Edição digital
Assine já
    PUB
    Imobiliário

    Fortera com investimentos de 500 milhões de euros mas conjuntura pode levar a novos ajustes

    Prosseguindo a sua estratégia de implementar o conceito Alice by Fortera em Portugal, o Grupo israelita continua a desenvolver projectos que vão ao encontro deste modo de vida. Edifícios que além da componente residencial, incluem também um conjunto de serviços e ‘amenities’, num investimento global de mais de 500 milhões

    Cidália Lopes
    Imobiliário

    Fortera com investimentos de 500 milhões de euros mas conjuntura pode levar a novos ajustes

    Prosseguindo a sua estratégia de implementar o conceito Alice by Fortera em Portugal, o Grupo israelita continua a desenvolver projectos que vão ao encontro deste modo de vida. Edifícios que além da componente residencial, incluem também um conjunto de serviços e ‘amenities’, num investimento global de mais de 500 milhões

    Cidália Lopes
    Sobre o autor
    Cidália Lopes
    Artigos relacionados
    Mota-Engil lança “maior programa de estágios na sua história”
    Construção
    Câmara de Lisboa vai investir 13M€ na construção de mais 90km de ciclovia até 2025
    Construção
    Recuperação das vendas de casas provoca subida de preços
    Imobiliário
    Investimento de 25M€ inaugura presença da Socicorreia no Porto
    Construção
    Pujolinvest lança novo projecto com investimento de 22M€ (c/ galeria de imagens)
    Imobiliário
    Plano do Vale de Santo António prevê mais habitação e parque urbano
    Construção
    “Portas do Mar” e “Casa do Quintal” vencem XIII Prémio Secil Arquitectura
    Arquitectura
    Associados da ASMIP beneficiam do portal Habitar Portugal de forma gratuita
    Imobiliário
    Arquitectos reúnem com o Governo para defender alterações ao Simplex Urbanístico
    Arquitectura
    Câmara de Penafiel vai investir 4,7M€ na construção e requalificação de Centros de Saúde
    Construção

    Com um investimento inicial de cerca de 115 milhões de euros, a previsão de é que ao longo de cinco anos, o investimento global supere os 500 milhões de euros, em 1000 novas habitações. A empresa justifica o lançamento do conceito Alive by Fortera por ter identificado que, com a pandemia, o paradigma habitacional mudou, e que a forma como se habitam as casas nunca mais será a mesma.

    “Quisemos fazer evoluir os nossos edifícios nesse sentido e criar condições para as pessoas usufruírem do espaço com a capacidade de multifunções, mais precisamente por haver cada vez mais falta de ligações significativas entre vizinhos e percebemos a importância de criar relações, construir confiança, viver num ambiente seguro onde as pessoas se possam relacionar e ajudar mutuamente. Quisemos desenvolver uma ferramenta que ajude as pessoas a terem melhor qualidade de vida e melhores experiências”, conclui Elad Dror

    A Fortera vai criar infraestruturas nos seus edifícios e introduzir o conceito ‘Alive by Fortera’, que consiste numa série de novos serviços e “amenities” que facilitam a vida das pessoas, e vão de encontro a esta nova forma de estar: desde espaços de partilha de conhecimento, a actividades lúdicas, passando também por momentos de interacção, espaços conjuntos para coworking, entre outros.

    Este novo conceito habitacional que pretende criar sinergias, aproximar pessoas, e proporcionar uma habitabilidade plena no século XXI, lança mão da tecnologia e do desenvolvimento, e coloca-a ao serviço das pessoas. Outro objectivo subjacente ao conceito é o desenvolvimento de contextos de proximidade e combate à solidão, ou seja, reduzir a solidão, aumentar a solidariedade, a interajuda e a segurança entre vizinhos.

    O grupo já seleccionou os dois primeiros empreendimentos que vão integrar este novo conceito, sendo o primeiro o Espinho Downtown – cujo edifício de habitações se chama Alive Espinho, com 84 fracções e que comporta um investimento inicial de 15 milhões de euros. Haverá ainda lugar a escritórios e, numa segunda fase, irá ter uma torre que será também destinada a escritórios. Com uma área superior a 22 mil m2, sendo será a “ponte” do RECAFE para a parte sul da cidade, nomeadamente as belas praias de Silvalde e o Oporto Golf Club, jóia secular da cidade.

    O segundo empreendimento que incorporará o conceito será em Vila Nova de Gaia, no Alive Riverside, que comporta um investimento de 110 milhões de euros para a construção de cerca de 300 apartamentos. A sua construção está prevista arrancar no final deste ano, com o início da primeira fase que incluirá 122 apartamentos.

    Torre Skyline avança só para o ano
    Inicialmente orçamentado em 110 milhões de euros, o investimento do projecto Skyline foi revisto em alta para 150 milhões de euros. Os expressivos aumentos no sector da construção e, por conseguinte, a necessidade de proceder a alterações no projecto ditaram o ajuste do investimento. Com cinco fases e sendo até ao momento o maior projecto da Fortera em Portugal, o início da construção está previsto para 2023. Elad Dror, CEO do Grupo, espera que o empreendimento fique concluído em três anos.

    O projecto imobiliário, que se transformará no prédio mais alto do País e que conta com a assinatura do arquitecto Souto Moura, terá 28 andares, 160 quartos de hotel e 111 “serviced apartments”, um roof top, uma piscina infinita, um centro de bem-estar, um bar, dois restaurantes e vista panorâmica infinita. Nestas residências, que terão apartamentos entre os 40 e 100 metros quadrados de tipologias de T0 a T2, o preço do metro quadrado rondará os sete mil euros.
    O projecto começará com o parque de estacionamento público e a praça do centro de congressos que é o catalisador deste empreendimento de uso misto e que mudará, para sempre, Gaia como cidade. Além disso, terá impacto em toda a região Norte. Irá criar diretamente, pelo menos, 500 postos de trabalho.

    Convento do Carmo em 2024
    O Convento do Carmo Boutique Hotel vai nascer na cidade de Braga. O início do projecto, que irá requalificar e transformar o antigo Convento dos Carmelitas, edifício datado de 1655, junto ao Largo do Carmo e junto à igreja como mesmo nome, arranca em Outubro deste ano e estará pronto em 2024, e dará lugar a uma unidade hoteleira de quatro estrelas.
    À semelhança de outros projectos do Grupo também este sofreu atrasos e ajustes devido à actual conjuntura, já que a data prevista do início das obras era 2021 e o investimento inicial era de 10 milhões de euros, tendo sido reavaliado para cerca de 11 milhões. Valores que já englobam a aquisição do imóvel, o projecto e a empreitada.

    O Convento do Carmo Boutique Hotel, classificado como de “interesse público”, terá 71 quartos, com 141 camas, piscina, espaços para reuniões, ginásio, salão, restaurante e cafetaria. Três dos quartos serão em formato apartamento/estúdio, equipados para estadias curtas e médias. O edifício terá quatro pisos e uma cave, sendo o estacionamento dos clientes feito no parque do Campo da Vinha, por acordo com a Bragaparques.

    Bonfim e Bonfim To Be no centro do Porto
    Num quarteirão do Bonfim, no centro do Porto, a Fortera fará nascer dois empreendimentos. Um hotel de 5 estrelas, Bonfim To Be, que terá 258 quartos e um aparthotel com 21 unidades. Além disso, arrancará este ano, na mesma localização, o empreendimento residencial Bonfim, constituído por 210 serviced apartments.

    Azul Boutique Hotel em construção
    Em construção desde Fevereiro deste, o Azul Boutique Hotel, em Vila Nova de Gaia, representa um investimento para o seu desenvolvimento de 11,5 milhões de euros e deverá estar concluído em 2023.

    O novo hotel do Grupo Fortera, com 4 estrelas e a 50 metros da Ponte D. Luís I, na Rua General Torres, será constituído por 64 quartos com vista sobre o rio Douro, contando ainda com restaurante, esplanada e solário com piscina no piso 4, perfazendo uma área total de 4200 m2.

    Sobre o autorCidália Lopes

    Cidália Lopes

    Jornalista
    Mais artigos
    Artigos relacionados
    Mota-Engil lança “maior programa de estágios na sua história”
    Construção
    Câmara de Lisboa vai investir 13M€ na construção de mais 90km de ciclovia até 2025
    Construção
    Recuperação das vendas de casas provoca subida de preços
    Imobiliário
    Investimento de 25M€ inaugura presença da Socicorreia no Porto
    Construção
    Pujolinvest lança novo projecto com investimento de 22M€ (c/ galeria de imagens)
    Imobiliário
    Plano do Vale de Santo António prevê mais habitação e parque urbano
    Construção
    “Portas do Mar” e “Casa do Quintal” vencem XIII Prémio Secil Arquitectura
    Arquitectura
    Associados da ASMIP beneficiam do portal Habitar Portugal de forma gratuita
    Imobiliário
    Arquitectos reúnem com o Governo para defender alterações ao Simplex Urbanístico
    Arquitectura
    Câmara de Penafiel vai investir 4,7M€ na construção e requalificação de Centros de Saúde
    Construção
    PUB
    Imobiliário

