Edição digital
Assine já
Arquitectura

Fundações EDP e Serralves em sintonia, com projectos em agenda

A Fundação EDP e a Fundação de Serralves acordaram o desenvolvimento de projectos em conjunto nos espaços que gerem

CONSTRUIR
Arquitectura

Fundações EDP e Serralves em sintonia, com projectos em agenda

A Fundação EDP e a Fundação de Serralves acordaram o desenvolvimento de projectos em conjunto nos espaços que gerem

CONSTRUIR
Sobre o autor
CONSTRUIR
Artigos relacionados
Almada: Arranca construção do conjunto habitacional de Alfazina
Construção
As novas profissões do Sector da Construção, o túnel de drenagem de Lisboa e a revista TRAÇO na edição 479 do CONSTRUIR
Edição Digital
Prospectiva responsável pela reabilitação de troços rodoviários em Bujumbura, no Burundi
Engenharia
Weber complementa novas propostas para a gama de coberturas
Empresas
Patrick Freeman escolhido como CEO do Ombria
Imobiliário
BPI estreia primeiro “All in One” no Monumental em Lisboa
Empresas
Projectos de grandes empresas com financiamento até 150 M€ por ano
Empresas
Taga Urbanic investe 60M€ em novo empreendimento em Gaia
Imobiliário
“Hub do Mar” na antiga lota da Docapesca representa investimento de 31 M€
Construção
Projecto de reconversão de antigo convento inclui soluções Vicaima
Empresas

A Fundação EDP e a Fundação de Serralves acordaram o desenvolvimento de projectos em conjunto nos espaços que gerem, nomeadamente o Museu de Arte, Arquitectura e Tecnologia (maat) e a Central Tejo, em Lisboa, e o Museu, a Casa, o Parque de Serralves e a Casa do Cinema Manoel de Oliveira, no Porto, orientados para a promoção da arte contemporânea, da arquitectura e da ciência.

Nesse sentido, nos próximos anos, a Fundação EDP irá apoiar anualmente uma grande exposição em Serralves, começando desde já por apoiar a grande exposição dedicada à obra de Carla Filipe, que inaugurará neste mês no Museu de Serralves. Está também prevista a apresentação de algumas iniciativas de Serralves no maat e na Central Tejo, numa colaboração que se prevê estender-se nos próximos anos, com outras exposições e programas a divulgar.

Com este acordo, a Fundação EDP e a Fundação de Serralves terminam as conversações que vinham mantendo com vista ao estabelecimento de uma parceria para a gestão do Campus Cultural da Fundação EDP. A colaboração entre as duas fundações irá agora desenvolver-se através da promoção de iniciativas conjuntas, com a ambição de dinamizar a programação cultural no país e a nível internacional.

Desta forma, a Fundação EDP e a Fundação de Serralves pretendem consolidar o seu papel de mecenas e agentes activos na promoção e divulgação da arte e da cultura dentro e fora de Portugal.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Artigos relacionados
Almada: Arranca construção do conjunto habitacional de Alfazina
Construção
As novas profissões do Sector da Construção, o túnel de drenagem de Lisboa e a revista TRAÇO na edição 479 do CONSTRUIR
Edição Digital
Prospectiva responsável pela reabilitação de troços rodoviários em Bujumbura, no Burundi
Engenharia
Weber complementa novas propostas para a gama de coberturas
Empresas
Patrick Freeman escolhido como CEO do Ombria
Imobiliário
BPI estreia primeiro “All in One” no Monumental em Lisboa
Empresas
Projectos de grandes empresas com financiamento até 150 M€ por ano
Empresas
Taga Urbanic investe 60M€ em novo empreendimento em Gaia
Imobiliário
“Hub do Mar” na antiga lota da Docapesca representa investimento de 31 M€
Construção
Projecto de reconversão de antigo convento inclui soluções Vicaima
Empresas
Arquitectura

9.ª edição do Encontro Nacional de Estudantes de Design

dstgroup associa-se ao ENED para ajudar a impulsionar a inovação e a sustentabilidade do design português
9.ª edição do encontro decorre entre 30 de Março e 2 de Abril, em Guimarães. Toni Grilo, Eduardo Aires e Ronald Rael entre os designers oradores

CONSTRUIR

O dstgroup associou-se aos estudantes de Design da Universidade do Minho para desafiar os jovens universitários da área a pensar e a projectar um futuro inovador e sustentável para o design, no âmbito da 9.ª edição do Encontro Nacional de Estudantes de Design (ENED), que este ano decorre entre 30 de Março e 2 de Abril, na Escola de Arquitectura, Arte e Design da Universidade do Minho, em Guimarães.

Esta edição terá como tema a Sustentabilidade, Inovação & Cultura e contará com a presença de oradores com trabalho notável na área do design, entre os quais Toni Grilo, Eduardo Aires e Ronald Rael; dos arquitectos Carvalho Araújo e John Mcelgunn (sénior partner do gabinete Rogers Stirk Harbour + Partners); assim como referências na arte e moda, Fernanda Fragateiro e Nuno Baltazar, respectivamente.

“Enquanto dstgroup percebemos há muito a importância do design, em toda a sua amplitude, como elemento catalisador da eficácia e eficiência da nossa actividade em diferentes áreas. Entendemos que é fundamental o pensamento com design onde a utilização do seu processo criativo é a chave para a resolução de problemas complexos e para o desenvolvimento de soluções inovadoras”, descreve Ricardo Portela, Administrador da bysteel para a Indústria e Inovação.

Nesta edição, os cerca de 800 estudantes esperados poderão participar em workshops, palestras e mesas redondas, mas também terão espaço para estabelecer networking com diversas empresas da área.

“O design estimula o pensamento crítico, fomenta a criatividade e partilha de conhecimento. Atua como agente facilitador na integração de equipas multidisciplinares através de uma forma diferente de pensar e de agir. É uma perspectiva diferente de ver o mundo, que tem aplicabilidade prática em qualquer empresa e em todas as áreas. Queremos este pensamento presente no dia a dia de todas as nossas empresas permitindo-nos assim impulsionar o desenvolvimento de novos produtos e serviços, optimizar processos internos e melhorar a experiência dos nossos clientes e parceiros”, sublinha Ricardo Portela.

As actividades do encontro serão distribuídas entre o Instituto de Design de Guimarães, o Teatro Jordão e a Escola de Arquitectura, aproveitando ainda os três espaços distintos que compõem a Escola de Arquitectura, Arte e Design da Universidade do Minho.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Arquitectura

Inquérito da OA revela o estado da Arquitectura em Portugal

7649 arquitectos responderam ao inquérito dirigido aos membros da Ordem dos Arquitectos, no âmbito do Observatório da Profissão, com o objectivo de dar a conhecer o seu perfil, caracterização sociodemográfica, condições financeiras e de prática da profissão, entre outros parâmetros

CONSTRUIR

A Ordem dos Arquitectos (OA), com o intuito de conhecer os seus membros, a prática da profissão, no momento actual, e o estado da Arquitectura, em Portugal, promoveu um inquérito dirigido a todos os seus membros, desenvolvido por investigadores do Centro de Estudos e Sondagens de Opinião da Universidade Católica Portuguesa (CESOP). Esta iniciativa que decorre no âmbito do Observatório da Profissão, visa entender a realidade da profissão, em Portugal, e desenhar as perspectivas para o futuro.

No inquérito realizado, entre 15 de Setembro e 30 de Outubro de 2022, participaram 7649 arquitectos, entre membros efectivos e estagiários da Ordem dos Arquitectos, o que se traduz num resultado que a OA sublinha ser “histórico”, uma vez que a “adesão registada é a maior de todos os trabalhos congéneres alguma vez realizados, o que corrobora a importância desta iniciativa e da necessidade de auscultar a profissão”, sustenta a Ordem.

Assim, de acordo com os resultados já apresentados revela que mais de 70% formou-se nos últimos 20 anos e 90% faz da Arquitectura a sua actividade profissional. Cerca de 70% dos arquitectos trabalham nas áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto e apenas 16% actua fora dos grandes centros urbanos.

No que respeita ao tipo de vínculo laboral, 38% dos arquitectos inquiridos são trabalhadores independentes, 55% trabalham a partir de casa e 29% têm atelier próprio.

Nos últimos 5 anos, a habitação (78%) e os serviços (46%) encontram-se entre os tipos de encomendas mais requeridas aos arquitectos portugueses que responderam ao inquérito.

