Edição digital
Assine já
    PUB
    Construção

    Ovar aprova investimento de 3,9M€ para construção de habitação em Válega

    A escolha do Sargaçal para localização dos novos apartamentos prende-se com o facto de a autarquia já aí dispor de um terreno “com área suficiente para a construção de 30 fogos” e situado numa área “predominantemente habitacional”

    CONSTRUIR
    Construção

    Ovar aprova investimento de 3,9M€ para construção de habitação em Válega

    A escolha do Sargaçal para localização dos novos apartamentos prende-se com o facto de a autarquia já aí dispor de um terreno “com área suficiente para a construção de 30 fogos” e situado numa área “predominantemente habitacional”

    CONSTRUIR
    Sobre o autor
    CONSTRUIR
    Artigos relacionados
    Em Maio produção na construção recua na zona euro
    Construção
    BUPi reconhecido com prémio internacional de inovação em SIG
    Empresas
    RE/MAX Portugal transacciona 6.700 moradias nos primeiros 5 meses do ano
    Imobiliário
    Grupo MCA e Instituto de Emprego e Formação Profissional de Angola assinam protocolo
    Empresas
    Pestana Hotel Group com novo investimento em Porto Covo
    Imobiliário
    Indelague com nova página na Internet
    Empresas
    Actividade de Abril, Maio e Junho acentua resultados da ERA Portugal
    Imobiliário
    Preços das casas aumentam 5% no primeiro semestre
    Imobiliário
    Financiamento europeu de mais de 800M€ para ‘Alta-Velocidade’ aprovado
    Construção
    Mota-Engil assina acordo de 1,1MM€ para construção de fábrica no México
    Construção

    A Câmara Municipal de Ovar revelou esta segunda-feira que vai abrir concurso público para arrancar, ainda em 2024, com a construção de 30 fogos de habitação acessível na freguesia de Válega, num investimento de quase 3,9 milhões de euros.

    Criar no lugar do Sargaçal 15 apartamentos de tipologia T3 e outros tantos T2 é o objetivo dessa autarquia do distrito de Aveiro que, ao longo das últimas décadas, tem apostado regularmente na criação de habitação social para famílias que viviam em condições precárias, sobretudo em bairros piscatórios.

    A data concreta para arranque da obra no Sargaçal ainda não está definida e dependerá do andamento do concurso para adjudicação da empreitada, mas o projeto de execução já foi concluído e aprovado em maio, prevendo a autarquia que, uma vez iniciados, os trabalhos tenham um prazo de execução de 18 meses.

    Integrando a Estratégia Local de Habitação, essa empreitada é financiada a 100% por verbas do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) e por fundos do programa europeu Next Generation, destinado especificamente a dar resposta ao contexto económico e financeiro gerado pela pandemia da Covid-19.

    A escolha do Sargaçal para localização dos novos apartamentos prende-se com o facto de a autarquia já aí dispor de um terreno “com área suficiente para a construção de 30 fogos” e situado numa área “predominantemente habitacional”.

    A construção desses fogos junta-se assim a um conjunto de obras de idêntico cariz que a Câmara Municipal de Ovar tem a decorrer atualmente noutros pontos do concelho, com o mesmo propósito de aumentar as condições de habitabilidade das famílias com menos poder económico. Entre essas empreitadas inclui-se: a construção de outros 13 apartamentos na Rua do Seixal, em curso desde fevereiro de 2024; a edificação de 52 frações na Avenida Dona Maria II, que arrancou em maio; e a reabilitação de três fogos em São João de Ovar, “adjudicada recentemente”.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Artigos relacionados
    Em Maio produção na construção recua na zona euro
    Construção
    BUPi reconhecido com prémio internacional de inovação em SIG
    Empresas
    RE/MAX Portugal transacciona 6.700 moradias nos primeiros 5 meses do ano
    Imobiliário
    Grupo MCA e Instituto de Emprego e Formação Profissional de Angola assinam protocolo
    Empresas
    Pestana Hotel Group com novo investimento em Porto Covo
    Imobiliário
    Indelague com nova página na Internet
    Empresas
    Actividade de Abril, Maio e Junho acentua resultados da ERA Portugal
    Imobiliário
    Preços das casas aumentam 5% no primeiro semestre
    Imobiliário
    Financiamento europeu de mais de 800M€ para ‘Alta-Velocidade’ aprovado
    Construção
    Mota-Engil assina acordo de 1,1MM€ para construção de fábrica no México
    Construção
    PUB
    Construção

    Em Maio produção na construção recua na zona euro

    Em Maio a produção na construção recuou 2,4 % na zona euro e de 2,5 % na UE, face ao período homólogo de 2023, avança o gabinete de estatística da União Europeia, Eurostat

    A comparação mensal dos indicadores revela de em Maio de 2024, face ao mês anterior a produção no sector da construção, corrigida de sazonalidade, diminuiu 0,9% na zona euro e 1,0% na UE. Quando em Abril a produção no sector da construção já tinha caído 0,4 % na área do euro e mantendo-se estável na EU, de acordo com as primeiras estatísticas do Eurostat.

    Comparando o mês de Maio ao período homólogo de 2023 o gabinete de estatística da UE, aponta para um recuo de 2,4% da produção no sector da construção na zona euro, ao passo que na UE o recuo foi de 2,5%.

    Entre os países para os quais há dados disponíveis, as maiores quebras anuais registaram-se na Suécia (-7,5%), Eslovénia (-7,4%) e Alemanha (-7,0%), com a Hungria (7,3%), Bulgária (4,4%) e Dinamarca (1,1%) a registarem as únicas subidas.

    Já na comparação com Abril, a Croácia (-5,1%), Roménia (-4,1%) e Hungria (-3,8%) registaram os principais recuos e a Finlândia (1,9%), a Bulgária (1,1%), a Bélgica e a Espanha (0,3% cada) os maiores crescimentos.

    Em Portugal, a produção na construção manteve-se estável na comparação homóloga e caiu 3,3% face a Abril.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    BUPi reconhecido com prémio internacional de inovação em SIG

    Distinção reconhece excelência na utilização de Sistemas de Informação Geográfica (SIG). O projecto foi recentemente apresentado pela eBUPi perante plateia de líderes internacionais em informação geoespacial, no âmbito do National Geospatial Executive Summit

    O BUPi (Balcão Único do Prédio) foi distinguido com o Special Achievement in GIS (SAG) Award, prémio internacional, que reconhece práticas de excelência na utilização de Sistemas de Informação Geográfica (SIG). A distinção atribuída em San Diego, nos Estados Unidos, pela ESRI Internacional , resulta de uma selecção restrita de projectos de dimensão inovadora em todo o mundo.

    Para Paulo Madeira, Coordenador Adjunto da eBUPi (Estrutura de Missão para a Expansão do Sistema de Informação Cadastral Simplificado), esta distinção é “um reconhecimento internacional que temos de partilhar com os mais de 340 mil cidadãos que identificaram mais de 2,2 milhões de propriedades e com todas as entidades parceiras do projecto, com destaque para os municípios e todos os técnicos habilitados que diariamente contribuem para os resultados. Ao mesmo tempo é reconhecido o trabalho realizado pela eBUPi e pelas áreas governativas da Coesão Territorial e da Justiça e celebra o nosso compromisso com a inovação e a excelência no serviço aos cidadãos e na transformação do conhecimento do território em valor para o país”.

    O BUPi já recebeu várias distinções em domínios como a inovação em Administração Pública ou a inovação tecnológica, é agora premiado internacionalmente na área do SIG “o que confirma que as apostas na criação do GeoBUPi e em soluções de imagem inovadoras foram acertadas e estão alinhadas com aquilo que de melhor está a ser feito actualmente a nível mundial, reforçando o papel e destaque de Portugal enquanto país que abraça e promove a inovação”, explica o responsável.

    Recentemente, a coordenação da eBUPi apresentou o projecto perante uma plateia internacional, no âmbito do National Geospatial Executive Summit, que reúne decisores e especialistas internacionais no âmbito do domínio da engenharia geoespacial.

    O BUPi conta já com a adesão de 154 municípios em Portugal Continental e na Região Autónoma da Madeira dos 172 sem cadastro Predial, estando em curso o processo com vista à adesão dos 14 municípios da Região Autónoma dos Açores ainda este ano.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Imobiliário

    RE/MAX Portugal transacciona 6.700 moradias nos primeiros 5 meses do ano

    De Janeiro a Maio, a rede RE/MAX registou cerca de 6.700 transacções imobiliárias de moradias, uma média mensal de 1.335 negócios concretizados. Neste período, foram realizadas transacções de moradias em 285 concelhos. O Cliente nacional representou 80,6% dos negócios de compra/venda e arrendamento

    Até Maio, a RE/MAX Portugal foi responsável por cerca de 6.700 transacções imobiliárias de moradias, 610 de arrendamento e 6.090 de compra/venda. Segundo dados da rede imobiliária, foram fechados negócios deste tipo de imóvel em 285 concelhos, cerca de 92,5% do número total de concelhos em Portugal (308). Os portugueses são quem mais adquire ou arrenda moradias, tendo sido responsáveis por 80,6% das transacções entre Janeiro e Maio, com os concelhos de Sintra, Cascais e Guimarães a serem os mais relevantes. Já no investimento estrangeiro, são os brasileiros, norte-americanos e ingleses os que mais privilegiam este tipo de imóvel.

    Os dados agora apresentados referentes aos primeiros cinco meses de 2024 mostram que, por concelho, no ranking de transacções de moradias, aparece em 4º lugar o concelho de Braga (129 transacções). Seguem-se Torres Vedras, com 126 transacções; Évora (118); Coimbra (106); Vila Nova de Famalicão (95); Vila Nova de Gaia (93) e Figueira da Foz (92).

    Quanto às transacções, os dados da RE/MAX evidenciam um pequeno decréscimo na procura de moradias por parte de clientes internacionais, concretamente as três principais nacionalidades internacionais. Desta forma, de 1 de Janeiro e 31 de Maio, os clientes de origem brasileira representaram 5,6% dos negócios realizados, os norte-americanos 2% e os ingleses 1,5%. Na quarta e quinta posição do ranking, com cerca de 1% cada, posicionaram-se os clientes de origem francesa e alemã. Nestes primeiros cinco meses de 2024, a rede negociou com 60 nacionalidades diferentes, um pouco mais do que as 52 intervenientes nos negócios dos últimos três meses de 2023.

    Relativamente às tipologias, os T3 mantêm-se como os mais procurados, registando neste período 38,4%. Seguiram-se as moradias de tipologia T2 (25,8%) e os T4 (18,4%), quer em negócios de arrendamento, quer em negócios relativos a compra/venda de moradias, porém, na modalidade arrendamento as moradias T1 ganham importância, por terem naturalmente preços mais acessíveis, representando 13% desse mercado.

    Segundo Beatriz Rubio, CEO da RE/MAX Portugal, “Normalmente as famílias preferem as moradias por um conjunto de razões. Desde logo, este tipo de imóvel tende a oferecer mais espaço em comparação com apartamentos, o que é especialmente importante para uma família grande ou que necessita de uma maior área de armazenamento. Por outro lado, as moradias oferecem maior privacidade do que os apartamentos, além de que possibilitam ter um quintal ou um jardim. Certo é que as famílias que optem por moradias têm mais liberdade para personalizar ou renovar a casa de acordo com as próprias preferências”.

     

     

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Grupo MCA e Instituto de Emprego e Formação Profissional de Angola assinam protocolo

    Com este protocolo, a MCA passa a contar com o apoio do INEFOP para a selecção e recrutamento dos formandos dos centros de formação para o preenchimento das vagas de emprego, estágios profissionais remunerados, atribuição de carteiras profissionais. O protocolo tem a duração de três anos, podendo ser renovado automaticamente por igual período

    O Grupo MCA e o Instituto Nacional de Emprego e Formação Profissional (INEFOP), de Angola, assinaram um protocolo que visa elevar os níveis de competências por via da formação profissional, oferta e inserção de estagiários na organização, promoção da empregabilidade, capacitação e disseminação da cultura do empreendedorismo junto das comunidades para desenvolvimento de projectos sustentáveis, assim como a criação de postos de trabalho.

    Através deste protocolo os colaboradores contratados pela MCA naquele mercado vão passar a beneficiar de um curso de empreendedorismo e gestão básica de negócios certificado pelo INEFOP, que promove o desenvolvimento de competências, potenciando a sua capacidade de desenvolver, implementar e gerir o próprio negócio.

    Actualmente, nas empreitadas dos parques fotovoltaicos que estão em implementação pela MCA neste país, está em curso o projecto Re-Cycle através de uma formação em carpintaria, através da qual os formandos são desafiados a criar peças de mobiliário, nomeadamente centenas de bancos, cadeiras, mesas, camas e outros objectos reaproveitando a madeira das paletes que são utilizadas para transporte e embalamento dos painéis fotovoltaicos.

    Com este protocolo, a MCA, no quadro da sua cultura organizacional de contratar e formar mão- de-obra local, passa também a contar com o apoio do INEFOP para a selecção e recrutamento dos formandos dos centros de formação para o preenchimento das vagas de emprego, estágios profissionais remunerados, atribuição de carteiras profissionais, bem como para a Formação Pedagógica Inicial de Formadores.

    “A MCA tem o compromisso de empoderar as próximas gerações. Este protocolo é a demonstração do nosso compromisso público de continuar a apostar na inovação, em projectos e acções de capacitação que ajudam os nossos colaboradores e as próximas gerações a obterem rendimentos com negócios próprios”, destaca Elisabete Alves, PCA da MCA Angola.

    A MCA compromete-se, assim, que, no mínimo, 50% das vagas de funções operacionais a contratar localmente sejam ocupadas pelos candidatos seleccionados pela delegação do INEFOP na região onde a empresa apresentar necessidade de mão-de-obra.

    “O INEFOP é a instituição que tem como missão a concepção, materialização e aplicação das políticas públicas nos domínios do emprego, formação profissional e empreendedorismo, no âmbito do sistema Nacional de Emprego e formação Profissional. Reconhecemos o papel do sector privado e esse protocolo visa aproximar o sector público e o privado com vista a adopção de medidas para a melhoria do desempenho dos Sistemas Nacionais de Emprego e Formação Profissional”, refere por sua vez António Agostinho Pereira, director geral adjunto do INEFOP.
    O protocolo tem a duração de três anos, podendo ser renovado automaticamente por igual período.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Imobiliário

    Pestana Hotel Group com novo investimento em Porto Covo

    Em menos de 24 meses, grupo hoteleiro, através da sua marca de imobiliário turístico Pestana Residences, concluiu a venda dos 174 apartamentos do Pestana Porto Covo Village, cuja finalização está prevista para 2025. Já em fase final de licenciamento está um novo empreendimento constituído por 246 apartamentos

    CONSTRUIR

    Após concluir as vendas do primeiro empreendimento em Porto Covo, o Pestana Porto Covo Village, a marca Pestana Residences, a área de referência do grupo para o segmento imobiliário e residencial, responsável por empreendimentos em Tróia e na Comporta, vê agora uma nova oportunidade ao expandir a sua oferta na vila alentejana, com o Pestana Porto Covo Beach Residences.

    Este futuro empreendimento estará localizado na frente-mar e será constituído por 246 apartamentos, com piscinas privativas, inseridos num condomínio privado, que contará com uma área comum de jardins e espaços de lazer. À semelhança dos projectos anteriores, caberá ao Pestana Hotel Group a gestão do condomínio, a prestação de serviços e a operação turística, que, por sua vez, oferece a possibilidade de rentabilidade sobre o imóvel.

    “Existem três razões fundamentais para o sucesso dos nossos projectos. A primeira é a localização estratégica de cada empreendimento. A segunda é a credibilidade e a confiança que o grupo oferece aos investidores-clientes, que têm acompanhado as fases de lançamento de cada projecto, resultando historicamente num ritmo acelerado nas vendas. Por fim, a comercialização em planta, com preços apelativos, tem permitido aos compradores obter mais-valias ou uma valorização significativa”, assinala José Roquette, Chief Development Officer (CDO) do Pestana Hotel Group.

    O projecto do futuro Pestana Porto Covo Beach Residences está a ser desenvolvido pelo Atelier Gonçalo Salazar de Sousa Arquitectos, e as obras de construção serão asseguradas pela Carvoeiro Construções, empresa detida pelo grupo.

    “Após a concretização dos projectos do grupo em Tróia, na Comporta e nos Brejos da Carregueira, ficou evidente que havia ainda espaço de expansão na costa alentejana, mas que nos levou um pouco mais a sul, até Porto Covo, um destino com uma autenticidade única. A ligação da vila ao mar e sua a proximidade a Lisboa que se acentuará em breve com a conclusão da autoestrada até Sines, são ainda factores essenciais para o sucesso dos nossos projectos”, acrescenta José Roquette.

    Este será o quinto projecto imobiliário desenvolvido na costa alentejana pelo grupo fundado há mais de 50 anos por Dionísio Pestana.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Indelague com nova página na Internet

    Disponível em indelaguegroup.com, o novo website foi criado, segundo a empresa “para melhorar a experiência do cliente, oferecendo uma imagem mais actual, um design inovador e uma navegação optimizada”

    CONSTRUIR

    A Indelague, empresa portuguesa especialista em soluções de iluminação, acaba de anuncia o lançamento de uma nova página na Internet.

    Disponível em indelaguegroup.com, o novo website foi criado, segundo a empresa “para melhorar a experiência do cliente, oferecendo uma imagem mais actual, um design inovador e uma navegação optimizada”. Em comunicado, os responsáveis da Indelague explicam que a página “desenvolvida com o objectivo de proporcionar uma navegação mais intuitiva, dinâmica e adaptada a todos os dispositivos. A plataforma renovada apresenta milhares de produtos das diversas gamas da Indelague, organizados de forma clara e acessível. Os clientes têm agora a possibilidade de criar uma conta no site, o que lhes dá acesso a uma nova funcionalidade de ‘Wishlist’ . Esta permite seleccionar e guardar os seus produtos favoritos para visualizar mais tarde, além de proporcionar acesso privilegiado a downloads relevantes”.

    O site está disponível em cinco línguas (português, inglês, francês, espanhol e alemão), facilitando o acesso para uma audiência global. A informação no site está dividida em dois segmentos principais, visando a relevância para o cliente. O primeiro segmento do menu agrupa produtos, inspiração e empresa, enquanto o segundo segmento inclui serviços & downloads, novidades e configurador.

    Na página inicial, os visitantes encontrarão uma síntese ou destaques dos principais conteúdos do website, como projectos, novos produtos e o configurador, garantindo uma visão rápida e abrangente do que a Indelague tem para oferecer.

    Miguel Silva, CEO da Indelague, comenta que “o lançamento do novo website é fruto de um esforço conjunto notável para criar uma plataforma moderna e eficaz. Dedicámos tempo e recursos para proporcionar uma experiência de navegação de excelência para os nossos clientes. Este website demonstra o nosso empenho constante em inovar e melhorar, mostrando o nosso compromisso com a qualidade em todas as áreas. Com esta nova plataforma, a Indelague reafirma o seu compromisso com a inovação e a excelência, proporcionando aos seus clientes uma ferramenta eficaz e amigável para explorar os seus produtos e serviços”.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Imobiliário

    Actividade de Abril, Maio e Junho acentua resultados da ERA Portugal

    A ERA Portugal acaba de divulgar os resultados da operação referentes ao 2º trimestre de 2024. Os principais indicadores evidenciam um crescimento muito significativo do negócio, ainda assim a rede imobiliária alerta para os sinais evidentes de falta de oferta