    Recuperação das vendas de casas provoca subida de preços

    Os preços das casas aumentaram 1,5%, face a Março. Um aumento que é explicado pela recuperação das transacções, que de acordo com a Confidencial Imobiliário aceleraram entre Fevereiro e Abril. Neste período terão sido transaccionadas 36.200 casas em Portugal Continental. Mais 10% face à média de 33.000 fogos vendidos por trimestre em 2023 

    CONSTRUIR

    Em Abril os preços das casas aumentaram 1,5% face a Março, invertendo a tendência de estabilização observada ao longo dos últimos meses. A taxa de variação mensal é apurada através do Índice de Preços Residenciais para Portugal Continental, da Confidencial Imobiliário, o qual incide sobre os valores efectivos de transacção.

    No último ano e meio, em reflexo do abrandamento nas transacções de habitação, os preços mostraram maior resistência nas subidas, com taxas de variação mensal quase sempre inferiores a 1,0%. Ao longo deste período, esta é a uma das excepções com valorização mensal acima desse patamar, invertendo o ciclo de variações residuais especialmente visível desde o Verão do ano passado.

    Este comportamento de reactivação das subidas dos preços é já evidente na taxa de valorização homóloga do Índice de Preços Residenciais. Em Abril, esse indicador atingiu 10,6%, em recuperação face aos 9,6% de Março. Mês em que a valorização homóloga foi a menor em quase três anos, consolidando uma trajectória de perda de intensidade que levou as subidas de preços a passarem da ordem dos 19,0% para menos de 10,0% no espaço de um ano e meio.

    Esta nova subida de preços reflecte uma recuperação das transacções, que no período acumulado de Fevereiro e Abril terão voltado a acelerar. De acordo com as projecções da Confidencial Imobiliário a partir dos dados reportados ao Sistema de Informação Residencial, SIR, neste período terão sido transaccionadas 36.200 casas em Portugal Continental. Isso traduz um aumento da ordem de 10% face à média de 33.000 fogos vendidos por trimestre em 2023 e confirma a tendência de recuperação das vendas já sinalizada no 1º trimestre deste ano, conforme as estimativas do SIR.

    “No contexto do desagravamento das condições de acesso ao crédito e de regresso progressivo da fatia da procura que foi mais penalizada pelo aumento dos juros, a perspectiva é de recuperação da dinâmica da procura e consequente estímulo da valorização do mercado”, comenta Ricardo Guimarães, director da Confidencial Imobiliário. “Esta é uma realidade que começa a dar maior confiança aos operadores do mercado, que estão agora mais optimistas quanto à possível evolução das vendas e ao impacto na subida de preços, conforme mostram os últimos inquéritos de confiança Portuguese Housing Market Survey”.

    Nos últimos três meses, entre Fevereiro e Abril, as casas em Portugal Continental foram vendidas por uma média de 2.412€/m2, posicionando-se em 3.386€/m2 no segmento de habitação nova e 2.298€/m2 na usada.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Imobiliário

    Pujolinvest lança novo projecto com investimento de 22M€ (c/ galeria de imagens)

    O Alfama 83, que está a ser alvo de um “minucioso” processo de reabilitação, num projecto da EntrePlanos e engenharia da A2P, deverá estar concluído no primeiro trimestre de 2025

    Na sua totalidade para uso de hab

    CONSTRUIR

    O Alfama 83, localizado no bairro lisboeta que lhe dá o nome, iniciou a sua comercialização. Promovido pela Pujolinvest, o edifício está a ser alvo de um “minucioso” processo de reabilitação, num investimento de 22 milhões de euros. A obra deverá estar concluída no primeiro trimestre de 2025.

    Na sua totalidade para uso de habitação, o edifício tem 3.100 metros quadrados (m2) de área bruta de construção, é constituído por 13 apartamentos em cinco pisos, com tipologias de T1 a T4 e dois Duplex.

    Para além dos apartamentos, os residentes dispõem de espaços comuns de lazer e trabalho, como ginásio equipado, sauna, parqueamento de bicicletas, sala de reuniões e espaço de co-working.

    No último piso, os residentes têm, ainda, acesso livre a um espaço designado de “vista navios”, com vista panorâmica sobre o Rio Tejo.

    Com projecto de arquitectura do gabinete EntrePlanos e a engenharia a cargo da A2P, o Alfama 83 situa-se na confluência da Rua de São João da Praça e do Largo do Marquês do Lavradio, a dois minutos a pé da Doca da Marinha.

    Com o objectivo de “homenagear” as tradições e cultura lisboetas, a Pujolinvest retirou e classificou mais de 16 mil azulejos do século XVIII para os reinstalar posteriormente nos apartamentos e áreas comuns. Também a estrutura gaioleira pombalina do edifício, tectos em arco e abóbadas de tijolo burro foram preservadas.

    Com uma aposta clara na “reabilitação de edifícios históricos” na cidade de Lisboa, o Alfama 83 segue essa estratégia que, segundo Carlos Patrício, administrador da Pujolinvest, se iniciou com o Áurea 72, com a recuperação de dois edifícios no quarteirão Rua do Ouro, Rua da Conceição e Rua dos Sapateiros, passando pelo premiado edifício de Art Nouveau – Duke Residences Saldanha. “Em todas estas obras aliamos a paixão pela preservação e reposição do património histórico da cidade com a qualidade dos materiais e das tecnologias aplicadas”, reforça.

    Projectos estes que se inserem no plano de investimentos na ordem dos 120 milhões de euros para o período entre 2021 e 2026.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Imobiliário

    Associados da ASMIP beneficiam do portal Habitar Portugal de forma gratuita

    A iniciativa, que se destina a “aumentar o tráfego do portal imobiliário”, vai permitir, também, “mudar o paradigma” na promoção dos imóveis no mercado nacional

    CONSTRUIR

    Os mediadores associados da ASMIP já podem, de forma gratuita, colocar anúncios no portal Habitar Portugal. A novidade foi anunciada no Salão Imobiliário de Portugal (SIL 2024), que se realizou na primeira semana de Maio, em Lisboa.

    A iniciativa, que se destina a “aumentar o tráfego do portal imobiliário”, alargando este serviço a todas as empresas de mediação, vai permitir, também, “mudar o paradigma” na promoção dos imóveis no mercado nacional.

    Destinado exclusivamente a anúncios imobiliários colocados por mediadores profissionais, legalmente licenciados pelo IMPIC – Instituto dos Mercados Públicos do Imobiliário e da Construção – na génese da criação do Habitar Portugal está a vontade da ASMIP de criar ferramentas de valor, que respondam às necessidades do sector da mediação na promoção e divulgação das suas carteiras de imóveis para venda e arrendamento, permitindo aos consumidores obter acesso a informação credível, prestada apenas por profissionais habilitados e com conhecimento absoluto do negócio e das transacções imobiliárias.

    Francisco Bacelar, vice-presidente da ASMIP, destaca: “O anúncio da gratuitidade, por um período determinado, levou ao aumento da procura do serviço por parte dos associados, mas também ao aumento do número de sócios”.

    Com esta postura a ASMIP assegura sempre a gestão e a propriedade do portal, permitindo “independência da classe” sobre os portais puramente comerciais, fornecendo ao mercado um portal fidedigno onde só entram anunciantes credíveis e devidamente licenciados, ou seja, mais garantia para o consumidor final.

    A plataforma Habitar Portugal permite pesquisa imóveis tanto para compra, como para arrendamento, e pela sua localização. Nos resultados da pesquisa o portal dá prioridade à lista dos resultados com apoio de geolocalização com representação em mapa, trazendo mais informação ao utilizador e melhor suporte à pesquisa. Permite delimitar área geográfica, informa sobre pontos de interesse e permite a distribuição dos imóveis no mapa com representação de preços.

    O utilizador do Habitar Portugal pode guardar pesquisas, criar alertas de redução de preços e explorar uma área privada com dezenas de funcionalidades pensadas para ajudar na pesquisa e selecção de casas. A área privada permite, ainda, configurar o perfil do utilizador, aceder e guardar pesquisas, criar colecções, receber notificações do sistema e ainda convidar os seus familiares e amigos a participar e interagir.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos

    Gaia Hills

    Imobiliário

    Comercialização do ‘Gaia Hills’ avança ainda em Maio

    A morosidade do licenciamento e a conjuntura internacional levou-nos a ter de fazer ajustes ao valor de venda por m2. Vamos, contudo, colocar no mercado 251 apartamentos para a classe média, que é o principal core business da Thomas & Piron”, afirma David Carreira, da Thomas & Piron

    CONSTRUIR

    O empreendimento Gaia Hills, em Vila Nova de Gaia, vai começar a sua comercialização ainda no mês de Maio, com o início da construção apontada para o último trimestre do ano. Uma confirmação avançada esta quinta-feira, dia 23 de Maio, na ocasião da apresentação oficial do projecto, que decorreu no World of Wines, em Vila Nova de Gaia e que contou com a presença de António Miguel Castro, presidente da Gaiaurb, de Pedro Silveira, presidente do Grupo SIL, e ainda de arquitecto Paulo de Sousa, em representação do gabinete de arquitetura da Saraiva + Associados, responsável pelo projecto.

