Governo de Angola suspende construção de novo porto de Luanda

Por a 8 de Junho de 2018


Os primeiros sinais de que a obra poderia estar em risco surgiram em Janeiro, quando o recém-eleito presidente do Governo, João Lourenço, ordenou a revisão do processo de atribuição da construção do novo porto da Barra do Dande, uma iniciativa promovida pelo anterior presidente, José Eduardo dos Santos, e avaliada em 1500 milhões de dólares. Agora, surge a confirmação de que está suspensa a execução dos trabalhos, uma decisão que consta de uma informação enviada em maio aos investidores internacionais pelo Governo angolano.
No documento admite-se que o Governo “pretende construir um segundo porto comercial nas proximidades de Luanda”, na Barra do Dande, com capacidade para movimentar 3,2 milhões de toneladas de carga por ano.
Contudo, como recorda a mesma informação, até ao momento o Governo não emitiu a garantia do Estado aprovada pelo Presidente José Eduardo dos Santos, e refere que “ainda está em processo de avaliação dos aspectos técnicos do projecto”.
O actual porto de Luanda, o maior do país e construído no período colonial em pleno centro da capital angolana, é propriedade do Estado angolano, mas a operação dos seus terminais está entregue a oito empresas privadas. O porto de Luanda movimenta aproximadamente 5,4 milhões de toneladas de carga por ano e recebeu obras de modernização de 130 milhões de dólares, concluídas em 2014. Antes disso, recorda o Governo, o porto de Luanda “estava altamente congestionado”, com um tempo médio de espera superior a 10 dias.
A ordem para parar o processo de construção do novo porto, na Barra do Dande, surgiu publicamente em Janeiro, pela voz do Presidente João Lourenço: “Vamos procurar rever todo o processo no sentido de, enquanto é tempo, e porque o projecto não começou ainda a ser executado, corrigirmos aquilo que nos parece ferir a transparência, na medida em que um projecto de tão grande dimensão quanto este, que envolve biliões, com garantia soberana do Estado, não pode ser entregue de bandeja, como se diz, a um empresário, sem concurso público”, disse João Lourenço, citado pela imprensa angolana.

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *