Edição digital
Assine já
Construção

JLL inaugura novo espaço em Oeiras

A JLL acaba de inaugurar uma nova loja em Oeiras, incentivada pelo forte crescimento do mercado. Este é mais um passo na expansão da rede de atendimento ao público, que conta já com espaços em Lisboa, Cascais, Porto, Algarve e Comporta

CONSTRUIR
Construção

JLL inaugura novo espaço em Oeiras

A JLL acaba de inaugurar uma nova loja em Oeiras, incentivada pelo forte crescimento do mercado. Este é mais um passo na expansão da rede de atendimento ao público, que conta já com espaços em Lisboa, Cascais, Porto, Algarve e Comporta

CONSTRUIR
Sobre o autor
CONSTRUIR
Artigos relacionados
Visioarq destacado internacionalmente com MG Coudelaria (c/ galeria de imagens)
Arquitectura
ADENE marca presença no Africa Energy Forum 2022
Empresas
Hikvision transforma coworking em Barcelona em smart building
Empresas
Aeroporto: António Costa anula novo plano
Construção
Remax Collection comercializa Belas Clube de Campo
Imobiliário
Schneider Electric lança Programa Global de Reconhecimento de Parceiros
Empresas
Arranque da empreitada de Modernização do troço da Linha do Oeste entre Torres Vedras e Caldas da Rainha
Engenharia
Architect Your Home dá masterclass em Inglaterra
Empresas
Laskasas decora Praia do Canal Nature Resort
Empresas
Simon 270 obtém a certificação Cradle to Cradle e ganha um Product Design IF Award
Empresas

A loja de Oeiras situa-se em Paço de Arcos, junto à marginal, numa localização com uma excelente visibilidade, e conta actualmente com uma equipa 8 consultores, com planos para expandir em breve para 15 pessoas.

Oeiras, que se tornou actualmente num destino com crescente procura residencial, exibe um percurso de forte valorização nos últimos anos. Transaccionando habitação em patamares de 1.500€/m2 na primeira metade da década passada, este mercado registou nos últimos cinco anos uma evolução expressiva dos preços, posicionando a média das vendas de habitação actualmente em torno dos 3.100€/m2.

“Oeiras é um mercado de forte crescimento e que se evidenciou ainda mais no pós-pandemia, pois está próximo de Lisboa, mas tem um estilo de vida mais descontraído e habitação de grande qualidade com características que são muito procuradas hoje. Face a isso e por ser um mercado onde temos experiência de anos, fazia todo o sentido termos aqui uma equipa e um espaço em permanência para prestamos um acompanhamento personalizado”, justifica Patrícia Barão, Head of Residential da JLL.

Com um vasto histórico de venda de habitação em Oeiras, a JLL comercializou com sucesso empreendimentos residenciais de referência como o Jardim de Miraflores, o Turquesa, o Vivere, o Vale do Jamor ou o Solo Oeiras. Actualmente em venda ou prestes a serem lançados pela mão da consultora estão dois empreendimentos o Giestas ou o Elements O portefólio de comercialização da JLL em Oeiras inclui ainda o Maré, no Alto de Algés e que está agora em fase final de vendas com as últimas unidades disponíveis, ou o Miraflores Park, com vistas privilegiadas para Monsanto.

“Oeiras tem uma excelente qualidade de vida, espaços verdes, proximidade a praias, boas instalações de ensino e, ao mesmo tempo, oferece habitação de grande qualidade a preços muito competitivos para uma localização tão próxima de Lisboa. É um destino residencial em forte consolidação, não só para os portugueses, mas também para os compradores internacionais, que já representam 35% das vendas que a JLL transacciona neste mercado. Por tudo isto, não temos dúvidas de que vai ser também um alvo de crescente investimento para os promotores imobiliários”, acrescenta Patrícia Barão.

Situado entre Lisboa e Cascais e com forte presença na linha de Mar, Oeiras tem vindo a desenvolver-se como um concelho mais moderno, que conjuga uma excelente qualidade de vida com todas as comodidades de uma cidade cosmopolita, incluindo equipamentos de ensino, saúde, comércio, serviços e cultura, além de ser sede de um importante leque de empresas multinacionais. Ao mesmo tempo, oferece um estilo de vida com acesso a inúmeros espaços e actividades ao ar livre, como praias, o emblemático Passeio Marítimo e o Parque dos Poetas, diversos jardins, além de património histórico e cultural de referência. O concelho distingue-se ainda pelos excelentes acessos rodoviários e uma rede completa de transportes públicos.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Artigos relacionados
Visioarq destacado internacionalmente com MG Coudelaria (c/ galeria de imagens)
Arquitectura
ADENE marca presença no Africa Energy Forum 2022
Empresas
Hikvision transforma coworking em Barcelona em smart building
Empresas
Aeroporto: António Costa anula novo plano
Construção
Remax Collection comercializa Belas Clube de Campo
Imobiliário
Schneider Electric lança Programa Global de Reconhecimento de Parceiros
Empresas
Arranque da empreitada de Modernização do troço da Linha do Oeste entre Torres Vedras e Caldas da Rainha
Engenharia
Architect Your Home dá masterclass em Inglaterra
Empresas
Laskasas decora Praia do Canal Nature Resort
Empresas
Simon 270 obtém a certificação Cradle to Cradle e ganha um Product Design IF Award
Empresas
Arquitectura

Visioarq destacado internacionalmente com MG Coudelaria (c/ galeria de imagens)

A sua sustentável integração na natureza valeu à MG Coudelaria o reconhecimento da Architizer A+ Awards. Com assinatura do gabinete Visionarq Arquitectos, o projecto de elege a madeira como material principal e a natureza como inspiração

Localizada em Vila Nova de Famalicão, a MG Coudelaria está inserida numa quinta de dez hectares onde a natureza e a paisagem do Minho foram mantidas intactas e quase intocáveis. A coudelaria dedicada ao ensino equestre e à criação de cavalos da raça Puro-Sangue Lusitano, e todas as suas infraestruturas – picadeiros, cobertos e descobertos, redondéis, pista de equitação, boxes e paddocks – foi este ano distinguida pelo Architizer, com um A+ Awards, na categoria Details – Architecture + Wood.

O projecto de arquitectura tem a assinatura da Visioarq Arquitectos, fundado por Nuno Poiares, Pedro Afonso e Vicente Gouveia.  A intervenção da Visioarq teve como premissa principal o enquadramento do novo edificado com a envolvente ambiental. Assim, a madeira natural do pinho enquanto material principal e a madeira lamelada colada surgem naturalmente enquanto soluções a compor não só os revestimentos exteriores e interiores como a própria estrutura dos edifícios. “O uso da madeira impôs-se, desde logo, por uma questão de enquadramento paisagístico. Desta forma, a integração do volume na paisagem surge de uma forma muito mais natural”, revela Vicente Gouveia. Outro dos argumentos que convenceu o arquitecto e a sua equipa foi a sustentabilidade dos materiais a empregar em obra. Acresce que “sendo uma construção em CLT, o sistema construtivo dá-lhe uma estabilidade dimensional e uma resistência mecânica muito superior”, explica Vicente Gouveia

O projecto privilegiou os elementos estruturas enquanto protagonistas do edifício, a partir dos quais tudo o resto se desenvolve. “O esqueleto é base da forma e tudo o resto assume uma leitura acessória. Com esta hierarquização pretende-se, de alguma forma, que o natural não perca o protagonismo e a importância que merece crescendo ao longo do tempo, envolvendo e integrando cada vez mais o edificado proposto”. A utilização da madeira na fachada e vãos e o seu jogo de aberturas permite um maior controlo ao nível da iluminação e ventilação naturais, não descurando o conforto e a maior eficiência energética.

Em simbiose com a natureza

Independentemente de se se estar a construir uma casa ou uma coudelaria “existem dois momentos na metodologia do processo de arquitectura: um momento que tem a ver com o momento conceptual em que a ideia surge do ponto de vista volumétrico de integração na paisagem e um outro que é o momento de pragmatismo”, sublinha o arquitecto. A verdade é que deste encontro entre a ideia e a concretização do programa não resulta necessariamente um confronto, pelo contrário. No caso da MJ Coudelaria esta simbiose resultou na criação de dois núcleos distintos que permitem “diluir” a estrutura edificada no meio envolvente, que se quis quase que intocado. “São eles as cavalariças por um lado e o picadeiro coberto por outro, ambos complementados com uma guia eléctrica e um picadeiro exterior. Pretendeu-se com esta solução de fragmentação que cada unidade seja descoberta aos poucos e em momentos diferentes, à medida que se percorre a propriedade, valorizando-se o factor surpresa com a criação de vários momentos distintos”.

Mas este é também um projecto que privilegia o pormenor, ajustando o edifício à sua utilidade desportiva, aos seus utilizadores, humanos e outros, e às diferentes funções. Para isso foram essenciais os encontros “com quem vai utilizar o espaço, sejam tratadores, veterinários, treinadores e promotores que investem e necessitam de potenciar a qualidade da sua actividade”, resume Vicente Gouveia. Todas as ferragens e acessórios foram desenhadas originalmente para os picadeiros, “materializando a simplicidade pretendida para um espaço com uma identidade muito própria, onde o contacto com os protagonistas do mundo equestre se faz de forma vincadamente sensorial”.

MG Coudelaria integra-se assim entre os muitos projectos que este atelier já conta e onde predominam os muitos projectos residenciais desenvolvidos para o mercado nacional, e não só, e, mais recentemente, os projectos desenvolvidos para o sector hoteleiro, onde destacamos o novo Renaissance Park Hotel, no Porto, que resulta num investimento de 56 milhões de euros.

Sobre o autorManuela Sousa Guerreiro

Manuela Sousa Guerreiro

Mais artigos
Empresas

ADENE marca presença no Africa Energy Forum 2022

“É urgente unir esforços e tornar a União Europeia e o continente africano zonas livres da dependência dos combustíveis fósseis da Rússia, e esse objectivo só pode ser alcançado trabalhando em conjunto”, afirmou Nelson Lage, Nelson Lage, presidente da ADENE e da EnR

A importância da colaboração entre a União Europeia e o continente africano, as potencialidades destes países e aspectos-chave fundamentais para a descarbonização foram os temas abordados na mesa-redonda no African Energy Forum 2022 e na qual a ADENE esteve presente.

“No caminho do crescimento energético sustentável, que permitirá atingir a meta de zero emissões até 2050, não podemos deixar ninguém para trás, e temos a responsabilidade e a obrigação de manter viva a ambição do Acordo de Paris e de olhar para a COP27 com maior interesse e compromisso em agir”, referiu Nelson Lage, presidente da ADENE e da EnR para o ano de 2022, por ocasião da sessão de abertura, sobre o relacionamento da UE e África.

“Mais do que nunca, é urgente unir esforços e tornar a União Europeia e o continente africano zonas livres da dependência dos combustíveis fósseis da Rússia, e esse objectivo só pode ser alcançado trabalhando em conjunto em defesa de energias limpas, fiáveis e mais baratas”, acrescentou.

Também Carlos Zorrinho, presidente da Delegação do Parlamento Europeu para a Assembleia Parlamentar Paritária ACP-EU, presente na cerimónia de encerramento, focou a sua intervenção no papel de África nos desafios a transição energética, resumindo o posicionamento do continente africano na mudança de paradigma no sector energético, considerou que, “no futuro, África poderá ser um dos maiores beneficiários da transição para as energias limpas”.

Frans Timmermans, vice-presidente executivo da Comissão Europeia destacou que “o investimento em energias renováveis é a forma mais sustentável e barata de assegurar o acesso à energia por todos os que têm as tecnologias necessárias”.  No entanto, importa acelerar a passagem da assinatura de acordos de colaboração para a assinatura de contratos de investimento e passar de projectos piloto para projectos transformativos.

Desenvolver as energias renováveis no continente africano é não só importante para África, como para a Europa e, como tal, é preciso assegurar a ligação entre as prioridades da União Europeia e de África, pois “necessitamos uns dos outros” para a transição energética. “Precisamos de ser mais concretos e pragmáticos pois os investimentos nos países africanos devem corresponder a oportunidades e interesses específicos de cada país. No entanto se, por exemplo, não abraçarmos as oportunidades que o hidrogénio ou as renováveis permitem, isto é, se não investirmos já, perdemos o momento pois outros países do mundo estão já a avançar muito rapidamente”, ressalva.

Entre as intervenções dos representantes dos treze países africanos presentes, referindo as estratégias, as políticas e investimentos em curso ou planeadas, destacam-se São Tomé e Príncipe, República Democrática do Congo e Mauritânia. Por um lado, São Tomé e Príncipe, um país de emissões zero, apelou à solidariedade europeia, dada a vulnerabilidade dos pequenos estados insulares, os desafios que enfrentam no combate às alterações climáticas e as dificuldades na atracção de investimento em economias de pequena dimensão.