    Promovido pelos promotores Thomas & Piron e pela Promiris, o ‘Gaia Hills’ é um projecto direccionado para famílias e para o segmento médio / médio-alto que vai contemplar a construção de oito edifícios com 4 e 5 pisos, divididos em quatro lotes, num total de 251 apartamentos de tipologias de T1 a T5.

    “A morosidade dos processos de licenciamento levou a que só agora estivéssemos em condições de iniciar a construção do Gaia Hills, passados que estão seis anos da sua aquisição. Este facto a par da conjuntura internacional que bem conhecemos, levou-nos a ter de fazer ajustes ao valor de venda por metro quadrado (m2). Vamos, contudo, colocar no mercado 251 apartamentos para a classe média, que é o principal core business da Thomas & Piron”, afirma David Carreira, da Thomas & Piron.

    As dimensões dos apartamentos variam entre 62 m2 (T1) e 278 m2 (T5) e o preço médio de venda será de 4.800 €/ m2. Todas as fracções beneficiarão de áreas de terraço amplas com uma vista deslumbrante para o rio Douro, para a cidade do Porto ou para o Parque Urbano de Lazer a Sul.

    Com uma área total de construção a rondar os 30.500 metros quadrados (m2) será, numa primeira fase, construída uma área residencial de 16.200 m2, 640 m2 de área comercial e 9.100 m2 de parques de estacionamento subterrâneo, áreas técnicas e arrecadações, dos quais 1.600 m2 serão dedicados a um parque de estacionamento de uso público.

    Na segunda fase, será construída uma área total de construção residencial de 15 mil m2 e de 6.600 m2 subterrâneos para parques de estacionamento, áreas técnicas e arrecadações.

    O início da construção da primeira fase está previsto para o quarto trimestre de 2024 e a sua conclusão para o final de 2026. O início da construção da segunda fase está planeado para 2027, com previsão de início de comercialização cerca de três meses antes, e a sua conclusão em 2029.

    Situado em plena zona ribeirinha, entre um parque de aproximadamente três hectares e o rio Douro, está ainda prevista a construção de uma praça central denominada de Ágora. A Sul, as áreas verdes serão transformadas num parque natural, que será posteriormente cedido ao município para utilização pública.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Imobiliário

    Remax Portugal: Mês de Abril foi o que registou maior número de transacções

    Entre Janeiro e Abril, a rede mediadora alcançou um total de volume de preços na ordem dos 1,99 MM€, relativos às 21.422 transacções, com o mês de Abril a registar um incremento de 21% em volume de preços e 20% no número de transacções face ao período homólogo

    CONSTRUIR

    Nos primeiros quatro meses do ano, a Remax Portugal fechou com um volume de preços de cerca de 1,99 mil milhões de euros, relativos a 21 422 transacções. Destes valores, 4942, ou seja, 23.1%, corresponderam ao arrendamento e 16480, na ordem dos 76,9%, relativos a compra e venda de imóveis.

    Estes resultados permitiram à empresa fechar este período com um aumento do volume de preços, na ordem dos 9,5%, e no número total de transacções (5,5%) quando comparado com igual período homólogo. Destaca-se, ainda, o mês de Abril como o “mais dinâmico”, com um aumento de 20% no número de transacções e 21% em volume de preços.

    Neste período, assistiu-se a um reforço da participação dos clientes nacionais, com a Remax a transaccionar mais 9% do total de imóveis face ao ano anterior. Entre os investidores estrangeiros, os brasileiros reforçaram a sua posição de liderança entre aqueles que mais negoceiam em imobiliário. Destaque, ainda, para os clientes norte-americanos, já bem próximos de serem a segunda nacionalidade estrangeira. Nos primeiros quatro meses do ano, o número de transações imobiliárias com esta nacionalidade cresceu 3%.

    Numa análise por distrito e apenas considerando aqueles que registaram mais de 200 transacções, o distrito de Lisboa representou mais de um terço das transacções (35,1%) nos primeiros quatro meses do ano, o que demonstra bem o enorme peso que representa na rede.

    Coimbra e Braga foram outros dos distritos que registaram crescimentos acima dos 20%, concretamente 27,4% e 24%, respectivamente. Já Viseu cresceu 15,2% no número de transacções face a igual período de 2023 e o Porto foi o distrito que consolidou a segunda posição nacional com quase 2.900 transacções.

    Face ao período homólogo, registou-se um decréscimo do peso dos apartamentos nas transações da rede, colmatado pelo aumento verificado nas moradias, pelo que os imóveis habitacionais continuaram a representar cerca de 80% das transacções. Já os terrenos, tradicionalmente a terceiro tipo de imóvel mais movimentado, manteve o seu peso praticamente inalterado.

