Edição digital
Assine já
    PUB
    Imobiliário

    72M€ para 1º Direito em Braga

    O Programa de Apoio ao Acesso à Habitação em Braga terá um investimento 72 milhões de euros, que irão permitir criar 691 novos fogos. O balanço feito pela autarquia contabiliza em 2022 o apoio, via BragaHabit, a 1517 famílias

    CONSTRUIR
    Imobiliário

    72M€ para 1º Direito em Braga

    O Programa de Apoio ao Acesso à Habitação em Braga terá um investimento 72 milhões de euros, que irão permitir criar 691 novos fogos. O balanço feito pela autarquia contabiliza em 2022 o apoio, via BragaHabit, a 1517 famílias

    CONSTRUIR
    Sobre o autor
    CONSTRUIR
    Artigos relacionados
    “O ano de 2024 vai ver, possivelmente, os números dos quadros do grupo no Brasil ultrapassar os de Portugal”
    Engenharia
    Abril prolonga efeito da páscoa no alojamento local em Lisboa e Porto
    Imobiliário
    Autarquia de Barcelos investe 4M€ em terreno para novo hospital
    Construção
    Cushman & Wakefield responsável pela colocação da SKF no Alfrapark
    Imobiliário
    Grupo Névoa investe 12M€ na construção de nova unidade hoteleira em Braga
    Construção
    Novo projecto do Grupo Ferreira aposta em construção ‘off-site’
    Imobiliário
    Metro de Lisboa: Ministro admite atrasos irrecuperáveis e ajustes do programa
    Construção
    Dstgroup vence concurso para construção de 5 centrais fotovoltaicas flutuantes
    Construção
    Startup portuguesa Bandora integra Agenda ILLIANCE
    Empresas
    Lisboa é a 100.ª cidade mais cara do mundo para expatriados
    Imobiliário

    Em 2022, a BragaHabit apoiou 1.517 famílias nos quatro regimes de apoio que estão previstos no Regulamento de Apoio à Habitação do Município de Braga: arrendamento apoiado, subarrendamento, Regime Directo de Apoio ao Arrendamento (RADA) e residências partilhadas. Este número representa um aumento de 22% no número de apoios habitacionais em vigor face ao ano transacto.

    Ao longo dos últimos 12 meses, o município assinou 12 contratos de atribuição de apoio em regime de arrendamento apoiado e 7 contratos de atribuição de apoio em regime de residência partilhada. Foram ainda concretizados 11 processos de mobilidade entre famílias.

    Para o próximo ano a autarquia prevê um aumento significativo das atribuições em regime de arrendamento apoiado com a conclusão das obras de reabilitação no Bairro de Santa Tecla que libertarão cerca de 30 habitações que, neste momento, estão a ser utilizadas como fogos de transição. Mas o aumento deve-se sobretudo às revisões do Regulamento de Apoio à Habitação, que alargou as condições de acesso aos apoios sociais da BragaHabit.

    O balanço feito pela autarquia destaca ainda a criação, em 2022, de novos programas de apoio habitacional, com o lançamento do Banco de Bens e Equipamentos, o Programa Municipal de Combate à Pobreza Energética e a regulamentação do Programa Municipal de Arrendamento Acessível e do Programa de Apoio Extraordinário à Prestação Bancária para Habitação Própria e Permanente, que será concretizado em 2023 com a criação de um Regime de Apoio Directo ao Empréstimo, no sentido de apoiar as famílias com baixos rendimentos que se vêm confrontadas com uma subida abrupta da sua taxa de esforço.

    Durante este ano foi também aprovada a actualização da Estratégia Local de Habitação, no âmbito do 1º Direito – Programa de Apoio ao Acesso à Habitação, que prevê um investimento de 72 milhões de euros no que diz respeito à BragaHabit e que vai abranger 691 fogos e 1.907 pessoas, para reabilitação do seu parque habitacional, bem como a aquisição e construção de novos fogos até ao ano de 2026. Neste momento, a BragaHabit conta já com 12 contratos de comparticipação financeira assinados com o Instituto de Habitação e Reabilitação Urbana no âmbito do 1º Direito, tendo assegurado um financiamento de 100%, na ordem dos 7 milhões de euros para a reabilitação de 146 fogos no Bairro das Andorinhas e na Praceta Padre Sena de Freitas.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Artigos relacionados
    “O ano de 2024 vai ver, possivelmente, os números dos quadros do grupo no Brasil ultrapassar os de Portugal”
    Engenharia
    Abril prolonga efeito da páscoa no alojamento local em Lisboa e Porto
    Imobiliário
    Autarquia de Barcelos investe 4M€ em terreno para novo hospital
    Construção
    Cushman & Wakefield responsável pela colocação da SKF no Alfrapark
    Imobiliário
    Grupo Névoa investe 12M€ na construção de nova unidade hoteleira em Braga
    Construção
    Novo projecto do Grupo Ferreira aposta em construção ‘off-site’
    Imobiliário
    Metro de Lisboa: Ministro admite atrasos irrecuperáveis e ajustes do programa
    Construção
    Dstgroup vence concurso para construção de 5 centrais fotovoltaicas flutuantes
    Construção
    Startup portuguesa Bandora integra Agenda ILLIANCE
    Empresas
    Lisboa é a 100.ª cidade mais cara do mundo para expatriados
    Imobiliário
    PUB

    DR

    Imobiliário

    Abril prolonga efeito da páscoa no alojamento local em Lisboa e Porto

    No mês que se seguiu à Páscoa, diárias mantiveram preços e ocupação média aumentou para 70% em Lisboa e 57% no Porto. Em Abril venderam-se 79.600 noites de AL em Lisboa e 65.460 no Porto, traduzindo maior procura do que a registada em Março, quando as duas cidades registaram 71.350 e 53.250 noites vendidas, respectivamente

    A Confidencial Imobiliário divulgou os dados mais recentes das estatísticas do SIR-Alojamento Local, revelando que Abril prolongou o efeito positivo do período da Páscoa, com sustentação dos preços das diárias quer em Lisboa quer no Porto e um aumento dos níveis de ocupação nas duas cidades.

    Em Lisboa, o Alojamento Local registou uma ocupação média de 70% no mês de Abril, um resultado superior aos 65% verificados em Março. No Porto, este tipo de acomodação teve uma taxa média de ocupação de 57% em Abril, também superior aos 46% do mês anterior. Os níveis de preços praticados mantiveram-se relativamente estáveis entre os dois meses, comparando-se 119€ em Abril com 121€ em Março no caso de Lisboa, e 105€ com 104€, respectivamente, no caso do Porto.

    Traduzindo a maior dinâmica de ocupação, Abril registou também um acréscimo do RevPAR face ao mês anterior, com este indicador a atingir 80€ em Lisboa e 58€ no Porto, em comparação com os 76€ e 46€, respectivamente, observados no mês de Março.

    De assinalar ainda, o que parece ser a maior confiança dos operadores e proprietários neste mercado, com a oferta ativa a registar ligeiro acréscimo em abril face a março. Concretamente, em Abril contabilizavam-se 3.750 apartamentos T0/T1 activos em AL para ocupação na capital, mais do que os 3.550 registados em Março. No Porto, Abril somou 3.770 apartamentos T0/T1 com actividade no AL, também ligeiramente acima dos 3.700 registados no mês da Páscoa. Em qualquer dos casos, o volume de oferta activa em AL no mês de abril de 2024 é o mais elevado dos últimos quatro anos.

    Em Abril venderam-se 79.600 noites de AL em Lisboa e 65.460 no Porto, traduzindo maior procura do que a registada em Março, quando as duas cidades registaram 71.350 e 53.250 noites vendidas, respectivamente. Tal traduziu-se num volume de negócios de 9,5 milhões de euros em Lisboa e 6,9 milhões euros no Porto durante o mês de Abril.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Imobiliário

    Cushman & Wakefield responsável pela colocação da SKF no Alfrapark

    A multinacional sueca é a nova inquilina do parque empresarial localizado em Alfragide. Ao localizar a sua sede em Portugal no Alfrapark, a SKF junta-se aos inquilinos já presentes neste parque empresarial, como a Mondelez e Volkwagen Financial Services

    Localizado em Alfragide, o Alfrapark, da autoria do arquitecto Frederico Valsassina, totaliza mais de 22.000m2 de espaço de escritório e cerca de 1.500 lugares de estacionamento. Os clientes têm à sua disposição restaurante, café, salas de congresso e reuniões, heliporto e grandes áreas verdes a envolver os edifícios. Em 2022, o Alfrapark deu início aos trabalhos de conclusão das infraestruturas do empreendimento, cuja conclusão beneficia os seus clientes e utilizadores: mais áreas verdes, áreas de circulação e zonas de estacionamento. Quando estiver concluído, terá mais de 35.000m2 de espaço de escritório. O empreendimento ganhou um novo inquilino: a SKF, multinacional sueca, especialista no fabrico de rolamentos, ocupa agora uma fracção no edifício F do espaço, numa operação liderada pela Cushman & Wakefield (C&W) C&W, em representação do proprietário

    Sobre esta operação, comenta: “A SKF procurava um espaço moderno e próximo das suas actuais instalações pelo que encontrou no Alfrapark, a localização, o ambiente empresarial e um espaço com qualidade, características que valorizam”, refere Afonso Almeida Fernandes, Consultor Sénior da Cushman & Wakefield

    “É com grande entusiasmo que damos as boas-vindas à SKF ao Alfrapark. Estamos honrados em tê-los como parte de nossa comunidade de negócios e confiamos que sua presença agregará imenso valor ao nosso ambiente corporativo. Acreditamos firmemente que a chegada da SKF trará novas oportunidades de colaboração, inovação e crescimento para todos os envolvidos. Sua reputação de excelência e compromisso com a qualidade certamente fortalecerá ainda mais o nosso ecossistema empresarial.”, sublinha por sua vez Pedro Galvão Pisco, administrador da Alfraparque, proprietária do empreendimento.

    Fundada em 1907, a SKF está actualmente presente em cerca de 130 países e conta com mais de 40.000 colaboradores e 17.000 distribuidores em todo o mundo. Ao localizar a sua sede em Portugal no Alfrapark, a SKF junta-se aos inquilinos já presentes neste parque empresarial, como a Mondelez, Volkwagen Financial Services, entre outros.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Imobiliário

    Novo projecto do Grupo Ferreira aposta em construção ‘off-site’

    “Com betão pré-fabricado, que passa por um apertado controlo de qualidade em fábrica, o processo construtivo permite reduzir o desperdício e obter um resultado mais uniforme e rigoroso”, explica o promotor, o Grupo Ferreira Holding

    CONSTRUIR

    O  ‘The Yard’ é o novo empreendimento da Grupo Ferreira Holding (GFH). Localizado na zona dos Jardins da Arrábida, em Vila Nova de Gaia, o projecto de arquitectura tem assinatura do ODDA e curadoria do designer de interiores Rui Maciel.

    Uma das “principais bandeiras” do empreendimento é a sua aposta na sustentabilidade,  assumida desde a “concepção do projecto, na construção e sobretudo pensada para o futuro”. Esta mais-valia deve-se, em “grande parte” ao processo construtivo utilizado. “Com betão pré-fabricado, que passa por um apertado controlo de qualidade em fábrica, o processo construtivo permite reduzir o desperdício e obter um resultado mais uniforme e rigoroso”, explica o promotor.

    Este empreendimento oferece apartamentos de maiores dimensões, concebidos especialmente para famílias, sem deixar de lado as tipologias mais pequenas destinadas ao público mais jovem. Conta com um total de 92 unidades, com uma área média de 144m2, variando de T0 a T4, incluindo exclusivos duplex no último andar.

    Todos os espaços comuns, incluindo o ginásio, a área de co-working estão inseridos num lounge para os condóminos, que também dispõe de uma sala para crianças, uma sala de reuniões e uma sala de jantar gourmet.

    Viver em Vila Nova de Gaia está “estreitamente ligado à proximidade do mar e da natureza”, sendo esta a mensagem que o ‘The Yard’ pretende passar e que apesar de tudo esta a “um passo do Porto”, tornando o aspecto da acessibilidade um dos mais valorizados pelos clientes. Para integrar ainda mais a natureza, todo o design exterior foi planeado para que o edifício respire verde, com jardins verticais de plantas naturais preservadas na fachada.

