Edição digital
Assine já
Edição Digital

Edição especial do CONSTRUIR dedicada à Decor Hotel, ao projecto da MASS Lab para a Freixeira e à +Concreta que nascerá em 2023

Abrimos-lhe as portas da Decor Hotel, a Feira profissional de projeto, construção, decoração, equipamentos, produtos e serviços para hotelaria, numa edição onde lhe mostramos também o projecto da Norfin para os terrenos adjacentes ao Estádio de Alvalade, em Lisboa. Mas há muito mais para ler

CONSTRUIR
Edição Digital

Edição especial do CONSTRUIR dedicada à Decor Hotel, ao projecto da MASS Lab para a Freixeira e à +Concreta que nascerá em 2023

Abrimos-lhe as portas da Decor Hotel, a Feira profissional de projeto, construção, decoração, equipamentos, produtos e serviços para hotelaria, numa edição onde lhe mostramos também o projecto da Norfin para os terrenos adjacentes ao Estádio de Alvalade, em Lisboa. Mas há muito mais para ler

CONSTRUIR
Sobre o autor
CONSTRUIR
Artigos relacionados
CPCI vê com “bastante preocupação” a actual execução dos projectos do PRR
Construção
Revigrés e Archi Summit apresentam ArchiRevi Talks + Challenge
Arquitectura
Aposta no fotovoltaico cobre 22% das necessidades da base logística d’Os Mosqueteiros
Empresas
Soluções Sto integram renovação da Estação Paddington Elizabeth em Londres
Empresas
Reabilitação: Carteira de Encomendas ‘cai’ 6,2% até Janeiro
Construção
Vanguard Properties adquire 50% da Ecosteel
Imobiliário
Ordem dos Engenheiros apresenta projecto “Future World Vision”
Engenharia
Alma Gardens representa 80M€ de investimento
Imobiliário
Preços das casas registam maior aumento dos últimos 30 anos
Imobiliário
Fercopor alcança mais de 90% de vendas em novo projecto imobiliário de luxo
Imobiliário

Norfin recupera conceito de “bairro alfacinha”
Com um investimento total na ordem dos 300 milhões, o Campo Novo conta com três edifícios de habitação e quatro edifícios de escritórios, unidos por uma zona de retalho “virada para a rua” e que pretende fazer “a ligação entre o comércio tradicional e o actual”. A primeira fase do empreendimento deverá estar concluída no final de 2024

Rui Moreira e as dúvidas sobre Ponte no Douro
As dúvidas manifestadas pelo presidente da Câmara do Porto encontram eco no Estudo de Impacto Ambiental que a Profico desenvolveu a propósito da nova Linha Casa da Música – Santo Ovídio

Pneus usados transformados em ‘superisolante’
O projecto Tyre4Buildings, promovido por engenheiros civis e químicos da Universidade de Coimbra, conseguiu desenvolver um produto com “elevado desempenho”

MASS Lab com projecto sustentável na Freixeira
O gabinete de arquitectura apresenta-nos a Quinta da Freixeira, um projecto urbano que assenta na criação de uma comunidade sustentável, inclusiva e com reduzida pegada ecológica

+Concreta vai nascer em 2023
“Este é um formato inovador, destinado a fabricantes e marcas que trabalham o B2B. As empresas terão acesso a um projecto chave-na-mão”, assegura Amélia Estevão, directora do evento

A versão completa desta edição é exclusiva para subscritores do CONSTRUIR. Pode comprar apenas esta edição ou efectuar uma assinatura do CONSTRUIR aqui obtendo o acesso imediato.

Para mais informações contacte: Graça Dias | [email protected] | 215 825 436

Nota: Se já é subscritor do CONSTRUIR entre no site com o seu Login de assinante, dirija-se à secção PLUS – Edição Digital e escolha a edição que deseja ler

ACEDA AQUI À VERSÃO DIGITAL DA EDIÇÃO IMPRESSA DO CONSTRUIR 469

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Artigos relacionados
CPCI vê com “bastante preocupação” a actual execução dos projectos do PRR
Construção
Revigrés e Archi Summit apresentam ArchiRevi Talks + Challenge
Arquitectura
Aposta no fotovoltaico cobre 22% das necessidades da base logística d’Os Mosqueteiros
Empresas
Soluções Sto integram renovação da Estação Paddington Elizabeth em Londres
Empresas
Reabilitação: Carteira de Encomendas ‘cai’ 6,2% até Janeiro
Construção
Vanguard Properties adquire 50% da Ecosteel
Imobiliário
Ordem dos Engenheiros apresenta projecto “Future World Vision”
Engenharia
Alma Gardens representa 80M€ de investimento
Imobiliário
Preços das casas registam maior aumento dos últimos 30 anos
Imobiliário
Fercopor alcança mais de 90% de vendas em novo projecto imobiliário de luxo
Imobiliário
Construção

CPCI vê com “bastante preocupação” a actual execução dos projectos do PRR

Questionado pelos deputados sobre eventuais atrasos nos licenciamentos ou outros procedimentos necessários à execução dos projectos financiados pelo PRR, como estudos de impacte ambiental, o responsável da CPCI confirmou que a confederação “receia” atrasos da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), lembrando que, nomeadamente, “nos projectos de natureza hídrica” tal atraso pode comprometer os projectos

CONSTRUIR

A Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário (CPCI) alertou esta terça-feira para a execução “bastante baixa” dos projectos mais relevantes do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) com impacto na construção, demonstrando aos deputados “bastante preocupação” com o estado actual de concretização do PRR.

Ouvido sobre o ponto de situação do PRR, pela subcomissão para o acompanhamento dos fundos europeus e do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), o vice-presidente da CPCI, Ricardo Gomes, começou por ressalvar que a confederação “não consegue” escrutinar todos os projectos financiados pelo PRR, por falta de informação, assegurando que o ponto da situação dos projectos conhecidos, até quinta-feira, é motivo de “bastante” preocupação. Mostrando aos deputados dados sobre a execução do PRR, até 19 de Janeiro, Ricardo Gomes afirmou: “A situação geral, em termos de montantes, é aquela que ali está (…) com uma execução que, atendendo ao espaço temporal de execução do PRR, que todos conhecemos, nos preocupa bastante”.

Entre as razões do que está “a enfermar” a execução de projectos financiados pelo PRR, segundo Ricardo Gomes, estão o custo desadequado de candidaturas, não actualizados face à subida de preços, e que acabam por gerar “concursos desertos”, e outra razão é a de “pensar-se tarde sobre as coisas”, que demoram tempo a concretizar-se. A CPCI defendeu ainda, na audição, que o planeamento atempado pelas empresas “é relevantíssimo” e salientou que “há uma questão de planeamento que tem de ser integrada” pelas empresas, nomeadamente as candidatas a apoios do PRR.
“A mensagem geral é que, de facto, em tudo o que tem a ver com os projectos mais relevantes do PRR com impacto na construção, estamos de facto num ponto bastante baixo de execução”, concluiu o vice-presidente da CPCI, na intervenção no parlamento.

Questionado pelos deputados sobre eventuais atrasos nos licenciamentos ou outros procedimentos necessários à execução dos projectos financiados pelo PRR, como estudos de impacte ambiental, o responsável da CPCI confirmou que a confederação “receia” atrasos da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), lembrando que, nomeadamente, “nos projectos de natureza hídrica” tal atraso pode comprometer os projectos. Gerido pela Estrutura de Missão Recuperar Portugal, com um período de execução até 2026, o PRR tem fundos repartidos por três dimensões: resiliência (11.125 milhões de euros), transição climática (3.059 milhões de euros) e transição digital (2.460 milhões de euros).

De acordo com o último ponto de situação operacional do PRR, os beneficiários do PRR receberam, até 18 de Janeiro, 9% da dotação total, equivalente a 1.448 milhões de euros, destacando-se nos pagamentos as entidades públicas (469 milhões de euros), as empresas públicas (289 milhões de euros), as escolas (212 milhões de euros), as empresas (157 milhões de euros) e as famílias (129 milhões de euros), entre outras. As aprovações, nessa data, ascendiam a 11.564 milhões de euros (69%), sendo que 3.995 milhões de euros referentes a entidades públicas, 2.830 milhões de euros a empresas e 2.209 milhões de euros a empresas públicas. Até 18 de Janeiro, foram submetidas 147.032 candidaturas e aprovadas 93.320.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

Fercopor alcança mais de 90% de vendas em novo projecto imobiliário de luxo

Resultados “validam não apenas a aposta estratégica da empresa na zona da Boavista”. Mário Almeida, administrador da Fercopor, destaca, ainda, um novo projecto habitacional e um edifício de escritórios com 17 andares previsto para a mesma zona

Cidália Lopes

A comercialização do Pure, o novo projecto imobiliário da Fercopor, localizado na Boavista, já ultrapassou os 90%. Estão já vendidos 31 dos 34 apartamentos distribuídos pelos três edifícios. 30 deles foram vendidos logo nas primeiras duas semanas, após a apresentação oficial deste novo condomínio de luxo.

Entre os novos residentes, maioritariamente, portugueses, estão famílias e alguns investidores privados. “A localização, a apenas 100 metros da Avenida da Boavista, as generosas áreas marcadas pela privacidade, a excepcionalidade dos detalhes e a arquitectura” são alguns dos atributos que têm levado à procura pelo empreendimento. Com inspiração nas obras de Piet Mondrian, a assinatura está a cargo do arquitecto José Carlos Cruz.

Recorde-se que ainda em Junho, e também nesta avenida, a Fercopor apresentou o projecto Enlight, igualmente assinado por José Carlos Cruz. A comercialização dos 21 apartamentos ficou concluída em Janeiro de 2023, mas 70% das vendas foram feitas em menos de dois meses. O edifício de sete andares, localizado junto ao antigo Centro Comercial Dallas, está já em construção e conta com habitações T1 a T4.

De acordo com Mário Almeida, administrador da Fercopor, “estes impressionantes resultados, alcançados nos dois projectos e em tão curto espaço de tempo, validam não apenas a aposta estratégica da empresa na zona da Boavista como também o trabalho de uma grande equipa dedicada à dinamização de áreas residenciais com arquitectura diferenciadora e construção de elevada qualidade”. Em relação ao futuro, acrescenta que “há ainda muito potencial por explorar nesta zona da cidade do Porto e, por isso, a Fercopor tem novos projectos em desenvolvimento”.

Entre os planos da promotora imobiliária de luxo para o primeiro semestre de 2023, está um novo projecto habitacional, no cruzamento entre a Rua António Cardoso e a Avenida da Boavista. Metros abaixo, em plena avenida, está previsto um edifício de escritórios com 17 andares, projectado pelo arquiteto Manuel Aires Mateus.

Sobre o autorCidália Lopes

Cidália Lopes

Jornalista
Mais artigos
Construção

IP e Câmara de Coimbra apresentam Plano de Pormenor da futura estação

A futura estação, que irá integrar a Nova Linha de Alta Velocidade Porto – Lisboa, “terá um carácter multimodal agregando várias valências, e constituir-se-á como o centro de um novo polo de actividade social e económica da cidade”

CONSTRUIR

No âmbito da Nova Linha de Alta Velocidade Porto – Lisboa, a Estação de Coimbra B será objecto de uma intervenção para integrar o novo serviço de alta velocidade e reforçar a sua centralidade, logo na Fase 1 – Porto – Soure da Linha de Alta Velocidade (LAV), cujo início de operação se encontra planeado para 2028.

Neste contexto, a futura estação “terá um carácter multimodal agregando várias valências, e constituir-se-á como o centro de um novo polo de actividade social e económica da cidade”, de acordo com o Plano de Pormenor (PP) da Estação de Coimbra B, apresentado esta semana no Salão Nobre do Município e onde assinado o protocolo entre a Câmara Municipal de Coimbra e a Infraestruturas de Portugal, para o desenvolvimento dos estudos necessários para a concretização deste projecto.

Os estudos urbanísticos do Plano de Pormenor, que abrange a área da estação e respectiva zona envolvente num total de 143 hectares, foram adjudicados ao gabinete do professor Joan Busquets, BLAU-B Landscape arquitectura y Urbanisme, urbanista catalão com experiência em planos de desenvolvimento urbano associados a grandes projectos de infraestruturas ferroviárias.

O âmbito dos estudos inclui igualmente o apoio à IP na definição do programa preliminar da estação que integrará o caderno de encargos do procedimento de concurso da Fase 1.

As reuniões de trabalho com o urbanista e Câmara Municipal de Coimbra permitiram já estabelecer linhas orientadoras no que diz respeito à rede viária, mobilidade suave, conceito geral da estação, áreas de expansão urbana e integração paisagista.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

Análise: “2023 deverá manter actividade em níveis dos últimos cinco anos”

De acordo com o estudo anual Market 360º, da JLL, apesar dos desafios económicos que se vivem, 2023 será “um ano dinâmico para o imobiliário português”. Falta de oferta continua a ser uma das principais preocupações do sector

CONSTRUIR

A consultora imobiliária JLL prevê “um ano dinâmico” para o imobiliário nacional, em linha com os ritmos médios de absorção, ocupação, investimento e valores dos últimos cinco anos, especialmente nos escritórios e na habitação. No balanço apresentado esta quinta-feira, dia 19 de Janeiro, no seu estudo anual Market 360º, a empresa deu conta, ainda, do total de mais de 100 milhões de euros de facturados em 2022, o que representou um crescimento de 7% face a 2021.

“A solidez já mostrada pelos indicadores do mercado em contexto de incerteza, a consolidação de Portugal como destino imobiliário internacional e o desequilíbrio entre a procura forte e a oferta reduzida sustentam as expectativas da consultora num ano de incerteza e desafios macroeconómicos”, indica o estudo.

A JLL antecipa um natural abrandamento na dinâmica da procura quer para ocupação quer para investimento face ao ano passado, pela dupla circunstância de enfrentar um agravamento das condições económicas e comparar-se com níveis recorde de atividade. Contudo, não antecipa quebras disruptivas em termos de montantes transacionados e absorção, prevendo ainda que os preços e as rendas possam manter uma trajetória positiva, mas mais suave. A baixa capacidade de reposição da oferta, que se mantém escassa em todos os segmentos, é uma das explicações para este comportamento.

Recorde-se que o ano 2022 estabeleceu novos recordes na transacção de habitação, com vendas estimadas de 31 mil milhões de euros, e no investimento em imobiliário comercial*, cujo volume ultrapassou a barreira inédita dos 3.400 milhões de euros.

O volume de absorção, também,, tocou novos máximos, atingindo-se a ocupação de 272 mil m2 de escritórios em Lisboa, acima do anterior máximo histórico registado em 2008. Os preços da habitação intensificaram a trajectória de crescimento ao longo do ano e as rendas quer da habitação quer dos imóveis não residenciais, incluindo escritórios, logística e retalho, exibiram igualmente uma tendência positiva.

Pedro Lancastre, ceo da JLL, declara que “encaramos 2023 com bons olhos, pois o imobiliário nacional já deu provas da sua capacidade de resistir a choques externos e adaptar-se rapidamente em contextos de incerteza”. É, no entanto, um “optimismo cauteloso”, na medida em que o agravamento das condições económicas em Portugal e na Europa pode contaminar o mercado imobiliário. “Será um ano de redução do poder de compra das famílias e da capacidade de investimento das empresas, e de maiores restrições no acesso ao financiamento, tudo isto a acontecer numa Europa onde ainda não se sabe muito bem o que esperar em termos de geopolítica”, alerta Pedro Lancastre.

Pedro Lancastre considera, ainda, que “será normal que se repensem estratégias e reposicionem projectos”. Isto porque, “ainda que os promotores e investidores não antecipem quedas significativas na procura, vai haver maior dificuldade no acesso ao financiamento para novos projectos, num contexto em que os custos de construção estabilizam e em que os licenciamentos estão muito demorados”. 

Por isso, “em termos de valor, há condições para estabilizar os preços e as rendas em setores mais aquecidos e dar continuidade à tendência de crescimento em mercados secundários mais afetados pela falta de oferta e para onde a procura se está a direccionar em busca de produtos mais adequados aos seus rendimentos, estejamos a falar de habitação, escritórios ou armazéns”.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

IFRRU 2020 volta a bater recorde de investimento em reabilitação urbana

O Instrumento Financeiro para a Reabilitação e Revitalização Urbanas, IFFRU 2020 voltou, em 2022, a bater recorde de investimento contratado em reabilitação urbana, com 361M€. Em 2021, o instrumento tinha já superado os níveis pré-pandemia, com 307M€

CONSTRUIR

Com estes investimentos, o ano de 2022 terminou com um total acumulado de 440 contratos assinados, que correspondem a 1.428 milhões de euros de investimento para a reabilitação integral de edifícios e melhoria do seu desempenho energético.

Após a reabilitação, 210 destes edifícios terão uso habitacional, sendo os restantes 213 destinados a actividades económicas e 17 a equipamentos de utilização colectiva abrangendo equipamentos culturais públicos e sociais e de apoio social, bem como as residências para estudantes. Na sua maioria (355) os projectos são promovidos por empresas e os restantes por particulares, IPSS e Câmaras Municipais.

