Startups e REIT’s são oportunidades de negócio

Por a 6 de Março de 2018

Em representação de várias Socimi’s  em Espanha, António Braz afirmou ao CONSTRUIR, esperar que Portugal adopte este modelo de negócio, ainda este ano, de forma a incrementar o dinamismo no sector imobiliário.

Em que áreas vão actuar?

A Gesvalt vai actuar nas suas áreas de excelência, ou seja, consultoria e avaliação de activos, sejam eles imobiliários, financeiros, empresariais ou industriais. Aliás, uma das áreas em que a Gesvalt pretende destacar-se em Portugal é na avaliação de startups, uma vez que temos experiência acumulada de mais de 20 anos a avaliar activos intangíveis como tecnologias, processos e marcas, mas também patentes. Uma outra vertente da nossa actividade passa, também por processos de fusões e aquisições de empresas.

Investimento previsto para entrar em Portugal?

O novo escritório da Gesvalt em Portugal significou a constituição de uma empresa 100% nacional e o investimento na contratação de uma equipa de 60 consultores, técnicos e avaliadores em todo o território nacional e ilhas, equipa esta que vai crescer em função das necessidades do mercado. O novo escritório em Portugal vem, também, alargar a nossa presença internacional. Além dos 15 escritórios que temos em Espanha, estamos ainda em 14 países e 40 cidades, da Europa à Ásia, à América Latina.

Tendo em conta o crescente interesse em Portugal, já existem empresas espanholas interessadas em investir aqui através das Gesvalt?

Enquanto consultora de avaliação, temos uma carteira de clientes nacionais e internacionais, entre os quais se encontram os principais bancos a actuar no País, fundos de investimento, bem como outras empresas de diferentes sectores de actividade como o sector segurador, hoteleiro, industrial e naturalmente o imobiliário. A Gesvalt tem uma oferta completa de serviços de Consultoria e Avaliação para entidades financeiras, empresas, administração pública e particulares e uma presença internacional que nos vai permitir apoiar este ponto de viragem muito positivo em que se encontra o mercado português.

Tendo em conta que representam várias Socimi’s em Espanha (REITs em Portugal) e sendo esta ainda uma forma de negócio com crescente interesse, de que forma é que essas sociedades espanholas podem tirar partido do “bom momento” que Portugal atravessa?

O tema das REITs (Real Estate Investment Trust) ou, como muito bem refere, Socimi’s em Espanha, é muito relevante porque trará a Portugal um dinamismo ainda maior ao sector imobiliário. É uma prática comum noutros mercados europeus e esperamos que Portugal adopte este modelo ao longo deste ano. E sendo a Gesvalt um Assessor Imobiliário de referência para grande parte dos REIT’s consolidadas no mercado e para muitas que se encontram em processo de constituição no mercado Ibérico, podemos confirmar que se trata de uma área com um potencial muito interessante.

Em Espanha qual o volume de negócios em 2017?

Mais importante que os dados sobre o mercado espanhol, são os dados globais da nossa operação em 2017 e dos quais destacamos os seguintes: mais de 100.000 avaliações hipotecárias; mais de 35.300 avaliações industriais; mais de 350 Avaliações de imóveis corporativos e mais de 850 milhões de dólares em avaliação de patrimónios financeiros.

Perspectivas do volume de negócios para 2018 tendo em conta o escritório em Portugal?

As expectativas para 2018 são positivas, em linha com o desenvolvimento que se espera para a economia portuguesa, quer por via das exportações, quer pela captação de investimento estrangeiro no País. O esforço de ajustamento que o país fez incrementou a confiança dos empresários e dos investidores, pelo que esperamos poder vir a apoiar importantes iniciativas de empresários e investidores.

O comportamento dos investidores nos últimos meses foi muito interessante, com uma tendência muito clara para outros tipos de activos imobiliários. Por exemplo, podemos indicar que só neste primeiro mês de 2018, Portugal bateu todos os registos de volumes de transacção num sector tão específico como o retail market, com um volume de investimento de mais de mil milhões de euros, quando nos últimos dois anos esse valor foi de 850 milhões.

Mas também podemos destacar outro tipo de activos em que estamos a verificar grande interesse, como hotéis, em que houve um crescimento muito grande nos últimos dois anos, mas também os espaços de co-working. Com a reabilitação de armazéns e fábricas situadas nas zonas costeiras de Lisboa e Porto, a oferta deste tipo de activos aumentou consideravelmente. E isto também se deve ao facto de Portugal ser um dos países com maior número de Startups na Europa e, também, pelo facto de receber a WebSummit. Finalmente, o mercado da logística também pode vir a ter um impulso relevante se se confirmar a entrada da Amazon no país.

 

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *