Edição digital
Assine já
    PUB
    Construção

    Itecons promove Fórum dedicado aos “Desafios Emergentes da Construção” a 27 de Março

    O Instituto de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico para a Construção (Itecons) vai organizar, no próximo dia 27 de Março, o 1º Fórum Sabia Que, iniciativa dedicada à inovação, sustentabilidade, digitalização, o impacto da revisão do Regulamento dos Produtos de Construção no sector e os incentivos para o desenvolvimento de produtos inovadores

    CONSTRUIR
    Construção

    Itecons promove Fórum dedicado aos “Desafios Emergentes da Construção” a 27 de Março

    O Instituto de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico para a Construção (Itecons) vai organizar, no próximo dia 27 de Março, o 1º Fórum Sabia Que, iniciativa dedicada à inovação, sustentabilidade, digitalização, o impacto da revisão do Regulamento dos Produtos de Construção no sector e os incentivos para o desenvolvimento de produtos inovadores

    CONSTRUIR
    Sobre o autor
    CONSTRUIR
    Artigos relacionados
    Câmara de Guimarães vai requalificar escola dos anos 80
    Construção
    Construção de quarta ponte sobre o rio Lima em Viana do Castelo avança até Abril
    Construção
    Luís Rebelo de Andrade recebe Prémio Rafael Manzano 2023
    Arquitectura
    IKEA chega ao centro de Lisboa
    Empresas
    Remax Collection comercializa ‘Casas da Bela Vista’
    Imobiliário
    OLI apresenta louças sanitárias cerâmicas que reduzem o consumo de água
    Empresas
    Nova vida para antiga Refinaria de Matosinhos
    Engenharia
    Congresso da CMM regressa em Novembro
    Construção
    ISEL apresenta residência de estudantes “carbono zero”
    Engenharia
    Terminal Intermodal de Campanhã ganha 9ª edição do Prémio Enor
    Arquitectura

    O Instituto de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico para a Construção (Itecons) vai organizar, no próximo dia 27 de Março, o 1º Fórum Sabia Que, iniciativa dedicada à inovação, sustentabilidade, digitalização, o impacto da revisão do Regulamento dos Produtos de Construção no sector e os incentivos para o desenvolvimento de produtos inovadores.

    O evento, que decorrerá no Alma Shopping, em Coimbra, está inserido no projeto INOVC+ e pretende reunir os diferentes agentes da construção para discutir os desafios emergentes do Sector. Jorge Brandão (CCDRC), Mafalda Mota (Agência do Ambiente), Andreia Gil (Itecons), José de Matos (APCMC), Liliana Soares (CBRE) estão entre os oradores convidados para esta primeira iniciativa do instituto, que contará com uma mesa redonda, moderada pelo director editorial do jornal CONSTRUIR, Ricardo Batista.

    A iniciativa enquadra-se nas actividades do projecto INOVC+: ECOSSISTEMA DE INOVAÇÃO INTELIGENTE DA REGIÃO CENTRO, do qual o Itecons é parceiro. Este projecto conta com um investimento elegível total de 3,39 milhões de euros, cofinanciado a 85% pelo CENTRO 2020 – Programa Operacional Regional do Centro, Portugal 2020 e União Europeia, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional.

    O sector da construção tem vindo a deparar-se, nos últimos anos, com desafios constantes. Desde a crise económica que fez renascer a necessidade de inovar, os avanços tecnológicos e a digitalização têm tido um grande impacto nas empresas do setor. Nas últimas décadas, tem havido requisitos cada vez mais exigentes relativamente à sustentabilidade e a inovação passou a estar presente no dia-a-dia das empresas.

    O INOVC+ é um Programa Estratégico Especial de valorização do conhecimento científico e tecnológico que consiste na implementação de um projecto piloto de âmbito regional, que, num contexto de trabalho em rede, envolvendo entidades não empresariais do sistema regional de I&I (tais como Instituições de Ensino Superior Universitário e Politécnico, Centros de Valorização e Transferência de Tecnologia, Centros Tecnológicos, Parques de Ciência e Tecnologia, entre outras) e empresas, potencie a valorização e a transferência de conhecimento e de resultados de actividades de I&DT para a economia regional.

