Edição digital
Assine já
Empresas

ASSIMAGRA lança iniciativa que irá “partir pedra” por todo o País

Desenvolvida em conjunto com o StoneCITI, o objectivo é estabelecer a ligação entre a indústria e quem gere o território onde a mesma se insere. Primeira “Conversa” acontece esta quinta-feira em Santarém

CONSTRUIR
Empresas

ASSIMAGRA lança iniciativa que irá “partir pedra” por todo o País

Desenvolvida em conjunto com o StoneCITI, o objectivo é estabelecer a ligação entre a indústria e quem gere o território onde a mesma se insere. Primeira “Conversa” acontece esta quinta-feira em Santarém

CONSTRUIR
Sobre o autor
CONSTRUIR
Artigos relacionados
Empreitada ‘Cerveira – Palco das artes’ já arrancou
Construção
Parque logístico do Grupo Garland cresce 61% em 2022
Empresas
Bataria da Parede cedida a Cascais por 50 anos
Imobiliário
Zehnder Group reforça crescimento com estratégia de aquisições
Empresas
“Seguro de rendas: a solução para o risco de incumprimento?”
Imobiliário
Grupo CVM vai investir 140M€ até 2024
Construção
Arquitectos: Revisão do CCP é “lesiva do interesse público”
Arquitectura
Câmara de Oliveira de Azeméis lança concurso para construção do Parque Urbano
Construção
ACO ShowerDrain S+, um canal de chuveiro surpreendentemente simples
La Redoute inaugura nova loja outlet com artigos Casa e Moda
Empresas

A Associação Portuguesa da Indústria dos Recursos Minerais (ASSIMAGRA) promove, a partir de Fevereiro e até ao final do ano, a iniciativa “À Conversa com o Presidente – Pequeno Almoço a Partir Pedra”.

Um desafio lançado a 21 Presidentes de Câmara, de 21 municípios de Portugal continental com grande expressão da indústria dos recursos minerais, e que consiste em momentos de conversa informal, aberta e colaborativa, sobre necessidades, dificuldades e propostas para o desenvolvimento do sector.

O objectivo destas conversas “a partir pedra”, desenvolvidas em conjunto com o StoneCITI – Centro de Inteligência, Tecnologia e Inovação para o sector da Pedra Natural, é estabelecer a ligação entre a indústria e quem gere o território onde a mesma se insere aproximando diferentes intervenientes em prol do desejável desenvolvimento económico, ambiental, social e territorial.

A primeira “Conversa” será esta quinta-feira, dia 24 de Fevereiro, com Ricardo Gonçalves, presidente do Município de Santarém, no Convento de S. Francisco.

Para Março estão previstas “Conversas” em Mondim de Basto e Marco de Canaveses, em Abril, em Alcobaça e Borba em Maio, Vila Viçosa, Vila Pouca de Aguiar e Sabrosa, em Junho a iniciativa passa pela Batalha e Porto de Mós, em Julho, por Moimenta da Beira, Castro Daire e Vila Nova de Foz Côa, em Setembro por Ponte de Lima e Monção, Outubro chega a Estremoz e Ourém , em Novembro a Boticas e Montalegre e em Dezembro termina em Sintra e Nisa. em novembro; Sintra e Nisa em dezembro.

Este calendário é provisório, sendo as datas e localização exactas publicadas atempadamente nas redes sociais da ASSIMAGRA, do StoneCITI e de cada município envolvido.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Artigos relacionados
Empreitada ‘Cerveira – Palco das artes’ já arrancou
Construção
Parque logístico do Grupo Garland cresce 61% em 2022
Empresas
Bataria da Parede cedida a Cascais por 50 anos
Imobiliário
Zehnder Group reforça crescimento com estratégia de aquisições
Empresas
“Seguro de rendas: a solução para o risco de incumprimento?”
Imobiliário
Grupo CVM vai investir 140M€ até 2024
Construção
Arquitectos: Revisão do CCP é “lesiva do interesse público”
Arquitectura
Câmara de Oliveira de Azeméis lança concurso para construção do Parque Urbano
Construção
ACO ShowerDrain S+, um canal de chuveiro surpreendentemente simples
La Redoute inaugura nova loja outlet com artigos Casa e Moda
Empresas
Empresas

Parque logístico do Grupo Garland cresce 61% em 2022

Centro Logístico de Valadares está concluído e a funcionar há mais de um mês. Garland Logistics espera crescimento do volume de negócios na ordem dos 40% este ano

CONSTRUIR

O Grupo Garland tem vindo a aumentar o seu parque logístico em resposta ao boom do e-commerce e ao aumento da procura por serviços logísticos de outsourcing, que a actual crise veio ainda aprofundar. A Garland Logistics – empresa do Grupo, dedicada a esta área – passou este ano de um parque com 91.500 m2 para um com 148.000 m2, distribuídos por centros logísticos em Cascais (7.000 m2), Aveiro (35.500 m2), Vila Nova de Gaia (85.500m2) e Maia (14.000 m2). Em curso está também a expansão no centro-sul do país, contando a Garland anunciar novidades até ao final de 2022

Para este ano, “perspectiva-se um crescimento significativo do negócio, na ordem dos 40%, fruto desta expansão bem-sucedida da capacidade da armazenagem e da correspondente angariação de clientes. É sem dúvida um ano importante de afirmação da Garland Logistics no mercado nacional da logística, onde detém um dos maiores parques logísticos e é inequivocamente uma das principais referências”, partilha Ricardo Sousa Costa, membro do conselho de administração do Grupo Garland e CEO da Garland Logistics.

Centro Logístico de Valadares: ocupação a 50% em 30 dias

A funcionar há cerca de um mês, está o Centro Logístico de Valadares, o terceiro armazém da empresa em Vila Nova de Gaia. Com 38.000 m2 de área de construção, é o maior, o mais recente e moderno centro logístico da Garland Logistics. O mês de Agosto foi dedicado ao enchimento inicial das instalações, “realizado num ritmo dedicado de elevada intensidade, mobilizando meios relevantes, numa cadência que envolve o recurso a mais de 70 camiões por dia.

“No primeiro mês de actividade, já foram recepcionadas cerca de 50.000 paletes, representando 50% da capacidade do centro”, continua o responsável, segundo o qual as operações requereram a contratação directa de 40 pessoas, ou seja, de 40% da necessidade futura prevista. Recorde-se que deverão ser admitidos 100 colaboradores fixos, mas os postos de trabalho indirectos deverão ascender a 200.

Segundo Ricardo Sousa Costa, “a abertura do Centro Logístico de Valadares assenta numa lógica de consolidação de stocks para assegurar uma maior disponibilidade aos clientes e fornecedores, minimizando os movimentos e os lead time associados na cadeia de abastecimento nacional dos mesmos”.

Representando um investimento de 30 milhões de euros, o Centro Logístico de Valadares, que está implementado num terreno com cerca de 100.000 m2, junto ao nó de Arcozelo, entre a A44 e a A29, incorpora as mais avançadas tecnologias de segurança, nomeadamente um modelo de sprinklagem FM approved, um sistema completo de detecção e combate de incêndios, desenfumagem, CCTV, controlo de acessos e intrusão, e bacias de retenção, o que “garante à Garland uma posição de liderança na oferta logística ao mercado nacional”.

