Edição digital
Assine já
    PUB

    Anafi 1.8.2

    Empresas

    ANI atribui Selo de Reconhecimento de Idoneidade à Carmo Wood

    Produção sustentável de matérias-primas e materiais derivados da floresta, processos produtivos mais verdes e eficientes, química verde ou desenvolvimento e eficiência de sistemas de produção as principais áreas de actuação certificadas pela ANI

    CONSTRUIR

    Anafi 1.8.2

    Empresas

    ANI atribui Selo de Reconhecimento de Idoneidade à Carmo Wood

    Produção sustentável de matérias-primas e materiais derivados da floresta, processos produtivos mais verdes e eficientes, química verde ou desenvolvimento e eficiência de sistemas de produção as principais áreas de actuação certificadas pela ANI

    CONSTRUIR
    Sobre o autor
    CONSTRUIR
    Artigos relacionados
    “A Passive House já não é futuro, é o presente”
    Construção
    Faro celebra 2ª edição do ‘The Modernist Weekend’
    Arquitectura
    Maxfinance lança ferramenta online para ‘check-up’ financeiro
    Empresas
    Sotecnisol apresenta plataforma agregadora para ‘smart cities’
    Empresas
    Projecto de reabilitação na Foz do Douro
    Imobiliário
    Fercopor lança empreendimento de 40 M€ no Porto
    Imobiliário
    Estudo: Condições de habitação influenciam saúde mental dos jovens na Europa
    Imobiliário
    OE24: Proposta “esquece” redução da taxa de Iva na construção nova
    Imobiliário
    a importância de mão-de-obra qualificada na construção civil
    Mais oito estações ferroviárias no Revive Natureza (actualizada)
    Construção
    Pestana Hotel Group inicia construção de Eco-Resort no Porto Santo
    Construção

    A portuguesa Carmo Wood acaba de conquistar o reconhecimento de idoneidade para a prática de actividades de Investigação e Desenvolvimento (I&D), atribuída pela Agência Nacional de Inovação (ANI), que poderá potenciar novas soluções de produção, particularmente no que respeita à sustentabilidade.

    Produção sustentável de matérias-primas e materiais derivados da floresta, processos produtivos mais verdes e eficientes, química verde ou desenvolvimento e eficiência de sistemas de produção constituem as principais áreas de actuação e domínio técnico da Investigação e Desenvolvimento da Carmo Wood, agora certificadas pela ANI.

    “Enquanto líderes de mercado e com a inovação no centro de tudo o que fazemos, sentimos a vontade e a responsabilidade de ir mais além e de continuar, incessantemente, em busca de novas soluções que tornem os nossos processos mais eficientes, mais sustentáveis e que, no fim do dia, aportem inovação a todo o setor”, refere Jorge Milne e Carmo, presidente Carmo Wood.

    O Selo de Reconhecimento de Idoneidade na Prática de Actividades de I&D é atribuído a empresas que comprovem a sua capacidade e know-how nos domínios requeridos e é, em si, um factor de diferenciação e valorização das entidades no mercado, comprovando a sua competência para a realização de actividades de I&D. A detenção deste selo permite ainda estabelecer novas parcerias em projectos de I&D (nomeadamente com empresas e entidades do Sistema Científico e Tecnológico Nacional) e a captação de financiamento por parte de fundos.

    Recorde-se que a Carmo Wood dispõe, actualmente quatro unidades, localizadas em Pegões, Almeirim e Oliveira de Frades, que produzem para os mais de 40 países onde opera. O Grupo estima faturar este ano cerca de 100 milhões de euros, o que representa um crescimento do total da actividade de cerca de 25%, face ao período homólogo.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Artigos relacionados
    “A Passive House já não é futuro, é o presente”
    Construção
    Faro celebra 2ª edição do ‘The Modernist Weekend’
    Arquitectura
    Maxfinance lança ferramenta online para ‘check-up’ financeiro
    Empresas
    Sotecnisol apresenta plataforma agregadora para ‘smart cities’
    Empresas
    Projecto de reabilitação na Foz do Douro
    Imobiliário
    Fercopor lança empreendimento de 40 M€ no Porto
    Imobiliário
    Estudo: Condições de habitação influenciam saúde mental dos jovens na Europa
    Imobiliário
    a importância de mão-de-obra qualificada na construção civil
    OE24: Proposta “esquece” redução da taxa de Iva na construção nova
    Imobiliário
    Mais oito estações ferroviárias no Revive Natureza (actualizada)
    Construção
    Pestana Hotel Group inicia construção de Eco-Resort no Porto Santo
    Construção
    PUB
    Empresas