Por parte dos representantes das instituições financeiras, foi destacada a responsabilidade colectiva e a necessidade de abordar toda a cadeia de valor do abastecimento energético e a importância das redes para o escoamento da energia produzida a partir de fontes renováveis de energia. Para criar condições para a transição energética, o capital público permitirá o investimento em redes ou novas tecnologias energéticas, bem como o alavancar do capital privado. Apenas uma transição justa, sem vencedores ou vencidos, permitirá atingir os objectivos, explorando todo o tipo de fornecedores e fomentando a resiliência e a autonomia dos investimentos. A Comissão Europeia deu nota dos fundos disponíveis para melhorar a concepção dos projectos de investimento, num total de 3.5 biliões euros dos próximos cinco anos.

Vários intervenientes referiram, ainda, a importância de um esforço colaborativo para não considerar África como um continente pobre do ponto de vista da sustentabilidade. Não existe correlacção entre a pobreza energética que caracteriza a África actualmente e qualquer tipo de actuação pobre.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Hikvision transforma coworking em Barcelona em smart building

O projecto, liderado pelo integrador Onsecur, inclui quatro áreas: controlo de acesso, videovigilância, detecção de intrusos e contagem de pessoas

A Hikvision, fornecedora líder de soluções AIoT e serviços de Big Data focados em segurança, forneceu a tecnologia para equipar o L’Illa & Co. Business Coworking, tornando-o um do smais avançados da Espanha. O equipamento de vídeo inteligente da Hikvision permitiu desenvolver quatro novos sistemas perfeitamente integrados: controlo de acesso, videovigilância, sistema anti-intrusão e contagem de pessoas. Os projectos de desenvolvimento foram dirigidos pela integradora Onsecur.

Deste forma, os terminais de controlo de acesso permitem o acesso de usuários autorizados, tanto ao coworking quanto a cada uma das salas. Estes dispositivos possuem reconhecimento facial, com tecnologia própria da Hikvision, leitor de cartão e leitor de QR code. E, além disso, possuem intercomunicadores para falar com a recepção.
O sistema de Videovigilânciaé é usado no interior de uma área. Para respeitar a privacidade dos inquilinos, está focado nas áreas comuns como os corredores e a recepção, mas não invadem os espaços privados dos clientes do coworking.

O recinto tem um sistema de detecção de intrusão, que reforça a segurança quando os escritórios estão fechados, mas sem limitar a possibilidade de acesso por um utilizador autorizado. Para além disso, o sistema oferece dados e análises sobre ocupação, horários e dias de maior afluência, salas com maior utilização, etc. Esta informação permite aos gestores de coworking optimizar pessoal e recursos.

Todos os sistemas são controlados pela plataforma HikCentral, que oferece uma convergência real entre todos eles, pois permite gerir todos os sistemas a partir de uma única plataforma.

O espaço L’Illa & Co. Business Coworking é um recinto de mais de 1000 metros quadrados, no centro financeiro de Barcelona (Avenida Diagonal). Abriu no início de 2022 e é um dos espaços de coworking mais avançados e inovadores daquele país. “A filosofia deste espaço —explica Óscar González, gerente de coworking— obedece a dois pilares básicos: um é a flexibilidade e o outro é a comunidade.” “O desafio era criar um espaço seguro, mas ao mesmo tempo flexível e confortável. E, para isso, era uma garantia ter a Hikvision, o fabricante número um do mundo”, explicou Casilda Díaz de Bustamante, directora de comunicação da Onsecur, empresa responsável pela instalação de todos os dispositivos de segurança. Por sua vez, Ada Fernández, Area Sales Manager da Hikvision, destacou o trabalho realizado pela Onsecur apostando no vídeo inteligente no coworking: “Este projecto responde ao conceito de smart building, algo que veremos cada vez mais em todos os tipos de instalações”, reforça.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Aeroporto: António Costa anula novo plano

Depois do ministro das Infraestruturas e Habitação ter apresentado ontem um novo plano que dava como certa construção do novo aeroporto internacional de Lisboa em Alcochete, o primeiro-ministro anuncia hoje a anulação dessa decisão

CONSTRUIR

Segundo um comunicado enviado esta quinta-feira às redacções, o gabinete do primeiro-ministro informa que “determinou ao Ministro das Infraestruturas e da Habitação a revogação do despacho ontem publicado sobre o Plano de Ampliação da Capacidade Aeroportuária da Região de Lisboa”.