A construção do edifício obedeceu a todas as boas práticas de inovação e sustentabilidade ambiental e energética, fazendo deste um empreendimento logístico de última geração. Com o objectivo de se tornar um dos primeiros centros logísticos em Portugal com certificação internacional BREEAM New Construction, o projecto seguiu um plano extremamente exigente, com validações rigorosas de vários intervenientes, incluindo as mais apertadas exigências de segurança e de sustentabilidade ambiental. Assim, o piso é de alta planimetria, permitindo uma circulação optimizada e segura dos equipamentos de movimentação, há 44 cais desnivelados de vários tipos, incluindo telescópicos de forma a permitir a adaptação a qualquer tipo de veículos; iluminação LED em linhas programáveis com sensores de presença, possibilitando uma optimização total dos consumos de electricidade, acrescida de uma grande preocupação em maximizar a iluminação zenital; painéis fotovoltaicos para autoconsumo e postos de carregamento para viaturas eléctricas.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Zehnder Group reforça crescimento com estratégia de aquisições

A multinacional suíça, que em 2021 teve um volume de negócios de 700 milhões de euros a nível mundial, encontra-se numa fase de forte expansão a qual foi agora reforçada com a aquisição de três empresas no sector da ventilação de alta eficiência

CONSTRUIR

(na imagem: da esquerda para a direita, Josep Castellà e Gaizka Pérez, Diretor Geral e Diretor Comercial da Zehnder Group para Espanha e Portugal, respectivamente.)

A multinacional suíça, que em 2021 teve um volume de negócios de 700 milhões de euros a nível mundial, encontra-se numa fase de forte expansão a qual foi agora reforçada com a aquisição de três empresas no sector da ventilação de alta eficiência: a francesa Caladair, a Airia Brands Inc, do Canadá, e a Filtech, com sede nos Países Baixos.

A Zehnder adquiriu uma participação maioritária de 75% na empresa francesa de ventilação Caladair, com o objectivo de expandir a sua carteira de produtos de ventilação para incluir grandes unidades para edifícios comerciais e habitações multifamiliares, um sector estrategicamente importante.

Por sua vez a Airia Brands Inc (Airia), Canadá, desenvolve, fabrica e distribui sistemas de ventilação de recuperação de calor há mais de 35 anos. Os seus produtos são comercializados tanto no Canadá como nos Estados Unidos da América, mercados estratégicos para a Zehnder. “Zehnder Group e Airia, é a combinação perfeita. A marca Lifebreath representa soluções de ar condicionado saudáveis, energeticamente eficientes e amigas do ambiente, tal como a marca Zehnder. Com a aquisição da Airia, expandimos significativamente a nossa posição de mercado na América do Norte, e crescemos ainda mais no futuro”, justifica Matthias Huenerwadel, CEO do Zehnder Group.

Já a aquisição da Filtech, com sede nos Países Baixos, empresa que se dedica ao desenvolvimento e fabrico de filtros de ar, é justificada pelo contributo que irá dar à componente da alta qualidade do ar interior.

Com estas três aquisições, o grupo suíço dá um passo estratégico para impulsionar o crescimento no sector da ventilação e reforçar os seus conhecimentos tecnológicos.

Em Espanha, o crescimento no sector residencial de ventilação de alta eficiência começou no final de 2020 com a incorporação de Josep Castellà, director do negócio da ventilação desde 2011, como novo diretor-geral para Espanha e Portugal.

“Nos últimos dois anos tivemos de enfrentar muitos desafios: uma pandemia global, escassez de materiais, aumentos significativos dos custos, etc. Mas pertencemos a um grupo sólido e temos uma equipa empenhada, o que nos tem permitido investir e crescer significativamente. O nosso objectivo a curto prazo é duplicar o volume do nosso negócio”, explica Josep Castellà.

Estes objectivos de crescimento concretizaram-se com a abertura de novos escritórios no Paseo de la Castellana em Madrid e a incorporação de Gaizka Pérez como director comercial. “A partir da capital, trabalhamos no desenvolvimento da nossa estratégia de crescimento nacional, posicionando a Zehnder como um fornecedor líder de soluções de ventilação de alta eficiência e um clima interior saudável para os principais promotores e empresas de construção do país. Além disso, queremos estabelecer a marca como líder e referência no mercado de radiadores de alta qualidade”, sublinhou o responsável.

O desenvolvimento da marca em 2022 culminará com a abertura de uma nova sede no centro de Sabadell, em Barcelona, com quase mil metros quadrados, que incluirá vários espaços de trabalho, um centro de formação avançada e um espaço de experiência do cliente.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

La Redoute inaugura nova loja outlet com artigos Casa e Moda

O novo espaço situa-se num moderno edifício polivalente com cerca de 3.000m2, e para além da loja, conta com zonas de montagem e de armazenamento de artigos. Localiza-se numa zona privilegiada e de grande acessibilidade, junto ao IC2, entre Leiria e Batalha

CONSTRUIR

Face ao crescimento acentuado do segmento Casa La Redoute (que representa actualmente 65% do negócio), a marca teve necessidade de procurar um espaço que reunisse as condições ideais para um conceito outlet de grande dimensão. Por isso, decidiu apostar na abertura de um novo estabelecimento, construído de raiz, onde o consumidor poderá encontrar, sobretudo, artigos de mobiliário, decoração e têxtil-lar das marcas AM.PM e La Redoute Intérieurs, mas também peças de vestuário La Redoute Collections e de outras marcas distribuídas pela La Redoute.

“A afirmação da marca nas categorias de mobiliário e decoração tem vindo a gerar um maior fluxo de mercadoria de média e grande dimensão que origina, naturalmente, a necessidade de maiores espaços de armazenamento. Por outro lado, e seguindo a nossa política de sustentabilidade e otimização de recursos, é necessário dar uma resposta adequada a todas as situações de trocas, devoluções ou gestão de artigos danificados e excedentes, que no caso da decoração e mobiliário implica um redireccionamento para a loja OUTLET. A idealização e concretização do espaço que agora abrimos é o culminar de um caminho construído nos últimos anos”, justifica Paulo Pinto, CEO da La Redoute em Portugal.

A nova loja, que dispõe de mais de 50 lugares de estacionamento, apresenta na sua área de exposição artigos das mais diversas tipologias: mobiliário para diferentes ambientes (sala, quarto, hall, cozinha, jardim, etc.), tapetes, propostas de iluminação, sofás, cadeiras, colchões e artigos têxteis (roupa de cama, cortinados, atoalhados), e claro, artigos de vestuário.

Além da loja outlet, a La Redoute conta com mais um ponto físico de venda em Portugal: a pop up store em Lisboa (Avenidas Novas), que abriu em outubro de 2020.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

2ª edição da [email protected] arranca a partir da próxima segunda-feira

Dedicada à “Inovação Emergente na Energia e nos Materiais”, a segunda edição [email protected] decorre entre 19 e 23 de Setembro, em vários pontos do país. A acção é promovida pela Agência Nacional de Inovação

CONSTRUIR

No dia 21 de Setembro Sines irá receber a conferência sobre Energia e Materiais, o encontro tem lugar, no Business Center da Zona Industrial e Logística de Sines. Esta sessão vai explorar as principais tendências e desafios das áreas e contará com a demonstração de mais de uma dezena de projectos inovadores.

A abertura ficará a cargo de Filipe Costa, da AICEP Global Parques, dará a conhecer o Caso de Sines: “Energia Sul” e de João Borga, do conselho de administração da ANI. “Como transitar para um futuro sustentável?”, “Mobilidade enquanto modelo de negócio” e “A importância da transição energética” serão outros dos temas em debate ao longo do dia. A abertura da sessão da tarde ficará a cargo do secretário de Estado da Economia, João Neves, e o encerramento será realizado pela Ministra da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Elvira Fortunato.

À semelhança da primeira [email protected], várias instituições abrirão as suas portas para apresentar a sua missão, objectivos, projectos e os resultados das suas actividades tecnológicas. Assim, no dia 19 estarão em destaque o Itecons (19 de Setembro) e o NET4CO2, a 20 de Setembro a [email protected] estará no Gabinete de Transferência de Tecnologia da Universidade de Évora, no dia 22 as atenções irão para a Inovafil e a 23 será a vez da Ecosteel.

