Governo apresenta projecto de financiamento para novo hospital em Évora

Por a 11 de Janeiro de 2019


O Governo aprovou, em Conselho de Ministros, uma resolução que “estabelece o carácter prioritário” da construção do Hospital Central do Alentejo, em Évora, definindo-o como “projecto estruturante de investimento público”, uma obra para a qual será apresentado o respectivo projecto de financiamento.
Até 2023 deverão estar concluídos os trabalhos de construção de uma infra-estrutura considerada fundamental e que agora está enquadrado no Programa de Estabilidade 2018-2022.

Segundo o Governo, o Hospital Central do Alentejo “consubstancia uma iniciativa essencial para a obtenção de ganhos de racionalidade e eficiência no desempenho e funcionamento da rede hospitalar no Alentejo, com importantes benefícios para as populações ao nível da modernização e da qualidade de prestação de cuidados de saúde”.

“A concretização deste projecto”, acrescenta o comunicado do Conselho de Ministros”, vem dar cumprimento ao Programa do Governo no que respeita ao reforço do desempenho do SNS, melhorando a equidade no acesso e a qualidade dos serviços prestados, numa perspectiva de proximidade aos cidadãos e em defesa do Estado Social”.

Em Janeiro de 2018, em Évora, o primeiro-ministro, António Costa, anunciou que o Governo iria propor a dotação de 40 milhões de euros para o arranque da construção da nova unidade hospitalar, no âmbito da reprogramação do Portugal 2020.

Quando o projecto do novo hospital central foi lançado, em 2010, no período de governação de José Sócrates (PS), a unidade estava projectada para ter uma capacidade de 351 camas, extensível a 440, num investimento previsto, na altura, na ordem dos 94 milhões de euros.
Em Agosto de 2011, o então ministro da Saúde, Paulo Macedo, no Governo PSD/CDS-PP, anunciou, em declarações à Lusa, que a construção do novo hospital iria ser reavaliada tendo em conta “a realidade do país”, voltando, em Maio de 2015, a considerar avançar com o projecto, mas sem se comprometer com datas para o início da obra.

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *