Edição digital
Assine já
Construção

Construção da nova ponte de Faro vai avançar

A obra, com prazo de execução de 540 dias, deverá ter início em breve e prevê a construção de uma nova ponte de acesso à Praia de Faro

CONSTRUIR
Construção

Construção da nova ponte de Faro vai avançar

A obra, com prazo de execução de 540 dias, deverá ter início em breve e prevê a construção de uma nova ponte de acesso à Praia de Faro

CONSTRUIR
Sobre o autor
CONSTRUIR
Artigos relacionados
Concurso para reabilitação do troço Pocinho e Barca d’Alva lançado no primeiro trimestre de 2023
Construção
‘Greater Porto’ une municípios de Matosinhos, Porto e Vila Nova de Gaia
Empresas
“Architecture for well-being” marca programação do Dia Mundial da Arquitectura
Arquitectura
Aquila Capital entrega à MC Sonae primeiro edifício do parque logístico na Azambuja
Imobiliário
Electrodomésticos AEG incluem filtro que impede a libertação de microplásticos
Empresas
ANI atribui Selo de Reconhecimento de Idoneidade à Carmo Wood
Empresas
“Acho que a abordagem para mitigar a crise climática precisa ser radical”
Arquitectura
Trienal 2022 revela vencedores Prémio Début e ‘Prémio Universidades’
Arquitectura
.PT inaugura “a casa da internet portuguesa”
Empresas
Filme “O Sentido da Arquitectura” marca 8º aniversário da Kronos Homes
Imobiliário

Está formalmente assinado o auto de consignação da obra de construção da nova ponte de acesso à Praia de Faro, um investimento promovido pela autarquia algarvia estimado em 6,5 milhões de euros.

A empreitada, adjudicada ao consórcio formado pelas empresas Extraco e Proxectos, foi adjudicada cerca de 1,5 milhões de euros adicionais face à proposta inicialmente adjudicada. A revisão extraordinária de preços, aprovada em Assembleia Municipal de Faro no passado dia 28 de julho, pretendeu dar resposta à situação excecional que provocou aumentos abruptos nos preços das matérias-primas, dos materiais e da mão-de-obra, com impacto na construção e nos custos dos trabalhos previstos nesta empreitada, com uma importância crucial para o concelho.

A obra, com prazo de execução de 540 dias, deverá ter início em breve e prevê a construção de uma nova ponte de acesso à Praia de Faro, que substituirá a atual e será localizada num traçado paralelo a Nascente desta, a uma distância que acautela, entre outros factores, a necessidade de execução dos trabalhos de demolição da ponte atual – cujos custos de remoção serão igualmente suportados pela Autarquia –, após a conclusão e entrada em funcionamento da nova estrutura, que vai cobrir uma distância de cerca de 180 metros, com um tabuleiro de 11 metros de largura.

Este tabuleiro vai acolher duas faixas para circulação automóvel, permitindo igualmente o acesso de transportes públicos colectivos à Praia de Faro, contemplando ainda dois passeios pedonais, um deles com uma largura que permite a convivência da circulação pedonal com a ciclável.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Artigos relacionados
Concurso para reabilitação do troço Pocinho e Barca d’Alva lançado no primeiro trimestre de 2023
Construção
‘Greater Porto’ une municípios de Matosinhos, Porto e Vila Nova de Gaia
Empresas
“Architecture for well-being” marca programação do Dia Mundial da Arquitectura
Arquitectura
Aquila Capital entrega à MC Sonae primeiro edifício do parque logístico na Azambuja
Imobiliário
Electrodomésticos AEG incluem filtro que impede a libertação de microplásticos
Empresas
ANI atribui Selo de Reconhecimento de Idoneidade à Carmo Wood
Empresas
“Acho que a abordagem para mitigar a crise climática precisa ser radical”
Arquitectura
Trienal 2022 revela vencedores Prémio Début e ‘Prémio Universidades’
Arquitectura
.PT inaugura “a casa da internet portuguesa”
Empresas
Filme “O Sentido da Arquitectura” marca 8º aniversário da Kronos Homes
Imobiliário
Construção

Concurso para reabilitação do troço Pocinho e Barca d’Alva lançado no primeiro trimestre de 2023

Estudo indica que benefícios totais são de 84,2 M€ e que a reabertura do troço irá gerar importantes impactos no sector do turismo, nomeadamente, hotelaria, restauração e transportes

O concurso público para o projecto de reactivação da Linha do Douro, entre o Pocinho e Barca d’Alva, será lançado no primeiro trimestre de 2023. O anuncio foi esta segunda-feira, dia 3 de Outubro, por Pedro Nuno Santos, ministro das Infraestruturas e da Habitação, que falava em Freixo de Espada à Cinta, após a apresentação dos estudos de viabilidade económica, técnica e ambiental da reactivação de 28 quilómetros do troço entre Pocinho e Barca d’Alva da Linha Ferroviária do Douro, nos quais se conclui a viabilidade de projecto. No evento esteve também a Ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa.
“Vamos até ao fim e vamos explorar até ao fim o potencial desta grande região, das mais bonitas do mundo, explorar e aproveitar sempre com grande respeito ambiental este nosso diamante e com isso beneficiar toda a nossa população», disse o Ministro.
O Ministro disse também que “os estudos de viabilidade, os estudos prévios são o primeiro passo para podermos avançar para este investimento”.
Ana Abrunhosa afirmou, por sua vez, que o estudo representa um passo importante na reactivação do troço da linha férrea do Douro que liga o Pocinho à Barca d’Alva, referindo, ainda, a viabilidade do projecto não só em termos económicos e financeiros como também técnicos e ambientais.
“Obviamente que temos muitos passos a dar pelo caminho. Tecnicamente pode até ser um caso de estudo. Estes estudos são imprescindíveis para nós termos sustentabilidade para se começar a trabalhar no projecto”, frisou.
O estudo apresentado aponta para uma estimativa global de custos na ordem dos 75 milhões de euros, dos quais 60 milhões de euros serão destinados à obra de reabilitação, 3,5 milhões de euros para projectos e 11,2 milhões de euros para fiscalização e estaleiro.
Revela ainda que os benefícios totais são de 84,2 milhões de euros e que o troço reaberto irá gerar importantes impactos no sector do turismo, nomeadamente, hotelaria, restauração e transportes, permitindo mitigar a tendência de decréscimo da população residente.
Outro aspecto importante é a sua dimensão regional, com impactos económicos nos municípios directamente servidos por este troço, designadamente, Figueira de Castelo Rodrigo, Vila Nova de Foz Côa, Torre de Moncorvo e Freixo de Espada à Cinta, mas que se estendem a todo o território do Douro e a concelhos da região Centro, que totalizam 22 municípios beneficiados.
A reabertura deste troço da Linha do Douro representa ainda uma redução do tempo de viagem em cerca de 30 minutos, quando comparado com a alternativa rodoviária existente.
Recorde-se que a Linha Ferroviária do Douro liga actualmente o Porto ao Pocinho (171,522 quilómetros), tendo sido desactivado, em 1988, troço entre o Pocinho (Vila Nova de Foz Côa) e Barca d’Alva (Figueira de Castelo Rodrigo).
Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Mota-Engil vai construir mais três linhas de metro no México

Em consórcio com a China Railway Rolling Stock Corporation, CRRC, a Mota-Engil México assinou um contrato para a realização de um projecto ferroviário avaliado em 1,3 mil milhões de euros

CONSTRUIR

A Mota-Engil informa que a sua participada Mota-Engil México, em consórcio com a CRRC, assinou um contrato para a realização de um projecto ferroviário no montante de 1,3 mil milhões de euros.

De acordo com a informação enviada à Comissão do Mercados de Valores de Capital, o projecto “consiste na construção das linhas 4, 5 e 6 do Metro de Monterrey, com uma extensão de 36 km, apresenta uma duração prevista de 5 anos e irá contribuir para melhorar as soluções de mobilidade na cidade de Monterrey”, refere o grupo.

Com a adjudicação deste projecto, “a Mota-Engil consolida a sua posição no México como um dos maiores players no segmento ferroviário”, afirma nota do grupo

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Mafra lança concurso de 5,1M€ para instalação do Museu Nacional de Música

A autarquia aprovou a abertura de procedimento, por concurso público, para a empreitada referente à instalação do Museu Nacional da Música no Palácio Nacional de Mafra , com um preço preço-base de cerca de 5,1 milhões de euros, acrescido de IVA à taxa legal em vigor

CONSTRUIR

Para a execução desta intervenção, foi celebrado um contrato interadministrativo que estabelece as condições de cooperação entre a Direcção-Geral do Património Cultural e o Município de Mafra, estando o apoio financeiro para a realização do investimento previsto no contrato de financiamento celebrado entre o Município de Mafra e o Fundo de Salvaguarda do Património Cultural.

Esta empreitada visa a implementação do projecto vencedor do concurso público de concepção para a elaboração do projecto de instalação do Museu Nacional da Música no Palácio Nacional de Mafra. O referido projecto visa potenciar a colecção existente no Museu com a sua ligação à condição de Mafra como edifício-instrumento. Como a intervenção tem a particularidade de ser um museu dentro de um palácio, pretende-se que o espaço de exposição, proporcionando experiências e actividades pedagógicas, possa permitir a descoberta dos conteúdos musicais, mas também a contemplação do magnífico edifício que é Património Mundial da UNESCO.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos

NURON – A NOVA PLATAFORMA HILTI SEM FIOS QUE VAI REVOLUCIONAR O MERCADO DA CONSTRUÇÃO

A Hilti lançou uma nova plataforma sem fios, a Nuron, que simplifica radicalmente o trabalho em obra, melhora a gestão do parque de ferramentas, impulsiona o desempenho para níveis muito superiores e melhora a proteção da saúde do operador. A Nuron é baseada num único sistema de bateria que abrange todas as aplicações relevantes desde as mais ligeiras às mais intensivas.

Brand SHARE

Nos estaleiros, os clientes muitas vezes deparam-se com o problema da necessidade de diferentes fontes de energia para as suas ferramentas. Existem plataformas sem fios com diferentes tensões para várias aplicações, ferramentas com fio e ferramentas alimentadas a gasolina. Isso leva à procura das ferramentas e baterias certas, implicando múltiplos carregadores, passar cabos e combustível de mistura. Com a Nuron, a Hilti propõe acabar com estes e outros problemas em obra.

Uma só plataforma com um desempenho inigualável

Todas as baterias e carregadores podem ser usadas em todas as ferramentas Nuron, o que é fundamental para otimizar os parques de ferramentas e reduzir os custos das empresas. A plataforma sem fios de 22 volts oferece um desempenho sem precedentes, o que também permite aplicações intensivas que antes se restringiam a sistemas com fio, alimentados a gasolina ou com baterias de alta tensão. A base para isto é a interface da bateria completamente inovadora, exclusiva e patenteada que assegura uma transferência de potência superior à da rede elétrica com fio e, assim, maior desempenho.

As baterias Nuron são mais duradouras e incluem um compartimento novo e robusto, reforçado com fibra de vidro e amortecedores de choque externos o que oferece proteção extra mesmo nas condições mais difíceis. A eletrónica está completamente selada para proteção contra a humidade, poeira e outros contaminantes do local de trabalho.

Ligação à nuvem para aumentar a produtividade

Além disso, a Nuron traz a inteligência para o centro da plataforma – todas as ferramentas geram dados que são armazenados nas baterias e enviados de forma segura para a nuvem em cada carregamento sem interação do operador. Os dados recolhidos incluem informação sobre a utilização da ferramenta, local de carregamento e estado de saúde da bateria, assegurando que os operadores trabalham com baterias em condições ideais. Esta informação pode ser usada para alertar de imediato as pessoas, se for necessária qualquer ação ou pode ser acedida a pedido conforme necessário e ser disponibilizada nas plataformas móvel e de computador através do software de gestão de ativos ON!Track. Juntamente com alguns serviços Hilti, como a Gestão de Frota, os dados da ferramenta podem ser usados para reduzir os períodos de inatividade e otimizar a utilização das ferramentas, aumentando a produtividade do cliente.

Novas funcionalidades para aumentar a saúde e segurança no local de trabalho

O Sistema de Remoção de Pó (DRS) e o Controlo Ativo de Binário (ATC) da Hilti estão agora disponíveis com todas as ferramentas relevantes. A Redução Ativa da Vibração (AVR), outra funcionalidade-chave para o conforto e proteção da saúde, foi expandida para muitas mais ferramentas da plataforma Nuron. Além disso, a conceção de todas as 70 ferramentas que estarão disponíveis no lançamento, a ergonomia, peso e robustez foram otimizados e compatibilizados com as correias de segurança para evitar que as ferramentas caiam ao trabalhar em altura.

As parcerias da Hilti com os profissionais da construção, permitiram desenvolver duas novas tecnologias para segurança acrescida com rebarbadoras ou ferramentas de corte/desbaste. O sistema “3D ATC” desliga a ferramenta e ativa o travão de disco quando existe um movimento súbito, descontrolado em qualquer direção. A mesma função de redução de risco é incluída com o novo sistema “SensTech”, que deteta quando a mão do operador é removida, p. ex., quando a ferramenta cai acidentalmente.

Os produtos da Nuron já estão à venda em Portugal e podem ser encontrados numa loja física ou online, em www.hilti.pt.

Sobre o autorBrand SHARE

Brand SHARE

Mais artigos
Construção

Apoio a Edifícios Mais Sustentáveis reforçado em 39M€

O Governo aumentou em 39 milhões de euros a dotação orçamental da 2ª fase do Programa de Apoio a Edifícios Mais Sustentáveis, que passa agora a ter uma dotação global de 135 milhões de euros

CONSTRUIR

Este aumento, o quinto desde que foi lançada a 2ª fase do programa de incentivos destinados a financiar medidas que promovam “a reabilitação, a descarbonização, a eficiência energética, a eficiência hídrica e a economia circular”, visa dar resposta à elevada adesão ao programa e “assegurar o financiamento das candidaturas elegíveis”, refere-se no Despacho n.º 11510/2022, de 28 de Setembro.

Segundo dados disponibilizados pelo Fundo Ambiental, a 2ª fase do Programa de Apoio a Edifícios Mais Sustentáveis recebeu 106.133 candidaturas, das quais já foram pagas mais de 56 mil.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Mafra lança concurso para construção de habitação municipal

A construção de 17 fogos, enquadra-se no âmbito da Estratégia Local de Habitação. O preço base do concurso é de 2,5 milhões de euros, acrescido de IVA

CONSTRUIR

A Câmara Municipal de Mafra vai lançar um concurso público, destinado à construção de 17 fogos de habitação municipal, no âmbito da Estratégia Local de Habitação, projecto este inserido em candidatura do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR). Para este procedimento, considera-se um preço-base de cerca de 2,5 milhões de euros, acrescido de IVA à taxa legal em vigor.

Com a construção destes fogos, a autarquia pretende apoiar agregados familiares do Concelho de Mafra em situação de carência habitacional, assim contribuindo para a promoção do desenvolvimento social coeso e inclusivo.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Comissão Técnica vai estudar cinco opções para o novo Aeroporto de Lisboa

Esta comissão independente deverá, até ao final de 2023, apresentar a sua avaliação ambiental estratégica e “os seus trabalhos serão acompanhados por uma comissão de acompanhamento que será presidida pelo Conselho Superior de Obras Públicas”

Ricardo Batista

O Conselho de Ministros aprovou, esta quinta-feira, um conjunto de diplomas, nomeadamente a criação de uma comissão técnica independente para proceder à avaliação ambiental estratégica do futuro aeroporto de Lisboa. Montijo, Alcochete e Santarém serão as localizações consideradas, podendo ou não ser complementadas com o actual Aeroporto Humberto Delgado.

Solução dual em que o Humberto Delgado será o aeroporto principal e o do Montijo complementar; Solução dual em que Montijo adquire progressivamente estatuto de aeroporto principal e o Humberto Delgado o de complementar; Aeroporto no campo de tiro de Alcochete e que substituiria de forma integral o aeroporto Humberto Delgado; Humberto Delgado com estatuto de principal e Santarém o de complementar; Novo aeroporto internacional em Santarém e que substitua de forma integral o Humberto Delgado. Estas são as opções a ser analisadas pela comissão técnica independente que, segundo o comunicado, “terá um coordenador geral que será designado pelo Primeiro-Ministro sobre proposta do presidente do Conselho Superior de Obras Públicas, do presidente do Conselho Nacional do Ambiente e do Desenvolvimento Sustentável e do presidente dos Conselho dos Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP).

Esta comissão independente deverá, até ao final de 2023, apresentar a sua avaliação ambiental estratégica e “os seus trabalhos serão acompanhados por uma comissão de acompanhamento que será presidida pelo Conselho Superior de Obras Públicas”, integrando ainda os presidentes das camaras municipais “de Alcochete, Benavente, Lisboa, Loures, Montijo e Santarém e outras que “entender acrescentar”.

Quanto às obras na Portela, o ministro salienta que “o novo aeroporto vai demorar, e nós temos urgência já hoje”. Assim, “as obras na Portela, não permitindo aumentar a capacidade, vão permitir aumentar a fluidez da operação e vai dar ganhos do ponto de vista dos atrasos“, por exemplo, sublinhou. Será preciso fazer a negociação com a ANA para as intervenções que são necessárias.

Sobre o autorRicardo Batista

Ricardo Batista

Director Editorial
Mais artigos
Construção

Sintra investe 1,5 M€ na melhoria das infraestruturas

O município Sintra aprovou, em reunião de executivo, a abertura de concursos e adjudicação de empreitadas a realizar em vários pontos do concelho que representam um investimento de 1,5 milhões de euros

CONSTRUIR

Com intervenções previstas por todo o concelho, as empreitadas são referentes à modernização e requalificação de infraestruturas, acessos e sinalização do concelho, num esforço conjunto em prol do bom funcionamento e organização do tráfego, dando prioridade à segurança.

“As intervenções em causa assumem-se como medidas de prevenção e segurança”, sublinha Basílio Horta, presidente da autarquia, acrescentando que “este é o caminho para mantermos as melhores condições para os munícipes e para quem nos visita em matéria de segurança rodoviária”.

Na reunião do executivo, foi adjudicada a Empreitada de Fornecimento e Colocação de Sinalização Vertical e Horizontal e Guardas Metálicas de Segurança, que tem o valor de 452 mil e 500 euros e está dividida em 3 lotes que se definem nas áreas de Intervenção Ocidental, Oriental e da totalidade do Município de Sintra.
Deu-se início ao desenvolvimento de processo para adjudicação da Empreitada de Execução de Lombas Redutoras de Velocidade, com o valor total de 200 mil euros. Esta intervenção irá decorrer em 2 lotes numa área que abrange todas as freguesias do concelho.

A Empreitada de Melhoria e Reconversão de Espaço Público, outro procedimento para adjudicação que terá início, é um investimento de cerca de 850 mil euros, com intervenções divididas em 11 lotes, cada um referente a uma freguesia do concelho.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Alta-velocidade: Lisboa e Porto ficarão a 1h15 de distância

A construção está dividida em três fases, estando a primeira, o troço entre Porto e Soure, prevista concluir até 2028.

CONSTRUIR

A nova linha de alta velocidade Porto-Lisboa, que pretende ligar as duas principais cidades do país em apenas uma hora e 15 minutos no serviço direto, não terá paragens e será construída em três fases.

“Esta linha estará totalmente integrada com o resto da rede ferroviária nacional. As cidades [do Porto e de Lisboa] serão servidas nas estações centrais”, disse Carlos Fernandes, do Conselho de Administração da Infraestruturas de Portugal (IP).

Numa apresentação do projecto que decorreu esta quarta-feira em Campanhã, no Porto, Carlos Fernandes avançou que a nova linha de alta velocidade terá via dupla e ligará o Porto e Lisboa numa hora e 15 minutos.

A construção está dividida em três fases, estando a primeira, o troço entre Porto e Soure, prevista concluir até 2028.

Neste que é, disse o responsável, o “troço mais congestionado da Linha do Norte”, o tempo de percurso estimado será de uma hora e 59 minutos.

O segundo troço, entre Soure e Carregado, que deve estar concluído até 2030, e deverá diminuir o tempo de percurso para uma hora e 19 minutos.

A terceira fase, entre Carregado e Lisboa, “será construída mais tarde”, disse Carlos Fernandes, e permitirá atingir a duração final de uma hora e 15 minutos de toda a ligação.

Carlos Fernandes garantiu, ainda, que estão previstas “múltiplas ligações” entre a linha de alta velocidade e o resto da rede ferroviária.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.