Edição digital
Assine já
Construção

Novo software controla online todas as fases de uma empreitada

Ferramenta que “controla online todos os passos de uma empreitada, permitindo reduzir falhas, custos e prazos da obra

Ana Rita Sevilha
Construção

Novo software controla online todas as fases de uma empreitada

Ferramenta que “controla online todos os passos de uma empreitada, permitindo reduzir falhas, custos e prazos da obra

Sobre o autor
Ana Rita Sevilha
Artigos relacionados
Bysteelfs escolhida para “vestir” palco dos jogos olímpicos de Paris
Construção
astratec “deu” luz ao Tesouro Real
Empresas
Gree apresenta Pular, a nova série de Monosplits da gama doméstica
Empresas
MAP Engenharia constrói primeira unidade da marca “Mama Shelter”na Península Ibérica
Construção
JUNG Portugal marca presença no Archisummit 2022
Arquitectura
B. Prime coloca Garland no centro do País
Imobiliário
Trienal de arquitectura participa em novo programa europeu de cooperação
Arquitectura
Sociedade britânica vende “Clube VII”
Imobiliário
Índice de Preços da Habitação regista um crescimento de 12,9% no 1º trimestre
Área de promoção imobiliária da Mota-Engil com nova imagem
Imobiliário
Pedro Vaz Alves
Pedro Vaz Alves

“Assister” é o nome de um software que poderá revolucionar o sector da construção. Pedro Vaz Alves, formado pela Universidade do Minho, lançou esta ferramenta que “controla online todos os passos de uma empreitada, permitindo reduzir falhas, custos e prazos da obra, além de interligar os intervenientes”, explica a UMinho.

Trata-se portanto de um software “inovador na gestão de incidentes no sector da construção” e que “permite a interacção por computador, tablet ou smartphone, podendo ainda ser utilizado offline em zonas remotas do planeta”, sustenta a mesma fonte.

A ferramenta responde a uma necessidade do mercado e já tem clientes em França e Portugal. “Assister” nasceu do know-how da equipa de Pedro Vaz Alves, que é director-geral da start-up tecnológica SparkleIT, em Viana do Castelo. “Conhecemos bem o ramo da construção, que agora encontra resposta para as dificuldades mais comuns, como incidentes em obra, problemas de comunicação e atrasos na execução”, refere. A plataforma “é configurável” para as exigências de cada projecto.

“Esta nova solução poderá revolucionar o sector da construção, ganhando-se tempo, dinheiro, segurança e acabando com derrapagens nos prazos de entrega da obra”, frisa o responsável. Por outro lado, acrescenta, acelera e clarifica os dados transmitidos entre todos os envolvidos, desde o promotor, as empresas executantes, os subempreiteiros e o cliente. Além disso, a aplicação multiplica a eficácia das equipas no terreno, a detecção e resolução ágil de problemas e também antecipa planos diários de trabalho.

 

 

 

Sobre o autorAna Rita Sevilha

Ana Rita Sevilha

Mais artigos
Artigos relacionados
Bysteelfs escolhida para “vestir” palco dos jogos olímpicos de Paris
Construção
astratec “deu” luz ao Tesouro Real
Empresas
Gree apresenta Pular, a nova série de Monosplits da gama doméstica
Empresas
MAP Engenharia constrói primeira unidade da marca “Mama Shelter”na Península Ibérica
Construção
JUNG Portugal marca presença no Archisummit 2022
Arquitectura
B. Prime coloca Garland no centro do País
Imobiliário
Trienal de arquitectura participa em novo programa europeu de cooperação
Arquitectura
Sociedade britânica vende “Clube VII”
Imobiliário
Índice de Preços da Habitação regista um crescimento de 12,9% no 1º trimestre
Área de promoção imobiliária da Mota-Engil com nova imagem
Imobiliário
Construção

Bysteelfs escolhida para “vestir” palco dos jogos olímpicos de Paris

Empresa do Dstgroup ganhou um contrato no valor de 5 M€ para a construção do “envelope arquitectónico” da Arena Porte de la Chapelle, uma fachada com cerca de 10 mil m2 em alumínio, vidro e material compósito

A bysteelfs, empresa do dstgroup, ganhou um contrato no valor de cinco milhões de euros para a construção do envelope arquitectónico da Arena Porte de la Chapelle. Esta arena servirá de palco para as provas de badminton e ginástica dos Jogos Olímpicos 2024 e para as provas de badminton e halterofilismo dos Jogos Paralímpicos 2024, provas que se realizam em Paris, França.

O contrato assinado com a Bouygues insere-se numa operação de 136 milhões de euros promovida pelo concelho parisiense. A arquitectura concebida em conjunto pelos gabinetes SCAU e NP2F prescreve uma fachada com cerca de 10 mil metros quadrados (m2) em alumínio, vidro e material compósito, cujo design e execução é da responsabilidade da bysteelfs e será construída em cinco meses. A obra estará pronta no Verão de 2023.

No total, a infraestrutura de 26 mil m2 contará com uma sala com capacidade para 8 mil pessoas, dois ginásios para os habitantes das comunidades mais próximas e uma zona de lazer e comércio com 2600 m2. No exterior vão ser criados 3 mil metros quadrados de zonas verdes, 6 mil m2 de jardins em coberturas e uma zona com vista panorâmica sobre a cidade.

A redução do impacto ambiental foi um desafio da maior importância tanto na fase de projeto como na gestão desta obra. Mais de 95% das 944 toneladas de resíduos produzidos na construção serão revalorizados e 45% do betão utilizado é de baixo carbono, evitando assim a emissão de 1.300 toneladas de CO2. Por outro lado, parte dos muros não portantes serão construídos com blocos de terra e as 8 mil cadeiras para espectadores serão feitas a partir de 70 toneladas de resíduos plásticos recolhidos nos quarteirões mais próximos.

“Participar numa obra com este nível de preocupação ambiental é muito importante para nós porque é uma oportunidade para confirmarmos a mudança de paradigma no setor da construção. Cada vez se investe mais e melhor em inovação, na procura de soluções mais eficientes e sustentáveis. É neste futuro mais ecológico que a bysteel e a bysteelfs se colocam” comenta Rodrigo Araújo, CEO da bysteel.

Depois dos Jogos Olímpicos 2024, a Arena Porte de la Chapelle será a residência do Paris Basketball, o maior clube de basquetebol da capital francesa, e funcionará também como o hub cultural do Norte da cidade servindo para palco de grandes espectáculos.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

astratec “deu” luz ao Tesouro Real

A astratec foi responsável pelo projecto de iluminação do novo Museu do Tesouro Real, na nova ala do Palácio Nacional da Ajuda. Um projecto que durou quatro anos, necessitou de 537 projectores e quase quatro quilómetros de fibra

Levar o visitante a ter uma experiência única, onde através do percurso vai conhecer um pouco da história portuguesa e ver a riqueza das peças em exposição foi o grande desafio colocado à astratec.

“Quisemos garantir que o visitante tem a percepção da verdadeira beleza de cada peça, e numa caixa-forte com níveis de luz reduzidos, com 736 peças em exibição, muitas delas pela primeira vez, foi necessário recorrer a software especial que permitisse modular tridimensionalmente todos os espaços”, afirma Pedro Telhado, CEO da astratec.

O projecto teve a duração de 4 anos, e a solução encontrada passou pela utilização de Fibra Óptica em todas as vitrines, que consiste num sistema em que a fonte de luz, onde há consumo de energia eléctrica, produção de calor e radiações nocivas, fica no exterior da vitrine, sendo a luz conduzida para o interior através de um conjunto de fibras ópticas de material acrílico, e termina com os diversos projectores onde a luz é controlada e é a focada no objecto a iluminar. Desta forma é possível retirar todo o calor, radiação nociva e energia eléctrica do interior da vitrine, assegurando que a integridade das peças é salvaguardada.

Em todo o Museu foram utilizadas tonalidades quentes, mais adequadas para estes níveis de luz mais reduzidos, mas também para realçar a maioria das peças em ouro. No entanto, pela especificidade de algumas das valiosas peças em exposição, foram criadas soluções adequadas para algumas peças de forma individual, como por exemplo na vitrine da Baixela de Germain, onde foi utilizada uma tonalidade mais fria, ou na vitrine da Ordem do Tosão, onde foram colocados vários pontos de luz para provocar diversos brilhos quando o visitante se move em torno da vitrine.

Toda a iluminação tem nos bastidores um sistema de controle, que permite actuar em cada aparelho se necessário, regulando a sua intensidade, criando assim o cenário perfeito para o visitante, mas assegurando, níveis bem mais elevados para limpeza e manutenção.

“Desde o primeiro momento sentimos que fazíamos parte de um projecto único, com enorme responsabilidade e que o desafio nos iria impor um enorme rigor e dedicação profissional. Entrámos numa fase inicial e saímos na véspera da inauguração, assegurando a nosso apoio a todas equipas que fizeram este projecto avançar”, reforça Pedro Telhado.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Gree apresenta Pular, a nova série de Monosplits da gama doméstica

De classe energética A++ em modo de arrefecimento e A+++ em modo de aquecimento, com um melhorado SEER de 7 e SCOP de 5,1, a série Pular oferece uma eficiência elevada devido ao gás refrigerante ecológico R32

A nova série Pular da Gree apresenta-se em quatro potências distintas – 2,7, 3,5, 5 y 7 kW. Com um design cuidado e minimalista e uma ampla variedade de funções, tornando-se na melhor opção para qualquer espaço. Além disso, a série de Monosplits da Gree, que inclui painel retroiluminado, oferece rendimentos e características que permitem chegar às necessidades de eficiência energética e conforto dos utilizadores.

De classe energética A++ em modo de arrefecimento e A+++ em modo de aquecimento, com um melhorado SEER de 7 e SCOP de 5,1, a série Pular oferece uma eficiência elevada devido ao gás refrigerante ecológico R32. Também a tecnologia Inverter DC, que melhora significativamente a poupança, para além da fiabilidade, a protecção e o controle do equipamento, e o modo Poupança de Energia, que regula o sistema on/off das unidades para permitir reduzir mais o consumo eléctrico.

Com a série Pular, a Gree visa também maximizar o conforto e a comodidade dos seus utilizadores. Com as funções do Turbo Cooling é possível alcançar a temperatura desejada de forma mais rápida, o I Feel ajusta o funcionamento do equipamento a todo o momento através do sensor de temperatura integrado no controle remoto e o Desumidificador, extrai a humidade do espaço secando o ambiente para melhorar o conforto.

À semelhança de outros equipamentos de última geração, também estes podem ser controlado através do WiFi, através de um Smartphone e, agora também, através dos assistentes de voz mais populares, Google Home e Alexa. A série Pular conta, ainda, com funcionalidades que facilitam a sua operação como o Modo Fora de Casa, que impede que a temperatura do espaço baixe dos 8°C para proteger o edifício e as canalizações, ou o Reinício Automático Inteligente. Este último permite que, após um corte de electricidade, as unidades voltem a activar-se automaticamente no último modo configurado.

A série de Monosplits Pular conta com a função Auto Clean X-Fan, que evita a formação de bolor mantendo em funcionamento o ventilador da unidade interior até eliminar a condensação assim que desligamos. Também a Protecção Blue Fin, que previne a corrosão, e o Descongelação Inteligente, que minimiza o tempo em que deixa de sair ar quente pela unidade interior enquanto se descongela o exterior.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

MAP Engenharia constrói primeira unidade da marca “Mama Shelter”na Península Ibérica

Esta empreitada consistiu na reabilitação e ampliação de um antigo edifício de escritórios, para o transformar na primeira unidade hoteleira na Península Ibérica da marca “Mama Shelter”, fundada pela família francesa Trigano, cofundadora do Club Med, e pelo designer Philippe Starck

A MAP Engenharia, empresa especializada em construção e reabilitação, foi responsável pela reabilitação do edifício do hotel Mama Shelter, em Lisboa, o primeiro desta unidade hoteleira na Península Ibérica.

Esta empreitada consistiu na reabilitação e ampliação de um antigo edifício de escritórios, para o transformar na primeira unidade hoteleira na Península Ibérica da marca “Mama Shelter”, fundada pela família francesa Trigano, cofundadora do Club Med, e pelo designer Philippe Starck.

Localizado no coração de Lisboa, entre o largo do Rato e o Marquês de Pombal, este hotel pertencente à cadeia Mama Shelter (Grupo Accor), possui um design único e irreverente, com uma área bruta de 6.000 m2, oferece um total de 130 quartos, para além de um amplo restaurante, espanadas, rooftop e todas as zonas técnicas necessárias para o perfeito funcionamento de todos os serviços do Hotel.