    Maxfinance lança ferramenta online para ‘check-up’ financeiro

    Simulador de check-up financeiro permite calcular a taxa de poupança, esforço e solvabilidade para as famílias

    CONSTRUIR

    A rede de intermediários de crédito MaxFinance Portugal lançou um novo site e apresentou um simulador de check-up financeiro, que permite calcular a taxa de poupança, esforço e solvabilidade para as famílias. Este lançamento vem complementar uma estratégia de proximidade da marca, presente em 130 lojas, em todos os concelhos de Portugal e Regiões Autónomas.

    Com a expansão dos serviços online, desenvolvimento de ferramentas de simulação e novas calculadoras, a MaxFinance Portugal pretende, assim, “ajudar os portugueses a entender melhor os serviços de intermediação de crédito e a tomar decisões informadas tendo em conta os seus rendimentos, despesas, compromissos financeiros e despesas variáveis”, afirma Beatriz Rubio, co-fundadora da MaxFinance Portugal.

    Todos estes simuladores são actualizados de acordo com a variação das taxas Euribor e de acordo com as directrizes do Banco de Portugal.

    As funcionalidades destas novas ferramentas do site permitem a todos os seus utilizadores fazerem simulações e calcular quanto podem poupar com os seus créditos. O novo site permite, ainda, uma experiência digital personalizada, dando a cada cliente a possibilidade de guardar as suas simulações e artigos com dicas de literacia financeira, finanças e poupança.

    Esta nova plataforma conta ainda com um mapa de todas as lojas da MaxFinance em Portugal, possibilitando escolher a localização mais próxima à distância de um intermediário de crédito MaxFinance da sua zona, para que possa ser acompanhado presencialmente e de forma personalizada.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Sotecnisol apresenta plataforma agregadora para ‘smart cities’

    Com o objectivo de se tornar uma “referência a nível global na criação, gestão e manutenção das Smart Cities”, O Grupo apresentou uma plataforma com todas as actividades necessárias para projectos no âmbito das cidades inteligentes

    CONSTRUIR

    Com o objectivo de se tornar uma “referência a nível global na criação, gestão e manutenção das Smart Cities”, o Grupo Sotecnisol anunciou a criação de um “ecossistema” assento neste conceito.

    O Grupo português, que actua nos sectores da construção, ambiente, energia, água e agroindústria, apresentou, por ocasião do Portugal Smart Cities Summit, que decorreu entre 10 e 12 de Outubro, 15 actividades concretas vocacionadas para os “verticais constituintes das cidades inteligentes”.

    Para além de ser o elemento agregador das diversas valências e atividades do Grupo, as Smart Cities irão permitir a utilização de tecnologia que contribuirá para a melhoria da qualidade do serviço prestado ao cliente. Neste sentido, o Grupo apresentou uma plataforma com todas as atividades necessárias para projectos no âmbito das cidades inteligentes.

    “As necessidades actuais das cidades portuguesa mudaram. É cada vez mais urgente garantir a qualidade do edificado, melhorar as infraestruturas e proporcionar uma melhoria na qualidade de vida dos portugueses. Foi a pensar no novo normal que a Sotecnisol criou uma plataforma que oferece uma visão ampla e clara de todas as ofertas de serviço e possibilidades neste universo inteligente e tecnológico. É precisamente aí que nos queremos posicionar como player de referência”, comenta José Luís Castro, ceo do Grupo.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Ciclo de webinars promove reflexão sobre sustentabilidade

    A Essência do Ambiente lança um ciclo de webinars técnicos com o objectivo de debater e reflectir sobre os diversos temas da sustentabilidade que possam ter impacto directo na vida das empresas e das instituições. A primeira sessão tem lugar no próximo dia 17 de Outubro

    CONSTRUIR

    Com o propósito de contribuir para trazer a debate e reflexão diversos temas da sustentabilidade que possam ter impacto directo na vida das empresas e das instituições, a Essência do Ambiente lança um ciclo de webinars técnicos que contará com a participação de especialistas do sector. Impacto ambiental nas candidaturas a fundos comunitários, construção sustentável, economia circular nas empresas e eventos verdes são as temáticas propostas para o último trimestre de 2023.

    O primeiro webinar acontece a 17 de Outubro, e será dedicado ao “O impacto ambiental das entidades como factor decisivo nas candidaturas a fundos comunitários”. Vera Guedes, CEO da Guedes Corrente, promove uma reflexão sobre os desafios que nos esperam no novo quadro comunitário (Portugal 2030), uma vez que perante o actual contexto de oportunidades de financiamento comunitário, a problemática da sustentabilidade ambiental é fundamental para o sucesso de uma candidatura.

    A 14 de Novembro, João Pedro Cruz, Vice-Presidente do Município de Mangualde, aborda a temática “Construção sustentável: os desafios das cidades”, partilhando as boas práticas, na área do urbanismo e construção, implementadas pelo município.

    No dia 28 de Novembro, José Bartiloti Matos e João Moreira, Fundadores da SBB Consulting, partilham a sua visão sobre o tema “Economia circular nas empresas”.

    No último mês do ano, a 12 de Dezembro, Olga Cruz, directora da Eventos Essenciais, partilha a sua experiência e conhecimento sobre “Como desenhar um evento sustentável?”.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos

    William Cho, CEO da LG Electronics

    Empresas

    LG aponta crescimento através da aposta nos veículos eléctricos

    A empresa sul coreana pretende gerar 17 mil milhões de dólares em vendas anuais com o negócio de Vehicle Solutions (VS) até 2030, representando cerca de 20% das receitas totais

    CONSTRUIR

    A LG Electronics está a apostar na indústria dos veículos eléctricos para impulsionar o crescimento, nomeadamente através de sistemas de infotainment e componentes. Em entrevista à Bloomberg News, William Cho, CEO da LG, confirmou que a empresa sul coreana pretende gerar 17 mil milhões de dólares em vendas anuais com o negócio de Vehicle Solutions (VS) até 2030, representando cerca de 20% das receitas totais, bem acima dos 14% no primeiro semestre de 2023.

    “Estamos confiantes de que a empresa será um dos principais players na indústria de mobilidade. Assim, vamo-nos concentrar no que fazemos bem”, afirmou o CEO, apontando para o que descreveu como um profundo conhecimento por parte da LG sobre os consumidores e a sua capacidade de responder às tecnologias em evolução, sendo que a LG não pretende produzir os seus próprios veículos eléctricos.

    Desta forma, a estratégia de Cho passa por transformar o gigante da electrónica de 65 anos numa empresa que abraça a digitalização, a electrificação e os servitização. A LG pretende investir pelo menos 50 biliões de wons coreanos (537 mil milhões de dólares) em novos negócios até 2030, de acordo com uma estratégia de longo prazo publicada em Julho.

    Esta transição ajudará a potenciar a diversificação da LG operações, não sendo apenas focada em operações de hardware com margens mais estreitas e de capital intensivo, especialmente porque a inflação e as preocupações com a recessão prejudicaram a procura por produtos electrónicos.

    Segundo a empresa, a LG “é já um player significativo no sector dos veículos”, na medida em que concentra “milhares de milhões de dólares” em encomendas de tecnologias como motores eléctricos, revelou Cho, contando com a General Motors e a maioria das empresas de montagem da América do Norte e da Europa como clientes.