    Rui Maciel, arquitecto e designer de interiores, com cerca de 20 anos de experiência, é o responsável pela curadoria da decoração de interiores, que se destaca pelos ambientes “requintados e luxuosos”. Segundo o designer “a ideia é que as pessoas sintam que estão a entrar num lobby de um hotel e não num típico hall de entrada de um prédio”.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Imobiliário

    Lisboa é a 100.ª cidade mais cara do mundo para expatriados

    Estudo “Custo de Vida” da Mercer aponta inflação, tendências económicas incertas, factores geopolíticos, guerras/crises locais e custos com habitação como os principais factores com impacto na decisão de seguir uma carreira internacional

    CONSTRUIR

    Lisboa é a 100.ª cidade mais cara do mundo para expatriados, de acordo com a edição de 2024 do ranking “Custo de Vida”, divulgado pela consultora Mercer. A subida de 17 posições no ranking global em 2024 por comparação com o ano anterior revela um agravamento do custo de vida para quem decide vir trabalhar para a capital portuguesa. Atendendo apenas ao panorama europeu, Lisboa ocupa a 39.ª posição.

    O ranking “Custo de Vida” da Mercer, empresa do grupo Marsh McLennan, classifica o custo de vida de 226 cidades do mundo para expatriados a partir da análise do custo comparativo de mais de 200 itens em cada local, incluídos nas categorias de transporte, alimentação, vestuário, produtos domésticos e entretenimento. Este estudo pretende apoiar as empresas multinacionais na definição de políticas de compensação para colaboradores expatriados.

    Hong Kong segura uma vez mais a primeira posição do ranking, seguindo-se Singapura. Zurique, Genebra e Basileia são três das cinco cidades mais caras a nível mundial, podendo o elevado custo de vida da Suíça estar correlacionado com a sua qualidade de vida superior.

    O aumento do custo com habitação verificado em diversas cidades tornou a mobilidade num desafio para as organizações. A inflação é outro factor que está a diminuir o poder de compra e a exercer pressão sobre as políticas de compensação. Esta conjuntura deverá dificultar a atracção e retenção de talentos-chave, podendo aumentar os custos com benefícios/remunerações, assim como os custos operacionais e criando limitações à mobilidade dos colaboradores.

    “Os desafios do custo de vida têm um impacto significativo ao nível da mobilidade nas empresas multinacionais e nos seus colaboradores”, afirma Tiago Borges, Career Business Leader da Mercer Portugal. “É importante que as organizações se mantenham atentas às tendências e que tenham em conta o feedback dos colaboradores, de forma que possam gerir eficazmente o impacto destas questões”.

    “A subida do custo de vida leva a que os colaboradores repensem rotinas e reduzam despesas, podendo mesmo obrigar a um esforço adicional para que consigam satisfazer as suas necessidades básicas”, acrescenta. “Perante estes desafios, as empresas podem repensar a compensação associada à mobilidade, podendo, por exemplo incluir ou reforçar apoios à habitação prestar serviços de apoio ou explorar estratégias alternativas de atracção e retenção de talento”.

    No contexto europeu, além das quatro cidades suíças que surgem nas primeiras posições do ranking – Zurique (3.ª posição), Genebra (4.ª posição), Basileia (5.ª posição) e Berna (6.ª posição) –, as cidades mais caras são Londres (8.ª posição), Copenhaga (11.ª posição), Viena (24.ª posição), Paris (29.ª posição) e Amesterdão (30.ª posição).

    Por outro lado, Minsk, capital bielorussa, é a cidade europeia mais barata, ocupando a 212.ª posição. Outras cidades de baixo custo na Europa incluem Sarajevo (203.ª posição), Escópia (198.ª posição), Cracóvia (175.ª posição) e Breslávia (169.ª posição).

    Apesar de a economia europeia ter abrandado, há já sinais positivos de crescimento na maioria dos Estados-Membros da União Europeia. No Sul da Europa, verifica-se uma expansão económica mais acelerada, prevendo-se que a taxa de inflação anual diminua, o que indica uma maior estabilidade de preços.

    No panorama mundial, as duas cidades com um custo de vida mais elevado situam-se na Ásia, Hong Kong (1º posição no ranking) e Singapura (2º lugar), o que se deve sobretudo ao elevado preço das habitações. Estes importantes centros económicos atraem também um elevado número de colaboradores expatriados, o que também contribui para o aumento do custo dos bens.

    Todas as cidades norte-americanas estão classificadas nas 100 primeiras posições, com sete cidades entre as 20 primeiras. No extremo inferior estão as cidades do Canadá, sendo que a economia canadiana tem demonstrado uma forte resiliência e está a superar as expectativas. Toronto é a cidade canadiana mais cara (92.ª posição), seguida de Vancouver (101.ª posição). Por sua vez, o custo de vida nas cidades mexicanas registou um aumento significativo por comparação com o ano anterior, com a capital a ocupar a 33.ª e Monterrey a 115.ª posição, uma subida de 46 e 40 lugares, respetivamente.

    Na América do Sul, a capital do Uruguai, Montevidéu, é a cidade mais cara para colaboradores expatriados (42.ª posição). Devido às flutuações das taxas de câmbio e ao preço das habitações, v árias cidades sul-americanas registaram um movimento significativo por comparação com o ano anterior – Santiago, no Chile, caiu 73 lugares para a 160.ª posição do ranking, enquanto Bogotá, na Colômbia, subiu 40 lugares para a 174.ª posição.

    Já na região do Pacífico, a inflação deverá continuar a pressionar o poder de compra dos habitantes. Sydney (58.ª posição), na Austrália, é a cidade mais cara da região, ultrapassando Noumea, na Nova Caledónia, que ocupa a 60.ª posição, tendo subido 10 lugares.

    As cidades africanas mais caras são Bangui (14.ª posição), na República Centro-Africana, Djibuti, capital do país com o mesmo nome, (18.ª posição) e Djamena (21.ª posição), no Chade. Lagos (225.ª posição), na Nigéria, desceu 178 lugares desde o ano passado, sendo esta a maior alteração por comparação com o ano anterior. Esta mudança deve-se sobretudo às flutuações cambiais, incluindo as repetidas desvalorizações da naira.

    Na 15.ª posição, o Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, é a cidade mais cara do Médio Oriente, enquanto Bombaim passou a ocupar a 136.ª posição e a ser a cidade mais cara da Índia.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Imobiliário

    Rivage Properties investe 20 M€ em imóvel de luxo junto ao rio Douro

    O ‘The View II’ é a primeira aposta da recém criada promotora que aposta na zona do Porto, onde já tem previstos mais três empreendimentos. Com 50% das fracções pertencentes à primeira fase já vendidas, a sua construção deverá estar concluída em 2026

    CONSTRUIR

    A Rivage Properties acaba de lançar o The View II, um empreendimento de luxo com 29 apartamentos, situado na margem do Rio Douro, a 10 minutos do centro histórico do Porto, e que conta com um investimento de 20 milhões de euros.

    A comercialização do edifício arranca já em Junho, sendo que já se encontram vendidas 50% das fracções pertencentes à primeira fase. A sua construção deverá estar concluída em 2026.

    Com a assinatura  do arquitecto Paulo Merlini, o empreendimento de sete andares, é inspirado nos “socalcos da região vinhateira e desenhado para integrar a paisagem do Douro” e caracteriza-se por “espaços amplos, luz natural e varandas e piscinas privadas, com vista para o rio Douro”. Os futuros moradores terão, também, acesso a um ginásio totalmente equipado e um espaço de co-living.

    O The View II reflecte, também, um compromisso com a sustentabilidade, através da escolha diferenciada dos seus materiais e da sua frente virada a Sul, que diminuem a necessidade de consumo energético.

    Para João Ribeiro, CEO e fundador da Rivage Properties, o The View II espelha os objectivos da empresa enquanto promotora imobiliária de luxo. “Para nós, é importante investir em locais estratégicos que valorizem o património cultural e promovam, acima de tudo, uma boa qualidade de vida. Pretendemos expandir o nosso portfólio e realizar mais investimentos diferenciados, que se integrem no ambiente e que tenham um papel no desenvolvimento local da região, além de ser prioritário que estes tenham um sentido de comunidade, através de espaços que incentivem a interacção e a convivência”, refere o responsável.

    A arrancar no mercado imobiliário, a Rivage Properties está a apostar no Grande Porto, onde já conta com outros três projectos de luxo, dois deles na Foz do Douro e nas Antas e um terceiro também na marginal do Rio Douro, em Gondomar, com um investimento total de 45 milhões de euros.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos

    (C) Jacob Sjöman. jacob@sjomanart.com

    Imobiliário

    Fusões e Aquisições movimentam 4,3MM€ em 2024

    Número de transacções diminui em 24% em comparação a 2023, embora o capital mobilizado tenha registado um aumento de 0,5%. O sector de Real Estate foi o mais activo no período, com 36 transacções, de acordo com o mais recente relatório do TTR Data

    CONSTRUIR

    Entre Janeiro e Maio de 2024, o mercado transaccional português registou a concretização de 199 operações, que totalizaram 4,3MM euros . Destas, 37% revelaram seus valores, conforme aponta o mais recente relatório do TTR Data. De acordo com a análise, estes números representam uma queda de 24% no número de transacções em comparação com o mesmo período de 2023, no entanto, salienta o relatório, houve um aumento de 0,5% no capital mobilizado.
    No mês de Maio, foram registadas 21 fusões e aquisições, entre anunciadas e encerradas, que totalizaram um valor total de 828,92 milhões de euros.
    Em termos sectoriais, o sector de Real Estate foi o mais activo nos primeiros cinco meses de 2024, com 36 transacções, seguido pelo sector de Internet, Software & IT Services com 19 operações, o qual registou uma queda de 39% quando comparado com igual período de 2023.

    Âmbito Cross-Border

    No âmbito Cross-Border, quanto à número de transacções, a Espanha e França, foram os países que mais investiram em Portugal no período, contabilizando 27 e 15 transacções, respectivamente. Em sentido inverso, as empresas portuguesas escolheram a Espanha e o Reino Unido como principal destino de investimento, com 13 e sete transacções, respectivamente.
    As aquisições estrangeiras no sector de Tecnologia e Internet aumentaram em 56% em comparação ao mesmo período de 2023.

    Private Equity, Venture Capital e Asset Acquisitions

    Até Maio de 2024, foram contabilizadas 18 transacções de Private Equity e um total de 527 milhões de euros.
    Em Venture Capital, foram realizadas 44 rodadas de investimentos e um total de 215 milhões de euros, representando uma queda de 30% no número de transacções.
    No segmento de Asset Acquisitions, foram registadas 53 transacções com um valor de 1,7 mil milhões de euros, representando uma queda de 8% no volume de operações.

    The Oitavos é destaque no período em análise
    A transacção destacada pelo TTR Data em Maio de 2024, foi a venda pela Quinta da Marinha do The Oitavos para o BTG Pactual, Square View e Green Jacket. O valor da transacção é de 160 milhões de euros. A operação contou com a assessoria jurídica em lei portuguesa dos escritórios Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva & Associados e VdA, Vieira de Almeida. Do lado financeiro, foi assessorada pelo BTG Pactual e em Due Diligence pela EY Portugal.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Imobiliário

    Remax: Transacções de imóveis de luxo entre Janeiro e Abril movimentam 484 M€

    Portugueses foram os que mais adquiriu casa, com cerca de 73%. Entre os investidores estrangeiros, são os brasileiros, norte-americanos e ingleses quem mais negoceiam em imobiliário

    CONSTRUIR

    A Remax Collection fechou os primeiros quatro meses do ano com um volume de preços de cerca de 484 milhões de euros, relativos a 1579 transacções e que dá conta de um aumento de 14,70% face ao mesmo período homólogo de 2023.

    Tal como em ciclos anteriores, foram os portugueses quem mais adquiriu casa, cerca de 73%. Entre os investidores além-fronteiras, são os brasileiros, norte-americanos e ingleses quem mais negoceiam em imobiliário.

    No que diz respeito ao peso por tipo de imóvel, os apartamentos continuam a representar mais de metade das transacções do segmento (82,52%), uma subida percentual (14%) face a 2023.

    Em relação à tipologia, os dados agora apresentados revelam que foram os T2 aqueles que maiores índices de procura registaram de janeiro a abril, com um total de 40,6% imóveis movimentados.

    Para Beatriz Rubio, CEO da Remax, “os números que traduzem a actividade nos primeiros meses do ano da RE/MAX Collection em 2024 foram os melhores de sempre neste período, reflectindo o crescimento face ao ano de 2023, o que demonstra o dinamismo do mercado imobiliário de luxo. Acreditamos que o aumento do portefólio de imóveis de luxo, sobretudo de empreendimentos exclusivos, cada vez mais procurados pelo segmento premium, e a aposta contínua na formação especializada dos nossos consultores seja um factor decisivo para a concretização de negócio”, sublinha.