Outro dado revela que 15% dos arquitectos auscultados trabalham na função pública e 60% desses profissionais têm um vínculo laboral por tempo indeterminado, ou seja, são efectivos. Ainda a respeito da colaboração neste sector, o número de arquitectos não ultrapassa os 10 por serviço em mais de 80% dos casos, dos quais 58% têm entre 1 e 5 arquitectos. Já olhando para o sector privado, 34% trabalham por conta de outrem e, destes, 65% têm um contrato sem termo. Importa ainda referir que mais de 70% das empresas com serviços de Arquitectura conta com 1 a 5 arquitectos, o que demonstra a reduzida dimensão das mesmas.

Relativamente às condições de trabalho, mais de um terço dos arquitectos que participaram neste estudo (38%) afirma ter um rendimento líquido aproximado ou abaixo do salário líquido médio estimado em 968,09 euros. De salientar que cerca de metade dos membros inquiridos (48%) reconhece trabalhar mais de 40 horas semanais. No que respeita ao volume anual de negócios das sociedades e empresas de Arquitectura em 64% dos casos este não ultrapassa os 100 mil euros.

Ainda no segundo trimestre de 2023, a Ordem dos Arquitectos vai lançar um segundo inquérito, desta vez dirigido a não membros, diplomados em Arquitectura não inscritos na Ordem, por forma a conhecer também a realidade deste universo, a par de outras iniciativas promovidas no âmbito do Observatório da Profissão.
Pode aceder aos resultados do inquérito aqui https://arquitectos.pt/?no=2020498138,154.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Arquitectura

Ordem lança 1ª edição do Prémio de Arquitectura no Alentejo

Concurso assume-se como “um incentivo à promoção das boas práticas da arquitectura” na região Podem concorrer obras públicas ou privadas, de construção nova ou de reabilitação até dia 8 de Maio

CONSTRUIR

A Secção Regional do Alentejo da Ordem dos Arquitectos lançou a primeira edição do Prémio Arquitectura no Alentejo. Trata-se de um prémio de âmbito regional, dedicado a distinguir e a premiar obras de “reconhecida qualidade arquitectónica”, realizadas na área geográfica dos 47 municípios do Alentejo. A submissão das candidaturas deve ser efetuada até às 17h00 do dia 8 de Maio deste ano.

Podem concorrer obras públicas ou privadas, de construção nova ou de reabilitação, localizadas no Alentejo e que tenham sido concluídas durante os três anos civis anteriores à data de lançamento da edição do Prémio. Nesta primeira edição, e excepcionalmente, serão admitidas, obras concluídas durante os cinco anos civis anteriores à data do seu lançamento.

O prémio, com periodicidade bienal, assumir-se-á como um incentivo à promoção das boas práticas do exercício da arquitectura numa região geográfica de grande dimensão e muito diversificada do ponto de vista da paisagem – Alto Alentejo, Alentejo Central, Baixo Alentejo e Alentejo Litoral, e por isso, também diversificada nas soluções arquitectónicas e construtivas.

Além de “valorizar e promover” a divulgação do trabalho desenvolvido pelos arquitectos na região do Alentejo, o concurso visa premiar obras que, “pela sua qualidade, contribuam para a criação e salvaguarda de um património arquitectónico da região”, assim como “promover a disseminação de boas práticas” arquitectónicas e construtivas e suscitar o interesse da sociedade pela arquitectura.

Em cada edição, será realizada uma cerimónia pública no âmbito da celebração do Dia Mundial da Arquitetura para entrega dos prémios conjugada com a realização de exposições, conferências, apresentações, contribuindo para a promoção da região envolvendo todos os municípios e entidades regionais.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Arquitectura

Ainda vai a tempo de integrar o programa ‘Forecast Takeover’

As candidaturas, individuais ou colectivas, podem ser enviadas até dia 27 de Março. O projecto deve, também, estar activo e ser desenvolvido na AML. Durante o último fim-de-semana de Abril, os projectos seleccionados serão aprofundados em workshops e mesas redondas no Palácio Sinel de Cordes

CONSTRUIR

No âmbito da plataforma europeia LINA, a Forecast, uma plataforma sediada em Berlim e que dirige um programa de mentoria que ajuda a concretizar projectos cuja ambição social e potencial de inovação se estende muito para além deles próprios, acolhe um programa aberto para descobrir e promover iniciativas na Área Metropolitana de Lisboa (AML) que tenham desenvolvido estratégias sustentáveis de trabalho com os – e não apenas nos – seus contextos para uma melhor coexistência.