As [email protected] são promovidas no âmbito do Sistema de Apoio a Ações Colectivas – Transferência de Conhecimento Científico e Tecnológico, TECH4INNOV, cofinanciado pela União Europeia através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, enquadrado no Programa Operacional Competitividade e Internacionalização (COMPETE 2020) do Portugal 2020.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Braga recebe a primeira edição do “No Boring Talks”

O evento, que tem como objectivo promover conversas sobre Blockchain e temas relacionados com estado actual da Economia e a tecnologia, vai contar com o apoio da Zome, Associação Empresarial do Minho, Universidade Católica Portuguesa, Utrust e Antas da Cunha ECIJA

CONSTRUIR

A primeira edição do “No Boring Talks” terá lugar no Altice Fórum Braga no dia 20 de Setembro. O evento será composto por um conjunto de seis talks, que procurarão percorrer diversas temáticas, desde as aplicações práticas de Blockchains no contexto empresarial até às possibilidades alavancadas pelas cripto e o papel dos bancos nas transacções das mesmas.

“Procurámos trazer profissionais com uma vasta experiência nestas áreas, de forma a promover um momento enriquecedor para todo e qualquer empresário que ambicione fazer crescer o seu negócio. Nos dias que correm é imperativo mobilizar iniciativas como estas, que motivem e promovam a literacia digital e financeira o envolvimento com as novas tecnologias“, destaca Patrícia Santos, CEO da Zome.

Estas conversas destinam-se a todos os empresários que procuram potenciar o seu negócio e conhecer mais sobre estas novas tecnologias, simplificando e desmistificando conceitos, visando, cada vez mais, normalizar a economia da criptomoeda. A sessão de abertura ficará a cargo de Patrícia Santos, CEO da Zome, e de Ricardo Costa, Presidente da Associação Empresarial do Minho. O evento conta ainda com um painel de oradores composto por Paulo Cardoso do Amaral, Professor na Universidade Católica Portuguesa, Filipe Castro, Co-Founder, Board Member e CCO da Utrust, Nuno Silva Vieira, Sócio da Antas Cunha ECIJA, Carlos Santos, CTO da Zome e, por fim, Flávia Paluello, membro do departamento de Marketing e Business Development do Bison Bank e Digital Assets.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Preço da energia com impacto na metalurgia na Europa: Portugal entre os países em risco elevado

Análise do Crédito y Caución alerta que o sector abrande e o risco é elevado, ou muito elevado, para um conjunto de países onde se inclui Espanha, Japão, México, Portugal, Singapura, Taiwan, Tailândia e Turquia

CONSTRUIR

Após um forte crescimento em 2021, a Crédito y Caución prevê que o mercado mundial de metais atravesse um período de abrandamento em 2022 e 2023. De acordo com o recente relatório divulgado pela seguradora de crédito, o impacto da invasão russa da Ucrânia está a afectar negativamente o desempenho do sector na Europa, onde a maior parte dos países apresenta um risco moderado.

Nos mercados avançados, as empresas metalúrgicas e siderúrgicas beneficiaram da forte procura acumulada e da acentuada subida dos preços dos metais em 2021 e princípios de 2022. Isto traduziu-se em margens acrescidas e numa maior resistência financeira. Além disso, a redução parcial das tarifas alfandegárias para as importações de alumínio e aço por parte dos Estados Unidos apoiou a produção e as exportações da União Europeia. Um terceiro motor para o recente crescimento do sector foram os estímulos fiscais que apoiaram a procura de metais e de aço em mercados chave como os Estados Unidos e a China.

Contudo, o sector enfrenta alguns riscos no curto prazo. O principal é a invasão russa da Ucrânia. Uma guerra mais prolongada afectará negativamente o rendimento do sector na Europa até 2023, na medida em que os elevados preços da energia continuarão a pesar sobre a produção metalúrgica e siderúrgica, enquanto o pior desempenho económico de muitos países tem impacto sobre a procura dos principais sectores compradores. Um segundo factor desestabilizador passa pelos problemas na cadeia de fornecimento. A procura de metais e de aço poderia aumentar se os constrangimentos na cadeia de fornecimento afectassem as indústrias compradoras chave, como o sector automóvel ou a construção. Além disso, o endurecimento progressivo da política monetária poderá debilitar ainda mais os gastos dos consumidores e os investimentos em sectores como a construção, a engenharia ou o sector automóvel.

