Edição digital
Assine já
Bruno Carvalho de Matos
Construção

Ética e conflitos de interesse na construção: um problema persistente

“Existe a tendência para desresponsabilizar erros de projeto (arquitetura e engenharias) e transferi-los para os empreiteiros. Por seu turno, os empreiteiros (…) procuram compensar prejuízos ou incrementar ganhos com trabalhos a mais e redução de custos (…). No fim, quem perde é o cliente”

Bruno Carvalho de Matos
Construção

Ética e conflitos de interesse na construção: um problema persistente

“Existe a tendência para desresponsabilizar erros de projeto (arquitetura e engenharias) e transferi-los para os empreiteiros. Por seu turno, os empreiteiros (…) procuram compensar prejuízos ou incrementar ganhos com trabalhos a mais e redução de custos (…). No fim, quem perde é o cliente”

Sobre o autor
Bruno Carvalho de Matos

Além do turismo, agora diminuído com o impacto da pandemia, a economia em Portugal é muito pouco diversificada a menos dos setores ligados à construção (imobiliário, edifícios e infraestruturas, arquitetura e engenharia, equipamentos e materiais), por vários motivos: problemas de escala, de know-how e de capital para sermos competitivos noutras áreas; os incentivos da UE normalmente impelem nesse sentido; do seu comportamento dependem ciclos eleitorais.

Porém, são facilmente identificados vários problemas estruturais associados a esta indústria e que tendem a não ser resolvidos ou mitigados, nomeadamente: elevada fragmentação e volatidade do mercado; concorrência centrada no preço; falta de mão de obra especializada, formação e qualificação; falta de inovação; ineficiências ao nível da produtividade, qualidade e segurança.

Ainda assim, uma questão normalmente preterida, mas com custos de oportunidade potencialmente muito significativos, derivados de atos moralmente incorretos ou ilíticos que impactam a confiança e o desempenho na indústria, é a denominada ética e deontologia profissional.

A estipulação de um código de ética e conduta inclusivo e consensual, pautado pelo moralmente correto para os diferentes tipos de interações e transações, é algo dificilmente alcançável e gerivel, requerendo-se sempre para esta matéria a identificação dos valores em conflito e a análise de diferentes argumentos, caso a caso. Tem havido, contudo, várias iniciativas dispersas neste sentido, ao nível de empresas, implementando programas de ética e compliance; de ordens profissionais, estabelecendo normas e regulação; e da própria justiça, administrando leis. No final do dia está em causa a aplicabilidade e eficácia destas medidas que, em geral, se baseiam em princípios como integridade, respeito e responsabilidade.

Simplificadamente, este domínio resume-se ao seguinte: alinhamento de interesses que movem o ser humano e seu potencial para conflito.

Na construção podem destacar-se exemplos de conflito de interesses em casos como o conluio em processos de concurso, quebras de confidencialidade, corrupção, suborno, défice de competências, e omissão de erros de projeto ou obra, em detrimento dos clientes. Neste sentido, eventuais benefícios de curto prazo são facilmente superados por consequências de médio e longo prazo que podem implicar, além da deterioração da reputação e respetivo impacto no negócio, suspensão ou anulação de licenças, multas e, no limite, processos criminais.

As relações entre os vários intervenientes em projetos de construção são normalmente baseadas em contratos, que procuram reger o modo de atuação por meio de acordos, mas que ainda assim não são suficientes para evitar mais de 90% dos conflitos na indústria, cuja causa principal reside precisamente na comunicação e interpretação do âmbito e responsabilidades, naturalmente influenciada pelo interesse das partes. Neste sentido, assiste-se repetidamente não só a insuficiências contratuais, mas a leituras e atitudes mal- intencionadas ou até à negação de factos por meio de mecanismos de psychological defence que visam preservar a auto-estima dos visados.

Por exemplo, existe a tendência para desresponsabilizar erros de projeto (arquitetura e engenharias) e transferi-los para os empreiteiros. Por seu turno, os empreiteiros, comummente condicionados pela estratégia do preço mais baixo, procuram compensar prejuízos ou incrementar ganhos com trabalhos a mais e redução de custos em materiais e mão-de-obra, comprometendo por vezes a qualidade pretendida. No fim, quem perde é o cliente.

Embora o maior incentivo para fazer o que está certo é as pessoas perceberem e sentirem que a sociedade e as organizações funcionam melhor dessa forma, demonstra-se que quanto mais regras criteriosas, regulação e justiça houver, maior será o estimulo às boas práticas.

O desenvolvimento de processos de avaliação de risco e de procedimentos de controlo financeiros e não-financeiros aplicáveis a profissionais e empresas tem sido uma tendência crescente na indústria, mas que requer liderança, formação, certificação e monitorização.

De facto, interessa saber o seguinte: seremos capazes de agir corretamente, em prol do bem comum, sob qualquer circunstância, mesmo quando “ninguém está a ver”?

NOTA: O autor escreve segundo o Novo Acordo Ortográfico

Sobre o autorBruno Carvalho de Matos

Bruno Carvalho de Matos

Engenheiro civil senior, MRICS PMP MSc e MBA pela Católica | Nova
Mais artigos

Toda a informação sobre o sector da construção, à distância de um clique.

Assine agora a newsletter e receba diariamente as principais notícias da Construção em Portugal. É gratuito e não demora mais do que 15 segundos.

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.