    Tal como verificado em anos anteriores, a maior fatia do mercado Collection situa-se no distrito de Lisboa, que manteve assim a sua preponderância no conjunto do segmento. O grande destaque vai para o distrito de Coimbra que, pela primeira vez, surge no top 7 dos distritos com mais movimentos, ocupando a sexta posição.

     

    Numa análise mais detalhada, por distrito, é possível constatar que continuam a ser predominantes três concelhos: Lisboa, Porto e Setúbal. As variações mais significativas foram as registadas no Porto, com um aumento a rondar os 13%. Já o distrito de Setúbal reforçou o seu peso, mantendo o terceiro lugar entre os distritos mais importantes.

    De acrescentar que a atribuição da categoria “imóvel de luxo” da Remax Collection baseia-se em critérios de localização, preço, tipologia, design e arquitectura, pelo que excluí, por exemplo, terrenos e lojas da sua lista, contudo, contemplados por outras imobiliárias.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos

    Hotel ‘Flor de Sal’, em Viana do Castelo

    Imobiliário

    The Editory Collection Hotels adiciona mais uma unidade ao seu portefólio

    O Hotel Flor de Sal, em Viana do Castelo, passa assim a ser a 11ª unidade hoteleira da marca da Sonae. Enquanto “referência no Norte do País e perfeitamente estabelecido no destino” era estratégia integrar no Grupo esta unidade”, segundo Isabel Tavares, directora geral de Vendas e Marketing da Editory Collection Hotels

    CONSTRUIR

    O Grupo The Editory Collection Hotels acaba de integrar mais uma unidade no portfólio de hotéis: o Hotel Flor de Sal, em Viana do Castelo, sendo a 11ª unidade a juntar-se à operação do Grupo a nível nacional.

    Localizado mesmo em frente ao mar e a poucos minutos do centro da cidade de Viana do Castelo, o hotel começou a sua actividade em 2004, tendo, recentemente, sido alvo de investimentos de renovação e reconversão energética.

    “O Hotel Flor de Sal é uma referência no Norte do País e perfeitamente estabelecido no destino, e para a nossa marca, é estratégico integrar esta unidade em Viana do Castelo”, afirmou Isabel Tavares, directora geral de Vendas e Marketing da Editory Collection Hotels.

    O Flor de Sal, uma unidade de 4* Estrelas, dispõe de 60 quartos, dos quais oito são suites e uma penthouse, com uma decoração “moderna e sofisticada” na qual imperam os tons claros e as madeiras, a par de muita luz natural e de janelas que permitem “apreciar a vista-mar ou a vista de montanha”.

    Vocacionado para lazer, a unidade apresenta, também, uma forte componente corporativa ao disponibilizar quatro salas de reuniões, uma delas com capacidade até 200 pessoas em plateia, com vista-mar e luz natural, assim como um ginásio e um heath club Solinca, com piscina interior.

    O restaurante Saleiro, com 40 lugares sentados, é, também, uma “referência” da gastronomia tradicional e dos sabores do Alto-Minho. Com serviço de almoços e jantares à Carta, apresenta, ainda, um menu executivo durante a semana e, ao jantar, há condições para refeições de grupos empresariais ou familiares. No bar encontra-se disponível a carta de snacks e de vinhos de várias Regiões Demarcadas.

    O Grupo The Editory Collection Hotels, detido a 100% pela SC Investments, que por sua vez é detida na quase totalidade pela Efanor, em resultado da reestruturação do portfolio da ex-Sonae Capital e agrega os negócios de Hotelaria, Fitness, Tróia e Real Estate que pertenciam à Sonae Capital.

    As restantes unidades da marca são o Porto Palácio Hotel by The Editory (Boavista, Porto), The Editory Artist (Baixa, Porto), The Editory House (Ribeira, Porto), The Editory Boulevard (Aliados, Porto), The Editory Riverside (Santa Apolónia, Lisboa), The Editory Garden (Baixa, Porto), The Editory by The Sea (Troia), Aqualuz Troia Mar & Rio by The Editory (Troia), Troia Residence by Editory (Troia) e Aqualuz Lagos by The Editory (Lagos).