Assim, o sector metalúrgico e a siderurgia apresentam um risco elevado e muito elevado em Espanha, no Brasil, China, Coreia do Sul, Japão, México, Portugal, Singapura, Taiwan, Tailândia e Turquia. Apenas Itália e Suécia apresentam um risco baixo ou muito baixo. O risco situa-se em níveis moderados na Alemanha, Austrália, Áustria, Bélgica, Canadá, Dinamarca, Emirados Árabes Unidos, Eslováquia, EUA, França, Hungria, Índia, Indonésia, Irlanda, Nova Zelândia, Países Baixos, Polónia, Reino Unido, República Checa e Suíça.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Ideias e soluções para casas de banhos pequenas

Para a Roca “espaços pequenos são uma oportunidade para a criatividade e para o design”. Smart toilets, soluções dois-em-um ou móveis compactos são algumas das soluções

CONSTRUIR

Actualmente, as inovações em tecnologia e design proporcionam uma gama de soluções simples para aproveitar ao máximo uma casa de banho moderna e compacta, enquanto mantém um estilo envolvente e elevada funcionalidade, onde se destacam as smart toilets, móveis para casas de banho compactas, soluções dois-em-um, armários-espelho criam espaço e armazenamento.

As smart toilets conhecidas são soluções conhecidas por deterem a mais avançada tecnologia e pelas suas funcionalidades que podem ser personalizadas, mas estes equipamentos são igualmente opções práticas que permitem poupar um espaço significativo na sua casa de banho. As mais recentes inovações em sanitas com a funcionalidade de um bidé, unindo as caraterísticas de higiene mais essenciais de cada um num único modelo e eliminando a necessidade de ter dois objectos.

Os revestimentos e pavimentos desnecessários podem criar sensações claustrofóbicas desagradáveis e impedir a entrada de luz natural. Sendo que, na casa de banho, a maioria destas divisórias existe devido à zona de duche. Neste caso, a opção pode passar pela substituição de paredes opacas por painéis de duche de vidro transparente pode criar uma sensação de abertura e frescura. Da mesma forma, as bases duche extraplanas, quando instaladas ao nível do chão, permitem uma maior acessibilidade.

As soluções dois-em-um (ou unidades para reutilização de águas residuais) representam o mais recente design contemporâneo para casas de banho e, simultâneo, dão um grande passo em frente em matéria de sustentabilidade.

Estas soluções aproveitam a água utilizada no lavatório, filtram-na e purificam-na, e reutilizam-na no tanque para as descargas na sanita, o que resulta numa redução significativa da quantidade de água utilizada pela sanita.

E como o lavatório e a sanita estão integrados, utiliza-se o mínimo espaço possível para estas duas funcionalidades.

Mudar de espelhos planos para armários-espelho pode criar instantaneamente uma área de armazenamento em qualquer casa de banho sem ocupar nenhum espaço adicional.

Estes móveis clássicos voltaram em grande estilo nos últimos anos, aconselhados por designers modernos como soluções práticas para casas de banho compactas, que existem em muitas casas urbanas.

Os armários-espelho são normalmente instalados na parede e contam com prateleiras interiores, oferecendo armazenamento para produtos de higiene pessoal, maquilhagem e outras necessidades, libertando um valioso espaço na zona inferior.