    A inscrição neste Fórum é gratuita mas carece de inscrição prévia através do preenchimento deste formulário.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Artigos relacionados
    Câmara de Guimarães vai requalificar escola dos anos 80
    Construção
    Construção de quarta ponte sobre o rio Lima em Viana do Castelo avança até Abril
    Construção
    Luís Rebelo de Andrade recebe Prémio Rafael Manzano 2023
    Arquitectura
    IKEA chega ao centro de Lisboa
    Empresas
    Remax Collection comercializa ‘Casas da Bela Vista’
    Imobiliário
    OLI apresenta louças sanitárias cerâmicas que reduzem o consumo de água
    Empresas
    Nova vida para antiga Refinaria de Matosinhos
    Engenharia
    Congresso da CMM regressa em Novembro
    Construção
    ISEL apresenta residência de estudantes “carbono zero”
    Engenharia
    Terminal Intermodal de Campanhã ganha 9ª edição do Prémio Enor
    Arquitectura
    PUB
    Construção

    Câmara de Guimarães vai requalificar escola dos anos 80

    “A necessidade de requalificação deve-se, em grande parte, ao desgaste natural dos materiais ao longo dos anos e à disponibilidade de novas soluções que melhoram o conforto térmico e acústico das instalações escolares, tendo a escola já passado pelo processo de remoção de amianto, que exigiu a transferência temporária de alunos e professores para uma escola vizinha”

    CONSTRUIR

    A Escola Básica e Jardim de Infância Agostinho da Silva, em Abação, Guimarães vai ser requalificada, para “melhor significativamente as condições de ensino e de conveniência para alunos e professores”, anuncia a Câmara Municipal em comunicado no seu sítio oficial.

    Recorde-se que este estabelecimento de ensino foi construído nos anos 80.

    “A necessidade de requalificação deve-se, em grande parte, ao desgaste natural dos materiais ao longo dos anos e à disponibilidade de novas soluções que melhoram o conforto térmico e acústico das instalações escolares, tendo a escola já passado pelo processo de remoção de amianto, que exigiu a transferência temporária de alunos e professores para uma escola vizinha”, lê-se na nota partilhada.

    A autarquia destaca que “uma das principais melhorias a efetuar será a substituição das caixilharias dos vãos exteriores por modelos com vidro duplo”, a par da “renovação dos materiais e pintura das superfícies. Além disso, as casas de banho serão totalmente renovadas e a fachada do edifício escolar vai ser revistido por capoto.

    O investimento da obra ronda os 800 mil euros, tendo um prazo de execução de 300 dias.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Construção de quarta ponte sobre o rio Lima em Viana do Castelo avança até Abril

    A construção da quarta ponte sobre o rio Lima e do acesso rodoviário ao Vale do Neiva irá iniciar-se até abril de 2024. O investimento nas duas operações deve rondar os “32 e os 33 milhões de euros”

    CONSTRUIR

    A construção da quarta ponte sobre o rio Lima e do acesso rodoviário ao Vale do Neiva, em Viana do Castelo, irá iniciar-se até abril de 2024, num investimento de 32 a 33 milhões de euros.

    O presidente da Câmara de Viana do Castelo, Luís Nobre, adiantou que “o concurso público das empreitadas será lançado até final deste ano”.

    O preço base do procedimento ainda não está fechado, sendo que o investimento previsto para a construção da nova ponte rondará os 22 e os 23 milhões de euros e para o acesso rodoviário ao Vale do Neiva entre os nove e os 10 milhões de euros.

    O autarca socialista estimou que, no total, o investimento nas duas operações ronde os “32 e os 33 milhões de euros”. Luís Nobre adiantou que se o procedimento decorrer com normalidade as operações começarão “até abril de 2024”. O prazo de execução das duas empreitadas, financiadas pelo Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), é de 18 meses.

    Em causa está a nova travessia sobre o rio Lima entre a Estrada Nacional (EN) 203 — Deocriste e a EN 202 — Nogueira, bem como o acesso rodoviário da zona industrial do Vale do Neiva ao nó da autoestrada A28.

    Em janeiro de 2022, a Câmara de Viana do Castelo informou ter garantido um financiamento de 23,4 milhões de euros para a construção de uma nova ponte e de um acesso rodoviário ao Vale do Neiva.

    A “infraestrutura vai iniciar-se na EN 202, junto ao campo de futebol da Torre, com a reformulação da interceção giratória de acesso à área de localização empresarial de Nogueira e à autoestrada A27, no sentido Viana do Castelo — Ponte de Lima”.

