Edição digital
Assine já
Arquitectura

Novo Bauhaus Europeu vai ter 85 milhões de euros para projectos em 2021-2022

CE anuncia também a criação de um laboratório e de um grupo de reflexão e de acção para o desenvolvimento do projeto que “visa acelerar a transformação de vários setores económicos”

Ricardo Batista
Arquitectura

Novo Bauhaus Europeu vai ter 85 milhões de euros para projectos em 2021-2022

CE anuncia também a criação de um laboratório e de um grupo de reflexão e de acção para o desenvolvimento do projeto que “visa acelerar a transformação de vários setores económicos”

Ricardo Batista
Sobre o autor
Ricardo Batista
Artigos relacionados
Arrendamento impulsionado pela procura de famílias estrangeiras que se fixam em Portugal
Imobiliário
Grupo BorgWarner investe 25 M€ em nova fábrica em Viana do Castelo
Imobiliário
Knauf Insulation é o 1º fabricante europeu de lã mineral de vidro a obter o rótulo DECLARE
Empresas
Portuguesa The Huub instala-se no Porto Office Park
Imobiliário
Leonteq escolhe Lisboa para abrir o seu novo escritório
Imobiliário
Dstelecom implementa solução pioneira no mercado telco
Empresas
Roca lança três designs de banheiras de resina one-piece
Empresas
ERA Portugal vende imóveis no valor de 1,2 MM€ em 2021
Imobiliário
Sonae Sierra cria novo fundo de investimento para o retalho alimentar
Imobiliário
Terminal K em Alfama vai ser apart-hotel da OptylonKrea
Imobiliário

O Novo Bauhaus Europeu, iniciativa lançada em Janeiro deste ano, que visa enquadrar a transição climática com uma mudança cultural, vai dispor de 85 milhões de euros destinados a projectos, no período 2021-2022, anunciou esta quarta-feira a Comissão Europeia.

O valor é adiantado pela Comissão, no âmbito da comunicação sobre o conceito do Novo Bauhaus Europeu, e na qual anuncia igualmente a criação de um laboratório e de um grupo de reflexão e de acção para o desenvolvimento do projecto que “visa acelerar a transformação de vários sectores económicos, como os da construção e dos têxteis, a fim de facilitar o acesso de todos os cidadãos a bens circulares e com menor intensidade de carbono”.

A iniciativa foi lançada pela Comissão, em Janeiro, com o objectivo de enquadrar a transição climática com um movimento cultural e estético, através da mobilização de ‘designers’, arquitectos, engenheiros e cientistas, que possam “reinventar um modo de vida sustentável”.

“O Novo Bauhaus Europeu introduz uma dimensão cultural e criativa no Pacto Ecológico Europeu a fim de demonstrar de que modo a inovação sustentável se pode traduzir, no nosso dia-a-dia, em experiências concretas e positivas”, escreve esta quarta-feira a Comissão.

No âmbito do financiamento previsto, muitos programas da União Europeia (UE) irão contribuir para “o Novo Bauhaus Europeu como elemento de contexto ou prioritário, sem um orçamento específico predefinido”, adianta esta quarta-feira a Comissão.

O financiamento provirá assim “de diferentes programas” europeus, “incluindo o Horizonte Europa, um programa de investigação e inovação (e, em especial, as missões Horizonte Europa), o programa LIFE, para o ambiente e a acção climática, e o Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional”.

A Comissão convidará igualmente os Estados-membros a incluir “os valores fundamentais do Novo Bauhaus Europeu nas respectivas estratégias de desenvolvimento territorial e socioeconómico e a mobilizar os elementos pertinentes dos seus planos de recuperação e resiliência, bem como dos programas relacionados com a política de coesão, a fim de criar um futuro melhor para todos”.

Entre as medidas anunciadas esta quarta-feira pela Comissão está a criação de “um laboratório do Novo Bauhaus Europeu”, assim como de “um grupo de reflexão e de acção que se destine a co-criar, desenvolver protótipos e a testar ferramentas, soluções e acções que permitirão facilitar a transformação no terreno”.

“O laboratório retomará o espírito colaborativo que está na base deste projecto, a fim de harmonizar diferentes perspectivas, estabelecer ligações com a sociedade, a indústria e a política entre os cidadãos, e inventar novas formas de criação conjunta“, especifica a Comissão.

As medidas agora anunciadas têm em conta os mais de 2000 contributos, provenientes dos 27, recebidos durante a fase de concepção conjunta, que decorreu de Janeiro a Julho, e que foi aberta a todos os cidadãos do espaço da União.

“O Novo Bauhaus Europeu combina a grande visão do Pacto Ecológico Europeu com mudanças concretas no terreno: mudanças que contribuam para tornar o nosso quotidiano mais aprazível e que as pessoas possam ver e sentir nos edifícios e espaços públicos, bem como artigos de moda ou mobiliário. O Novo Bauhaus Europeu visa criar um novo estilo de vida que combine sustentabilidade e design de qualidade, que exija menos carbono e que seja inclusivo e acessível para todos”, disse hoje a presidente da Comissão, Ursula von der Leyen, citada pelo comunicado sobre a iniciativa.

A comissária Elisa Ferreira, da Coesão e Reformas, destacou por seu lado o impacto local do Novo Bauhaus Europeu, com “a abordagem transdisciplinar e participativa”, uma vez que “contribui para reforçar o papel das autoridades locais e regionais, das indústrias, dos inovadores e das mentes criativas que colaboram entre si, a fim de melhorar a qualidade de vida”.

“A política de coesão transformará ideias novas em acções locais”, garantiu Elisa Ferreira.

A comissária da Inovação, Investigação, Cultura, Educação e Juventude, Mariya Gabriel, sublinhou “as pontes entre ciência e inovação e arte e cultura, ao adoptar uma abordagem holística”. Assim, concluiu, “o Novo Bauhaus Europeu desenvolverá soluções não só sustentáveis e inovadoras, mas também acessíveis e enriquecedoras para todos”.

Em Abril, quando o Novo Bauhaus Europeu foi apresentado em Lisboa, durante a Presidência Portuguesa do Conselho da União Europeia, o primeiro-ministro, António Costa, destacou “a importância crucial” do projecto para a UE atingir os objectivos climáticos.

Recordou igualmente o movimento estético Bauhaus, fundado em 1919 na Alemanha e que dá o nome à iniciativa, para referir que o projecto actual “volta a dar à arte e à arquitectura a sua missão social, ao adaptar as cidades às necessidades humanas e ao trazer o Pacto Ecológico Europeu” para as “vidas e as casas” das pessoas.

Ursula von der Leyen afirmou então, na intervenção em Lisboa, que “o novo Bauhaus Europeu é sobre esperança, inspiração e novas perspectivas. É sobre acções concretas contra as alterações climáticas”, garantiu a presidente da Comissão.

Na quinta-feira, serão anunciados os vencedores do primeiro concurso do Novo Bauhaus Europeu, que distingue projectos locais e estéticos já desenvolvidos, em dez categorias, de “produtos e estilo de vida” à “reinvenção dos locais de encontro e partilha”.

Serão também distinguidas “estrelas em ascensão do Novo Bauhaus Europeu”, que envolve jovens com menos de trinta anos.

Sobre o autorRicardo Batista

Ricardo Batista

Director Editorial
Mais artigos
Artigos relacionados
Arrendamento impulsionado pela procura de famílias estrangeiras que se fixam em Portugal
Imobiliário
Grupo BorgWarner investe 25 M€ em nova fábrica em Viana do Castelo
Imobiliário
Knauf Insulation é o 1º fabricante europeu de lã mineral de vidro a obter o rótulo DECLARE
Empresas
Portuguesa The Huub instala-se no Porto Office Park
Imobiliário
Leonteq escolhe Lisboa para abrir o seu novo escritório
Imobiliário
Dstelecom implementa solução pioneira no mercado telco
Empresas
Roca lança três designs de banheiras de resina one-piece
Empresas
ERA Portugal vende imóveis no valor de 1,2 MM€ em 2021
Imobiliário
Sonae Sierra cria novo fundo de investimento para o retalho alimentar
Imobiliário
Terminal K em Alfama vai ser apart-hotel da OptylonKrea
Imobiliário
Imobiliário

Arrendamento impulsionado pela procura de famílias estrangeiras que se fixam em Portugal

Segundo os registos da Athena Advisers, nos últimos 15 meses, 70% da procura é proveniente de famílias estrangeiras que se estabelecem de modo permanente e 30% advém de nómadas digitais ou expatriados

CONSTRUIR

O mercado de arrendamento de média e longa duração no segmento residencial premium em Lisboa tem registado um crescimento muito acentuado, impulsionado pela procura de famílias estrangeiras que pretendem estabelecer residência em Portugal, de acordo com a consultora internacional Athena Advisers.

A consultora, que no pré-pandemia geria essencialmente arrendamentos de curta duração para os seus clientes que adquiriam propriedades numa óptica de investimento, passou também a direccionar a sua operação para o mercado de média e longa duração graças ao forte aumento da procura por este tipo de arrendamento ainda durante a pandemia.

Segundo os registos da Athena Advisers durante os últimos 15 meses, 70% da procura é proveniente de famílias estrangeiras que se estabelecem de modo permanente em Portugal e 30% advém de nómadas digitais ou expatriados por motivos profissionais que se fixam no nosso país de forma temporária. Em termos de nacionalidades, os franceses lideram a procura com 30% e logo a seguir surgem os americanos e ingleses com igual percentagem de 20% cada, sendo os restantes 30% de outras origens.

As motivações e o perfil da procura em cada um destes grupos são muito díspares. As famílias querem conhecer a dinâmica da cidade de Lisboa e do próprio mercado imobiliário antes de investirem na compra de uma casa, analisando as zonas com melhor oferta de boas escolas internacionais, serviços e equipamentos nas proximidades. Já os nómadas procuram uma habitação temporária numa área que lhes proporcione qualidade de vida e um bom equilíbrio entre a vida profissional e social.

Marta Salgado, responsável pelo Departamento de Arrendamento na Athena Advisers Portugal sublinha: “Desde há alguns anos que um número crescente de pessoas de nacionalidade estrangeira elege Portugal, e nomeadamente Lisboa, para residir ou trabalhar e a pandemia veio acentuar ainda mais esta tendência devido à qualidade de vida que o nosso país oferece. O arrendamento surge, neste contexto, como uma excelente opção não só para os nómadas digitais mas também para as famílias que, vindas de cidades completamente diferentes e onde as distâncias que percorrem no seu quotidiano são muito maiores, querem analisar a dinâmica e o estilo de vida da cidade, bem como conhecer mais a fundo o próprio mercado antes de avançarem para a compra de uma casa.”

Por essa razão, as zonas mais procuradas pelas famílias são as que têm escolas internacionais por perto, além de uma boa oferta de serviços e equipamentos, como jardins públicos. No topo das preferências surgem, por isso, os bairros da Estrela, Lapa, Campo de Ourique, Príncipe Real e ainda a Quinta da Beloura.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

Grupo BorgWarner investe 25 M€ em nova fábrica em Viana do Castelo

Para o plano de expansão da empresa, a empresa contou com a colaboração da consultora B. Prime na identificação, selecção e negociação da compra do terreno

CONSTRUIR

O grupo empresarial americano BorgWwarner, especialista em soluções de tecnologia limpa e eficiência para veículos de combustão, híbridos e eléctricos, vai investir 25 milhões de euros numa nova fábrica no concelho de Viana do Castelo. Para o plano de expansão da empresa, a BorgWarner contou com a colaboração da consultora B. Prime na identificação, selecção e negociação da compra do terreno.

A nova será alvo de duas fases de construção: uma inicial de 6.000 m2 e após um ano, a edificação de mais 17.500 m2. Este edifício industrial será concebido para obtenção da certificação LEED, um certificado internacional que avalia a sustentabilidade dos edifícios, desde o design à manutenção, passando pela construção e operação.

A B. Prime acompanhou esta empresa na procura de um terreno de 78.000 metros quadrados (m2), para a construção de uma fábrica que deverá iniciar a laborar, em 2023. Este espaço que será o futuro Centro Europeu para a expansão da electrificação vai produzir motores eléctricos para clientes europeus do grupo e será a terceira unidade em todo o continente Europeu, nesta indústria.

“Devido à transição energética que estamos a assistir, deparamo-nos com planos de expansão extremamente ambiciosos por parte de empresas que estão nesta área de actuação. Em 2030, a BorgWarner terá 45% do seu negócio centrado na produção de motores eléctricos, por isso é com enorme satisfação e motivação que acompanhamos estas indústrias a encontrar soluções que lhes permitam consolidar a sua presença em Portugal”, segundo Luís Reis, responsável pela área de Indústria e Logística da B. Prime.

Presente em 96 unidades espalhadas em 24 países, a empresa emprega cerca de 50 mil colaboradores, 950 dos quais em Portugal. Em 2020, o grupo teve um volume de facturação consolidado de 10.2 mil milhões de dólares (8.7 mil milhões de euros).

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Knauf Insulation é o 1º fabricante europeu de lã mineral de vidro a obter o rótulo DECLARE

Esta certificação, concedida pela organização sem fins lucrativos International Living Future Institute (ILFI), oferece informações sobre a origem do produto, a sua composição e o seu tratamento no final da sua vida útil

CONSTRUIR

As soluções sustentáveis do grupo Knauf alcançaram o rótulo DECLARE de transparência nos materiais de construção Knauf (placa de gesso laminado e perfil metálico) e Knauf Insulation (lã de mineral de vidro).

O DECLARE é um programa voluntário de autoavaliação que atesta a segurança e sustentabilidade dos componentes utilizados nos produtos que o grupo fabrica e comercializa.

Face ao seu compromisso ambiental, a Knauf tornou-se o primeiro fabricante de placas de gesso em Portugal a obter este rótulo, enquanto a Knauf Insulation é também o primeiro fabricante europeu de lã mineral de vidro a obter este reconhecimento internacional.

Essa certificação, concedida pela organização sem fins lucrativos International Living Future Institute (ILFI), oferece informações sobre a origem do produto, a sua composição e o tratamento no final da sua vida útil. Desta forma, é possível documentar, através de uma base de dados gratuita e acessível, os materiais de construção mais sustentáveis, saudáveis e ambientalmente responsáveis, tornando-se um importante instrumento de consulta aos profissionais do sector.

Soluções 100% recicláveis

O rótulo DECLARE atesta que na composição das soluções de lã mineral de vidro não existem componentes incluídos na Lista Vermelha ILFI e que são considerados perigosos ou nocivos na construção, podendo ser reciclável até um mínimo de 85%. No caso das soluções de gesso cartonado e perfis metálicos, são 100% recicláveis.

Conforme declarado pelo International Living Future Institute (ILFI), a lã mineral de vidro exclusiva da Knauf Insulation ECOSE Technology é leve, fácil de instalar e oferece excelente isolamento térmico, bem como desempenho acústico excepcional. Além disso, tem uma classificação de reacção ao fogo não combustível Euroclasse A1 e atinge o nível mais alto de Eurofins (Indoor Air Comfort Gold - Qualidade do Ar Interior) para a baixa emissão de compostos orgânicos voláteis (VOCs).

Da mesma forma, o DECLARE contribui para a obtenção de créditos para as certificações internacionais de sustentabilidade BREEAM e LEED, e de saúde WELL.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

Portuguesa The Huub instala-se no Porto Office Park

A operação esteve a cargo da JLL, que actuou em representação do proprietário do POP, o grupo Violas Ferreira

CONSTRUIR

A JLL trouxe um novo inquilino para o POP-Porto Office Park, um dos mais emblemáticos empreendimentos de escritórios na cidade Invicta. Trata-se da startup tecnológica portuguesa The Huub, que opera na área da logística para a indústria de moda e que foi recentemente adquirida pela multinacional Maersk.

The Huub vai ocupar uma área de cerca de 870 m2 no POP-Porto Office Park, optando por novas instalações como parte da sua aposta no crescimento e no reforço da equipa. Os novos escritórios foram já escolhidos com a participação da Maersk.

“Além de ter um espaço maior que preenchesse as suas necessidades de expansão, a The Huub procurava instalações diferenciadoras e inovadoras, como é o seu ADN, mas sem prescindir da localização central e do acesso às redes de transportes públicos. O POP responde na perfeição a todos os requisitos de localização e acessibilidades, ao mesmo tempo destacando-se por ser um empreendimento que personifica a nova geração de escritórios no Porto”, realça Mariana Rosa, head of Leasing Market Advisory.