As variantes modernas podem incorporar outras ferramentas úteis, tais como, iluminação LED integrada ou tomadas elétricas para máquinas de barbear, tornando-os numa solução versátil para qualquer casa de banho. Se procura ideias para wc modernos, mudar os espelhos da sua casa de banho pode ser uma solução.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Melom iniciou internacionalização para Espanha e Itália

A empresa seleccionou o sul da Europa como alvo do seu processo de expansão. Em Itália, a marca conta actualmente com 13 franchisados e em Espanha o número ascende 22 com previsão de 30 até ao final do ano

CONSTRUIR

Impulsionada pelos bons resultados em Portugal, a Melom irá internacionalizar a sua operação para Espanha e Itália. A primeira experiência “piloto” decorreu entre 2018 e 2020 em Espanha para permitir a adaptação do conceito ao mercado espanhol. O número de franchisados neste mercado é actualmente de 22, na Comunidade de Madrid, com a previsão de terminar o ano com 30 unidades

Mas a empresa olha com atenção também para o mercado do norte de Itália. Em 2021 foi lançada a operação na região de Emília Romana, onde a insígnia soma já 13 franchisados em cidades como Bolonha, Modena, San Lazzaro, Montagna, entre outras. A estratégia numa fase inicial inclui a implantação naquela região italiana para depois expandir passo-a-passo o negócio. O plano de desenvolvimento prevê em dois anos uma rede com 40 franchisados na Emília Romana, no prazo de dois a cinco anos a aposta numa nova região com 60 franchisados e depois o crescimento para toda a Itália.

“Estamos convictos que é uma aposta ganha, tem um mercado muito similar ao português e por isso o modelo de negócio não teve que sofrer alterações de fundo. Neste país não existe uma marca que opere a nível nacional e o mercado das obras em casa é muito atomizado, constituído por micro e pequenas empresas com dificuldades de organização semelhantes às portuguesas”, sublinha João Carvalho, co-fundador da MELOM.

A aposta da marca em internacionalizar o conceito nestes dois países do sul da Europa está relacionada com os pontos em comum no mercado de obras e remodelações de imóveis, caracterizado por lacunas na profissionalização, falta de mão-de-obra qualificada e uma ampla desconfiança dos consumidores. “O sector deve evoluir para um contexto profissional onde os processos de orçamentação, adjudicação, obra e sua conclusão são detalhados, claros e precisos. Na MELOM temos trabalhado neste sentido, proporcionando não só formação, mas disponibilizando tecnologia para ajudar os profissionais do sector e clientes”, acrescenta João Carvalho.

Quanto às diferenças, o responsável aponta a tendência dos consumidores espanhóis e italianos para privilegiar o conforto em detrimento da estética ou design.

Tanto em Espanha como em Itália, o modelo de franchising da MELOM é idêntico ao que está a ser aplicado em Portugal, ou seja, existem dois tipos de franquia, uma vocacionada para renovações integrais e mais orientada para empresas de construção e gabinetes de arquitectura e engenharia e uma outra voltada para pequenas reparações e dirigida aos profissionais que executam eles próprios a obra ou reparação.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Grupo Neolith reforça distribuição na Península Ibérica

Grupo Neolith integra rede de distribuição em Espanha, intensificando investimento na Península Ibérica. Novo director geral ficará responsável pelo negócio em Espanha, Portugal e Andorra

CONSTRUIR

(na imagem: da Esquerda para a Direita: José Luis Ramón, CEO do Grupo Neolith; Joan Regada, que passará a fazer parte da estrutura do Grupo como Managing Director Iberia; e Daniel Sánchez, Chief Commercial Officer e Vice President Europe do Grupo Neolith)

Com esta operação, o Grupo Neolith ampliará a sua abrangência e a cobertura nos mercados da Península Ibérica, acelerando os planos de crescimento, respondendo à procura crescente de pedra sinterizada Neolith, tanto por parte da comunidade de arquitectos e designers de interiores, como dos consumidores finais, para todo o tipo de projectos residenciais e comerciais.

O Grupo Neolith, que detém uma forte posição na indústria da pedra sinterizada, acaba de acordar a integração total da sua principal rede de distribuição em Espanha de modo a intensificar o seu investimento na Península Ibéria e assim alavancar o crescimento e cimentar a sua posição na Europa.