    Também a LG-Magna e-Powertrain, uma parceria com a Magna International, fabricante canadiana de peças para automóveis, está a integrar hardware e software, incluindo sistemas avançados de assistência à condução e entretenimento.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Reynaers Aluminium apresenta nova variante da MasterPatio

    Com um sistema que representa uma “nova geração de portas de correr”, o MasterPatio permite, agora, uma abertura em canto, uma opção de embutir e novas variantes de soleira

    CONSTRUIR

    A especialista em soluções de alumínio para a construção, Reynaers Aluminium, actualizou o seu sistema de correr-elevatório, MasterPatio. Com um sistema que representa uma “nova geração de portas de correr”, o MasterPatio permite, agora, uma abertura em canto, uma opção de embutir e novas variantes de soleira.

    Com a abertura em canto, a MasterPatio permite que duas folhas móveis deslizem a um ângulo de 90°, criando uma ligação “única e de elevado desempenho” entre o interior e o exterior, mesmo na ‘esquina’, por exemplo, da sala de estar ao terraço.

    Já para quem procuram uma ligação “discreta e minimalista ao edifício”, a marca disponibiliza a opção de embutir, ou seja, a folha móvel desliza suavemente para dentro da parede, oferecendo vistas elegantes e sem barreiras.

    Por último, as novas variantes de soleira baixa ou rasa, permitem até sobrepor o pavimento tornando a ligação entre espaços “praticamente impercetível”.

    Em projectos de renovação, mesmo as escolhas de design mais subtis fazem diferença. Por isso, sendo um sistema modular, a MasterPatio, pode acomodar até oito folhas móveis, proporcionando a flexibilidade necessária. Além disso, as folhas móveis são compatíveis com o sistema MasterLine 8 e estão disponíveis com mosquiteiras integradas, aumentando o conforto interior. Os desempenhos mantém-se nos 1200 Pa na estanquidade à água e Uw a atingir os 0.75 (W/m²K).

    Devido ao seu “conceito holístico”, o MasterPatio tornou-se “no sistema de correr favorito dos parceiros da Reynaers Aluminium”, afirma a marca. Entre as suas características destaca-se a optimização dos componentes, a redução de desperdícios, desempenhos térmicos ao nível da construção passiva e componentes reciclados e duráveis.

    O sistema tem o certificado Cradle to Cradle e o selo Sustainable Value  | ISO 14024:2018 no que respeita a certificações ambientais de produto e pode contribuir com créditos para a certificação BREEAM e LEED. Foi ainda reconhecido com uma menção honrosa na categoria Descarbonização no Prémio Nacional de Sustentabilidade em Portugal e a nível internacional pelos Red Dot Awards e Archiproducts Award.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos

    DCIM100MEDIADJI_0137.JPG

    Empresas

    Cimenteira do Louro vai produzir 35% da energia que consome

    A ACL, A Cimenteira do Louro está a reforçar o seu compromisso com a energia limpa investindo na instalação de um sistema de painéis solares fotovoltaicos que será responsável pela produção energética de cerca de 35% das suas necessidades de consumo

    CONSTRUIR

    Quando a instalação estiver concluída, o que está previsto acontecer até ao próximo mês de dezembro, A Cimenteira do Louro terá em funcionamento um total de 2467 painéis solares nas coberturas dos vários pavilhões das duas fábricas situadas nas freguesias de Louro e Lousado, no concelho de Vila Nova de Famalicão.

    Dinis da Silva, CEO da Cimenteira do Louro, empresa familiar fundada em 1975 pelo empreendedor Manuel Leitão, destaca “o firme compromisso” da empresa com a sustentabilidade como um fator de competitividade: “Agora, apostamos na energia limpa que nos coloca na rota da neutralidade carbónica”, afirma.

    O processo de instalação dos painéis iniciou-se na fábrica de Lousado, em cujas coberturas foram colocados 1984 painéis fotovoltaicos, com uma potência instalada de 575 kWp, podendo produzir 720.000 kWh por ano.

    Desde que este parque solar entrou em funcionamento, em 2019, já foram produzidos 3,3 milhões de kWh. Esta quantidade de energia limpa produzida pela Cimenteira do Louro evitou o lançamento na atmosfera de 1,5 milhões de quilos de dióxido de carbono, sendo equivalente à plantação de 6100 árvores.