Peça central desta marca, a área de restauração do Mama Shelter Lisboa tem uma capacidade total para 400 lugares, que se encontram distribuídos pelo restaurante, por uma esplanada na Rua Alexandre Herculano, por um pátio interno, e pelo rooftop.

O rooftop, que se encontra localizado no 9º piso, e que foi inaugurado no passado mês de abril, possui uma fantástica vista panorâmica da cidade de Lisboa, que vai do Castelo de São Jorge à Ponte 25 de Abril.

Segundo Diogo Guerra Abecasis, Co-Founder e Managing Partner da MAP Engenharia, “estamos muito orgulho por termos sido selecionados para a construção do Mama Shelter, o primeiro hotel desta marca na Península Ibérica. Este hotel, de conceito inovador, arrojado e com uma decoração disruptiva, vem trazer uma lufada de ar fresco à cidade de Lisboa. Toda a equipa interveniente nesta obra, dedicou-se sempre de alma e coração, e está realmente de parabéns pelo resultado final alcançado.”

Para Julien Leroy, responsável pela promoção deste investimento, através da AH 51 HOTEL, “o Mama Shelter Lisboa foi um projeto de reabilitação muito desafiante, por se tratar da transformação de um edifício de escritórios existente, com várias décadas. A construção de soluções estruturais complexas, bem como a execução de detalhes decorativos mais delicados, demonstram bem a capacidade e a versatilidade da MAP na concretização desta obra. Só com um verdadeiro espírito de equipa e toda a dedicação e entrega a este projeto, por parte de todos os intervenientes – MAP, Ficope, Projetistas e Mama team -, foi possível concretizar este sonho e abrir este magnífico Hotel em Lisboa.”

Paulo Consciência, Managing Partner da Ficope e responsável pela Coordenação e Fiscalização, acrescenta ainda que “foi um privilégio trabalharmos com a MAP nesta fantástica obra do Hotel Mama Shelter. Este foi um processo que correu de forma exemplar, quer na fase de contratação, onde a MAP demonstrou ser competitiva e proativa na busca de soluções de value engineering; quer na fase da obra, onde foi possível ultrapassar as enormes dificuldades causadas pela pandemia. É de destacar também a qualidade da equipa de obra no terreno e a permanente atenção da estrutura diretiva, que efetuaram o acompanhamento e estiveram sempre focados na solução. Foi uma parceria de sucesso a repetir, sem dúvida, em obras futuras.”

O projeto de arquitectura é da autoria da AZ ARCHIZEST.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Arquitectura

JUNG Portugal marca presença no Archisummit 2022

A JUNG Portugal vai apresentar as suas mais recentes propostas na edição deste ano do archisummit, o único Summit internacional de Arquitectura em Portugal, que se realiza entre 13 a 15 de Julho. Em debate estará o presente e o futuro da arquitectura, sem esquecer as inovadoras soluções construtivas do mercado, com a presença de… Continue reading JUNG Portugal marca presença no Archisummit 2022

A JUNG Portugal vai apresentar as suas mais recentes propostas na edição deste ano do archisummit, o único Summit internacional de Arquitectura em Portugal, que se realiza entre 13 a 15 de Julho.

Em debate estará o presente e o futuro da arquitectura, sem esquecer as inovadoras soluções construtivas do mercado, com a presença de grandes nomes da arquitectura nacional e internacional.

O local eleito desta edição é o Palácio Ford na cidade do Porto – um antigo edifício abandonado e devoluto que foi stand e serviço de assistência a viaturas da marca “Ford“ durante a primeira metade do século XX. O Archi Summit nasceu no Porto, e seis anos depois, regressa à cidade que o viu nascer.

Iremos apresentar algumas das nossas principais novidades, destacando os novos acabamentos em branco e preto mate para as séries LS990 e LS1912 e
as tecnologias para o controlo inteligente de edifícios que a JUNG dispõe para o sector da habitação, hotelaria e escritórios.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

B. Prime coloca Garland no centro do País

Desta forma, a empresa de soluções globais integradas de logística e transporte, soma mais 16 mil m2 de área ao stock de armazéns onde opera

A B. Prime acompanhou a Garland, uma empresa de soluções globais integradas de logística e transporte, na procura de um novo armazém que acolhesse o seu plano de expansão no centro de Portugal.