    A “travessia desenvolve-se na maior parte do percurso em tabuleiro de betão pré-esforçado, numa estrutura que permite minimizar os impactos na galeria ripícola e habitats incluídos na Rede Natura 2000”.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Congresso da CMM regressa em Novembro

    A 14ª edição do Congresso promovido pela Associação Portuguesa de Construção Metálica e Mista, CMM, que está agendada para 23 e 24 de Novembro, será dedicada ao debate da “Construção Modular” e na “Manufactura Aditiva”. Espanha é o país convidado num evento que regressa ao formato presencial

    CONSTRUIR

    O encontro que visa disseminar o reconhecimento técnico sobre a construção em aço, está agendado para os dias 23 e 24 de Novembro, no Convento de São Francisco, em Coimbra.

    Durante dois dias as empresas da fileira da construção metálica – siderurgia, metalomecânicas, construção, montagem, importadores e armazenistas, produtores de perfis e componentes de aço, consultoria e projecto, equipamentos e instituições de ensino e de investigação – vão reunir-se para debater a inovação do sector, em particular no domínio da “Construção Modular” e da “Manufactura Aditiva”, dois dos temas centrais do encontro.

    Com cerca de 30 sessões técnicas previstas para os dois dias, a sessão de abertura do congresso contará com a presença da secretária de Estado da Habitação, Maria Fernanda Rodrigues. A responsável estará presente na sessão de abertura bem como na sessão dedicada à “Construção Modular”. Aquele que é hoje um dos maiores desafios transformador do sector da construção, no seu todo, conta ainda com a participação RSHP, da Bysteel e da ARUP, empresas na linha da frente do desenvolvimento em torno da construção modular e do aço.

    A manhã do primeiro dia do encontro encerrará com a sessão dedicada à “Economia e Legislação”, que será presidida pelo secretário de Estado da Economia, Pedro Cilínio, e conta com as intervenções do IPQ, da Martifer e da ASAE.

    A sessão dedicada ao debate da “Manufactura Aditiva” terá a contribuição da investigadora e arquitecta Stefana Paracho, fundadora do Laboratório de Computação Criativa e de Luís Simão da Silva, presidente da CMM.

    O congresso contará, entre outros, com a presença de José Miguel Castro, membro efectivo co Comité técnico 13, sobre Projecto Sísmico da Convenção Europeia para a Construção em Aço, que irá falar sobre “As estruturas mistas aço-betão no contexto da nova geração dos Eurocódigos”, do especialista László Dunai, cujas principais áreas de investigação abrangem estruturas de aço e estruturas mistas aço-betão, sistemas estruturais de paredes finas, estabilidade e fadiga de pontes. Também já confirmada está a presença de Jean-François Demonceau (resistência e estabilidade de estruturas de aço e estruturas mistas), e de Markus Knobloch (especialista em estabilidade e durabilidade estrutural e desempenho de risco estrutural).

    Espanha é país convidado do 14º Congresso da CMM, um mercado cada vez mais importante para a fileira portuguesa, proporcionado pela proximidade geográfica e pela dimensão e oportunidades.

    A importância dos recursos humanos
    Este ano o Congresso de Construção Metálica e Mista irá realizar uma feira de emprego em parceria com instituições de ensino e as empresas do sector. O objectivo é o de disponibilizar um espaço dedicado aos estudantes, criando oportunidades para estes estabelecerem o primeiro contacto profissional.
    Esta primeira edição da feira de empresa irá contar com a presença de 17 empresas do sector da construção e engenharia: Bysteel, Constálica, Construsoft, DNC Técnica, EISP Qualidade, Ergicon, Fametal, Galvaza, JP Engenharia, Leica, Martifer, Metalogalva, O Feliz, Pecol, Rawlplug, Slefty e Tecofix.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Casais acelera construção do primeiro edifício híbrido em Espanha

    Com um sistema de construção CREE, que tem um foco sustentável, o Hotel B&B Madrid Tres Cantos, será o primeiro edifício de construção híbrida em Espanha e tem a assinatura do Grupo Casais

    CONSTRUIR

    O Grupo Casais iniciou a etapa de montagem da estrutura do primeiro edifício de construção híbrida (madeira e betão) em Espanha, o Hotel B&B Madrid Tres Cantos, situado no município de Tres Cantos, em Madrid. Trata-se de um projecto do atelier TdB Architects, do arquitecto Fernando Herrero, no âmbito da parceria Sunny Casais, com 120 quartos que dá início a uma nova geração de edifício sustentáveis no país vizinho.