As candidaturas, individuais ou colectivas, podem ser enviadas até dia 27 de Março. O projecto deve, também, estar activo e ser desenvolvido na AML.

Na semana de 24 de Abril, as iniciativas seleccionadas serão documentadas numa série de pequenos vídeos intitulada ‘Blueprints for Agency’ e durante o fim-de-semana de 29 e 30 de Abril, os projectos serão aprofundados em workshops e mesas redondas no Palácio Sinel de Cordes.

Com esta open call, a Forecast quer descobrir o que é específico a cada projecto: Quais os desafios e o que querem abordar ou mudar? Como procederam na procura de soluções? Como funcionam estas estratégias e que mudanças provocaram? Qual é a melhor maneira de resumir estes processos, do problema à solução?

As iniciativas seleccionadas serão retratadas numa série de pequenos documentários, acessíveis online, permitindo aos futuros participantes obterem conhecimentos a partir destas ‘Blueprints’ praticáveis.

Este evento incluirá apresentações públicas das iniciativas retratadas nos documentários; Um plenário aberto à discussão sobre como estas podem ser adaptadas a diferentes geografias ou para lidar com diferentes desafios; uma activação destas iniciativas no Palácio, onde poderão mostrar o seu trabalho e promover o encontro com o público; um workshop ‘Forecast Condensed’, com rondas de discussão com um painel transdisciplinar de mentores que fornecerão feedback sobre questões específicas relacionadas com o projecto e sugerirão perspectivas para o seu futuro desenvolvimento.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Arquitectura

Let’s Talk: “Pode o Espaço tornar a Construção mais inteligente?”

O INOPOL Academia de Empreendedorismo do Politécnico de Coimbra promove o webinar “Pode o Espaço tornar a Construção mais inteligente?”. A sessão, inserida no ciclo Let’s Talk, conta com a presença de Pedro Resende, arquitecto, cofundador e CEO da OWL – Our Watch Leads

CONSTRUIR

O INOPOL Academia de Empreendedorismo do Politécnico de Coimbra promove o webinar “Pode o Espaço tornar a Construção mais inteligente?”, no próximo dia 21 de Março, numa sessão em zoom. Esta sessão, inserida no ciclo Let’s Talk, conta com a presença de Pedro Resende, arquitecto, cofundador e CEO da OWL – Our Watch Leads.

Esta sessão pretende fomentar o debate sobre a aplicação de tecnologia espacial ao sector da Construção, além de dar a conhecer o percurso que tem vindo a ser trilhado pela equipa da OWL no ecossistema empreendedor nacional, assim como a sua perspectiva sobre o papel da inovação na arquitectura e o potencial disruptivo e transformador da transferência de tecnologia espacial para o mercado.

A OWL – Our Watch Leads, é uma startup criada em Coimbra que pretende democratizar o acesso a soluções baseadas em tecnologia espacial e dados de satélite, mediante a sua aplicação aos sectores da Construção, Imobiliário e Smart Cities.

Let’s Talk é uma iniciativa mensal do INOPOL Academia de Empreendedorismo do Politécnico de Coimbra, que visa sensibilizar a comunidade de empreendedores, estudantes, docentes e investigadores para temas chave do mundo do empreendedorismo e da inovação.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Arquitectura

Archi Summit antecipa nova edição com inúmeras iniciativas

Pela primeira vez, a organização vai levar o Archi Summit a diversas cidades do País. Bragança recebe a primeira Archi Talks dia 18 de Março. A 7ª edição do evento internacional conta com a curadoria da dupla Moncada Rangel e projecto de exposição pelo atelier +L7 Office for Architecture

Cidália Lopes

A quatro meses do arranque da sétima edição do Archi Summit, a organização revela um conjunto de novidades e iniciativas que visam antecipar aquela que é um dos mais importantes eventos de arquitectura em Portugal. A Casa da Arquitectura, em Matosinhos, será o palco das conferências e eventos do Archi Summit, que tem data marcada para os dias 5, 6 e 7 de Julho.

O projecto de exposição está a cargo do atelier +𝘓7 𝘖𝘧𝘧𝘪𝘤𝘦 𝘧𝘰𝘳 𝘈𝘳𝘤𝘩𝘪𝘵𝘦𝘤𝘵𝘶𝘳𝘦. Fundado em 2019 pelo arquitecto Luís Garcia, este jovem atelier está sediado em São Paulo e no Porto e tem como permissa “unir prática e pesquisa para alcançar uma arquitectura flexível e que se transforme ao longo do tempo”.

TransForm

O tema TransForm desafia as concepções existentes sobre objectos, espaços e acções para além da sua Forma, mas enquanto um mecanismo para conectar o passado e o futuro, os seres humanos e o universo, o acto de produzir e o de agir, sendo o design o unificador entre intervenientes.

A dupla Moncada Rangel junta-se novamente à equipa do Archi Summit para fazer a curadoria da 7ª edição. Francesco Moncanda e Mafalda Rangel são uma dupla de arquitectos de formação que encaram a sua prática de diferentes perspectivas. Juntos formam o atelier Moncada Rangel, que define a sua prática arquitectónica como uma exploração do espectro do possível em múltiplos territórios.
Além da dupla de design italiano FormaFantasma, que se distingue por “investigações experimentais de materiais, abordando preocupações ambientais e explorando o design ao serviço da natureza” e que, em 2022, apresentaram uma selecção de trabalhos colaborativos envolvendo a paisagem de Maritoga, a 7ª edição vai contar como as participações do gabinete de arquitectura OMA, representado pelo arquitecto Giulio Margheri, e nomes promissores como o colectivo italiano Fosbury Architecture, composto por Giacomo Ardesio, Alessandro Bonizzoni, Nicola Campri, Veronica Caprino e Claudia Mainardi. Mariana Pestana, co-fundadora do estúdio interdisciplinar The Decorators, também compõe o painel de oradores.

Archi Talks
Este é também o ano em que a organização lança as Archi Talks, um ciclo de conferências com o intuito de promover a arquitectura e os seus profissionais em todo o território português. A primeira iniciativa deste ciclo acontece já a 18 de Março, no Teatro Municipal de Bragança, numa iniciativa conjunta com a OASRN e o Município de Bragança, tendo como propósito promover a descentralização e, ao mesmo tempo, a discussão da arquitectura e a partilha de conhecimento e conta com a participação de Luís Doutel, Fátima Fernandes e Michele Cannatà, Filipa Castro Guerreiro, Manuel Correia Fernandes, Álvaro Domingues e Marta Aguiar. que é a ARCHI
Serão abordados temas como o ”Despovoamento e a Economia Local” e “O Exercício da Arquitectura no interior e/ou nos grandes centros”. O programa conta, ainda, com uma visita ao centro histórico de Bragança e, no dia 19 de Março, uma visita à Capela de Nadir Afonso, em Alimonde.
O objectivo passa por “percorrer o território nacional, fora dos grandes centros”, cujas datas e próximos locais serão posteriormente anunciados.

Iniciativas paralelas
As Morning Tours estão de regresso pelo terceiro ano consecutivo, depois do balanço muito positivo que houve o ano passado. Consistem em visitas guiadas de grupo a locais de interesse cultural e turístico da cidade do Porto (neste caso) e acontecem durante os três dias do evento, na parte da manhã. Neste momento, encontramo-nos a planear outras iniciativas paralelas para tornar a experiência Archi Summit ainda mais interessante e dinâmica, que podemos partilhar mais em breve.

Outras das novidades para este ano são as Archi Revi Talks + Challenge, em parceria com a Revigrés.
As “ArchiRevi Talks” vão acontecer em formato roadshow nas faculdades das áreas de Arquitectura, Design e Engenharia Civil, em todo o País, para falar sobre sustentabilidade e convidar os futuros profissionais do sector a responder aos desafios da construção sustentável através da sua participação num desafio. Os contactos com as faculdades estão ainda a ser realizados e o agendamento das Talks dependerá da disponibilidade de cada uma das instituições.

Já o “ArchiRevi Challenge” propõe a realização de um projecto de intervenção num espaço existente, sob uma perspectiva inovadora e com um impacto real e visível, integrando produtos e materiais da Revigrés.
O objectivo é demonstrar como a escolha dos revestimentos e pavimentos cerâmicos contribui positivamente para a qualidade do meio ambiente e qualidade de vida dos utilizadores, para prolongar o ciclo de vida dos edifícios e, consequentemente, para a descarbonização das cidades.

