Edição digital
Assine já
Empresas

Ferpinta vai investir perto 50 M€ até 2023

O investimento abrange a construção de uma nova unidade, aumento e modernização da capacidade de produção e a aposta na criação de novos produtos

CONSTRUIR
Empresas

Ferpinta vai investir perto 50 M€ até 2023

O investimento abrange a construção de uma nova unidade, aumento e modernização da capacidade de produção e a aposta na criação de novos produtos

CONSTRUIR
Sobre o autor
CONSTRUIR
Artigos relacionados
LIDL investe 17 M€ na modernização de mais quatro lojas
Empresas
LIDL-loja
Construção metálica e mista bate recorde de exportações
Construção
Construção modular da Dstgroup integra Smart Studios Asprela
Construção
Construção sustentável entre os premiados do BfK Ideas
Construção
MAP Engenharia com duas novas obras em execução
Engenharia
Veka apresenta as suas últimas inovações na feira Veteco
Empresas
MASS Lab projecta comunidade sustentável na Quinta da Freixeira [c/galeria imagens]
Arquitectura
iCapital expande escritório de Lisboa
Imobiliário
Portugal Sotheby’s Realty cresceu 40% em facturação desde Janeiro
Imobiliário
Grupo Gresmanc reforça compromisso com meio ambiente com certificação ISO 14001
Empresas

Entre 2021 e 2023 a Ferpinta pretende realizar um investimento no valor de 49,98 milhões de euros, envolvendo uma nova unidade industrial, novos produtos e o aumento da capacidade actual, avançou o ECO. De acordo com este órgão de comunicação “este investimento irá também incidir na aposta em tecnologias mais inovadoras e integrá-las nos processos de fabrico, numa abordagem integral do conceito Indústria 4.0”.

A empresa de metalomecânica vai receber um crédito fiscal de 4,99 milhões de euros e um apoio a fundo perdido do Compete 2020 de 5,99 milhões de euros. Apoios concedidos para a criação da nova unidade industrial “para a manipulação e transformação de chapa, nomeadamente ao nível do seu corte em diferentes formatos e espessuras”. Esta unidade será construída nos pavilhões industriais mandados construir pela empresa chinesa Wuhan Industries, na zona industrial de Loureiro. O “pavilhão chinês”, como é conhecido, foi comprado pela Ferpinta em Agosto do ano passado, num investimento que rondou 13,7 milhões de euros.

O investimento, que já arrancou a 18 de Outubro do ano passado, deverá está concluído no final de Junho de 2023, deverá criar 14 novos postos de trabalho e compromete-se a manter os actuais 380.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Artigos relacionados
LIDL-loja
LIDL investe 17 M€ na modernização de mais quatro lojas
Empresas
Construção metálica e mista bate recorde de exportações
Construção
Construção modular da Dstgroup integra Smart Studios Asprela
Construção
Construção sustentável entre os premiados do BfK Ideas
Construção
MAP Engenharia com duas novas obras em execução
Engenharia
Veka apresenta as suas últimas inovações na feira Veteco
Empresas
MASS Lab projecta comunidade sustentável na Quinta da Freixeira [c/galeria imagens]
Arquitectura
iCapital expande escritório de Lisboa
Imobiliário
Portugal Sotheby’s Realty cresceu 40% em facturação desde Janeiro
Imobiliário
Grupo Gresmanc reforça compromisso com meio ambiente com certificação ISO 14001
Empresas
Construção

Construção metálica e mista bate recorde de exportações

As exportações portuguesas de construção metálica somaram 2,3MM em 2021, o que traduz um crescimento de 3,8% face ao ano anterior. O sector está em franco crescimento como revelam também o aumento dos postos de trabalho directos e o volume de negócios

CONSTRUIR

“As exportações portuguesas de construção metálica somaram 2.3 mil milhões de euros em 2021, o que traduz um crescimento de 3,8% face ao ano anterior”, anuncia em comunicado a Associação Portuguesa de Construção Metálica e Mista, CMM.