Com já 157 edifícios reabilitados, os projectos em execução localizam-se nas Áreas de Reabilitação Urbana, delineadas pelos respectivos Municípios, garantindo-se, assim, o seu alinhamento com a política urbana local, sendo já 90 os Municípios das várias regiões do país com financiamentos IFRRU 2020.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Hotel Turismo da Guarda vai integrar rede de Pousadas de Portugal

Mais de uma década depois do seu encerramento e várias soluções falhadas para reabilitar e reabrir a infraestrutura hoteleira, o Hotel Turismo da Guarda será integrado na rede de Pousadas de Portugal, para reabilitação e subsequente exploração

CONSTRUIR

O Hotel Turismo da Guarda, edifício emblemático da cidade da Guarda, construído de raiz como unidade hoteleira de referência na região e inaugurado em 1947, será integrado na rede de Pousadas de Portugal e entregue à Enatur, Empresa Nacional de Turismo, para reabilitação e subsequente exploração, anunciou o Ministro da Economia e do Mar, António Costa Silva, na Assembleia da República, na Comissão de Economia, Inovação, Obras Públicas e Habitação.
O hotel encerrou a sua actividade comercial em Outubro de 2010 e, em Abril de 2011, foi adquirido pelo Turismo de Portugal à Câmara Municipal da Guarda.

O imóvel foi destinado a venda e afectado ao programa «Revive», desde 2011 e até à data presente, não gerando interessados. Hoje, com a sua integração na rede de Pousadas de Portugal, e entregue para reabilitação e subsequente exploração à Enatur, Empresa Nacional de Turismo, o Hotel Turismo da Guarda vê, assim, mais de 12 anos depois do seu encerramento, a solução final para a sua reabertura ao público.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Grupo Altis Hotels celebra 50 anos com investimento de 26,5 M€

A renovação da primeira unidade do Grupo, em Lisboa, e a abertura da primeira unidade no Porto marcam as comemorações de meio século de existência. Com conclusão prevista para o final de 2023, a abertura do Altis Porto está agendada para Janeiro de 2024, num investimento de cerca de 24 M€

Cidália Lopes

Tendo completado 50 anos de existência no final de 2022, o Grupo Altis Hotels tem vindo a preparar esta data com um conjunto de iniciativas e investimentos, entre eles a sua expansão para a cidade do Porto. Em simultâneo está a decorrer a renovação do primeiro hotel do Grupo e que marcou o início da sua actividade, o Altis Grand Hotel. Ao todo, o Grupo prevê investir cerca de 26,5 milhões de euros em ambos os projectos.

Altis Porto em 2024

Com uma vista privilegiada sobre o rio Douro e a escassos minutos do centro da cidade, o primeiro hotel Altis no Porto, com 95 quartos, vai situar-se na Rua Jorge de Viterbo Ferreira, perto do Super Bock Arena – Pavilhão Rosa Mota.

Ao CONSTRUIR, a administração do Grupo Altis confirmou que a unidade hoteleira está já numa fase avançada da sua construção. A “fase de estrutura está já concluída e os trabalhos de construção civil e das instalações estão executados a 50%”, indicam.

Com assinatura do atelier NN Arquitectura, o hotel foi desenhado para os mercados português, americano e inglês do segmento ‘high-end corporate’ e ‘leisure’. As suas amenities incluem um spa com piscina interior, ginásio, piscina panorâmica aquecida no rooftop do hotel, três salas de reunião totalmente equipadas, um restaurante, dois bares e estacionamento privativo. A decoração de interiores é da responsabilidade da equipa da LADO.

Com conclusão prevista para o final de 2023, a abertura está agendada para Janeiro de 2024. Para esta nova unidade hoteleira, o investimento é de cerca 24 milhões de euros.

Modernização do Grand Hotel

Com projecto de interiores da Artica, o Altis Grand Hotel está a ser alvo de uma profunda renovação ao nível dos quartos, espaços de banho, assim como do lobby e galeria. Os trabalhos implicam um investimento aproximado de 2,5 milhões de euros.

A primeira fase teve início durante 2022, tendo sido renovados 19 quartos. Segue-se a renovação do lobby e da zona de galeria, num total de 1 200 metros quadrados, obra que deverá ficar concluída já em Fevereiro.

A renovação dos restantes 152 quartos e das três Suites Embaixador que compõem aquela unidade hoteleira deverão ficar concluídos entre Abril e Julho, assim como a renovação de todos os espaços de banho nos pisos 0, 1 e 2.