    A segunda fase do projecto inclui a instalação de mais 483 painéis fotovoltaicos numa segunda fábrica da ACL na freguesia do Louro, também no concelho de Vila Nova de Famalicão, o que acontecerá até ao final deste ano. Terá uma capacidade instalada de 275 kWp e uma produção anual de energia de 376.128 kWh, evitando a emissão de 176.780 quilos de dióxido de carbono, o que equivale à plantação de 680 árvores.

    A produção de energia solar permitirá à Cimenteira do Louro reduzir a pegada ecológica, assim como uma redução na factura energética na ordem dos 35%. A empresa estima que o retorno do investimento ocorrerá em cerca de quatro anos, tornando esta iniciativa “não só ambientalmente responsável, mas também economicamente viável”, conforme enfatiza o CEO da ACL.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Melom Obras celebra o seu 13º aniversário

    No mês em que comemora o seu 13º aniversário a Melon Obras atingiu a fasquia dos 215.000 projectos. A par do crescimento em Portugal, a Melom destaca ainda a expansão no mercado europeu, com presença em Espanha e em Itália

    CONSTRUIR

    Em resposta à actual conjuntura económica, o grupo Melom assistiu a um aumento significativo na procura de casas em segunda mão a precisarem de renovação. Uma vez que o estado de conservação desempenha um papel fundamental na determinação do valor imobiliário, os imóveis para renovar acabam por ser uma alternativa muito competitiva em comparação com a compra de imóveis novos ou já reabilitados. Neste sentido, a Melom obras tem concentrado os seus esforços em estabelecer parcerias com mediadores imobiliários, para que estes consigam oferecer soluções aos seus clientes desde o início da operação de uma compra de casa.

    Actualmente, a Melom Obras, em colaboração com o Querido Mudei a Casa Obras (QMACO), especializado em pequenas intervenções, conta com 142 franqueados (72 pertencem ao QMACO e 70 à Melom), empregando directamente cerca de 700 profissionais nos seus franchisados. Além disso, o negócio é indirectamente potenciado por um grande número de trabalhadores autónomos e empresas subcontratadas. Para este último trimestre, a Melom tem como meta atingir 150 franchisados e estima uma facturação de aproximadamente 35 milhões de euros (M€).

    “Ao longo destes 13 anos, conseguimos crescer de forma consistente. Contribuímos para a profissionalização do sector e destacamos as vantagens para os profissionais ao associarem-se à nossa marca, oferecendo apoio contínuo aos nossos franchisados, bem como acesso à formação, tecnologia e marketing. Iniciámos a nossa jornada num período de crise em Portugal, em 2010, quando os portugueses enfrentavam dificuldades no acesso ao crédito e optavam por renovar as suas casas em vez de comprar novas. Com a pandemia e o aumento do teletrabalho, verificou-se uma crescente necessidade de projectos de renovação, adaptação de espaços e uma maior preocupação com o conforto térmico, acústico e eficiência energética das habitações. Actualmente, enfrentamos novamente uma crise financeira e habitacional, o que está a impulsionar a procura por casas que necessitam de renovação. Esta tendência deverá manter-se no próximo ano, com um aumento na procura por imóveis comerciais para conversão, bem como por casas de menor dimensão e com design personalizado.” João Carvalho, Co-fundador da Melom obras.

    No decorrer do ano passado, as insígnias alcançaram um crescimento significativo no número total de adjudicações em relação ao ano anterior. Estes números reflectem um cenário extremamente positivo para o sector, demonstrando uma necessidade crescente para os serviços de remodelação e construção em Portugal. O aumento do número de adjudicações, o crescimento substancial na facturação e o aumento dos pedidos de obra indicam que o mercado se encontra em expansão e a existência de uma confiança crescente por parte dos consumidores e investidores no sector de construção e remodelação.

    As remodelações gerais e os trabalhos de pintura mantêm-se no topo do tipo de obras mais solicitados pelos portugueses. As restantes intervenções, que fecham o top 5 das mais requeridas, estão relacionadas com a canalização, bricolage, instalações e pavimentos. Quanto ao valor médio de obra a Melom manteve a mesma tendência face a 2022, atingindo um valor de cerca de 30.000 euros, enquanto a QMCO atinge cerca de 15.000 euros. Outro dado a destacar, o crescimento contínuo e consistente da rede de franchisados com a abertura, nos últimos dois anos, de 54 novas unidades em território nacional, sendo 15 da Melom e 39 da QMACO.

    “Em 2023, temos vindo a trabalhar exclusivamente com clientes das nossas insígnias Melom e Querido Mudei a Casa e, por isso, tivemos um aumento significativo nos valores médios de adjudicação e obra, mas em contraponto tivemos uma redução do número de pedidos, em seguimento do final da parceria com o Leroy Merlin, deixando cair grande parte dos pedidos para pequenas instalações e pequenas obras. O nosso foco está agora na qualificação dos pedidos de orçamento para obras e remodelações de maior dimensão. Acreditamos que os nossos franchisados têm o know-how e a capacidade de entrega que este género de projectos exige”, sublinha João Carvalho, co-fundador da MELOM.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    SunEnergy cresce 30% no primeiro semestre de 2023

    A SunEnergy, especialista em soluções de produção de energia eléctrica a partir do sol, alcançou um volume de negócios de 7 milhões de euros no primeiro semestre de 2023, num crescimento de 30% em relação ao mesmo período do ano passado

    CONSTRUIR

    A empresa portuguesa, sediada em Coimbra, atingiu o seu melhor ano de sempre em 2022 e os números registados nos primeiros seis meses de 2023 mostram a continuidade de crescimento verificada nos últimos anos.

    Durante o primeiro semestre de 2023, a SunEnergy instalou 10.600 painéis solares, alcançando uma potência total instalada de 4.500 kW, o que corresponde a uma previsão de produção de energia de 6 MWh e uma poupança de 900 mil euros anuais aos seus clientes, para além de uma redução anual de emissões de CO2 na ordem das 1.650 toneladas. A partir da energia produzida pelos painéis instalados ao longo do primeiro semestre do ano pela Sunenergy, é possível alimentar mais de 1.650 casas em cada ano.

    “Os números alcançados mostram que estamos no caminho certo e redobram o nosso entusiasmo para os próximos meses”, afirma Raul Santos, CEO da SunEnergy. “As nossas perspectivas para o segundo semestre continuam a ser positivas, atendendo à procura que estamos a sentir, bem como em resultado da expansão da marca por todo o território nacional”.

    O primeiro semestre de 2023 fica também marcado pelo relançamento da campanha “Vem ligar Portugal ao Sol”, com o objectivo de atingir as 30 delegações Sunenergy por todo o país. A SunEnergy tem também feito uma forte aposta na área da mobilidade eléctrica com a instalação de carregadores, não só aos seus clientes particulares e empresariais, mas também já está a operar vários carregadores ultra-rápidos de viaturas eléctricas de norte a sul do país, em cidades como Viana do Castelo, Vila Real, Guarda, Santarém, Évora e Setúbal.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Fórum Sanitop reuniu cerca de 1500 profissionais na Batalha

    Com mais de 70 expositores, nacionais e estrangeiros, que apresentaram as mais recentes soluções e novidades neste sector, o evento contou, também, com a realização de palestras e sessões temáticas com o foco na sustentabilidade, transição energética e digitalização, na edição que marcou os 30 anos de existência da empresa

    CONSTRUIR

    O Fórum Sanitop reuniu cerca de 1500 profissionais, entre fabricantes e parceiros clientes, naquela que foi a edição que marcou, também, os 30 anos de existência da empresa. O evento, que juntou o sector da distribuição de sistemas sanitários e de climatização, teve lugar na Exposalão, Batalha. 

    Com mais de 70 expositores, nacionais e estrangeiros, que apresentaram as mais recentes soluções e novidades neste sector – tanto nos segmentos da Climatização e Ar Condicionado, Material Elétrico e Sistemas Sanitários – o evento contou, também, com a realização de várias palestras e sessões temáticas em que o grande enfoque foi a sustentabilidade, transição energética e a digitalização.

    No Fórum Sanitop 2023 estiveram presentes vários fabricantes, representando marcas nacionais e internacionais de referência neste sector, em diferentes áreas de produto como Sistemas de Instalação, Climatização, Energias Renováveis e Ventilação, Sanitários, Piscinas e Tratamento de Águas, Indústria, entre outros.

    O evento contou, também, com a presença de algumas marcas que foram novidade em áreas dedicadas ao Fotovoltaico, Piscinas e uma área específica para o Material Eléctrico. “Uma aposta feita este ano e que vai ser reforçada no futuro”, refere Johan Stevens, director-geral da Sanitop.

    “Este ano tivemos muitas novidades dos nossos parceiros, a serem apresentadas durante o evento, quer nos seus stands, quer em sessões de apresentação, que tiveram uma grande preocupação e enfoque na eficiência energética e hídrica, cada vez mais importantes para os nossos clientes”, acrescentou.

    Um dos pontos altos do evento foi a intervenção de Miguel Muñoz Duarte, professor de empreendedorismo na Universidade Nova SBE, que se debruçou sobre a Inteligência Artificial, deixando o alerta aos profissionais presentes de que a “a tecnologia está a mudar o mundo e já está cá em Portugal. Está nas nossas mãos fazer esta mudança”.

    Numa apresentação interactiva e com um discurso emotivo, Miguel Muñoz Duarte avisa que a transformação digital não é fácil para as PMS. “Não é fácil, não é rápida e não é barata. As empresas continuam a utilizar muito papel, muito excel, com pouca eficiência”. Contudo, “o futuro das PMEs passa pelas nossas mãos, pela tecnologia”.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos

    Miguel Veríssimo, director-geral da Interfer

    Empresas

    Interfer lança 2ª edição do prémio de arquitectura

    A busca pela diferenciação e inovação levou à criação, no ano passado, do Prémio Interfer Universidades, um prémio destinado a estudantes de arquitectura e design de todo o País e cuja segunda edição está agora em curso. À beira de completar 45 anos, a empresa familiar reforça a estratégia que a tornou líder no seu segmento no mercado nacional

    A poucos meses de completar os 45 anos, a Interfer continua a dedicar-se à comercialização de ferragens e componentes para as indústrias de mobiliário de cozinha, banho, escritório, carpintaria, construção civil e bricolagem. Mas se o foco da actividade se mantém o mesmo, a dimensão, hoje, é outra: de quatro funcionários para perto de uma centena; de 100 m2 para mais de 12.000 m2 de área coberta, distribuída por três armazéns de grande amplitude e dois shows rooms profissionais. “As ferragens ainda são muito o centro da nossa actividade e onde somos especialistas, apesar de termos também fabricação de portas. Mas o nosso coração ainda são as ferragens, não há dúvidas disso. Somos uma empresa eminentemente comercial, representamos marcas, muitas delas em exclusivo, e estamos sempre no mercado à procura das soluções que vão ao encontro das necessidades dos clientes”, explica Miguel Veríssimo, director-geral da Interfer.

    Parte do sucesso da empresa é atribuído à procura constante por parceiros e marcas que aportem soluções inovadoras. “Ao longo do tempo houve marcas com as quais deixámos de trabalhar, enquanto vamos adicionando novas marcas ao portfólio. Procuramos estar atentos ao mercado e perceber quais as que queremos representar. Este ano, por exemplo começámos a trabalhar com uma marca suíça de soluções de fixação para peças de madeira que é uma marca muito engraçada, de base tecnológica e extremamente inovadora com soluções de fixação de aparafusamento magnético e invisível. As peças ficam unidas como que por magia. Também começamos a trabalhar com a Portasur, uma empresa espanhola que faz portas por medida, à mão”, descreve o director geral da empresa.

    Em Baltar, o maior centro de armazenamento da empresa, alberga ainda a unidade de fabricação de portas que a empresa detém e que é a excepção no universo comercial da Interfer, ainda que a produção se destine a grandes superfícies comerciais de bricolagem, carpintarias ou indústria de mobiliário, num modelo B2B.

    O volume de negócios da empresa em 2022 ascendeu a 9,5M€, fruto do crescimento de dois dígitos, 16%, que a empresa vem registando desde 2019. “Temos tido um crescimento sustentado. Este ano estamos ainda na expectativa, temos sentido o mercado um bocadinho diferente, mas acredito que o nosso crescimento não andará muito longe do que temos vindo a registar nos últimos anos”, sublinha Miguel Veríssimo.

    A busca pela diferenciação e inovação levou à criação, no ano passado, do Prémio Interfer Universidades, um prémio destinado a estudantes de arquitectura e design de todo o País e cuja segunda edição está agora em curso. À beira de completar 45 anos, a empresa familiar reforça a estratégia que a tornou líder no seu segmento no mercado nacional

    O “Nabeiro” das ferragens

    Na origem da Interfer está a família Malcato, em concreto Francisco Malcato, fundador e presidente do conselho de administração da empresa. A Interfer ainda hoje mantém o seu cariz familiar e isso não deverá mudar nos tempos mais próximos. “Esta é uma empresa familiar, muito embora estejamos numa fase de transição geracional, mas esta vai manter-se na família, mantendo todas as características das empresas familiares, designadamente a forma como olha para os colaboradores e a sua resiliência em período de crises”, refere Miguel Veríssimo. Outra característica é a tendência da personalização da gestão em torno do fundador. No caso, Francisco Malcato “é uma figura muito querida entre funcionários e parceiros que goza de uma reputação muito positiva, o que acaba por beneficiar a organização”, considera o responsável.

    Interfer

    Aproximar a indústria às universidades

    Apesar de tudo, este é, também ele, um mercada cada vez mais competitivo, muito por culpa das “soluções” asiáticas, o conhecido “segmento ‘good enough’”, o qual tem estado a crescer no mundo inteiro o que reforçou a estratégia de aposta da empresa na inovação. “Representamos marcas que são muito reconhecidas no mercado, temos uma experiência acumulada de décadas, somos uma empresa muito sólida e depois estamos atentos ao mercado e às tendências”, sustenta Miguel Veríssimo.

    A busca pela diferenciação e inovação levou à criação o ano passado do Prémio Interfer Universidades. Um prémio destinado a estudantes de arquitectura e design de todo o país. Se a Cozinha foi o espaço de eleição da primeira edição, o desafio da segunda edição do prémio de arquitectura recentemente lançado é mais extenso e convida os participantes a conceber todos os móveis de um apartamento, T2, com 50 m2. “É um desafio que acompanha as exigências do mercado imobiliário actual. O preço do m2 em muitas cidades é demasiado elevado e temos de explorar as potencialidades de cada metro quadrado das nossas casas. Na Interfer temos soluções para todos os espaços e esse é outro factor que queremos evidenciar”, justificou Miguel Veríssimo. “Com as soluções das marcas que representamos temos a certeza de que vão surgir projectos muito interessantes”, salienta o director geral. As relações com a indústria europeia, e de parceiros de longa data, é outro dos factores em destaque neste prémio. Na edição anterior participaram a alemã Hettich, um dos maiores fabricantes de ferragens da europa, a Alvic, empresa espanhola de artigos de madeira/mdf, e a espanhola Menage y Confort, especialista em soluções inovadoras de interiorismo para imobiliário. A estas junta-se este ano a Viefe, com a sua oferta de puxadores, cabides e batentes. “Temos um conjunto de soluções que dão possibilidade aos projectistas de criarem soluções extremamente criativas que aumentam o espaço disponível. Temos a certeza de que vão surgir projectos muito interessantes”, afirma Miguel Veríssimo.

    Sobre o autorManuela Sousa Guerreiro

    Manuela Sousa Guerreiro

    Mais artigos
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB

    Navegue

    Sobre nós

    Grupo Workmedia

    Mantenha-se informado

    ©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.