Sobre o autorCidália Lopes

Cidália Lopes

Jornalista
Mais artigos
Arquitectura

Roca One Day Design Challenge premeia a sustentabilidade

A 7ª edição do concurso desafiou cerca de 320 inscrições de jovens talentos de todo o país a criarem uma solução onde o design permite ajudar pessoas a realizar as suas funções básicas de higiene num cenário de catástrofe natural. A proposta assinada por João Queirós, Hygibucket, saiu vencedora

CONSTRUIR

A sétima edição em Portugal do Roca One Day Design Challenge (ODDC), que, este ano regressou ao formato presencial, desafiou os participantes a apresentar, em contra-relógio, ideias inovadoras para o espaço de banho.
Este ano, os participantes foram convidados a criar uma solução de banho que ajude as pessoas a realizar as suas funções básicas de higiene num cenário de catástrofe natural. O briefing, apresentado no início do dia, baseou-se na premissa de que num cenário de catástrofe natural, como terramotos, furacões, inundações e incêndios, podem provocar interrupções no fornecimento de água potável, assim como no saneamento básico. Em apenas 8 horas, os participantes tiveram de desenvolver uma solução que ajude as pessoas a realizar as suas actividades de higiene nestes cenários, permitindo privacidade e garantindo a sustentabilidade da solução.

Os projectos foram avaliados pelo júri constituído por Jorge Vieira, managing diretor da Roca, Pedro Novo, fundador do atelier Pedro Novo arquitetos, Isabel Dâmaso, da Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa, Susan Cabeceiras, fundadora da Konceptness, e as vencedoras da edição anterior, Rosana Sousa, com formação académica no Instituto Politécnico do Cávado, e Sofia Vieira com formação académica em Belas Artes da Universidade do Porto.
Hygibucket foi o projecto vencedor do Roca ODDC 2023, com o primeiro prémio, no valor de 2.000€. A avaliação do júri sobre o trabalho criado por João Queirós, da Escola Superior de Arte e Design das Caldas da Rainha, foi unanime, “dado que o projecto reflectia o espírito de catástrofe, traduzindo-se numa solução prática e versátil e com grande atenção aos detalhes, ao nível da execução”.

O segundo prémio, no valor de 1.500€, foi atribuído à equipa composta pela dupla Bernardo Pereira e Rodrigo Santa Rita, alunos da Faculdade de Arquitectura da Universidade de Lisboa. O projecto Emergency Hygiene Unit foi avaliado pela sua boa apresentação, bom design, facilidade na compreensão da solução, bem como pela facilidade de transportar e desmontar enquanto objecto.

O projecto On the go, criado por Joana Gonçalves e Miguel Lamas da Faculdade de Belas Artes de Lisboa foi galardoado com o terceiro prémio (1.000€). O júri destacou neste trabalho a multifuncionalidade da peça, traduzindo-se numa solução compacta, excelente para armazenamento e fácil de transportar.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Arquitectura

“Hoje em dia não basta fazer arquitectura”

O grupo Openbook está em expansão, com reforço das áreas de design e nos serviços e apostou em diferentes vertentes, da corporativa à hoteleira, passando pelo residencial, sem esquecer aquela que é a sua área mais reconhecida internacionalmente: os escritórios. Paulo Jervell, partner e um dos fundadores do grupo, explica a aposta do Grupo

O hotel Choupana Hills na Madeira está em reconstrução. O investimento na recuperação da unidade, que durante décadas foi um marco do Turismo no arquipélago, é do grupo Lux Hotels e deverá custar, de acordo com notícia avançada pelo Diário da Madeira, cerca de 20 milhões de euros. A intervenção pressupõe a reconstrução dos edifícios afectados pelo incêndio de 2016, bem como as obras de conservação e manutenção nos edifícios não afectados, a recuperação dos arranjos exteriores e a redefinição de todos os espaços interiores e conceito de decoração. A arquitectura está a cargo da Openbook e o design de interiores foi entregue à NOBK, empresa do grupo Openbook.

A intervenção, transversal, do grupo de arquitectura português no projecto de reconstrução desta unidade hoteleira segue em linha com a nova dinâmica do grupo inaugurada em 2022, com impacto nos resultados do grupo. No último ano, a Openbook facturou 6M€, o que representa um crescimento de 50% face a 2021, inaugurou uma nova área de negócio, de Investment Advisory, um serviço de apoio ao investimento imobiliário, e apostou em diferentes vertentes, da corporativa à hoteleira, passando pelo residencial, sem esquecer aquela que é a sua área mais reconhecida internacionalmente: os escritórios. “Hoje não basta fazer arquitectura. Muitos dos nossos clientes esperam uma integração mais ampla de serviços”, justifica Paulo Jervell, partner da Openbook. “Queremos continuar a traçar um percurso sólido não só na área corporativa onde somos uma grande referência, mas também noutros sectores como o do turismo que está a ganhar cada vez maior relevância no nosso portefólio”, explica o arquitecto.