António Costa entende que “a solução tem de ser negociada e consensualizada com a oposição, em particular com o principal partido da oposição e, em circunstância alguma, sem a devida informação prévia ao senhor Presidente da República”, sublinha a nota.

Em causa está a informação avançada ontem que propunha uma nova solução para o novo Aeroporto de Lisboa, na qual o Montijo passava a estrutura complementar do novo aeroporto a construir em Alcochete. Segundo este novo plano, uma vez que esta nova infraestrutura estivesse concluída o actual aeroporto Humberto Delgado seria desmantelado. Com o governo a estimar a construção do aeroporto em Alcochete, com duas pistas, em cerca de 13 anos.

O aplano apresentado ontem, e anulado hoje, recuperava um dos três cenários apresentados ainda no final de 2021: Montijo como aeroporto complementar (que chegou a ter autorização ambiental), Montijo como aeroporto principal e manutenção da Portela e Alcochete como o novo aeroporto construído de raiz e em substituição da Portela.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

Remax Collection comercializa Belas Clube de Campo

De acordo com Beatriz Rubio, CEO da Remax Collection, a comercialização do empreendimento vai ao encontro da estratégia de crescimento da empresa neste segmento

CONSTRUIR

A Remax Collection acrescentou ao seu portefólio a comercialização do empreendimento Belas Clube de Campo – Lisbon Green Valley, anunciou a mediadora. De encontro à sua estratégia de crescimento neste segmento, a Remax Collection realiza esta quinta-feira, dia 30 de junho, um evento de apresentação, que irá decorrer no local do empreendimento.

Para Beatriz Rubio, CEO da Remax Collection, o Belas Clube de Campo – Lisbon Green Valley “é um conceito de habitação verdadeiramente singular”. Além de valorizar o concelho de Sintra, pela zona privilegiada onde está inserido, o empreendimento destaca-se, também, pelo seu “carácter sustentável e pelo facto de este ser o primeiro empreendimento certificado pela norma de Resiliência às alterações climáticas”, acrescenta.

A responsável antevê, ainda, que a comercialização seja um sucesso, pelo facto de “ser um investimento seguro no segmento residencial premium e este ser um projecto que une a natureza à vida urbana, sinónimo de qualidade de vida.”

Composto por apartamentos, townhouses e lotes para construção de moradias, o Belas Clube de Campo – Lisbon Green Valley conta com tipologias que oscilam entre o T1 e T4, com 52 apartamentos já vendidos. A poucos minutos de Lisboa, Cascais e Sintra, continua a atrair elevada procura por parte de compradores nacionais e internacionais, já que além da “oferta diferenciadora de habitação”, apresenta um conjunto de serviços no empreendimento, como escola, healthclub, restaurantes, minimercado, golfe, ténis, padel, entre outros.

O empreendimento foi já distinguido com diversos prémios, o AQUA+, o novo índice de eficiência hídrica dos edifícios, atribuído pela ADENE. Em 2019, as townhouses do empreendimento foram distinguidas no âmbito dos Prémios SIL do Imobiliário 2019, na categoria da “Construção Sustentável e Eficiência Energética”e, no ano seguinte, foram distinguidas na categoria “Eficiência Energética” nos Prémios do Imobiliário, do Expresso e da SIC Notícias. As townhouses são ainda as primeiras casas em Portugal a atingir valores de certificação Nearly Zero Energy Building (NZEB). Ainda em 2020, o Belas Clube de Campo foi certificado pela norma de Resiliência às alterações climáticas e outros, pelo Sistema LiderA, atribuídas ao Lisbon Green Valley, obtendo um grau elevado de resiliência (Classe A).”

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Schneider Electric lança Programa Global de Reconhecimento de Parceiros

O Schneider Electric Sustainability Impact Awards visa “reconhecer o papel fundamental que os parceiros da empresa desempenham na criação de um mundo eléctrico mais resiliente e sustentável”. As candidaturas serão oficialmente aceites a partir de sexta-feira, dia 1 de Julho e terminam a 25 de Novembro de 2022

CONSTRUIR

A Schneider Electric lançou a primeira iniciativa do programa Partnering for Sustainability. O Schneider Electric Sustainability Impact Awards visa “reconhecer o papel fundamental que os parceiros da empresa desempenham na criação de um mundo eléctrico mais resiliente e sustentável”. As candidaturas serão oficialmente aceites a partir de sexta-feira, dia 1 de Julho e terminam a 25 de Novembro de 2022. Todas as nomeações e candidaturas serão pré-seleccionadas para os Prémios Regionais, antes de se avançar para o Prémio Global. O vencedor final será anunciado em Janeiro de 2023.

“Estamos todos na mesma missão – acelerar o caminho para as emissões líquidas zero. Na Schneider Electric queremos reconhecer quem está a implementar mudanças positivas nas suas operações corporativas. Os parceiros que se distinguem neste aspecto estabelecem um precedente para outros seguirem,” comentou Rohan Kelkar, Executive vice president of Power Products da Schneider Electric.

O programa Partnering for Sustainability é uma extensão das iniciativas da Schneider Electric para capacitar o seu vasto ecossistema de parceiros a avançar em direcção a um futuro mais sustentável. O projecto inclui educação e formação abrangentes, um portefólio de produtos simplificado, um ecossistema de suporte aberto e colaborativo e acesso a conhecimentos e recursos sobre transformação digital. Concebido para ajudar os parceiros a tornar-se mais sustentáveis nas suas próprias práticas e a apoiarem os seus clientes no caminho para as emissões líquidas zero, o programa oferece quatro passos fáceis que os parceiros podem seguir para preparar as suas empresas para o futuro.

O Programa vai distinguir os parceiros em duas categorias, nomeadamente, Sustainability: Impact for my company (Sustentabilidade: Impacto para a minha empresa), para parceiros que demonstram liderança em sustentabilidade na descarbonização das suas operações e Sustainability and Efficiency: Impact for customers (Sustentabilidade e Eficiência: Impacto para os clientes), para parceiros que demonstram liderança em sustentabilidade ao ajudar os clientes a atingir os seus objetivos de descarbonização.

As inscrições serão avaliadas, considerando como os parceiros estão a tirar partido de soluções digitais de energia e de automação para electrificar as operações, reduzir o abastecimento de energia, aumentar a eficiência operacional e incorporar a circularidade ao longo da cadeia de valor.

Os prémios estão abertos a todas as organizações em todo o Mundo que trabalham com a Schneider Electric para possibilitar a eficiência e a sustentabilidade.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Engenharia

Arranque da empreitada de Modernização do troço da Linha do Oeste entre Torres Vedras e Caldas da Rainha

A empreitada é desenvolvida no âmbito do programa de expansão e modernização da Rede Ferroviária Nacional, Ferrovia 2020, e representa um investimento de 38,4 milhões de euros, comparticipado com fundos da União Europeia no âmbito do COMPETE 2020

CONSTRUIR

“Os atrasos que hoje temos na Linha do Oeste são de décadas e a diferença hoje, face a estas décadas, é que não estamos a dizer que vamos fazer. Hoje estamos a assinar a consignação deste troço e já temos o anterior em obra”, afirmou o ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos. O Ministro falava na cerimónia de assinatura do Auto de Consignação do Troço Torres Vedras – Caldas da Rainha (Modernização da Linha do Oeste), nas Caldas da Rainha.

O investimento, em execução, na modernização da Linha do Oeste entre Meleças e Caldas da Rainha tem como principais objectivos o reforço da capacidade e eficiência do serviço de transporte ferroviário, através da melhoria dos níveis de disponibilidade e da redução dos tempos de percurso.

O projecto foi dividido em duas grandes empreitadas. A primeira corresponde à electrificação e modernização do troço entre Mira Sintra-Meleças e Torres Vedras, no valor de 61,5 milhões de euros está já em execução. A segunda empreitada, que agora arranca visa a modernização e electrificação do troço entre Torres Vedras e Caldas da Rainha.
A capacitação da Linha do Oeste, até Caldas da Rainha, para a utilização de material circulante de tracção eléctrica, de modernos sistemas de sinalização e telecomunicações e a optimização do traçado de via, possibilitarão a redução do tempo de viagem entre Caldas da Rainha – Lisboa e Torres Vedras – Lisboa em cerca de 30 minutos. A infraestrutura estará habilitada para permitir o aumento da oferta, das actuais 16 circulações para 48 (2 sentidos) no troço a sul das Caldas da Rainha.