Responsável por cerca de 35 mil postos de trabalho directos, “a construção metálica atingiu o valor recorde de 5,6 mil milhões de euros, que representa um crescimento de 5,2% face a 2020. O aumento de volume de negócios, com um crescimento de 30% em relação a 2020, representa 2,6% do PIB”. Este crescimento é influenciado, sobretudo, pela forte procura externa. Segundo a CMM as exportações em 2021 cresceram 37%, face ao ano transacto, representando já 3,8% do tal das exportações nacionais.

“Os números do sector da Construção Metálica de 2016 a 2020 demonstram a evolução continua deste sector com crescimentos médios do volume de negócios de cerca de 5% ao ano e do volume de exportações de cerca de 1,5% ao ano”, sublinha Luís Simões da Silva presidente da CMM.

O mesmo responsável sublinha que o ano de 2021 “apresentou valores históricos, com crescimento de 30% do volume de negócios e 37% das exportações, em relação ao ano anterior. Estes dados demonstram a capacidade, o dinamismo e a resiliência do sector em enfrentar e ultrapassar os constantes desafios que a conjuntura internacional lhe tem colocado”.

Os resultados apresentados destacam-se, assim, pelo “crescimento histórico do sector da construção metálica em todas as vertentes, nomeadamente no número de postos de trabalho directos, no volume de negócios e no valor das exportações”.

Em 2020 o sector da construção metálica gerou um volume de negócios superior a 4,3 mil milhões de euros, contribuindo com 2,15% da riqueza nacional, isto depois de em 2018 e 2019 a contribuição do sector para o PIB ter sido de 2,19% e 2,28%, respectivamente. Números que contrastam com o 1,8% registado 2016.  Nos últimos anos o sector cresceu na criação de riqueza, em produção, em vendas, nacionais e internacionais e em número de empregos criados, quase 34 mil, a 31 de Dezembro de 2020.

O sector está organizado sobre a marca Portugal Steel, gerida e criada pela CMM, e que + tem servido para divulgar a construção metálica e os seus benefícios, as empresas e o investimento que estas têm canalizado para a inovação tecnológica.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos

DR

Imobiliário

“Acabar com vistos gold é uma decisão incongruente”, defende APEMIP

Na opinião dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal “pensar, apressada e emotivamente, que erradicar o Programa é a solução para acabar com a corrupção ou a especulação imobiliária, é puro devaneio”

CONSTRUIR

“Pensar em acabar com um programa que em dez anos atraiu para o país cerca de 7.000 milhões de euros e foi catalisador determinante da reabilitação urbana e imobiliária empreendida nos centros históricos de Lisboa e Porto parece-nos uma decisão incongruente”, afirma a Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP) no comunicado enviado às redacções.

Na opinião dos representantes das empresas de mediação imobiliária “a avaliação que o Governo está a realizar de uma década do Programa “ARI” e que tem permitido o acesso temporário (dez anos) a um visto de residência, na sequência da aquisição de um imóvel de valor igual ou superior a 500.000 euros, justifica-se e, decerto, haverá mudanças e melhoramentos a realizar”. “Mas pensar, apressada e emotivamente, que erradicar o Programa é a solução para acabar com a corrupção ou a especulação imobiliária, é puro devaneio”, defendem.

A APEMIP vai mais longe e sublinha que “afirmar, como verdade incontestável, que o Programa é responsável pela alta generalizada dos preços das casas e, por isso, causador das carências generalizadas de habitação no nosso país, peca por desonestidade intelectual e alheamento da realidade”.

Ironizando a associação reconhece que “é um facto que os estrangeiros que adquirem imóveis que se encontram em localizações caras e com valores acima de meio milhão de euros vêm aumentar a pressão da procura nesse nicho de mercado. Só que não se entende quais são “as consequências sociais” desse facto, excepto para os Portugueses que pretendem adquirir imóveis de 600, 700, … ou um milhão de euros!”.

Relembrando que ao longo dos últimos 10 anos os imóveis transaccionados ao abrigo do programa dos vistos gold representaram apenas 0,6% das transacções realizadas nesse período em Portugal, “o programa determina um conjunto muito claro de regras que têm por objectivo assegurar a legitimidade da proveniência dos capitais utilizados na aquisição. Neste sistema de controlo estão o Banco de Portugal, o SEF, os Bancos Portugueses, os advogados, os notários, as imobiliárias e os promotores, sendo necessário e fundamental que todos cumpram o seu papel. Se não o fazem, ou o fazem imperfeitamente, a culpa poderá não estar no Programa mas naquilo que é uma velha ‘pecha’ portuguesa: fiscalização, vistoria, monotorização, regulação de cumprimento…”, argumentam os profissionais do sector.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Grupo Sikla adquire terreno em Palmela para novo projecto logístico

A operação contou com a participação da doValue na venda do terreno por 1,700 M€

CONSTRUIR

A doValue Portugal, empresa gestora de créditos e activos imobiliários, comunica a venda de um terreno com projecto logístico aprovado de mais de 30 mil metros quadrados (m2) de Área Bruta de Construção (ABC), localizado em Palmela, no distrito de Setúbal.

A transacção, efectuada por 1,700 milhão de euros, foi concluída no passado dia 30 de Setembro e teve como comprador o grupo Sikla, conglomerado empresarial internacional que opera na área industrial, presente em Portugal e em mais de 35 países.

“A gestão do nosso portefólio de activos imobiliários está focada na geração transversal de valor, o que claramente acontece nesta operação, que pode traduzir-se na criação de oportunidades adicionais de investimento em Portugal”, salienta João Ribeiro, director de Real Estate da doValue Portugal, acrescentando que “o potencial de desenvolvimento e crescimento de um projecto logístico desta dimensão potenciará um enorme dinamismo económico-financeiro em toda a região envolvente, consolidando esta zona como referência logística incontornável em Portugal”.

Para a administração da SiklaLusa, “esta aquisição foi um passo muito importante”, que se traduz no “crescimento sustentável em diversos mercados, nomeadamente no português”.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Investimento de 120M€ no Terminal de Contentores Alcântara apresentado esta quinta-feira

A Yilport Ibéria, concessionária do terminal, vai apresentar o investimento de 123 milhões de euros realizado na reconversão e expansão do Terminal de Contentores de Alcântara e onde se inclui a instalação de quatro novas gruas

CONSTRUIR

O Ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, marcará presença na apresentação pública do Investimento de Modernização do Terminal de Contentores de Alcântara, da gestora portuária Yilport Liscont, que se realiza no próximo dia 10 de Novembro, na Gare Marítima de Alcântara, em Lisboa. O projecto de investimento de cerca de 123 milhões de euros inclui quatro novas gruas que chegaram no primeiro dia de 2022.

O evento tem como objectivo revelar o investimento privado de reconversão e expansão que foi feito no Terminal de Contentores de Alcântara, e no qual se inclui a instalação de quatro novas gruas, fabricadas pela empresa japonesa Mitsui, que chegaram a Lisboa, vindas do porto japonês de Oita, no dia 1 de Janeiro de 2022. O investimento engloba seis E-RTG (eléctricos e com operação remota), ECO – Reach Stackers, repavimentação de todo o pátio de contentores e novos edifícios: um para operações/manutenção e outro para inspecções de alfândega e PIF.

Este investimento permitiu introduzir melhorias significativas não só a nível ambiental, como no incremento de segurança das operações quer para os próprios trabalhadores, como para todos aqueles que diariamente prestam a sua actividade no terminal. Em específico, as novas gruas, totalmente eléctricas, vêm possibilitar a movimentação de mercadorias com menores impactos, nomeadamente a diminuição das emissões de CO2 durante as operações.
Estima-se que esta modernização permita aumentar a capacidade de recepção de navios de maior dimensão, reduzir os custos de transporte na cadeia logística, com ganhos nas exportações nacionais e assim atrair mais carga para serem movimentadas em Portugal.

“Este investimento terá um retorno muito revelante para a economia nacional e o hinterland do Porto de Lisboa. Vai permitir diminuir significativamente a emissão de CO2 e contribuir para a sustentabilidade ambiental da operação portuária. De igual forma, a operação remota e semi-automática de equipamentos vai melhorar as condições de trabalho e segurança dos nossos trabalhadores. Finalmente é nossa convicção que o investimento na modernização desta infraestrutura portuaria vai atrair novos serviços e escalas directas transatlânticas para o Porto de Lisboa, que vão por si só alavancar a vocação exportadora da economia nacional”, explica Nuno David Silva, director geral regional da Yilport Ibéria.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Conheça os nomeados dos Prémios CONSTRUIR 2022 e vote até 17 de Novembro

Pelo 15º ano consecutivo, o jornal CONSTRUIR volta a promover a entrega dos troféus que distinguem a qualidade da obra materializada entre 1 de Janeiro de 2021 e 30 de Setembro de 2022, numa lista da exclusiva e inteira responsabilidade da equipa editorial do CONSTRUIR

CONSTRUIR

A espera acabou. Pode, desde já, votar nos seus favoritos para eleger os melhores projectos e empresas do último ano, numa votação que decorrerá na página oficial do evento, disponível em https://premios.construir.pt/

Pelo 15º ano consecutivo, o jornal CONSTRUIR volta a promover a entrega dos troféus que distinguem a qualidade da obra materializada entre 1 de Janeiro de 2021 e 30 de Setembro de 2022, numa lista da exclusiva e inteira responsabilidade da equipa editorial do CONSTRUIR.

Arquitectura, Engenharia, Construção e Imobiliário têm nomeadas obras e empresas que se destacaram pelo trabalho desenvolvido ao longo do período em apreciação; capacidade de inovação, visibilidade mediática, distinções nacionais e/ou internacionais, dados estatísticos oficiais, entre outros; Obra pública, obra privada, Internacionalização, Reabilitação, Sustentabilidade são apenas algumas das áreas que os leitores do jornal CONTRUIR vão poder distinguir.

O acesso ao formulário de votação será feito após introdução do endereço de email com que está registado como assinante do CONSTRUIR e/ou como subscritor da Newsletter do CONSTRUIR, sendo que não são aceites novos registos até à data de fecho de votações.

As votações decorrem até dia 17 de Novembro às 18h00. A entrega dos troféus aos projectos consagrados e empresas vencedoras decorre no Cineteatro Capitólio, em Lisboa, no próximo dia 21 de Novembro, a partir das 21h30.

Os Prémios CONSTRUIR 2022 contam com a Ledvance como mainsponsor. Bosch, Cimpor, Efaflu, Jung, KNX, OLI, Otis, Recer, Saint-Gobain, Umbelino Monteiro e Victoria Seguros são os patrocinadores da edição deste ano dos prémios que distinguem os melhores de 2022 naquela que é a única iniciativa a reconhecer as principais áreas da Fileira da Construção.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos

Imagem panorâmica de Lisboa

Construção

Câmara de Lisboa cria Laboratório Urbano para “aproximar os que vivem e fazem cidade”

0 Projecto Smartdest, conduzido pelo Instituto de Geografia e Ordenamento do Território da Universidade de Lisboa é o primeiro desafio do LUL e está a ser implementado na freguesia da Misericórdia

CONSTRUIR

0 Centro de Informação Urbana de Lisboa (CIUL) criou, recentemente, o Laboratório Urbano  de Lisboa (LUL). O objectivo passa por aproximar, cada vez mais, aqueles que vivem e aqueles que pensam e fazem cidade.

0 LUL é um espaço colaborativo de observação, auscultação, desenho, teste e validação de soluções para problemas urbanos, que promove a participação cidadã e a criação de uma ideia de cidade, que se quer actual, sustentável, resiliente, inclusiva e adaptada às necessidades da comunidade

Pretende, ainda, através das suas actividades experimentais, locais e de natureza participativa, criar e testar soluções urbanas inovadoras para o futuro das cidades e, ao mesmo tempo, contribuir para o aumento da literacia em Urbanismo.