Com mais de 100 mil m2 de área de armazém, em Portugal, a Garland disponibiliza um conjunto de serviços logísticos que permite gerir toda a cadeia de abastecimento dos seus clientes em regime de outsourcing. Em franca expansão, a Garland soma desta forma mais 16 mil m2 de área ao stock de armazéns onde opera e que se encontram em vários locais de Portugal, desde Cascais, onde tem a sua sede, até Aveiro, Vila Nova de Gaia e Maia.

“Foi com grande empenho e satisfação que uma vez mais acompanhámos, com sucesso, a Garland na identificação de um espaço de armazém logístico/crossdocking, com o intuito de poderem fazer face a um crescimento repentino nas suas operações”, segundo Luís Reis, responsável pelo departamento de logística da B. Prime.

No decorrer de 2022, a consultora regista um acréscimo de 85% de aumento de colocações, face ao mesmo período do ano passado.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Arquitectura

Trienal de arquitectura participa em novo programa europeu de cooperação

O primeiro evento do New Cross National Temporality tem lugar esta sexta-feira, 1 de Julho, em Berlim, onde a Trienal de Lisboa e a Bienal de Tbilisi se juntam para uma conversa sobre as convergências das temáticas dos respectivos festivais de 2022

CONSTRUIR

Abrimos agora um novo ciclo de cooperação europeia entre sete países, apoiada pelo programa Europa Criativa. Com o objectivo de fortalecer o sector cultural no continente, esta rede documenta, investiga e promove espaços temporários comuns, integrando micro-instituições e organizações de base, o que inclui a Trienal. O primeiro evento tem lugar esta sexta-feira, 1 de Julho, na Floating University, em Berlim, onde a Trienal de Lisboa e a Bienal de Tbilisi – parceiro principal responsável pela coordenação – se juntam para uma conversa sobre as convergências das temáticas dos respectivos festivais de 2022.

A candidatura do projecto New Cross National Temporality foi aprovada pelo programa de financiamento Europa Criativa até 2025 o que irá dar início a uma  programação conjunta com entidades culturais e instituições académicas de sete países europeus, entre os quais Portugal. Questionando as noções de permanência e estabilidade associadas à dimensão material e espacial da arquitectura, o foco dirige-se para as temporalidades quotidianas e efémeras dos seus processos.

O New Cross National Temporality promove o acesso e interacção de novos públicos através da co-criação, mediação e disseminação da cultura arquitectónica. A acção da Trienal dedica cada um dos quatro anos a um formato diferente: debate, seminário, residência urbana e lançamento de um livro, e o primeiro evento deste calendário tem lugar dia 1 de Julho.

Em contagem decrescente para Terra, a próxima edição da Trienal, e para a Bienal de Arquitectura de Tbilisi sob o tema What’s Next?, os dois festivais juntam-se para uma conversa sobre as convergências das suas temáticas e pensar em conjunto o papel destes festivais no contexto europeu.

A Bienal de Arquitectura de Tbilisi é o parceiro principal responsável pela coordenação, bem como por todas as actividades culturais na Geórgia e que contam, ainda, como parceiros a Universidade Barleti (Tirana, Albânia), a Dekabristen e.V. (Berlim, Alemanha), a Fundació Mies van der Rohe (Barcelona, Espanha) a APSS Institute (Podgorica, Montenegro), o Pavilion Kultury (Kiev, Ucrânia) e a Trans-Media-Akademie Hellerau e.V. (Dresden, Alemanha).

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

Sociedade britânica vende “Clube VII”

Um grupo de investidores portugueses, assessorado pela Antas da Cunha ECIJA adquiriu o “Clube VII. O helth club localizado em pleno Parque Eduardo VII, era detido pela sociedade britânica Pacific Investments Management Limited

CONSTRUIR

Um grupo de investidores portugueses, assessorado pela Antas da Cunha ECIJA adquiriu o “Clube VII”. O helth club localizado em pleno Parque Eduardo VII, em Lisboa, era detido pela sociedade britânica Pacific Investments Management Limited. A equipa multidisciplinar que acompanhou esta transacção foi liderada pelo sócio Henrique Moser e contou, entre outros, com a colaboração das advogadas Carolina Meireles e Mariana Carvalho.

A transacção envolveu a compra das participações sociais representativas do capital social das sociedades que integram o “Clube VII” e implicou a intervenção da sociedade de advogados no planeamento geral da transacção, na realização de uma Due Diligence Legal às sociedades que integram o Grupo “Clube VII” e na preparação, revisão e negociação de toda a documentação necessária, em particular, do contrato de compra e venda das participações sociais.