    “A julgar pelas tendências que vão sendo mais claras, esperamos que o ano de 2024 seja sinónimo de um reforço da posição de liderança no mercado por parte da nossa rede, com um crescimento na ordem dos dois dígitos, quer em facturação, quer em transacções”, afirma Manuel Alvarez, presidente da Remax Portugal.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos

    default

    Imobiliário

    Vanguard avança com Terraços do Monte

    Nove anos depois de ter dado entrada com o projecto para licenciamento, finalmente, a Vanguard Properties recebeu luz verde para avançar com a construção dos Terraços do Monte, num investimento de 40M€. O projecto, localizado na Graça, foi lançado esta semana e a empreitada de fundações e contenções, a cargo da Casais, arranca na próxima semana. O projecto deverá estar concluído em 24 meses

    CONSTRUIR

    A Vanguard Properties lança o seu novo projecto habitacional em Lisboa: os Terraços do Monte. localizado no icónico bairro da Graça, em Lisboa. Este empreendimento, que representa um investimento superior a 40 milhões de euros, promete tornar-se um dos edifícios mais exclusivos e emblemáticos da cidade.

    Com assinatura dos arquitectos Nuno Mateus e José Mateus da ARX Portugal Arquitectos e o interior design a cargo de Gracinha Viterbo, a mesma equipa responsável pelo premiado Castilho 203, Terraços do Monte oferece uma das vistas mais deslumbrantes de Lisboa, a partir da encosta da Senhora do Monte.

    O design do projecto é caracterizado por linhas simples e depuradas, materiais excelsos e intemporais e uma atenção minuciosa aos detalhes. Destaque para a utilização de cores suaves, da pedra e azulejo numa reinterpretação da tradição lisboeta, bem como para a qualidade e a durabilidade dos materiais, como as rochas ornamentais e as madeiras nobres maciças. Os fornecedores são nacionais e muitos dos elementos que compõem estes apartamentos foram desenhados de propósito para este projecto.

    Terraços do Monte conta com 15 apartamentos distribuídos por cinco pisos, com tipologias que variam entre T2, T3 e T5, incluindo duas penthouses com terraços privativos e áreas espaçosas. O empreendimento oferece também 55 lugares de estacionamento e um conjunto de amenities de excelência, como piscina interior e exterior, ginásio, banho turco, sauna, jardim e serviço de concierge.

    “Este projecto será um marco na paisagem de Lisboa devido à sua localização privilegiada, linhas arquitectónicas, serviço e qualidade dos materiais. Terraços do Monte vai proporcionar aos seus residentes uma qualidade de espaços e um conjunto de serviços únicos e de excelência. Trata-se, de facto, de um projecto inovador e inigualável em Portugal que marcará a diferença”, sublinha José Cardoso Botelho, CEO Vanguard Properties.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Imobiliário

    Match Real Estate com foco no residencial prime em Cascais, Lisboa e Comporta

    Em apenas 10 meses agência boutique transaccionou um volume de negócios de quase 20M€. De olhos postos na inovação digital, a Match Real Estate prevê dobrar facturação já em 2024

    CONSTRUIR

    Criada pelos sócios Miguel Freitas e Manuel Perestrelo, a Match é uma agência boutique, focada no segmento residencial prime nas zonas de Cascais, Lisboa e Comporta que nasceu em Março de 2023 “movida pela vontade de oferecer um serviço diferenciado na área da mediação imobiliária, assente numa rede forte de parcerias em mercados estratégicos, na inovação digital e na capacidade de antecipação de tendências de mercado”.

    No final de 2023, a Match tinha já transaccionado um volume de negócios na ordem dos 19M€ tendo sido responsável, em 2023, pela mediação de diversos imóveis em empreendimentos como Marinha Prime (Cascais), Alcântara Lofts (Lisboa), Pestana Comporta (Comporta), um projecto hoteleiro no Príncipe Real, em Lisboa, e diversas moradias particulares desde Cascais até Melides. Para 2024, a Match prevê duplicar os números de 2023 e apostar noutros mercados como Oeiras, Costa da Caparica e Algarve onde o segmento residencial prime está a florescer.

    “A Match, como o próprio nome indica, conecta pessoas, vendedores e compradores, ligando-os de uma forma eficiente, profissional e rápida. Somos altamente focados em estratégia e temos um modelo de negócio muito oleado, assente em parcerias sólidas com brokers internacionais que nos permitem alcançar os nossos objectivos, e dos clientes, de forma eficiente”, refere Miguel Freitas.