0 Projecto Smartdest – “Cities as mobility hubs: Tackling social exclusion through ‘smart’ citizen engagement”, conduzido pelo Instituto de Geografia e Ordenamento do Território da Universidade de Lisboa é o primeiro desafio do LUL e está a ser implementado na freguesia da Misericórdia. Após uma primeira fase de estudo qualitativo aprofundado o LUL levou a cabo um conjunto de acçöes com vista à auscultação, debate e co-construção de soluções para os problemas identificados.

Entretanto, o programa prevê alargar a sua participação a outras áreas da cidade de Lisboa e encontra-se em fase de candidatura a novos projectos.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Programa nacional de habitação vai ter investimento de 2.377 M€ até 2026

O Governo aprovou em Conselho de Ministros a proposta de lei que prevê o Programa Nacional de Habitação. O PNH tem um horizonte temporal até 2026, uma dotação de 2.377 milhões de euros e contempla 22 medidas

CONSTRUIR

O Conselho de Ministros aprovou a proposta de lei sobre o Programa Nacional de Habitação (PNH), previsto na Lei de Bases da Habitação e que congrega o quadro de políticas para o sector da habitação, identificando as principais carências, instrumentos e objectivos para a sua progressiva eliminação. O Programa tem um âmbito temporal de 2022-2026 e abrange todo o território nacional.

Na conferência de imprensa após o Conselho de Ministros, o Ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, referiu que os desafios actuais nas políticas de habitação consistem em «garantir que todos os agregados têm acesso a uma habitação digna e adequada aos seus rendimentos e à sua dimensão» e «garantir que, a médio prazo, o peso da oferta pública no mercado habitacional é capaz de dar resposta às necessidades e contribuir para a regulação do mercado».

O Programa Nacional de Habitação (PNH) é acompanhado de um compromisso orçamental plurianual, com reflexo já no ano de 2023, abrange todo o território anual, tem um âmbito temporal até 2026 e um investimento previsto de 2.377 milhões de euros. Como avançou o ministro da Habitação e das Infraestruturas, tem como objectivo central o alargamento do parque publico português, uma matéria onde Portugal “compara mal com o resto da Europa”. Apenas 2% do alojamento em Portugal é público quando em vários países europeus essa percentagem é de 30%.

Ao todo estão previstas 22 medidas, com o ministro a salientar aqueles que são os quatro pilares do programa. Entre eles está o 1.º direito, que visa apoiar as famílias mais carenciadas e contando com um envelope financeiro de 1.311 milhões de euros até ao final de 2026. Nesse contexto, o ministro sublinhou que “a esmagadora maioria dos municípios conta com estratégias locais de habitação”, soma já cerca de 300 pedidos de financiamento, respeitantes a 5600 habitações e a 65 municípios, das quais cerca de 1 200 casas já entregues.

Outra das medidas contempla o apoio a população de rendimentos intermédios, classe média, para a qual está a ser construído “um parque publico dirigido à população de rendimentos intermédios e aqui o objectivo principal é mobilizar imóveis do estado que estejam devolutos (incluindo edifícios e terrenos) destinados para a construção ou reabilitação de imóveis. Actualmente estão em curso 870 habitações em projecto em Lisboa, 1.250 em Almada, 200 em Matosinhos e 600 em Oeiras. “Este é um programa que arrancou e dará acesso a 6.800 famílias de classe média”, sublinhou o governante. O investimento previsto para esta alínea é de 859 milhões de euros.

O ministro disse também que 48 milhões de euros vão ser destinados à reabilitação do parque habitacional do Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana (IHRU), bem como outros 159 milhões de euros “para aquisição de imóveis por parte do Estado”.

Um terceiro pilar destina-se “encontrar soluções temporárias para situações inesperadas sejam calamidades ambientais, fluxos migratórios ou violência de género”, onde se inclui a Porta de Entrada e a Bolsa de Alojamento Temporário. Neste âmbito serão construídos cerca de 2 mil imóveis, financiados pelo PRR.