Com este acordo, o Grupo Neolith intensificará, em especial, o seu investimento no mercado ibérico, consolidando a sua presença directa e reforçando a sua actividade numa região que é essencial para o Grupo. Esta integração advém de uma estreita colaboração iniciada há mais de uma década com o Grupo Joan Regada, que actualmente conta com mais de 80 colaboradores directos, os quais passarão nos próximos dias a integrar o Grupo Neolith.

Com esta transacção, a Neolith passará a ter mais 10 centros de distribuição directa em Espanha, cobrindo quase 10.000 pontos de venda, e dezenas de showrooms em todo o país. “Esta integração, resulta de uma excelente e profícua cooperação iniciada há mais de uma década, e permitir-nos-á acelerar os nossos ambiciosos planos de crescimento para a Península Ibérica e para a Europa, beneficiando todo o canal através do reforço do nosso nível de serviço directo”, afirma José Luis Ramón, CEO do Grupo Neolith. “Damos as boas-vindas a todos os novos colaboradores que passam a integrar o nosso Grupo através desta importante operação. Investir em mercados tão importantes como o ibérico, e desenvolver a nossa pegada no mercado europeu do ponto de vista dos negócios, inovação e sustentabilidade, é e será sempre o nosso maior compromisso para os próximos anos”, conclui aquele responsável. Com esta integração a empresa prevê alcançar níveis recorde de mais de 40 milhões de euros de volume de negócio

Como consequência desta integração, Joan Regada passará a fazer parte da estrutura do Grupo como danaging director para a Península Ibérica, e terá a responsabilidade de liderar os negócios da Neolith nos mercados de Espanha, Portugal e Andorra. Aquele responsável sublinha que: “sempre acreditei no valor do Grupo Neolith. É com enorme orgulho que passo a fazer parte da equipa. Na Neolith era um sonho captar um mercado que não existia há 12 anos e congratulo-me com os resultados alcançados e que iremos impulsionar ainda mais com esta integração. Este é um enorme desafio que mostra o espírito de colaboração que sempre existiu com o Grupo Neolith. Esta integração permitir-nos-á acelerar o nosso crescimento em múltiplas frentes e continuar a fazer da Neolith a marca de eleição de milhares de profissionais e utilizadores finais para uma multiplicidade de projectos tirando partido de todas as possibilidades que a pedra Neolith oferece”, afirmou o empresário.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Indústria da pedra natural portuguesa em destaque em Itália

Portugal terá a 4ª maior presença naquela que é a maior feira internacional do sector. A presença será reforçada com a visita do Secretário de Estado da Economia, João Neves

CONSTRUIR

A MARMO+MAC 2022 está de volta a Verona, Itália, entre os próximos dias 27 e 30 de Setembro, onde empresas e profissionais da indústria da pedra se reúnem, para este que é o maior certame internacional direccionado para o sector e que este ano contará com a presença do Secretário de Estado da Economia, João Neves, a convite da ASSIMAGRA.

Nesta que é a 56ª edição do evento, estarão presentes cerca de 1000 empresas. Portugal destaca-se, uma vez mais, por ter a 4ª maior participação no certame, atrás da anfitriã Itália, da Turquia, Índia e igualando a Espanha, com um total de 65 empresas expositoras.

As empresas portuguesas do sector da pedra natural participam, à semelhança de outras edições, de uma forma bastante expressiva, com o apoio do projecto conjunto de internacionalização da ASSIMAGRA. O stand português abrange uma área total de 1.614m2, ocupada por 30 empresas. Uma participação, cofinanciada pelo Compete 2020, Portugal 2020 e União Europeia, através do FEDER, é fortalecida através da marca sectorial StonebyPORTUGAL, a qual pretende aumentar a visibilidade da qualidade da pedra nacional de modo a contribuir para a sua valorização, através da promoção de empresas com produtos, materiais e aplicações com qualidade.

A Marmo+Mac é considerada a maior feira de Pedra Natural do mundo e o principal polo internacional de todos os protagonistas e players do sector.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.