As metas para 2023 estão traçadas: alcançar 7,5 milhões de euros de facturação e apostar cada vez mais no mercado internacional onde tem desenvolvido vários projectos em diversas geografias: do Luxemburgo ao Brasil ou Angola. O reforço da equipa, iniciado em 2022, será reforçado ao longo deste ano, estando prevista a criação de uma área de actividades de design do grupo, que permitirá expandir a oferta de serviços na área corporativa, tais como: design de ambientes, sinalética e wayfinding, branding e design de identidade de marca.

O que motivou a criação de uma nova área de Real Estate Advisory e, exactamente, em que fase do processo de investimento é que ela intervém?
A área de Real Estate Advisory surge como uma consequência do crescimento e da diversificação dos serviços prestados pelo Grupo Openbook. Esta área assenta na prestação de serviços globais especializados e integrados, desde a identificação e selecção de activos, análise de custos e de viabilidade económica, apoio à transacção, coordenação de due diligences, gestão e contratação de serviços jurídicos e financeiros, planeamento estratégico e coordenação de todo processo de investimento. Com a forte aposta nesta nova área de negócio, após a sua consolidação, prevemos que esta possa contribuir para um crescimento em cerca de 20% do nosso volume de negócios.

Terá uma autonomia face àquela que é a actividade principal do grupo? O que vai mudar naquela que hoje já é uma área desenvolvida pela NOBK?
Esta nova área de actividades de design vem complementar tanto os serviços de Design de Interiores da NOBK, como os serviços de Arquitetura da Openbook. É uma área que irá abranger principalmente o Environmental Graphic Design, Sinalética e Wayfinding, Branding e Design de identidade de marca, mas também Audiovisuais e Multimédia, tendo assim uma intervenção distinta da NOBK. O Environmental Graphic Design coordena-se com inúmeras disciplinas de design, incluindo não só o design gráfico e a arquitectura, como também o design de equipamento, design de interiores e a arquitectura paisagista. Em todas estas disciplinas foca-se nos aspectos visuais da navegação e orientação no espaço, comunicação de identidade e informações – no intuito de educar, orientar, inspirar e entreter – moldando desta forma as experiências que as pessoas têm de um determinado lugar.

Hoje não basta “fazer” Arquitectura? Estas apostas são sinais das novas exigências ou reflexo do crescimento do gabinete?
Sim, de facto hoje não basta fazer arquitectura. Muitos dos nossos clientes esperam uma integração mais ampla de serviços. O mercado atingiu um estado de maturidade e sofisticação que aconselha que seja uma única entidade a gerir a grande diversidade de contratações, e a oferecer uma visão alargada e profissional do negócio e não somente uma perspectiva da qualidade do desenho.

Quão importante é para vós a área internacional e qual o peso que tem hoje no vosso volume de negócios?
A Openbook teve sempre uma perspectiva de posicionamento internacional e prova disso são os projectos que tem vindo a desenvolver em diferentes geografias nos seus 15 anos de actividade. Os projectos são concebidos pela equipa em Portugal com um acompanhamento dos nossos parceiros locais. Temos em curso um conjunto de projectos corporativos e de habitação internacionais, designadamente no Centro da Europa, Angola e Médio Oriente, cuja receptividade nos permitem antever um cenário de crescimento muito significativo e que hoje representam cerca de 15% do nosso volume de negócios.

Principais desafios de 2023?
A política de crescimento é cultural na Openbook, sendo que esse crescimento tem vindo a ser consolidado com a liderança no mercado corporativo, bem como o reconhecimento da nossa qualidade em áreas como o sector residencial, e os sectores do turismo e ensino. Com o crescimento sustentável que a Openbook tem vindo a ter, os grandes desafios assentam em continuar a fazer boa arquitectura em todos os projectos independentemente da escala ou do volume da encomenda, a qualidade é o nosso pilar central. Continuar a apostar na formação contínua da nossa equipa, em proporcionar a evolução das suas competências e, a somar a isto, outras disciplinas e áreas de negócio complementares com uma contínua aposta na tecnologia que sustenta toda a produção, com o objectivo de atingir o crescimento de 25% em 2023.