O quarto pilar é o da “mobilização do sector privado” onde se inclui “um conjunto de incentivos à oferta privada e social de arrendamento a custos acessíveis”.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Governo avalia fim dos ‘vistos gold’

“Há programas que nós estamos neste momento a reavaliar e um deles é o dos vistos gold, que, provavelmente, já cumpriu a função que tinha a cumprir e que neste momento não se justifica mais manter”

CONSTRUIR

primeiro-ministro, António Costa, avançou, esta quarta-feira, que o Governo está a avaliar a continuidade do regime de vistos gold para obtenção de autorização de residência em Portugal, admitindo que poderá não se justificar mais a sua manutenção.

“Estamos a avaliar e depois tomaremos decisões”, disse António Costa em declarações aos jornalistas à margem de uma visita à Web Summit, em Lisboa.

uestionado sobre o regime fiscal especial destinado aos chamados “nómadas digitais”, o primeiro-ministro defendeu a continuidade da política de atratividade de investidores em Portugal, sobretudo na área tecnológica, mas fez uma distinção em relação ao regime dos vistos gold, em que se obtém autorização de residência no país na sequência, por exemplo, da compra de um imóvel de elevado valor.

“Há programas que nós estamos neste momento a reavaliar e um deles é o dos vistos gold, que, provavelmente, já cumpriu a função que tinha a cumprir e que neste momento não se justifica mais manter”, declarou o líder do executivo, tendo ao seu lado o ministro da Economia, António Costa Silva. Perante os jornalistas, o primeiro-ministro não apontou ainda um calendário concreto para o possível fim dos vistos gold – uma medida que tem sido reivindicado pela esquerda política, principalmente pelo Bloco de Esquerda, que considera este regime um fator de agravamento dos preços da habitação e fonte de problemas de justiça por suspeitas lavagem de dinheiro.

“Quando se está a avaliar colocam-se todas as hipóteses. Depois de se completar a avaliação, então tomam-se decisões — e as hipóteses tornam-se decisões. Neste momento, estamos a avaliar se os vistos gold fazem sentido, mas há outros [regimes] que continuam a fazer sentido”, disse António Costa, dando como exemplo “o programa Regressar”.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos

A New Chapter – Belfast campus. (Photo: Nigel McDowell/Ulster University)

Construção

Sacyr Somague conclui projecto na Irlanda do Norte

A Sacyr Somague acaba de concluir e entregar o projecto de concepção e construção do novo Campus da Universidade de Ulster Greater Belfast na Irlanda do Norte, um edifício com 75.000 m2

CONSTRUIR

Já disponível para o ano académico agora iniciado, o novo edifício inclui cinco átrios e foram precisos mais de 22.000 metros quadrados de vidro para conferir-lhe uma grande luminosidade e permitir a vista para as colinas da cidade. Um dos espaços mais exclusivos do Campus é o jardim situado na cobertura do novo edifício, que dispõe de árvores plantadas em linha com o plano de reflorestamento urbano da cidade de Belfast.

As instalações do Campus incluem mais de 300 espaços de aprendizagem, uma aula magna com 350 lugares e uma sala de conferências com 250 lugares, 18 elevadores, uma biblioteca de dois andares e salas de estudo privadas com capacidade para 500 alunos, um laboratório biométrico e nove espaços de restauração, incluindo uma cafeteria localizada na cobertura do edifício.

Inspirado nas colinas de Belfast, este edifício de última geração é uma construção moderna que combina a inspiração vitoriana da arquitectura local, com materiais modernos e duráveis, resultando num edifício sustentável para mais de 15.000 alunos e funcionários da universidade. O projecto, assinado pelo atelier Feilden Clegg Bradley Studios Building foi finalista dos World Architecture Awards 2019.