    A concretização está a ser feita pela UTE (Unión Temporal de Empresas), entre a Casais España de Infenieria Y Construcción S.L. (Eic) e a Acr Construciones, parceria que tem como objectivo a construção de duas unidades hoteleiras em Madrid.

    Este é o sexto hotel B&B com a assinatura do Grupo Casais e trata-se de um projecto de construção híbrida que tem como base o sistema CREE, uma solução industrializada, com estrutura e fachadas pré-fabricadas. Trata-se de um edifício com cinco pisos onde as casas de banho e parte das redes e instalações especializadas serão também pré-fabricadas.

    A TopBIM, empresa do Grupo, foi responsável por algumas fases, como a coordenação dos desenhos da pré-fabricação, ou até por auxiliar na materialização do planeamento 4D, que terá um papel fulcral no alinhamento da construção e assemblagem de todas as fases da obra. “Vemos o início desta etapa como um passo importante para aquele que gostaríamos que fosse o futuro do sector. Acreditamos que temos um papel fundamental nas sociedades e comunidades e, por isso, trabalhamos para que o nosso contributo em prol de um sector mais sustentável possa fazer a diferença”, comenta António Carlos Rodrigues, CEO do Grupo Casais.

    Desta forma, o Grupo Casais introduz, em Espanha, uma tipologia de construção ambientalmente mais sustentável e mais célere, o que significa que o tempo de obra é reduzido. Este é um sistema capaz de reduzir a pegada de carbono em mais de 60%, devido ao uso de madeira de engenharia e apenas 1/3 do betão de um edifício tradicional. Para além destas características, este tipo de solução industrializada e pré-construída comporta a capacidade de evitar demolições e promove a possibilidade de reutilização posterior noutros edifícios. Representa, assim, uma vantagem na possível poupança de tempo, dinheiro e recursos.

    O Grupo Casais, que opera em 17 países, está empenhado no desenvolvimento e na implementação de uma construção mais sustentável. A empresa apresentou recentemente em Portugal outros projectos em que o sistema híbrido de construção foi implementado, como o Minho Innovation and Technology Hub, de onde transportou o know how adquirido e as metodologias e planeia expandir esta prática a mais projectos.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos

    Da esqª para a dta: Rui Pinto, Vasco Pinto, Fernando Pinto e Berto Pinto, administradores da SPintos

    Construção

    Grupo SPintos espera crescer 15% este ano

    Com 30 anos de existência, o Grupo SPintos define a sustentabilidade, a inovação e a transformação digital e tecnológica como prioridades para os próximos anos. A empresa destaca a “diversificação das áreas de actuação” para justificar o crescimento alcançado em 2022 e pretende dar continuidade a esta estratégia. Apesar do foco no Grande Porto, a aposta no Sul do País está nas ambições do Grupo

    Cidália Lopes

    O Grupo SPintos com capital 100% português e com sede em Recarei, Paredes, que desenvolve a sua actividade principal nos sectores da construção civil e promoção imobiliária, assinalou recentemente o seu 30º aniversário. Sustentabilidade, inovação e transformação digital e tecnológica são o foco da estratégia para o futuro.

    O Grupo SPintos, de capital 100% português, é liderado pelos quatros irmãos Fernando, Rui, Vasco e Berto Pinto e assenta numa matriz de gestão familiar. Actualmente liderada pelos quatro irmãos – Fernando Pinto, Rui Pinto, Vasco Pinto e Berto Pinto – a empresa assenta numa matriz de cariz familiar que teve início com o pai.

    Constituído por diversas empresas, o Grupo SPintos actua em diferentes áreas de negócio onde se inclui a engenharia e construção, gestão e promoção de projectos imobiliários, fornecimento de betão, carpintaria e hotelaria, estando ainda presente no Brasil e Costa do Marfim.

    “Graças ao constante trabalho, à resiliência e ao empreendedorismo, chegamos até aqui num percurso de crescimento sustentável, solidez, inovação e aposta nas pessoas. Assim sendo, queremos continuar a seguir o nosso trajecto, contando com o empenho total dos nossos colaboradores e parceiros.  Os próximos 30 anos apresentam-se como um grande desafio com grandes transformações tecnológicas e humanas que o mercado exige”, destacam os administradores.