    “Os resultados de 2023 superaram todas as nossas expectativas. Acreditamos que a nossa abordagem ao mercado com uma estratégia diferenciadora, a aposta e uso que fazemos das novas tecnologias para estarmos sempre um passo à frente das tendências e o cuidado que temos com o serviço e com a contratação da nossa equipa foram determinantes para o sucesso da empresa em tão pouco tempo”, acrescenta Manuel Perestrelo.

    Criada há apenas um ano, a Match pretende ocupar um lugar de destaque no mercado fazendo uso da tecnologia e da inovação digital, com recurso à Inteligência Artificial, para conectar compradores e vendedores de todo o mundo de forma mais certeira e eficiente. Esta estratégia, aliada ao seu portfolio de imóveis exclusivos, à sua rede de parcerias internacionais nos principais mercados compradores em Portugal (desde o Brasil aos EUA passando pelo norte da Europa) e à sua equipa jovem e multidisciplinar está a determinar a estratégia da empresa num mercado tão concorrencial.

    Sedeada em Lisboa, a Match é composta por uma equipa de 12 consultores distribuídos pelas diferentes geografias e ainda por uma equipa de suporte inteiramente dedicada aos mesmos que presta apoio directo em matérias de Marketing, Legal, Training, entre outras.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Imobiliário

    Luís Simões reforça presença na Península Ibérica

    O operador logístico tem quatro novos Centros de Operações Logísticas, distribuídos entre Portugal e Espanha, que totalizam 37.000m2 de área,  permitem gerir 42.000 paletes e criaram mais de 70 novos postos de trabalho

    CONSTRUIR

    A Luís Simões, expandiu a sua rede logística com quatro novos Centros de Operações Logísticas (COL): três em Portugal (Algoz, Azambuja e Albergaria) e um em Espanha (Barcelona).

    No total, as novas instalações perfazem uma área construída de mais de 37.000m2 e permitem a gestão de mais de 42.000 paletes. Também impulsionaram a empregabilidade no sector da logística, criando mais de 70 postos de trabalho em áreas diferentes. Desta forma, a Luís Simões consegue proporcionar maior eficiência e flexibilidade aos clientes que procuram soluções logísticas de alto rendimento.

    Em Portugal, a Luís Simões expandiu a sua actividade na Azambuja, Vila Nova da Rainha, com uma nova plataforma de 20.000m2 e capacidade de armazenagem de 24.600 paletes. As instalações contam com a mais recentes tecnologia, bem como com 22 plataformas que permitem cargas e descarga simultâneas, e já permitiram a gestão de cerca de 500.000 paletes e a movimentação de cerca de 17.000 veículos desde a sua abertura a 1 de março de 2023.

    A empresa abriu também um novo armazém em Albergaria, no centro do país. Com uma superfície de 8.497m2 e espaços para recepção, armazenamento, picking, embalamento e envios, este COL permite a gestão de 8.287 paletes e conta com 11.520 locais para caixas.

    Mais a sul, a plataforma de Algoz tem 4.060m2 de área útil e capacidade para movimentar 4.000 paletes. Para além de proporcionar ao operador logístico um melhor posicionamento geográfico no sul de Portugal, contribuiu para o aumento do espaço de armazenagem, incluindo produtos que requerem temperatura controlada.

    Já em Espanha, o novo COL de Barcelona dedica-se a operações no sector das bebidas. Tem capacidade para armazenar até 5.000 paletes e conta com 3.700m2 dedicados à entrada de material, controlo de stocks, preparação de encomendas, realização de inventários, co-packing e distribuição e gestão de produtos em regime fiscal. A sua localização estratégica no Parc Logístic de la Zona Franca favorece a proximidade ao crescimento de negócios das empresas do sector.

    “Em 2023, estabelecemos o objectivo de continuar a aumentar o nosso volume de negócios e, para isso, era fundamental continuarmos a expandir a nossa rede operacional com novos centros logísticos. Fizemo-lo, e os resultados superaram todas as nossas expectativas. Disfrutamos agora de melhores condições para conseguirmos dar resposta às necessidades dos nossos clientes, oferecendo a excelência e o nível de serviço que requerem,” explicou Luís Freitas, director Geral de Logística da Luís Simões.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Imobiliário

    Vila Galé Isla Canela pretende “contrariar sazonalidade” e atrair novos mercados

    Para diversificar, o Vila Galé pretende tirar partido dos seus variados espaços para famílias, eventos e conferências, mas também tirar partido dos campos de golfe existentes na zona para reforçar este mercado em Isla Canela

    CONSTRUIR

    É na Costa de la Luz, em Huelva, que o Grupo Vila Galé acaba de inaugurar o seu primeiro hotel em Espanha, numa cerimónia que contou com mais de 400 convidados. Com acesso directo à praia, o Vila Galé Isla Canela instalou-se num edifício com arquitectura e decoração de influência árabe, que conta com 300 quartos com varanda, duas piscinas, dois restaurantes, três bares, um Satsanga Spa & Wellness com piscina interior, Clube Nep para crianças, salas de eventos e lojas.