A empreitada de modernização da Linha do Oeste entre Torres Vedras e Caldas da Rainha consiste na electrificação integral do troço e modernização da via numa extensão de 44 quilómetros. A presente acção integra a candidatura aprovada no âmbito do COMPETE 2020, com a designação “Linha do Oeste – Modernização do Troço Meleças-Caldas da Rainha”, referente à qual se prevê um financiamento comunitário de 38,74%.

Pedro Nuno Santos afirmou que este investimento se insere “numa grande revolução que estamos a fazer na ferrovia», relembrando que Portugal tem «praticamente toda a nossa rede ferroviária em obra”. “O primeiro objectivo do nosso investimento esteve concentrado no transporte de mercadorias e na electrificação da rede ferroviária, mas o próximo ciclo, que já começamos a dar os primeiros passos, estará mais focado no passageiro”, afirmou.

Segundo o Ministro, o distrito de Leiria beneficiará, assim, “de um dos maiores investimentos ferroviários que o País alguma vez conheceu ou vai conhecer”, uma vez que a nova linha – que ligará Lisboa ao Porto – permitirá uma viagem entre a capital e Leiria em 35 minutos.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Architect Your Home dá masterclass em Inglaterra

O Architect Your Home (AYH), marcou presença no Homebuilding and Renovating Show em Surrey (Inglaterra), com um stand próprio e como orador nas masterclasses do evento

CONSTRUIR

O Home Building and Renovation Show é um evento de destaque para arquitectos, decoradores e fornecedores da área da construção, que visa dar a conhecer as boas práticas do sector, ideias inovadoras e tendências da arquitectura, decoração e reabilitação.

Mariana Morgado Pedroso, Diretora Geral do AYH em Portugal e “Expert Advisor” do evento, conduziu a Masterclass: Interior Design Inspiration for the Ultimate Master Bedroom. “É um prazer voltar a este evento, após este intervalo devido à pandemia. Demos o nosso contributo para apresentar as tendências na área dos interiores em 2022, focando na questão da master suite. E é também muito interessante ver a dinâmica do mercado britânico, tão activo na área da reabilitação residencial e com um público interessado e participativo nestes eventos”, sublinhou Maria Morgado Pedroso.

Em cada edição o evento recebe milhares de participantes, de todo o mundo, entre marcas e profissionais, todos sob o mesmo tecto, disponíveis para aconselhamento personalizado e individualizado, que pode ir desde os materiais a usar até à gestão de orçamentos. Durante os dois dias do evento, foram promovidos múltiplos seminários, todos dirigidos por profissionais experientes, que têm sempre sala cheia e muita interacção com o público.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Laskasas decora Praia do Canal Nature Resort

A Laskasas foi responsável pela decoração do Praia do Canal Nature Resort, uma nova unidade hoteleira localizada na Costa Vicentina

CONSTRUIR

Localizado no coração da Costa Vicentina, o Praia do Canal Nature Resort disponibiliza mais de 50 quartos e espaços comuns, que reflectem a natureza no seu estado mais puro, com cores quentes que atravessam todo o ano. O minimal design marca cada um dos recantos do hotel, onde cada peça foi pensada, ao pormenor, para o local onde se encontra, marcando a diferente não só pelo seu desenho, mas pelos diferentes materiais utilizados como as madeiras e as suas diferentes texturas.

“A principal preocupação foi a criação de um espaço onde a natureza serve de inspiração e é, simultaneamente, parte integrante de toda a decoração. Era importante que o hotel integrasse todos os elementos. Todo o projecto foi pensado para que o conforto e a elegância estivessem presentes, não apenas nos meses mais quentes, mas durante todo o ano”, refere Constança de Castro Fernandes, arquitecta responsável do projecto.

Celso Lascasas, CEO do grupo Laskasas, afirma que “sermos convidados para fazer parte de um projecto português é, para nós, enquanto empresa totalmente nacional, um orgulho. Trata-se não só de impulsionar outros negócios, mas sobretudo projectos que têm em si um conjunto de características incontornáveis para vingar no mercado. O Praia do Canal Nature Resort é um cartão de boas-vindas para uma das zonas mais bonitas de Portugal, permitindo a todos aqueles que o visitem descobrir um novo recanto a cada dia, seja através do nosso mobiliário e do seu conforto, como dos diferentes espaços do hotel”.