    Mantendo a sua estratégia de diversificação das áreas de actuação, o “reforço de parcerias e em novas áreas de actividade” são a aposta do Grupo para os próximos anos. Inserida nessa estratégia, está em curso a construção de uma nova unidade hoteleira no Vale do Sousa, em Penafiel, vocacionada para o turismo de natureza, empreendimento a concluir no primeiro semestre de 2024, e em fase de projecto uma nova Residência Universitária, na Covilhã, com cerca de 100 estúdios.

    No que diz respeito à promoção residencial, o Grupo SPintos encontra-se, actualmente, envolvido na construção de cerca de uma dezena de empreendimentos em Vila Nova de Gaia e Matosinhos. E, embora pretendam manter o foco no Grande Porto, o Grupo pretende alargar geograficamente a área de construção e promoção de novos empreendimentos imobiliários até ao Sul do País.

    Neste sentido, o Grupo espera, em 2023, um crescimento do volume de negócios de 15% em termos globais.

    Mantendo a sua estratégia de diversificação das áreas de actuação, o Grupo tem em curso a construção de uma nova unidade hoteleira no Vale do Sousa, em Penafiel, vocacionada para o turismo de natureza, e em fase de projecto uma nova Residência Universitária, na Covilhã, com cerca de 100 estúdios”

    Crescimento em todas as áreas

    No primeiro semestre deste ano, as áreas de engenharia e construção registaram um crescimento superior a 20% face ao período homólogo, o mesmo acontecendo com a área de promoção imobiliária. Também a área de betão está a crescer 28% e a hotelaria regista um crescimento na ordem dos 30%. Um crescimento que permitiu fechar 2022 com um volume de negócios consolidado superior a 50 milhões de euros.

    Números que permitem o Grupo encarar o futuro com “optimismo e confiança”, tendo em conta a carteira de obras em curso e o crescimento consolidado noutras áreas de negócio, em particular nas áreas de betão e hotelaria.

    Também os mercados internacionais continuam a ser “apostas seguras”. Embora se desenvolvam “de forma autónoma” com duas empresas, a presença nos mercados da Costa do Marfim e do Brasil, onde o Grupo está há vários anos, contribuem de forma “muito significativa” para uma história “marcada pelo sucesso”, ao nível da construção, gestão e promoção imobiliária, no Brasil, e construção, betão, fabrico de blocos e de pré-fabricados e produtos derivados de betão, na Costa do Marfim.

    De momento, o Grupo SPintos “não tem previsto entrar em outros mercados internacionais”, confirmou ao CONSTRUIR.

    Processos são cada vez mais “verdes”

    A digitalização do negócio e dos processos construtivos tem sido “essencial” para atingir “maior eficácia e produtividade nas operações”. A par desta estratégia, a empresa está, também, “alinhada e a acompanhar” os desafios globais da descarbonização e da sustentabilidade e a estudar mais processos “verdes” a implementar no próximo ano, sendo que os investimentos, ainda, estão a ser estimados.

    Em marcha, a SPintos tem já a reciclagem do betão, o reaproveitamento para a construção de blocos e maciços de betão, o reaproveitamento dos inertes e a reutilização da água para lavagem da frota de camiões. Em simultâneo, cerca de 95% da frota já se encontra equipada com um sistema que permite a redução das emissões de CO2.

    Por outro lado, as necessidades de construção e a falta de mão de obra têm levado a um maior impulso de outros métodos construtivos com recurso à construção industrializada ou off-site, onde se destacam vantagens relacionadas com a economia de recursos materiais e de mão de obra.

    Para a SPintos “esta é já uma realidade na área industrial e logística”, embora ainda estejam a dar os “primeiros passos” no que toca à construção modular off-site no segmento residencial.

    “As nossas técnicas de engenharia e construção estão ajustadas à inovação e às necessidades do mercado e ao cumprimento de prazos. Da mesma forma, as nossas equipas promovem a durabilidade dos edifícios e a resiliência dos materiais”, afirmam.