    Enquanto destino de Verão, Isla Canela tem uma sazonalidade muito marcada, com as unidades hoteleiras a funcionarem apenas seis meses no ano. Jorge Rebelo de Almeida, presidente do Grupo Vila Galé, avança que pretende “encontrar formas de contrariar essa sazonalidade e atrair novos públicos que não venham apenas para a praia”.

    Foi a pensar nisso que a aposta recaiu na reformulação de vários espaços adequados a eventos, conferências e actividades para crianças. Há, ainda, uma intenção de reforçar a aposta cultural e o destino de golfe em parceria com outras unidades hoteleiras já instaladas na mesma zona e as autoridades municipais.

    “Há semelhança do que se faz no Algarve que tem turistas o ano todo, também queremos fazer algo semelhante aqui. Existem dois campos de golfe relativamente perto, pelo que gostaria de promover o destino junto desse nicho. Esta é uma das ideias. Mas também fomentar parcerias com entidades culturais para que consigamos criar uma dinâmica para grupos ou eventos. E depois temos a componente de saúde e beleza também”, reforça.

    A renovação total das áreas públicas, a cargo do proprietário do imóvel, manteve as referências árabes que caracterizam o hotel, numa homenagem à Andaluzia, ainda que com caracteristicas “menos pesadas” e mais “clean”. O Grupo vai ainda investir cerca de sete milhões de euros na renovação dos quartos e da piscina exterior.

    Espanha era um “sonho antigo”, mas que nunca tinham conseguido concretizar. “Agora que o concretizámos, e que está dado o primeiro passo, o objectivo é continuar a crescer aqui”, sublinha o presidente da Vila Galé.

    Não só Espanha é um destino muito importante do turismo mundial, mas também para a Vila Galé porque nos vai permitir “reforçar a captação de turistas neste novo mercado e também levar mais turismo espanhol para Portugal”.

    Ainda sem projectos em concreto, a intenção passa chegar até Sevilha e, depois, entrar em Madrid.

    Entretanto, Ribeiro de Almeida confirmou cinco novas aberturas em Portugal (Miranda do Douro, Penacova, Golegã, Ponte de Lima e mais um em Elvas) e mais dois no Brasil, em Ouro Preto e Ceará.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Imobiliário

    CML: Abertas candidaturas ao programa BIPZIP 2024

    O programa BIP/ZIP concorre para melhorar a qualidade de vida urbana e promover a coesão sócio territorial dos 67 territórios BIPZIP da cidade

    CONSTRUIR

    A Câmara Municipal de Lisboa abriu as candidaturas ao Programa BIP/ZIP Lisboa 2024 – Parcerias Locais, dando cumprimento ao novo Ciclo e Regras da 14.ª Edição. Com uma nova dimensão, Ecossistema BIPZIP, inicia-se um novo tipo de apoio, permitindo às associações receber apoios mediante a candidatura de projectos por um período de três a seis anos, com um apoio financeiro semelhante ao anteriormente dado na dimensão “Ignição”.

    O novo ciclo representa um investimento do Município na ordem dos 50 mil euros por ano, para dar resposta estrutural nos 67 territórios BIPZIP.

    “Os nossos bairros são mais do que habitação. Têm de ter vida, abertura e relação próxima com toda a cidade”, sublinha a vereadora da Habitação e Desenvolvimento Local, Filipa Roseta, destacando o programa BIP/ZIP de entre os programas que o Município tem em curso para melhorar a qualidade de vida urbana e promover a coesão sócio territorial.

    A intervenção nos bairros e zonas BIP/ZIP assenta em projectos participados que envolvem as populações locais, as associações de moradores, colectividades, organizações não-governamentais e movimentos de cidadãos, bem como as juntas de freguesia e a Câmara Municipal de Lisboa.

    Para se candidatar à dimensão Ecossistema, cada associação tem de estar presente no território há pelo menos 10 anos, com um projecto aprovado na qualidade de parceira ou promotora.

    As candidaturas devem ser apresentadas exclusivamente online, até às 17h00 do dia 17 de Junho de 2024, tendo de ser validadas até ao final do quinto dia útil após o fim do prazo de submissão. As entidades devem estar registadas com informação actualizada na plataforma antes de iniciarem a elaboração da candidatura online.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB

    Navegue

    Sobre nós

    Grupo Workmedia

    Mantenha-se informado

    ©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.