lâminas horizontais de betão branco, com planos de vidro recuados, num estilo de arquitectura contemporânea.

Os amplos vãos permitem que todos os apartamentos disponham de generosas varandas com vistas para o rio Tejo ou para a colina de Santa Catarina. Os apartamentos apresentam soluções, materiais, acabamentos e equipamentos de elevada qualidade, que permitem uma experiência de conforto, modernidade e excelência, sem igual.

No último piso encontram-se as quatro exclusivas penthouses (com tipologias de T3 a T6). Com acesso directo à cobertura do edifício, terraços privativos com piscina e vista panorâmica sobre Lisboa e o Tejo, cada uma das penthouses é dotada de elevador dedicado e ainda de box de estacionamento com características únicas, equipadas com uma pequena copa, casa de banho e carregador para veículos elétricos. Os restantes 36 apartamentos de tipologia T1 a T3 encontram-se distribuídos pelos quatro pisos inferiores.

A sua localização é privilegiada pela centralidade que ocupa e proximidade a locais de interesse, além de se adaptar a uma vivência urbana atual numa zona requalificada, com ciclovias, amplos passeios e ofertas variadas de lazer e comércio. O empreendimento dispõe ainda de um exclusivo SPA e ginásio.

A AM|48 é responsável pela promoção de vários empreendimentos não só a nível de nova construção, mas também de reabilitação urbana. Do seu portfólio fazem parte o empreendimento “Ópera Lx”, em plena Avenida da Liberdade, o “Focus Lx” na Avenida António Augusto Aguiar, o “The Boulevard”, na Praça dos Restauradores, entre outros que se encontram em desenvolvimento em Lisboa, mas também em Aveiro e no Algarve.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.