    Jardins da Seara: Primeiro lote entregue no início de 2025

    Jardins da Seara

    O Grupo SPintos é responsável pelos trabalhos de construção do primeiro lote dos “Jardins da Seara”, empreendimento com 135 apartamentos que faz parte de um vasto programa avaliado em 100 milhões de euros.

    Promovido igualmente pelo grupo de Paredes, os Jardins da Seara compreendem, no total, 10 lotes de terreno onde vão nascer 700 apartamentos, para além de uma zona comercial e de serviços. O Lote 6 ficará concluído e pronto a habitar nos primeiros meses de 2025.

    O novo empreendimento, que está a surgir na quinta da Seara, com tipologias T1, T2, T3 e mais de 2000 m2 de jardins, destaca-se pela sua arquitectura exterior inspirada na sustentabilidade e no estilo de vida contemporâneo, combinando a natureza e a cidade.

    Trata-se de um condomínio fechado da autoria do arquitecto Paulo Moreira que contempla jardins, uma sala de convívio, espaço de lazer para crianças e um ginásio, onde os moradores podem desfrutar da tranquilidade, num ambiente familiar e seguro localizado a 5 minutos do centro de Vila Nova de Gaia, a 7 minutos da Ponte do Freixo e próximo da Ponte do Infante e com bons acessos às principais vias rodoviárias e autoestradas, assim como do metroBus.

    Douro Tower: Inspirado no Rio

    Douro Tower

    Promovido pela Propiso e construído pela SPintos, o Douro Tower conta com “vistas únicas” para o Rio Douro e para as cidades do Porto e Gaia. Situado junto à rotunda Edgar Cardoso, em Vila Nova de Gaia, e perto da futura estação da nova linha do Metro de Gaia (Santo Ovídio – Casa da Música), o empreendimento destaca-se pelos seus “reflexos dourados”, num ambiente que se pretende “cosmopolita e urbano, mas, também, aconchegado e confortável”.

    Com 10 pisos, o Douro Tower é constituído por 11 apartamentos T0 com mezzanine; 33 Apartamentos T0; 16 Apartamentos T2 e 1 Loja. É também composto por uma piscina e espaço de lazer no rooftop, bicicletário, onde se destaca, ainda, o lobby adequado para convívio dos residentes.

    Sobre o autorCidália Lopes

    Cidália Lopes

    Jornalista
    Mais artigos
    Construção

    A nova vida da Quinta do Ferro, a nova ala de Siza em Serralves, Passivhaus e o LSF na reabilitação em destaque no CONSTRUIR 494

    Fique por dentro do projecto de recuperação da Quinta do Ferro, em Lisboa, numa edição do CONSTRUIR que conta com um novo número do suplemento ReCONSTRUIR. Há muito para ler no CONSTRUIR 494

    CONSTRUIR

    Quinta do Ferro: 30M€
    em 10 anos prometem transformar “ilha de pobreza”

    O modelo urbano proposto para a Quinta do Ferro, aprovado em Setembro pela Câmara Municipal de Lisboa, foi apresentado e estará em discussão pública até 28 de Novembro. O processo envolve reabilitação urbana, oferta pública de habitação acessível e criação de espaços públicos e comércio. Mas o processo de regeneração urbana é longo, 10 anos, e terá um investimento, público e privado, de cerca de 30 milhões de euros

    Centro escolar de Setúbal a concurso
    Cerca de cinco milhões de euros é quanto vai custar o Centro Escolar Barbosa du Bocage, que passa pela “construção de um novo edifício de dois pisos, ambiental e energeticamente sustentável

    Serene: um projecto de equilíbrios
    O projecto, coordenado pela FEUP, propõe criar uma metodologia de intervenção que responda à vulnerabilidade sísmica e à ineficiência energética dos edifícios

    A nova ala ‘de Siza’ em Serralves
    A nova ala do museu de Serralves adopta o nome de arquitecto português que a projectou, denunciando a relação próxima entre o arquitecto e a instituição

    Bom desempenho com recurso à Passivhaus

    LSF na recuperação do Chalet Ficalho

    Jam Lisbon: O hotel que combina “arte, inovação e sustentabilidade”

    MAP Engenharia recupera edifício centenário no coração de Lisboa

    PATORREB: Múltiplos olhares sobre o Património

    A versão completa desta edição é exclusiva para subscritores do CONSTRUIR. Pode comprar apenas esta edição ou efectuar uma assinatura do CONSTRUIR aqui obtendo o acesso imediato.

    Para mais informações contacte: Graça Dias | gdias@workmedia.pt | 215 825 436

    Nota: Se já é subscritor do CONSTRUIR entre no site com o seu Login de assinante, dirija-se à secção PLUS – Edição Digital e escolha a edição que deseja ler

    ACEDA AQUI À VERSÃO DIGITAL DA EDIÇÃO IMPRESSA DO CONSTRUIR 494

    ACEDA AQUI À VERSÃO DIGITAL DA EDIÇÃO IMPRESSA DO SUPLEMENTO RECONSTRUIR 494

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos

    default

    Construção

    Junta de Freguesia de Benfica avança com investimento de 29 M€ em habitação

    Através deste projecto, irá ser possível disponibilizar até 2025, 133 novos apartamentos em Benfica, com tipologias que vão do T0 ao T3, ao abrigo da linha de financiamento do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) – 1⁰ Direito

    CONSTRUIR

    A Junta de Freguesia de Benfica vai avançar com o maior pacote de investimento alguma vez realizado por uma Junta de Freguesia, na área da habitação, com um valor total de cerca de 29 milhões de euros. O grande objectivo é “continuar a combater a grave crise habitacional que Lisboa atravessa”.

    Em comunicado, a Junta de Benfica indica que, “através deste projecto, irá ser possível disponibilizar até 2025, 133 novos apartamentos em Benfica, com tipologias que vão do T0 ao T3, ao abrigo da linha de financiamento do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) – 1⁰ Direito”.

    O investimento foi aprovado na última reunião de Executivo e prevê a aquisição de quatro terrenos para construção e reabilitação, além de 13 apartamentos, dispersos por vários locais desta freguesia lisboeta, que se juntam às candidaturas já aprovadas pelo Instituto de Habitação e Reabilitação Urbana (IHRU) para outros dois edifícios, na Rua Cláudio Nunes e Travessa José Agostinho.

    O investimento para criar soluções habitacionais dignas que permitam às famílias lisboetas continuar a viver no Bairro de Benfica, está inserido numa estratégia local de habitação que pretende, até 2026, criar 250 fogos para arrendamento a baixo custo no Bairro de Benfica.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Carta Municipal de Habitação em consulta pública

    O período de consulta pública é de 60 dias e termina a 2 de Fevereiro de 2024. Com 34 medidas, o documento prevê aumentar e melhorar a oferta de habitação municipal, em parceria e privada, reduzir as assimetrias no acesso à habitação e regenerar a cidade “esquecida”

    CONSTRUIR

    A Carta Municipal de Habitação de Lisboa está a partir desta terça-feira, dia 7 de Novembro, em consulta pública por um período de 60 dias que termina a 2 de Fevereiro de 2024.

    Após um trabalho de cocriação, iniciado em Fevereiro de 2022 com o Conselho Municipal de Habitação e aberto à sociedade, a Carta Municipal de Habitação está agora disponível na página oficial do Município e em suporte físico nas Lojas Lisboa para receber os contributos dos cidadãos antes de ser aprovada na sua forma definitiva.

    A Carta é o instrumento municipal de planeamento e ordenamento territorial em matéria de habitação que estabelece as prioridades e as metas para a política de habitação da próxima década. É, ainda, um documento inovador pois prevê uma avaliação anual da sua execução por meio de indicadores concretos.

    A Carta de Habitação de Lisboa propõe três prioridades concretizadas em 34 medidas de acção, nomeadamente, aumentar e melhorar a oferta de habitação municipal, em parceria e privada (onde se incluem 17 medidas para mais oferta), reduzir as assimetrias no acesso à habitação (com 10 medidas para mais acesso) e regenerar a cidade “esquecida” (com sete medidas para melhorar a cidade).

    O documento inclui, ainda, três mapas de intervenção, nomeadamente, a habitação em  património público, as zonas de prioridade e os habitats de requalificação prioritária.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Grupo Visabeira avança para a aquisição da HCI Construções

    O Grupo Visabeira assinou um acordo de aquisição da maioria de capital da empresa portuguesa HCI Construções Os actuais accionistas da HCI mantêm-se e a equipa de gestão permanece inalterada

    CONSTRUIR

    A HCI Construções, constituída em 1979, é uma das mais relevantes empresas nacionais na área da construção, tendo um volume de negócios anual superior a 100 milhões de euros. Com sede em Lisboa, a HCI Construções opera em todo o território nacional. Entre o seu portfólio de projectos constam os projectos Allo Alcântara Lisbon Offices, em Alcântara, o Exeo Lumnia Office Campus ou a sede da EDP, só para referir os mais recentes, já que a HCI esteve à frente da construção de importantes edifícios de uso privado e colectivo, complexos administrativos, sociais e industriais no panorama nacional, como a Nova School of Business & Economics, a Fundação Champalimaud, o Hospital da Luz, Hospital Lusíadas Porto, Porto Magnum, CAM Fundação Calouste Gulbenkian ou o Hotel Epic Sana Lisboa, entre outros.

    Na área da reabilitação e reconstrução, onde a HCI Construções tem uma posição de destaque a nível nacional, realçamos as intervenções na Assembleia da República, Sede do Banco de Portugal, Edifício Ivens Arte, antigo edifício do Diário de Notícias, Hotel Tivoli Palácio de Seteais, Casino de Estoril, Mosteiro de Santa Clara-a-Velha (Coimbra), Pousada Convento Vila Viçosa, Pousada Convento Tavira, Centro Cultural de Cascais, Cine Teatro de Tomar, São Luiz Teatro Municipal (Lisboa), Casino da Póvoa do Varzim e outros edifícios e complexos de grande valia arquitectónica e social.

    Com esta aquisição, o Grupo Visabeira reforça, assim, a sua capacidade na actividade de construção e engenharia civil, até agora desempenhada pela sua subsidiária Edivisa, correspondendo a aquisição da HCI Construções à sua estratégia de expansão neste sector. Como corolário, o processo de incorporação da HCI Construções no Grupo Visabeira irá potenciar sinergias entre as duas empresas em termos nacionais.

    A transacção tramita com as habituais aprovações regulatórias de concorrência.

    O Grupo Visabeira é uma holding multinacional e multissetorial, que actua nos sectores das Telecomunicações, Energia, Tecnologia, Construção, Indústria, Imobiliário e Turismo. Fundado há 43 anos, está presente em 17 países, operando em toda a Europa, África e Estados Unidos da América, e comercializa os seus produtos e serviços em mais de 116 nações. Com mais de 14.000 colaboradores terá um volume de negócios consolidado superior a 1.700 milhões de euros em 2023.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos

    O edifício, com assinatura do arquitecto Paulo Moreira, enverga um jardim vertical na sua fachada

    Construção

    Grupo CVM inicia construção do projecto Royal Green

    Com um investimento de 18 milhões de euros, o novo empreendimento está localizado em Vila Nova de Gaia e irá colocar no mercado uma centena de novas habitações, cerca de 60% das quais já foi comercializada

    CONSTRUIR

    O grupo Construções Vila Maior (CVM) iniciou a execução de um investimento de 18M€ no empreendimento Royal Green em Vila nova de Gaia, que compreende 14 pisos, 3 dos quais subterrâneos, com 100 fracções de habitação, uma fracção de comércio e um espaço de co-work para usufruto dos moradores, numa área total de 962m2

    prédio, situado na Avenida dos Descobrimentos e que contará com 51 apartamentos de tipologia T1, 36 apartamentos T2 e 12 apartamentos T2 duplex, estará concluído em Março de 2026, mas já só tem 40% das fracções disponíveis que variam entre os 140 mil€ e os 350mil€.

    O edifício, com assinatura do arquitecto Paulo Moreira, enverga um jardim vertical na sua fachada e tem a particularidade de apenas contemplar tipologias pequenas, as mais procuradas actualmente pelo mercado.

    “Continuamos a trabalhar para que consolidar a nossa posição no mercado, e com isso, reforçar a oferta habitacional em Gaia, com uma arquitectura arrojada, adequada à procura dos dias de hoje, dando preferência à localização central na cidade e perto da linha Ruby do metro”, explica Severino Ponte, ceo do Grupo CVM.

    Recorde-se que o grupo CVM está a construir 26 obras no Porto, Gaia, Espinho e Matosinhos, totalizando 870 fracções, das quais 600 encontram-se em obra e as restantes 270 em projecto, o correspondente a um investimento de 170M€ nos próximos 3 anos.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB

    Navegue

    Sobre nós

    Grupo Workmedia

    Mantenha-se informado

    ©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.