O POP- Porto Office Park, promovido pelo Grupo Violas Ferreira, conjuga dois edifícios com escritórios de "elevada qualidade e valências de última geração", além de integrar as mais "avançadas soluções tecnológicas e de eficiência energética". Situado na Boavista, bem no CBD do Porto, este empreendimento soma cerca de 31.500 m2 de área de construção bruta, oferecendo áreas médias por piso de 1.725 m² e três pisos de estacionamento subterrâneo com 600 lugares. Além disso, disponibiliza uma panóplia de espaços e serviços comuns aos seus ocupantes, incluindo auditório, salas de reunião e eventos, cafeteria com área lounge exterior e serviço de concierge, entre várias outras comodidades como restaurante, ginásio e campos de padel.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

Leonteq escolhe Lisboa para abrir o seu novo escritório

A Leonteq abriu um novo escritório em Lisboa. A fintech suíça de produtos de investimento estruturados ocupará três pisos do Edifício Castilho 2, propriedade da Ageas Portugal, numa operação liderada pela consultora CBRE

CONSTRUIR

A Leonteq abriu um novo escritório em Lisboa. A fintech suíça de produtos de investimento estruturados ocupará três pisos do Edifício Castilho 2, propriedade da Ageas Portugal, numa operação liderada pela consultora CBRE.

A abertura em Lisboa é um dos passos da empresa no sentido de alavancar o crescimento e desenvolvimento do seu negócio, plano que traçou e começou a desenvolver em 2020, e nesta estreia em Portugal irá ocupar um total de 1300 metros quadrados, distribuídos por três pisos.

“A nossa extensão para Lisboa foi um passo natural na estratégia de crescimento e estamos entusiasmados por termos encontrado uma localização tão privilegiada no coração de Lisboa. À medida que continuamos a expandir e a aumentar o nosso grupo de especialistas em Portugal, é importante que tenhamos um espaço de escritório para receber bem os nossos colaboradores”, adianta Fabian Muff, head of operational management and controlling e co-manager da operação em Portugal.

O talento local, o fuso horário, a qualidade de vida e a estabilidade política foram alguns dos factores que motivaram a escolha de Lisboa e a ambição da empresa passa por chegar brevemente aos 100 colaboradores em diferentes funções da cadeia de valor da fintech neste novo escritório.

“Esta operação é chave, pois reflecte a procura contínua e crescente por parte de empresas internacionais de base tecnológica em estabelecer os seus negócios em Portugal. O nosso país reforça cada vez mais a sua atractividade em termos de investimento, bem como a capacidade de gerar talento no sector das tecnologias, o que se tem tornado um factor determinante no momento de tomada de decisão das empresas. Para a Leonteq, a localização era um aspecto fundamental, pelo que a rua Castilho acaba por ser uma escolha muito interessante do ponto de vista da centralidade, uma vez que se situa em plena zona prime da capital e oferece diversas ammenities que certamente irão elevar o lifestyle da equipa que ali trabalhará”, refere André Almada, director de offices da CBRE Portugal.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Dstelecom implementa solução pioneira no mercado telco

O sistema desenvolvido pela dstelecom, em parceria com a tecnológica internacional Locken, assenta no controlo de acesso a armários de distribuição de fibra óptica. A sua implementação deverá abranger 100 concelhos do país

CONSTRUIR

A dstelecom desenvolveu uma solução para o controlo dos acessos aos armários de distribuição de fibra óptica, com o objectivo de aumentar a segurança da rede e, consequentemente, reforçar a qualidade do serviço prestado às populações.

O projecto será implementado, faseadamente, em mais de 1500 armários, distribuídos por 100 concelhos, de norte a sul do país. O primeiro lote está já a ser instalado em Póvoa de Lanhoso, Vieira do Minho e Terras do Bouro, prevendo-se a finalização na totalidade da rede até Junho de 2022.

A dstelecom é a primeira empresa de telecomunicações a implementar um sistema de controlo de acessos a este nível de distribuição de rede, posicionando-se assim como operador pioneiro no mercado telco que, habitualmente, aplica estes sistemas de controlo em infraestruturas mais centralizadas.

A solução, desenvolvida em exclusivo para a dstelecom, permitirá garantir uma maior e melhor reacção a hipotéticas avarias e assegurar que não existam acessos indevidos aos armários de distribuição de fibra, mitigando situações de prevaricação ou vandalismos. Por outro lado, contribuirá para diminuir o impacto ambiental pela redução do número de deslocações aos armários para manutenção da rede.

O sistema consiste na substituição da actual fechadura mecânica por uma fechadura mecatrónica que, aliada a uma chave inteligente síncrona por tecnologia bluetooth com uma aplicação móvel, permitirá autenticar cada utilizador gerindo assim permissões de acesso e garantindo, ou restringindo, o mesmo sempre que necessário.

“O principal desafio deste projecto foi idealizar um sistema que, aliado aos processos certos, permitisse acautelar remotamente, quem, quando e porquê acede a cada armário”, revela Sérgio Fernandes, CTO da dstelecom.

À data, ao longo da sua infraestrutura, a dstelecom possui mais de 1.500 armários de distribuição, onde procede à divisão do sinal óptico criando, a partir daí, toda a capilaridade de rede de forma a chegar às populações. Dada a sua preponderância na topologia da rede, são pontos estratégicos e críticos para a estabilidade dos serviços prestados aos clientes. Apesar destes armários possuírem centenas de ligações ópticas são actualmente desprovidos de qualquer alimentação energética, dificultando a instalação de sistemas de controlo.

De acordo com a mesma fonte, a solução desenvolvida em parceria com a tecnológica internacional Locken vem precisamente dar resposta a essas fragilidades. “O facto de conseguirmos registar em tempo real todos os acessos aos armários, permitir-nos-á correlacionar estes dados com outras informações da rede, como por exemplo o registo de trabalhos, falhas e degradações de serviço”, acrescenta.

Para a dstelecom, a inovação é um dos principais pilares do seu ADN. “As nossas equipas são diariamente desafiadas a pensar fora da caixa e a discutir temas importantes para a evolução do negócio. Este projecto é resultado disso mesmo ao nascer de um brainstorming entre trabalhadores”, conclui o CTO da empresa.

Recorde-se que a dstelecom é um operador grossista de telecomunicações responsável pela construção e gestão da primeira e maior rede de fibra óptica FTTH multioperador da Europa, disponível para todos os operadores de telecomunicações.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Roca lança três designs de banheiras de resina one-piece

Os novos modelos da Roca disponíveis em branco brilhante proporcionam luminosidade e, graças ao acabamento da base texturado e antiderrapante, garantem a segurança no espaço de banho

CONSTRUIR

Os novos modelos da Roca disponíveis em branco brilhante proporcionam luminosidade e, graças ao acabamento da base texturado e antiderrapante, garantem a segurança no espaço de banho. Além disso, a extraordinária resistência deste material à luz ultravioleta e à abrasão provocada pelos produtos de limpeza garante a respectiva durabilidade e a manutenção das condições perfeitas ao longo do tempo. Carismáticas e com uma personalidade única, Kauai, Maui e Ariane são as três propostas fabricadas em Stonex.

Kauai, a banheira one-piece com formas exóticas
O formato oval elegante e uma base estreita conferem um estilo exótico a Kauai. Com uma dimensão de 1600 x 750 mm, esta banheira one-piece destaca-se pela sua simplicidade exclusiva em espaços que evitam qualquer excesso decorativo.

Maui, linhas clássicas em duas opções

Os ângulos acentuados de Maui (na imagem) intensificam a agradável sensação de relaxamento que um banho desperta. Na sua versão Round, de 1500 x 700 mm, o encosto de cabeça ligeiramente elevado permite manter uma posição muito confortável. Para aqueles que preferem um design mais quadrangular, a versão Square está disponível em 1550 x 700 mm com paredes laterais ligeiramente curvadas no centro.

Ariane, uma banheira moderna de grandes dimensões
Alongada e oval, Ariane é uma proposta elegante que se destaca em áreas muito espaçosas. Com uma personalidade marcante, esta banheira moderna com 1650 x 750 mm oferece uma harmonia visual muito apelativa graças à simplicidade das suas linhas.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

ERA Portugal vende imóveis no valor de 1,2 MM€ em 2021

Resultados dizem respeito aos primeiros nove meses do ano e traduzem-se na venda de 8.738 imóveis

CONSTRUIR

A ERA Portugal vendeu 8.738 imóveis nos primeiros nove meses do ano, num valor total de cerca de 1,2 mil milhões de euros, o que representa um aumento de 33,5% face a igual período do ano passado. Os resultados, referentes aos meses de Janeiro a Setembro de 2021, foram apresentados na XVII Convenção Anual ERA, que decorreu nos dias 22 e 23 de Outubro no Altice Arena, em Lisboa, sob o mote “Ano da Força ERA, o ano da FERA, a Força Indomável de Vencer” e que reuniu quase 2000 colaboradores e parceiros.

O mês de Setembro representou um total de facturação de 7,6 milhões de euros, sendo considerado o melhor mês de facturação da rede imobiliária desde 2019. Já o preço médio dos imóveis vendidos estabeleceu-se nos 148.830 euros e o valor de facturação situou-se nos 60 milhões de euros em comissões de mediação imobiliária, o que se traduz num aumento de 27,5% comparando com o mesmo período de 2020.

Durante o evento, a ERA premiou, ainda, as agências ERA Ponta Delgada (1.º), ERA Olivais (2.º) e ERA Rio Tinto (3.º) como as melhores lojas em território nacional a nível de facturação em 2020. Já os colaboradores Paula Leite, da ERA Ponta Delgada (1.º), Jorge Ribeiro, da ERA Guimarães Norte (2.º) e Sérgio Costa, da ERA Rio Tinto (3.º) foram distinguidos como os melhores agentes da imobiliária durante o ano passado em termos de facturação, além de outras distinções em categorias como o número de transacções ou partilhas internas.

“O esforço, a dedicação e o profissionalismo devem ser motivo de destaque, nomeadamente depois da fase atípica que vivemos no último ano e meio. Foi, por isso mesmo, que a nossa Convenção deste ano teve um sabor especial, pois celebrou o facto de termos ultrapassado dificuldades nunca antes sentidas e trabalhado para manter a ERA como uma marca de referência no mercado imobiliário português. A Convenção foi e será sempre o palco para agradecermos aos nossos colaboradores e parceiros todo o empenho à ERA, essencial para continuarmos na liderança do sector”, ressalva Rui Torgal, CEO da ERA Portugal.

Ao longo da Convenção Anual, a ERA anunciou, ainda, a renovação da master franquia da ERA Portugal por mais 25 anos em território nacional. O momento ficou marcado pela assinatura, em palco, do contrato e contou com a presença de toda a administração da ERA Portugal e de François Gagnon, presidente da ERA Europa.

A Convenção Anual da ERA é um momento dedicado ao reconhecimento do trabalho e esforço dos colaboradores da imobiliária, bem como ao reforço dos laços entre equipas directivas, as agências e os colaboradores da ERA. A par disto, a iniciativa tem como missão fazer um balanço da actividade da empresa e uma antevisão das tendências do mercado imobiliário em Portugal para os próximos anos.

O evento contou também com a participação dos principais bancos que operam no mercado imobiliário nacional, o BPI, Millennium BCP, Banco CTT, Santander Totta, UCI, e Caixa Geral de Depósitos e com o patrocínio da EDP.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

Sonae Sierra cria novo fundo de investimento para o retalho alimentar

O novo Fundo de Investimento Alternativo (FIA), com a criação do Sierra German Food Retail Income Fund I, arranca com cinco activos na Alemanha e tem um volume de investimento alvo de, pelo menos, 200 M€

CONSTRUIR

A Sonae Sierra encontra-se a investir no sector do retalho alimentar na Alemanha através de um fundo dirigido a investidores institucionais.  O novo Sierra German Food Retail Income Fund I tem como foco o investimento em supermercados, hipermercados e discounters por toda a Alemanha, de preferência propriedades stand-alone estáveis, com arrendamentos de longo prazo a operadores líderes de mercado. anunciou a empresa. O fundo tem um volume de investimento alvo de, pelo menos, 200 milhões de euros.

A criação deste veículo financeiro reforça o foco da Sonae Sierra na expansão do negócio de gestão de fundos de investimento, uma parte fundamental da ambição estratégica da empresa, na qual combina o seu vasto know-how em criação de valor patrimonial, com parcerias de longa data com investidores institucionais de referência.

O novo Fundo de Investimento Alternativo (FIA), com a criação do Sierra German Food Retail Income Fund I, arranca com cinco activos de retalho alimentar, cobrindo uma área total de aproximadamente 6.500 m2 de Área Bruta Locável (ABL), operados por marcas-chave no mercado alemão, como a Aldi, Rewe e Netto.