A remodelação da primeira unidade do Grupo vai também incidir num conjunto de obras com vista a uma maior eficiência energética, nomeadamente a instalação de painéis solares fotovoltaicos, assim como a instalação de novos sistemas de produção de energia térmica e eléctrica para redução da emissão de CO2.

O início e o futuro

Fundado nos anos 70 por Fernando Martins, com o actualmente conhecido Altis Grand Hotel, a adopção e implementação de valores familiares tem sido a filosofia empresarial do Grupo.

A preservação do património e tradição desta marca de referência no sector, “mantendo-se fiéis à genuinidade característica da vida quotidiana portuguesa”, pretende ser o futuro do Grupo.

Tendo Lisboa como “tela e inspiração”, actualmente, as unidades hoteleiras do Grupo Altis Hotels abrangem diversos públicos, desde os mais clássicos aos contemporâneos, da sofisticação à casualidade, em grande escala ou tamanho boutique. A partir de 2023, a presença no Norte do País marca uma nova fase da presença do Grupo em Portugal.

Sobre o autorCidália Lopes

Cidália Lopes

Jornalista
Mais artigos
Construção

Covilhã: Antigo edifício do CITEVE irá receber hospital privado

Com um investimento avaliado em 30M€ este será o primeiro hospital privado da Covilhã e resulta da renovação do antigo edifício do CITEVE

CONSTRUIR

O Fundo C2 MedCapital, lançado no final de 2020, vai desenvolver em parceria com a FPT Biomass, do investidor Carlos Alegria, e a AFFIS, empresa local detida pela A. Fernandes SGPS, o primeiro hospital privado da Covilhã.

Com uma área de oito mil metros quadrados (m2) , este projecto representa um investimento avaliado em 30 milhões de euros e será o primeiro hospital privado da Covilhã, tendo como objectivo tornar-se a unidade hospitalar privada de referência na região das Beiras, contando ainda com potencial de expansão no futuro e capacidade de investimento em oferta adicional na região.

O futuro hospital resulta da renovação do antigo edifício onde se encontrava localizado o Centro Tecnológico da Indústria Têxtil e Vestuário (CITEVE), cujas obras deverão arrancar ainda na primeira metade de 2023. A sua conclusão está prevista para meados de 2024.

O Hospital estará alicerçado num corpo clínico local e estável, com profissionais de saúde formados localmente, alavancando a ligação à Faculdade de Medicina da Universidade da Beira Interior (UBI) e o protocolo de colaboração que está a ser estabelecido entre as partes. O Hospital pretende também atrair profissionais de saúde de outras regiões para o desenvolvimento deste projeto.

O Hospital Privado da Covilhã terá todas as valências, especialidades e áreas de cuidados de saúde – consultas, bloco operatório, internamento, serviço completo de Imagiologia, meios complementares de diagnóstico e terapêutica de um leque alargado de especialidades e atendimento permanente, bem como uma residência sénior. Além disso, o hospital estará alicerçado num corpo clínico local e estável, com profissionais de saúde formados localmente, alavancando a ligação à Faculdade de Medicina da Universidade da Beira Interior (UBI) e o protocolo de colaboração que está a ser estabelecido entre as partes.

O Fundo C2 MedCapital foi criado há pouco mais de dois anos por Simão Fezas Vital e Jorge Santos, Operating Partners da C2 Capital Partners, que somam, no seu conjunto, 20 anos de experiência em fusões e aquisições, e planeamento estratégico e operacional no sector da saúde.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Edição Digital

O novo hotel na encosta do Douro que nascerá até 2026, a nova orgânica do Governo e as apostas da Promiris na edição 474 do CONSTRUIR

As previsões para a actividade do Sector em 2023, o projecto de um novo hotel para as Margens do Douro e o resultado do concurso para os terrenos da Oficina do Ferro, no Porto, na edição 474 do CONSTRUIR

CONSTRUIR

Cerejeira Fontes Architects assinam habitação e hotel nas margens do Douro
É em 2026 que está prevista a conclusão do “Porto Douro Marina & Villas”, na encosta do rio Douro, junto à barragem Crestuma-Lever. Os muros das vinhas, os socalcos e as próprias vinhas, tão típicos da região, estão na génese da concepção do projecto que pretende respeitar a tipologia do terreno e a paisagem