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos

    LIV Santa Catarina

    Imobiliário

    Antigo edifício da CGD transformado em 13 apartamentos de “charme”

    Com promoção da Oxy Capital e da Zaphira Capital, o LIV Santa Catarina está a ser comercializado pela Quintela e Penalva l Knight Frank, em parceria com a Bloom Lifestyle

    CONSTRUIR

    O projecto, da Oxy Capital e da Zaphira Capital, comercializado pela Quintela e Penalva l Knight Frank, em parceria com a Bloom Lifestyle, resulta da transformação de um edifício histórico em 13 apartamentos de “charme”.  A renovação integral inspirou-se na “alma tradicional portuguesa” e no “espírito boémio” de bairro.

    Localizado no centro de Santa Catarina, em Lisboa, entre os bairros da Bica, Bairro Alto, Santos-o-Velho e Chiado, o LIV Santa Catarina, no antigo número 5 da Rua Marechal Saldanha, onde em tempos funcionou uma das dependências da Caixa Geral de Depósitos (CGD) está a ser alvo de uma reabilitação que combina a “rica história da arquitectura do século XIX com um design de interiores contemporâneo e a solidez estrutural de uma nova construção”.

    “Assistimos a um momento especial assente na notoriedade que Lisboa foi granjeando ao longo dos últimos anos um pouco por todo o mundo. A intenção do comprador internacional já não está condicionada apenas pelo preço. A qualidade da habitação, assim como a oferta de um conjunto de valências que se estendem além das fachadas de um imóvel, tem um papel decisivo na escolha da propriedade e, cada vez mais, terão que estar alinhados com os padrões internacionais de luxo e de vivência das principais capitais do mundo”, salienta Francisco Quintela, sócio fundador da Quintela e Penalva.

    A procura por produtos de excelência é “uma tendência que se irá manter”, não só pelo “conhecimento que os mercados internacionais vão tendo da cidade de Lisboa, mas igualmente pela constante procura de casas no tradicional triângulo associado ao luxo em Lisboa (Chiado-Príncipe Real-Avenida da Liberdade) e face à escassez de produto”, acrescentou Francisco Quintela.

    Foi a pensar neste cliente, “que conhece Lisboa e procura uma arquitectura tradicional sem descurar da qualidade esperada num produto imobiliário ao nível das principais cidades europeias e mundiais”, que foi concebido o LIV Santa Catarina.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Imobiliário

    Corpo Santo 13 comprado por investidores privados

    Investidores privados compram edifício de escritórios junto ao Cais do Sodré. O imóvel, com 4.020 m2, situa-se numa das esquinas mais movimentadas da zona ribeirinha da capital e é actualmente ocupado pelo Tribunal de Relação

    CONSTRUIR

    A zona ribeirinha junto ao Cais do Sodré, Lisboa, foi palco de uma nova transacção, com a compra do edifício de escritórios Corpo Santo 13 por um conjunto de investidores privados, representados pela consultora imobiliária JLL. O imóvel foi vendido com o apoio da consultora imobiliária Cushman & Wakefield enquanto assessor da parte vendedora.

    Em tempos sede da Companhia de Seguros Fidelidade, o icónico imóvel situa-se numa das esquinas mais movimentadas deste eixo do Cais do Sodré, em pleno Largo do Corpo Santo, e distingue-se, entre outros factores, pela sua visibilidade, ao dispor de três frentes de rua. O edifício é actualmente ocupado pelo Tribunal da Relação.
    Outro ponto forte do edifício agora transaccionado é a sua localização privilegiada, próxima de pontos de transporte de metro, comboio e barco, além de estar no epicentro de um bairro muito apelativo para trabalhar, viver ou usufruir em lazer e turismo, onde a oferta de hotéis, retalho e serviços tem vindo a crescer e qualificar-se.

    Para João Sacadura, co-head of commercial real estate investment na JLL, “este imóvel é um activo muito apetecível com um ocupante de excelência. Mas evidencia-se também pelo potencial de reconversão que tem. Dada a sua excelente localização numa das zonas de Lisboa mais dinâmicas em termos de requalificação urbana, é um imóvel com inúmeras possibilidades no futuro”.

    “Foi com enorme prazer que assessorámos o vendedor nesta transacção. Esta demonstra mais uma vez o interesse de investidores por edifícios de escritórios bem localizados, com inquilinos de qualidade, e que têm ainda a plasticidade de poder eventualmente ser convertidos para outros usos”, acrescenta, por sua vez, Cristina Machado, head of office investment da Cushman & Wakefield.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB

    Navegue

    Sobre nós

    Grupo Workmedia

    Mantenha-se informado

    ©2024 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.