Como parte do compromisso com a comunidade local, a Sacyr Somague Irlanda desenvolveu várias iniciativas para apoiar os desempregados de longa duração e criar oportunidades de estágio para estudantes. Durante a execução do projecto, foram proporcionados o equivalente a mais de 100 anos de actividades de formação e estágio.

Este projecto contou ainda com a participação directa de várias empresas portuguesas que aproveitaram a oportunidade de expandir a sua actividade para a Irlanda do Norte, o que em alguns casos significou a sua primeira experiência de internacionalização. O volume de negócios entregue a empresas lusas ultrapassou os 45 milhões de euros.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

Investidores imobiliários traçam prioridades

Os sectores de living e logística juntam-se aos escritórios nas zonas CBD na lista de investimentos mais apetecíveis dos principais investidores europeus, revela inquérito da Savills

CONSTRUIR

De acordo com um inquérito realizado pela Savills a investidores imobiliários com um total de activos na região EME sob gestão superior a 500 mil milhões de euros, os projectos Multifamily na Europa, big box, logística urbana, escritórios da zona CBD e residências de estudantes são os cinco sectores onde os investidores prevêem um maior investimento ao longo dos próximos 12 meses.

Quando questionados sobre o avanço da sua estratégia, mais de 55% dos inquiridos indicaram que procuram agora seguir uma abordagem mais defensiva, concentrando-se nos denominados sectores de “beds and sheds”, juntamente com os escritórios localizados em zonas CDB, nos mercados com maior liquidez da Europa. Isto deve-se, em grande parte, ao facto de mais de 76% dos inquiridos terem confirmado que o refinanciamento terá um impacto significativo nos seus rendimentos totais nos próximos dois anos.

Em termos de países, Alemanha, França, Holanda, Reino Unido e Espanha são os cinco principais locais de interesse europeu.

“O nosso survey confirma que certos segmentos imobiliários continuarão a registar procura por parte dos investidores enquanto outros têm, actualmente, sentido um decréscimo significativo desta procura. Os segmentos que apresentam um maior potencial de crescimento do arrendamento estão no topo da lista, associados, por exemplo, a uma indexação mais forte no mercado continental europeu de escritórios”, sublinha Chris Gillum, head of offices, European Capital Markets.

Por outro lado, “mais de 90% dos inquiridos relataram que a adopção de certificações de edifícios verdes, tais como BREEAM e LEED e as melhorias em termos de eficiência energética, incluindo o investimento em energias renováveis, fazem parte das suas estratégias de investimento imobiliário. 97% confirmaram que já dispõem de uma estratégia ESG que mostra a importância crescente de tais planos para os investidores imobiliários”, refere Mike Barnes, associate director european research, Savills.

Os resultados do inquérito chegam numa altura em que a pesquisa preliminar da Savills sugere que o volume total do investimento imobiliário europeu para o terceiro trimestre do ano atingirá os 55 mil milhões de euros, o que elevaria os valores acumulados desde o primeiro trimestre a mais de 200 mil milhões de euros. Estes números, no entanto, representam uma queda de 10-11% em comparação com o mesmo período do ano passado.

“Prevemos que o volume total de investimento imobiliário europeu deste ano oscile entre os 275 mil milhões de euros e os 280 mil milhões de euros. Tal como confirmado pelo nosso inquérito, acreditamos que os “sheds and beds” continuarão a ser as classes de activos preferidas. Em ambos os sectores, um desequilíbrio estrutural da oferta e da procura acaba por favorecer o crescimento do arrendamento”, avança Lydia Brissy, director, european research da consultora.

Em Portugal o valor acumulado entre o 1º e o 3º trimestre de 2022 está bastante próximo dos dois mil milhões de euros, um resultado acima de 30% do mesmo período do ano passado e muito assente em transacções fechadas no sector industrial & logístico. “Ainda que a actual conjuntura económica possa conduzir a processos de tomada de decisão mais prolongados e cautelosos, o mercado nacional permanece particularmente atractivo e o ano irá fechar acima dos valores do ano transacto”, refere Alexandra Portugal Gomes, head of research da Savills Portugal.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.