A democratização das renováveis
Liderada por João Loureiro, a Image4ALL dedica-se ao diagnóstico, desenvolvimento e implementação de soluções de energia. Empresa entra em 2023 com perspectivas de forte crescimento

Dupla Rafael Montes e Miguel Acosta assinam ‘novo’ Quarteirão da Oficina do Ferro
A proposta dos arquitectos Rafael Montes e Miguel Acosta foi a vencedora do concurso para a revitalização do Quarteirão da Oficina do Ferro, espaço que inclui o antigo Palácio Ford, no Porto. Criatividade e inovação, assim como a sustentabilidade económica e ambiental da proposta foram os critérios que mais pesaram na decisão do júri

Criação de Ministério atesta importância da Habitação
Marina Gonçalves, até agora secretaria de Estado da Habitação, na dependência do Ministério das Infraestruturas, passa a liderar, aos 34 anos a nova pasta, depois de confirmada a criação de um novo ministério. Passo dado pelo primeiro-ministro é encarado como o reconhecimento da importância que esta temática tem. Associações estão satisfeitas com a escolha da nova

Coimbra, Aveiro e Faro no radar da Promiris
Os responsáveis da Promiris revelam ao CONSTRUIR que analisam a implementação de residências de estudantes em novas cidades, alargando a aposta já feita em Lisboa e Porto

Dossier:
Casa de Banho

As empresas revelam um “optimismo moderado” assente no crescimento da construção. É notório, contudo, que nenhuma estratégia descarta o impacto ambiental ou sustentabilidade

A versão completa desta edição é exclusiva para subscritores do CONSTRUIR. Pode comprar apenas esta edição ou efectuar uma assinatura do CONSTRUIR aqui obtendo o acesso imediato.

Para mais informações contacte: Graça Dias | [email protected] | 215 825 436

Nota: Se já é subscritor do CONSTRUIR entre no site com o seu Login de assinante, dirija-se à secção PLUS – Edição Digital e escolha a edição que deseja ler

ACEDA AQUI À VERSÃO DIGITAL DA EDIÇÃO IMPRESSA DO CONSTRUIR 474

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Agendas do PRR para a inovação vão gerar quase 9 MM€ de riqueza e 18 mil empregos

As Agendas Mobilizadoras para a Inovação do Plano de Recuperação e Resiliência vão criar um valor quase três vezes superior ao investimento que vai se feito. A visita do Primeiro-Ministro, António Costa, à fábrica de componentes para produção de hidrogénio verde da Fusion-Fuel Portugal, em Benavente, integrou o roteiro “PRR em movimento”

CONSTRUIR

António Costa referiu que os produtos e serviços inovadores desenvolvidos a partir das Agenda Mobilizadoras vai gerar 8,7 mil milhões de euros de riqueza, para um investimento de 2,9 mil milhões de euros.

Com as 51 Agendas Mobilizadoras já aprovadas, a riqueza nacional “vai aumentar porque se, para alem de continuarmos a fazer o que já fazemos bem, fizermos coisas novas, vamos ter mais valor”, afirmou.

As 51 agendas mobilizadoras envolvem 1228 entidades, 900 das quais empresas, 114 entidades do sistema científico e tecnológico, e entidades da Administração Pública ou outras.

O Primeiro-Ministro sublinhou que as empresas portuguesas têm “conseguido ser das mais competitivas à escala mundial no hidrogénio verde2, o qual “vai ser um verdadeiro catalisador da criação de uma nova fileira industrial e para a reindustrialização de Portugal”. No seu conjunto, as Agendas Mobilizadoras criarão também 18 mil empregos, assinalou ainda.

A Fusion-Fuel Portugal é uma empresa de tecnologia de energia que desenvolveu um gerador fotovoltaico para produzir hidrogénio verde (através da quebra das moléculas de água), que reduz o preço de fabrico através da transformação inovadora dos métodos de produção de energia, e que já está em aplicação em Portugal e em instalação em Espanha, em Itália, em Marrocos e nos Estados Unidos.

A empresa integra o consórcio do Sines Green Hydrogen Valley para produção de hidrogénio verde, com componentes produzidas no país, que resultam de investigação e de patentes nacionais, destinando-se a servir a indústria nacional e a exportação.

O Sines Green Hydrogen Valley representa investimento total de 122 milhões de euros, 8,7 milhões dos quais destinados a investigação, inovação e desenvolvimento, tendo obtido um incentivo de 36 milhões de euros do PRR.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.