O Praia do Canal Nature Resort integra 25 quartos deluxe, 25 junior suites, 1 junior suite com rooftop, 2 suites familiares e uma grand suite – todas elas equipadas com varandas, terraços ou até áreas de jardim privadas. Há ainda dois restaurantes – o Azeitona e Zimbro – onde se podem degustar algumas das iguarias tradicionais da cozinha alentejana reinventadas, e um bar – Medronho – perfeito para um cocktail ao final da tarde acompanhado de um pôr-do-sol inesquecível.

O Esteva Spa & Fitness Room oferece ainda um conjunto de tratamentos corporais e faciais, com produtos naturais da região. Um conjunto de experiências, como picnics, lições de cozinha com o Chef do restaurante ou até aulas de surf nas eternas praias da Costa Alentejana podem ser igualmente solicitadas pelos hóspedes.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Simon 270 obtém a certificação Cradle to Cradle e ganha um Product Design IF Award

O lançamento mais recente da Simon, tanto a série quanto a sua respectiva embalagem, ambas recebem o certificado Cradle to Cradle no nível bronze. A sua simplicidade, acessibilidade e sensibilidade, valeram-lhe um IF Award na categoria Building Technology

CONSTRUIR

A certificação Cradle to Cradle concedida pelo Cradle to Cradle Products Innovation Institute, representa a verificação independente da sustentabilidade da série Simon 270 em 5 categorias críticas: a Saúde dos materiais utilizados, a Circularidade da série, Ar limpo e protecção do clima, Utilização da água e do solo, bem como Justiça social.

Este certificado reconhece as opções a branco e preto da série, incluindo os espelhos, o mecanismo e a tomada disponíveis de 1 a 5 módulos, e também se estende à nova proposta de embalagem sustentável da Simon, que se baseia na oferta de uma solução realista, que destaque o material e, em última análise, uma embalagem mais honesta com o produto e a sustentabilidade.

O Cradle to Cradle pretende ser um guia para transformar o compromisso com a sustentabilidade em ‘acção’, pois oferece um quadro de referência das melhores práticas a seguir na concepção e fabrico de produtos, para além de fomentar a colaboração e a inovação em toda a cadeia de valor. Tudo isto, para que os produtos criados possibilitem um amanhã saudável, igualitário e sustentável.

Por outro lado, a série Simon 270 foi premiada na categoria Building Technology com um IF Award pelo IF International Forum Design. Esta série, que foi concebida com o lema “Para melhorar, simplifica” traz consigo todo um conceito em relação à importância de chegar ao essencial, retirando o acessório e preservando apenas o essencial, permitindo a simplificação das instalações para “democratizar” a tecnologia.
Simplificar também significa minimizar o impacto sobre o ambiente. É por isso que o plástico foi eliminado de todas as embalagens da colecção Simon 270. Pela primeira vez, são impressas com menos tintas, uma vez que apresenta pequenos detalhes em azul, evitando, assim, uma impressão monocromática total. Além disso, são fabricadas com materiais 100% reciclados. Um novo conceito, mais simplificado e que respeita o planeta que mereceu já, na edição anterior, um IF Design Award na categoria de embalagens.

O design desta série apresenta duas estéticas: a Mínima, com uma tecla estreita e essência minimalista; e a Icon, com uma tecla larga tradicional. Os interruptores desta série, com um design neutro e discreto, são 100% accionáveis, o que significa que voltam sempre à sua posição original, garantindo, assim, uma total harmonia. Contam com uma tecla elegante de superfície lisa, que procura a mínima intrusão e a máxima funcionalidade, e que se integra perfeitamente com o espelho da parede. Além disso, as suas tomadas Clean Schuko foram completamente reinventadas, incorporando uma superfície plana nivelada com a parede que permite a sua total integração e que se mantém sempre limpa.

O reconhecimento do design desta série também se deve à gama cromática que oferece e à selecção de 8 acabamentos, concebidos para se adequarem a qualquer estilo. Integra-se perfeitamente com todos os tipos de materiais, mobiliário e complementos decorativos. O design da série Simon 270 não se presta apenas a oferecer soluções estéticas, mas trata-se também de uma série de conectores em que os mecanismos incorporam tecnologia Wi-Fi para digitalizar qualquer casa sem instalação adicional.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.