Sobre o autorManuela Sousa Guerreiro

Manuela Sousa Guerreiro

Mais artigos
Arquitectura

AND-RÉ vencem concurso para habitação na antiga Luzoestela em Aveiro

Promovido pelo IHRU, o futuro projecto será desenvolvido ao abrigo do Programa de Arrendamento Acessível. A assessoria técnica esteve a cargo da OASRS

CONSTRUIR

O atelier de arquitectura AND-RÉ foi o vencedor do concurso público do futuro conjunto habitacional que vai crescer no terreno da antiga Luzoestela, em Aveiro, junto ao viaduto da Esgueira. Promovido pelo Instituto de Habitação e Reabilitação Urbana (IHRU), o futuro projecto será desenvolvido ao abrigo do Programa de Arrendamento Acessível. A assessoria técnica esteve a cargo da Secção Regional do Centro da Ordem dos Arquitectos (OASRS).

Com um total de 108 fogos previstos, a Área Bruta de Construção não deverá ultrapassar os 12 mil metros quadrados, valor que inclui uma área de 500 metros quadrados destinada a comércio e serviços, assim como áreas de construção abaixo do solo destinadas a estacionamento e arrecadações.

De acordo com o júri, o conjunto apresenta “uma imagem diferenciada, boa relação com a envolvente e respectiva rede viária, bem como uma escala adequada e espaços exteriores bem dimensionados, incorporando preocupações ambientais”.

Neste sentido, a proposta da AND-RÉ evidencia-se por um conjunto de edifícios que se organizam em forma de “U”, criando “uma ampla praça urbana”. O espaço encerra-se para o arruamento devido à criação de dois blocos paralelos e dois perpendiculares, apresentado entre eles uma forte relação de proximidade e configurando um espaço vazio que se projecta para o horizonte numa lógica de espaço natural permeável, mantendo o solo orgânico.

Do ponto de vista arquitectónico, o conjunto apresenta “uma solução conceptual homogénea e compacta com uma imagem sóbria devido a uma malha assimétrica que uniformiza todas as fachadas”. Relevou, também, a opção de “libertar” uma vasta área para espaço verde totalmente permeável, tentando diminuir o impacto negativo das pré-existências, dado tratar-se de uma antiga zona industrial atravessada por redes viária e ferroviária. O facto de não existir estacionamento em cave, nas zonas destinadas a espaços verdes viabiliza a plantação de árvores, minimizando o impacto na estrutura ecológica.

Outro aspecto positivo, é a organização funcional, dos espaços privados e sociais das habitações bem como o
cumprimento da legislação relativamente a acessibilidades. A organização funcional dos fogos permite espaços interiores bem dimensionados e a ventilação transversal é considerada uma mais valia em termos de habitabilidade.

Os espaços de comércio e serviços apresentam-se bem localizados, enquadrados com os espaços verdes e com oferta de estacionamento.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Arquitectura

Prémio de Arquitectura de Odivelas com candidaturas até 31 de Março

As obras a concurso podem ser de construção nova ou de reabilitação ou recuperação de edifícios e cuja autorização de utilização tenha sido emitida nos quatro anos anteriores

CONSTRUIR

O Prémio Municipal de Arquitetura, instituído pela Câmara Municipal de Odivelas e com o apoio institucional da Secção Regional de Lisboa e Vale do Tejo da Ordem dos Arquitectos (OASRLVT), encontra-se em fase de candidaturas. As propostas podem ser enviadas até 31 de Março deste ano.

Aquela que é já a sua 8ª edição, tem como objectivo “promover publicamente edifícios que representem um contributo para a valorização e/ou salvaguarda do património arquitectónico e urbanístico do concelho”.

Desta forma, “serão valorizadas as intervenções que combinem os aspectos relacionados com a qualidade arquitectónica e a sua inserção no tecido urbano e paisagem envolvente”, assim como soluções que tenham em contam questões ambientais e de eficiência energética.

As obras a concurso podem ser de construção nova ou de reabilitação ou recuperação de edifícios e cuja autorização de utilização tenha sido emitida nos quatro anos anteriores.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.