Christoph Billwiller, líder da equipa de Investment Management da Sonae Sierra na Alemanha, afirma que "a criação deste novo FIA aberto representa um novo marco para a Sonae Sierra na Alemanha, já que oferece uma solução para investidores profissionais e institucionais que procura assegurar rendimentos estáveis de longo prazo". E acrescenta: "Faz parte da estratégia da Sonae Sierra aumentar a exposição a novos veículos de investimento imobiliário, capitalizando a nossa experiência internacional e as relações de parceria que construímos ao longo dos últimos 30 anos com múltiplos investidores institucionais”.

A Sonae Sierra gere, actualmente, cinco mil milhões de euros em 12 diferentes veículos de investimento, com uma carteira de fundos imobiliários e activos operacionais em toda a Europa.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

Terminal K em Alfama vai ser apart-hotel da OptylonKrea

OptylonKrea e STAG compraram o edifício do século XIX. Com 7.000 m2, o Terminal K vai ser reabilitado e transformado num novo apart-hotel da marca Prima Collection. Contará com 74 unidades residenciais, pátio interior, piscina e espaços de retalho comercial

CONSTRUIR

A OptylonKrea, empresa pan-mediterrânica de promoção imobiliária e gestão de investimentos, adquiriu, em conjunto com a Stag Fund Management, o Terminal K, um edifício com 7.000 m2, localizado em Alfama, próximo do terminal internacional de cruzeiros de Lisboa e da estação de Santa Apolónia.

O edifício, adquirido à Cerberus Capital Management, será reabilitado e transformado num apart-hotel da marca de unidades residenciais da OptylonKrea, a Prima Collection, que terá ali a sua sexta localização. A compra do Terminal K, em Lisboa, é o 13º investimento da OptylonKrea em Portugal, confirmando a confiança do grupo no mercado imobiliário nacional e o optimismo em relação à recuperação económica pós-Covid. Recordamos que o Terminal K integrava o portfólio Arya, vendido pela Fidelidade em Janeiro de 2020.

"Estamos extremamente satisfeitos com a conclusão deste contrato, que acredito ser um forte incremento ao portefólio da OptylonKrea e à nossa marca cada vez maior de unidades residenciais Prima Collection. Com a excelente localização do edifício, a poucos metros do recém-construído terminal de cruzeiros, aliado à promissora recuperação da actividade turística em Portugal em 2022, sentimos que o momento era o ideal para esta aquisição”, refere William Tonnard, presidente e COO da OptylonKrea. “Com este projecto estruturante, pretendemos melhorar a oferta hoteleira e elevar a qualidade do serviço na cidade, ao mesmo tempo que trazemos uma nova vida a esta área rica em história”, conclui.

Projectado pelo arquitecto Saraiva & Associados, o Terminal K vai transformar uma área industrial/residencial do século XIX num novo destino de lifestyle, parte da marca de unidades residenciais Prima Collection. O novo apart-hotel terá um total de 74 unidades residenciais com acesso a um pátio interior, e uma piscina exclusiva no último piso com vista para o rio Tejo. O complexo conta ainda com uma área de retalho de 1.000 m² localizada no andar térreo, que foi também comprada pelo NEXT Capital Fund, gerido pela Stag Fund Management, e que será arrendada a grandes marcas do retalho.

Terminal K é a 6ª localização da marca Prima Collection

As mudanças recentes nos hábitos de viagem e o crescimento do teletrabalho, motivados pela pandemia, terão impactos de longo prazo na indústria da hotelaria e turismo. Neste contexto, a OptylonKrea aproveitou a oportunidade para rever a sua marca de unidades residenciais Prima Collection, nascida em
Lisboa, e adaptá-la às novas especificidades do mercado, ao mesmo tempo que prepara a expansão para outros mercados mediterrânicos, com o objectivo de chegar até 25 novas localizações nos próximos cinco anos.

“Decidimos reposicionar a nossa marca, para servir não só os viajantes, mas também os expatriados e os locais em busca de experiências de co-living e co-working”, afirma Hakan Kodal, chairman da OptylonKrea.

A marca, reposicionada sob a consultoria da Servotel, está agora a ser redesenhada pelas premiadas agências criativas e de design Blacksheep e AvroKo.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos

Toda a informação sobre o sector da construção, à distância de um clique.

Assine agora a newsletter e receba diariamente as principais notícias da Construção em Portugal. É gratuito e não demora mais do que 15 segundos.

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.