    CONSTRUIR

    A facturação referente aos meses de Abril, Maio e Junho deste ano ronda os 25 milhões de euros, o que representa o melhor trimestre de sempre da ERA em Portugal a nível deste indicador. Maio foi mesmo o melhor mês nos 26 anos de história da ERA em Portugal, tendo a rede registado uma facturação de aproximadamente 9 milhões de euros. Junho não ficou aquém, com 8,6 milhões de euros facturados. Um resultado que contraria a habitual quebra de negócio verificada no início do Verão.
    Assim, no primeiro semestre de 2024 a ERA facturou cerca de 46 milhões de euros (+9% face ao último semestre do ano passado e +10% em relação ao período homólogo). “No início do ano, ao perspectivar o que seria 2024, antecipei um crescimento a dois dígitos. Talvez por virmos de um contexto menos favorável, muitos acharam pouco realista ou, pelo menos, demasiado ambicioso da minha parte, mas, como se constata por estes números, as previsões estavam correctas. Apesar de ainda estarmos apenas no final do 1º semestre, os recordes atingidos deixam antever um crescimento significativo para este ano”, considera Rui Torgal, CEO da ERA Portugal.

    A tendência a nível de negócios reportados é estável face, por exemplo, a 2022, sendo que a diferença para o resultado deste ano deve-se, sobretudo, a um aumento relevante do ticket médio. Neste 2º trimestre, o preço médio rondou os 185 mil euros (+8,2% vs. trimestre anterior e +7,7% vs período homólogo).

    Os negócios reportados na rede ERA atingiram os 5736 no 1º semestre (+ 5,2% vs. o período homólogo). Em particular no 2º trimestre, o total de negócios reportados foi 2983 (+8,4% em relação aos primeiros três meses do ano e +7,5% face ao mesmo período em 2023).

    No que respeita ao valor dos negócios reportados, o total do 2º trimestre rondou os 485 milhões de euros (+17,8% vs. período homólogo).

    O mercado regista uma queda nas angariações e no número de clientes vendedores, o que agrava a pouca oferta disponível em Portugal. O número de angariações do primeiro semestre subiu +15% face ao período anterior, mas decresceu -9% face ao período homólogo. O 2º trimestre foi particularmente desafiante do lado da oferta, com uma descida de -3% na comparação com o trimestre anterior e -4% face ao período homólogo. Quase todos os meses ficaram abaixo do período homólogo, com excepção de Abril de 2024.

    “Como podemos ver por estes dados, a oferta é menor a cada trimestre que passa e, tal como tenho vindo a dizer, este é um cenário alarmante para os portugueses. Por muito que as medidas apresentadas pelo novo Governo sejam, em geral, uma boa noticia para o sector, o elevado tempo de implementação das mesmas irá conduzir a uma constante redução do stock que, consequentemente, fará aumentar o preço médio dos imóveis. É cada vez mais urgente criarem-se soluções rápidas para esta crise, que acaba por ter um impacto directo e cada vez mais nefasto em toda a economia do país”, afirma Rui Torgal, CEO da ERA Portugal.

    Portugueses acentuam o domínio enquanto compradores

    O ranking de países de origem dos clientes compradores em Portugal manteve-se estável no 1º semestre, com Índia e Ucrânia a intrometerem-se no Top10. Contudo, 78% dos compradores da ERA no 1º semestre deste ano são portugueses. Este dado acentua o domínio dos cidadãos nacionais face ao período homólogo em 2023, no qual representavam 73% do total.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Imobiliário

    Preços das casas aumentam 5% no primeiro semestre

    O preço das casas em Portugal cresceu 5% no primeiro semestre de 2024, um período em que a oferta de imóveis disponíveis no mercado também aumentou, de acordo com os dados da Alfredo

    CONSTRUIR

    O Doutor Finanças, especialista em finanças pessoais, em conjunto com a Alfredo, uma plataforma de Inteligência Artificial que recolhe dados do setor imobiliário, acaba de divulgar o balanço dos dados imobiliários dos primeiros seis meses deste ano.

    O preço das casas em Portugal cresceu 5% no primeiro semestre de 2024, um período em que a oferta de imóveis disponíveis no mercado também aumentou, de acordo com os dados da Alfredo.

    “Mais uma vez, o índice de preços da Alfredo, mostra-nos exatamente o que está a acontecer no mercado imobiliário em Portugal através de informações atuais e fidedignas, baseadas em transações reais. Uma ferramenta que é, sem dúvida, fundamental e uma mais-valia para quem está, neste momento, a pensar em comprar ou vender uma casa”, afirma Sérgio Cardoso, administrador com o pelouro da Academia Doutor Finanças.

    Em junho, o valor médio por metro quadrado nas principais capitais de distrito do país fixou-se nos 2.868 euros, o que compara com 2.730 euros no mês de dezembro. No que diz respeito à oferta, havia cerca de 200.097 casas disponíveis no mercado em junho, mais do que no final do ano passado (173.293 imóveis).

    Ponta Delgada apresenta a maior subida do preço das casas

    Considerando a evolução no último ano, o preço das habitações em Portugal aumentou 8,1% em junho, depois dos crescimentos homólogos de 7,1%, 8,8% e 6,5% nos três meses anteriores.

    Entre as 20 regiões analisadas, os preços subiram em 17 e diminuíram em três: Castelo Branco, Portalegre e Vila Real. Por outro lado, Ponta Delgada foi a região com o maior crescimento homólogo (20,9%), seguindo-se Aveiro (19,7%), Viana do Castelo (18,2%) e Leiria (15,4%).

    Leiria também se destacou como a região com a margem de negociação de preços mais elevada do território nacional, em junho, de 17,8%. A margem de negociação é o desconto esperado entre o preço de listagem (asking price) e o valor pelo qual a transação vai fechar.

    A seguir surgem Setúbal (15,6%), a Ilha da Madeira (15,4%) e a Guarda (14,4%), e com as margens mais baixas evidenciam-se Viseu (0,69%), Coimbra (1,91%) e Faro (2,22%).

    “Sabermos qual a taxa de desconto que está a ser praticada no mercado é relevante para quem está a pensar colocar um imóvel à venda ou para quem está à procura de casa para comprar. Estes dados oferecem maior visibilidade sobre a realidade do mercado imobiliário e expõem a diferença entre aquilo que vemos nos anúncios e aquilo que é a realidade”, refere Gonçalo Abreu, CEO e um dos cofundadores da Alfredo.

    O Índice de Preços Alfredo reúne informação de vários portais públicos de listagem e sites de agências imobiliárias com dados de transação que são posteriormente trabalhados utilizando algoritmos avançados de Inteligência Artificial, o que permite mostrar a realidade do mercado imobiliário em Portugal de uma forma ímpar. O Doutor Finanças é parceiro da Alfredo no relatório emitido com dados em tempo real.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Financiamento europeu de mais de 800M€ para ‘Alta-Velocidade’ aprovado

    A candidatura havia sido submetida no âmbito do Programa “Connecting Europe Facility for Transport 2” (CEF 2), para o cofinanciamento da Fase 1 do Projecto da Linha de Alta Velocidade (LAV) Porto-Lisboa

    CONSTRUIR
    tagsTGV

    O Estado Português, através da Infraestruturas de Portugal, viu esta quarta-feira, dia 17 de Julho, aprovada a candidatura submetida no âmbito do Programa “Connecting Europe Facility for Transport 2” (CEF 2), com vista a solicitar o cofinanciamento da Fase 1 do Projecto da Linha de Alta Velocidade (LAV) Porto-Lisboa, correspondendo a uma comparticipação de 813 milhões de euros.

    O referido programa é um instrumento de financiamento comunitário que visa apoiar o desenvolvimento de novas infraestruturas de transportes no âmbito da Rede Transeuropeia de Transportes (RTE-T) Principal, na qual se inclui a LAV Porto-Lisboa. Foram, ao todo, aprovadas 134 propostas, avaliadas em mais de 7 mil milhões de euros.

    “O substancial apoio que a União Europeia aprovou para a primeira fase do projeto de Alta Velocidade vem confirmar que a estratégia que está a ser prosseguida é a mais correta nas suas múltiplas dimensões”, afirma Miguel Pinto Luz, ministro das Infraestruturas e Habitação.

    Este anúncio coincide com a autorização de despesa para o lançamento do concurso, com vista à execução do segundo troço da Linha de Alta velocidade (LAV) Porto-Lisboa, correspondente a Oiã-Soure, após aprovação em reunião de Conselho de Ministros, num montante máximo de 1 604 296 194,12 euros (Valor Actual Líquido).

    Para este projecto, a Infraestruturas de Portugal propôs a adopção de um modelo de parceria público-privada, abrangendo as componentes de concepção, projecto, construção, financiamento, manutenção e disponibilização, através de três contratos. Numa primeira fase são dois os troços –  Porto-Oiã e Oiã-Soure – e já numa segunda fase, de Soure-Carregado.

    A concretização do projecto da LAV Porto-Lisboa, incluído no Programa Nacional de Investimento 2030 (PNI2030) contabiliza já um primeiro concurso, lançado em Janeiro de 2024, para execução do primeiro troço, Porto (Campanhã) – Oiã, sobre o qual o júri do concurso já se pronunciou sobre a proposta dada como válida.

    O lançamento do terceiro concurso, referente à fase 2, troço Soure-Carregado, está previsto para o início do ano de 2026, estando em fase de conclusão o Estudo Prévio e do Estudo de Impacte Ambiental, para sua submissão à Agência Portuguesa do Ambiente, para dar início à Avaliação de Impacte Ambiental.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Mota-Engil assina acordo de 1,1MM€ para construção de fábrica no México

    A Mota-Engil México será a empresa responsável pela coordenação global do projecto, indicou o grupo, “integrando a empresa associada Duro Felguera, que aportará a sua vasta experiência e `know-how` especializado em construção industrial e energia, num primeiro projecto em conjunto”

    CONSTRUIR

    A Mota-Engil assinou um acordo no México, com uma subsidiária da estatal Petróleos Mexicanos, para a construção de uma unidade industrial, incluindo um contrato de construção de cerca de 1,1 mil milhões de euros (1,2 mil milhões de dólares).

    Num comunicado, publicado na Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Mota-Engil informa que, através da sua participada Mota-Engil México, “assinou um acordo com a Pemex Transformación Industrial, subsidiária da empresa petrolífera estatal mexicana, Petróleos Mexicanos (Pemex), para a construção de uma unidade industrial de fertilizantes em Escolín, Poza Rica, Estado de Vera Cruz”.

    Segundo o grupo, o “acordo tem como objecto o desenvolvimento da engenharia, construção, financiamento e operação de uma unidade de produção de amoníaco, ureia e Adblue com uma produção equivalente superior a 700.000 toneladas por ano”.

    A Mota-Engil explicou que “a construção desta unidade reduzirá a importação de fertilizantes e robustecerá de forma relevante a autonomia produtiva do setor agrícola no país”, sendo que, paralelamente, promoverá “igualmente soluções de sustentabilidade ambiental, através da redução da emissão de gases poluentes libertados para a atmosfera, que a incorporação de Adblue nos combustíveis promove”.

    Este contrato estabelece que o cliente “entrega as matérias-primas principais (gás e água), sendo da responsabilidade do operador a transformação das mesmas e a entrega do produto final”, sendo que não existe, assegurou, “qualquer risco de variação do preço das matérias-primas e/ou responsabilidade na comercialização do produto final”.
    “O projecto será desenvolvido em três fases, sendo que a primeira, com uma duração entre quatro e seis meses, envolve o desenvolvimento de estudos de viabilidade de engenharia”, disse a Mota-Engil, explicando que se segue a fase de construção, estimada em 42 meses, “com um investimento de 1,2 mil milhões de dólares americanos, seguindo-se a fase de operação técnica da unidade durante 20 anos”.

    No acordo, a remuneração “será efectuada através das tarifas correspondentes aos pagamentos por disponibilidade durante o período de operação da unidade industrial de 20 anos”. A remuneração do investimento tem “uma tarifa fixa, actualizada anualmente à taxa de inflação, estando a componente de remuneração da operação indexada à performance”, destacou.

    A Mota-Engil México será a empresa responsável pela coordenação global do projecto, indicou o grupo, “integrando a empresa associada Duro Felguera, que aportará a sua vasta experiência e `know-how` especializado em construção industrial e energia, num primeiro projecto em conjunto”.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB

    Navegue

    Sobre nós

    Grupo Workmedia

    Mantenha-se informado

    ©2024 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.