O “Clube VII” é composto por inúmeros campos de ténis e de paddle, piscina de 25m e ginásio, entre outros espaços de lazer.

A Pacific Investments Management Limited foi assessorada neste negócio pela Pinto Ribeiro Advogados. O montante da aquisição não foi divulgado.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos

Índice de Preços da Habitação regista um crescimento de 12,9% no 1º trimestre

Quanto ao mercado das obras públicas, nos primeiros 5 meses de 2022 assistiu-se a uma quebra no montante dos concursos de empreitadas de obras públicas promovidas, o qual apresenta uma redução de 21% em termos homólogos

CONSTRUIR

O Índice de Preços da Habitação registou, no final do primeiro trimestre, um crescimento de 12,9% face a igual período do ano passado, sendo que face ao trimestre imediatamente anterior a subida se fixou nos 3,8%.

Os dados, apurados pelo Instituto Nacional de Estatística e replicados pela Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas (AICCOPN), revelam ainda que no mesmo período, foram transaccionados 43.544 alojamentos, num montante global de 8.082 milhões de euros, montantes que traduzem um aumento de 25,8% em número e de 44,4% em valor, face ao trimestre homólogo do ano passado no qual, recorda-se, estiveram em vigor medidas restritivas em resultado da situação pandémica que se vivia. Face ao último trimestre de 2021, verificaram-se decréscimos nas transacções de alojamentos, de 5,1% em número e de 1,7% em valor.

Nos primeiros quatro meses de 2022 foram licenciados 10.297 fogos em construções novas, valor que representa um aumento de 2,7% face a igual período do ano passado. No seu conjunto, o licenciamento de obras de edificação e reabilitação pelas Câmaras Municipais apresenta uma variação negativa de 4,8%, em termos homólogos acumulados. No que concerne aos custos de construção de habitação nova, registou-se, no mês de Abril, em termos homólogos, um aumento do índice de 14,3%, e que resulta de variações de 20,5% no índice relativo à componente de materiais e de 5,8% no índice relativo à componente de mão de obra.

Quanto ao mercado das obras públicas, nos primeiros 5 meses de 2022 assistiu-se a uma quebra no montante dos concursos de empreitadas de obras públicas promovidas, o qual apresenta uma redução de 21% em termos homólogos, e no montante dos contratos de empreitadas celebrados e registados no Portal Base, observando-se uma variação homóloga temporalmente comparável de 51%.

Até ao final do mês de Maio 2022, o consumo de cimento no mercado nacional, registou um crescimento de 4,3% face a igual período do ano passado, totalizando 1.658 milhares de toneladas.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

Área de promoção imobiliária da Mota-Engil com nova imagem

Emerge – Mota-Engil Real Estate Developers estima colocar no mercado, nos próximos cinco anos, investimentos superiores a 400 milhões de euros

CONSTRUIR

A empresa de promoção imobiliária do Grupo Mota-Engil apresenta uma imagem renovada e tem como estratégia ser “uma referência no mercado imobiliário”. A “nova” Emerge – Mota-Engil Real Estate Developers conta com uma carteira de activos próprios com áreas brutas de construção acima de 500 mil m2 e estima colocar produtos para venda em mercado, nos próximos cinco anos, de investimentos superiores a 400 milhões de euros.

Segundo a empresa, a imagem renovada visa a aposta no desenvolvimento de “um projecto global de valorização dos activos, fazendo emergir novas estratégias e paradigmas que permitem desenvolver e concretizar soluções imobiliárias inovadoras, sustentáveis, atractivas e agregadoras de valor para todos os stakeholders: colaboradores, parceiros e clientes”.

Alicerçados em décadas de experiência do Grupo Mota-Engil, a aposta da Emerge “é reinventarmo-nos e reinventar o setor imobiliário, transformando os espaços e a forma como são pensados e vividos nas suas múltiplas utilizações”, refere Vítor Pinho, CEO da Emerge.

Destaca: “Com uma equipa sólida, respeitamos a herança do passado e renovamos os nossos princípios para respondermos de forma eficiente aos novos desafios, transformando o presente em cada projeto, concebendo e concretizando soluções inovadoras, preparadas para o futuro e    reinventando os espaços e a forma como são pensados e vividos nas suas múltiplas utilizações.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.