Edição digital
Assine já
Bruno Carvalho de Matos
Construção

Sustentabilidade na Construção: importância ambiental e sócio-económica

Só em Portugal existem 3 milhões de casas de primeira habitação e 30% das famílias (valor muito superior à média europeia) em situação de pobreza energética, ou seja, com dificuldades em conseguir conforto térmico, sendo apenas ultrapassado, na Europa, por países como a Lituânia, Bulgária e Chipre

Bruno Carvalho de Matos
Construção

Sustentabilidade na Construção: importância ambiental e sócio-económica

Só em Portugal existem 3 milhões de casas de primeira habitação e 30% das famílias (valor muito superior à média europeia) em situação de pobreza energética, ou seja, com dificuldades em conseguir conforto térmico, sendo apenas ultrapassado, na Europa, por países como a Lituânia, Bulgária e Chipre

Sobre o autor
Bruno Carvalho de Matos

O ambiente construído consome mais de 50% dos recursos naturais do planeta, em particular o segmento dos edifícios, que, só na União Europeia, é responsável por 40% dos consumos energéticos e, ainda, por 36% das emissões totais de gases de efeito de estufa.

Só em Portugal existem 3 milhões de casas de primeira habitação e 30% das famílias (valor muito superior à média europeia) em situação de pobreza energética, ou seja, com dificuldades em conseguir conforto térmico, sendo apenas ultrapassado, na Europa, por países como a Lituânia, Bulgária e Chipre.

O parque imobiliário nacional tem assim um imenso potencial para o combate às alterações climáticas, através da redução dos consumos e emissões, enquanto se aumentam os padrões de segurança e conforto dos seus utilizadores. Deste modo, aumentando o seu desempenho energético e ambiental, as edificações podem favorecer significativamente o cumprimento de metas como a neutralidade carbónica até 2050, ao abrigo da estratégia do “World Green Building Council”, que por sua vez contribui para o “Acordo de Paris”.

Neste sentido, existem atualmente instrumentos facilitadores da eficiência energética e descarbonização, com medidas aplicáveis a edifícios novos e existentes, ao nível europeu, como o “Pacote de Energia Limpa”, e ao nível nacional, como o “Roteiro para a Neutralidade Carbónica (RNC)”, o “Plano Nacional Energia e Clima (PNEC)” e a “Estratégia de Longo Prazo para a Renovação de Edifícios (ELPRE)”. Recentemente foi ainda publicado em Portugal o Decreto-Lei 101-D/2020, que regula o “Sistema de Certificação Energética (SCE)” e estabelece requisitos de sustentabilidade para a conceção e renovação de edifícios.

Contudo, é reconhecido que as medidas têm sido insuficientes e ineficazes, carecendo de uma política fiscal mais adequada, que beneficie a aplicação de materiais e tecnologias mais sustentáveis, e de uma maior consciencialização e sensibilização ambiental das pessoas e empresas, através de mais campanhas e políticas de proximidade. É também necessário assegurar mais incentivos financeiros para a promoção da eficiência energética dos edifícios, muito além de casos como o programa “Edifícios mais Sustentáveis”, tirando partido de verbas previstas para este âmbito, por exemplo, no Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), que superam os 600 milhões de euros. Por efeito, a economia nacional também beneficiaria destas ações, que estimulariam a atividade de um setor determinante para o PIB, principalmente por via das PMEs, pela sua importância no tecido empresarial e na geração de emprego.

Uma tendência crescente, justificada não só pelo impacto ambiental positivo, mas também pelo retorno financeiro, tem sido as certificações internacionais de sustentabilidade para edifícios, destacando-se o segmento de escritórios, tais como BREEAM, LEED e WELL. Apesar do investimento adicional, que tendencialmente não ultrapassa 5% do total, mostra-se que este acréscimo é facilmente ultrapassado no futuro com custos operacionais mais reduzidos, rendas superiores, menores tempos de comercialização e taxas de disponibilidade mais baixas, ao permitir espaços energeticamente mais eficientes e confortáveis para os seus utilizadores.

Muito além da certificação, a sustentabilidade deve ser uma prioridade, marcando presença em cada fase do ciclo de vida dos ativos construídos, com as entidades ligadas à operação e manutenção assumindo um papel preponderante, e, sobretudo, nas empresas do setor da construção e imobiliário, que devem promover as melhores práticas ao nível dos empreendimentos bem como das próprias organizações, de forma integrada, nas dimensões ambiental, social e económica.

Com vista a diminuir os consumos de energia e água e a produção de resíduos, destaca-se ainda o conceito de economia circular, que assenta na redução, reutilização e reciclagem de materiais e energia, mitigando assim o desperdício e a poluição. Também a transformação digital desempenha o seu papel na sustentabilidade, ao proporcionar ferramentas que permitem mais facilmente obter soluções energeticamente otimizadas, por meio de metodologias como o “Building Information Modelling (BIM)”.

O caminho para um futuro mais verde e resiliente está na ordem do dia, com os padrões de sustentabilidade a assumirem-se cada vez mais como requisitos incontornáveis para a gestão dos empreendimentos e das organizações, aumentando assim os custos de oportunidade de não investir em construção sustentável, que poderão abranger desde a depreciação do valor dos ativos e empresas a penalizações devidas a emissões de carbono excessivas.

 

NOTA: O autor escreve segundo o Novo Acordo Ortográfico

Sobre o autorBruno Carvalho de Matos

Bruno Carvalho de Matos

Engenheiro civil senior, MRICS PMP MSc e MBA pela Católica | Nova
Mais artigos

Toda a informação sobre o sector da construção, à distância de um clique.

Assine agora a newsletter e receba diariamente as principais notícias da Construção em Portugal. É gratuito e não demora mais do que 15 segundos.

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.