Edição digital
Assine já
    PUB
    Engenharia

    Prospectiva supervisiona construção do novo Pólo de Saúde de Cascais

    O projecto de renovação incide sobre um edifício modernista, desenhado pelo arquitecto Joaquim Ferreira, mantendo o seu carácter, respeitando o seu desenho e estrutura originais, e propondo intervenções pontuais

    CONSTRUIR
    Engenharia

    Prospectiva supervisiona construção do novo Pólo de Saúde de Cascais

    O projecto de renovação incide sobre um edifício modernista, desenhado pelo arquitecto Joaquim Ferreira, mantendo o seu carácter, respeitando o seu desenho e estrutura originais, e propondo intervenções pontuais

    CONSTRUIR
    Sobre o autor
    CONSTRUIR
    Artigos relacionados
    Primeiras baterias de fluxo de ferro chegam a Portugal esta semana
    Empresas
    Sierra e PGIM investem na área hoteleira
    Imobiliário
    Monday inicia expansão internacional com primeiro espaço em Lisboa
    Imobiliário
    Em 2024 a Teka celebra 100 anos
    Empresas
    Topeca reforça gama de argamassas
    Empresas
    Mapei investe 13M€ na nova fábrica de Cantanhede
    Empresas
    Litehaus quer “imprimir” 100 casas por ano em Portugal
    Construção
    IP lança concurso público de 58,3M€ para Variante Nascente de Évora
    Construção
    O novo EVlink Pro DC 180 kW da Schneider Electric
    Empresas
    Dstgroup abre candidaturas para os estágios de Verão
    Empresas

    Contratada pela Câmara Municipal de Cascais, a Prospectiva vai realizar a Fiscalização e a Coordenação de Segurança em obra na construção do novo Pólo de Saúde de Cascais, um projecto que resulta da reabilitação de um antigo edifício municipal.

    O edifício foi originalmente desenhado pelo arquitecto Joaquim Ferreira no início da década de 1960 e construído na mesma altura, tendo albergado as instalações dos serviços municipalizados de águas e saneamento de Cascais. Até 2012 manteve a sua função original, altura em que se tornou devoluto.

    Dada a sua qualidade enquanto património público, a sua linguagem modernista e a sua localização com grande visibilidade na vila de Cascais, a obra passará por renovar o edifício existente mantendo o seu carácter, respeitando o seu desenho e estrutura originais, e propondo intervenções pontuais que o valorizem no novo conjunto e que possibilitem a sua adaptação às novas funções.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Artigos relacionados
    PUB
    Empresas

    Primeiras baterias de fluxo de ferro chegam a Portugal esta semana

    Trazidas pela Goldbreak, empresa de Famalicão especializada no armazenamento e produção de energia, a tecnologia destas baterias afigura-se “mais segura, sem impacto ambiental, mais económica a médio-longo prazo e possibilitando uma autonomia energética muito próxima dos 100%”

    Chegam ao Porto de Leixões, esta quinta-feira, 11 de Abril, as primeiras baterias de longa duração de fluxo de ferro para aplicações à escala industrial e de serviços públicos da Península Ibérica. Trazidas pela Goldbreak, empresa portuguesa de Famalicão especializada no armazenamento e produção de energia.

    A tecnologia “inovadora e única” na Península Ibérica destina-se a grandes consumidores de energia e pretende ser uma solução alternativa às baterias de lítio, afigurando-se “mais segura, sem impacto ambiental, mais económica a médio-longo prazo e possibilitando uma autonomia energética muito próxima dos 100%”.

    A chegada das duas primeiras unidades resulta da parceria estabelecida entre a empresa portuguesa Goldbreak e a empresa norte-americana ESS Tech, um dos principais fabricantes de sistemas de armazenamento de energia de longa duração, e terão como destino a unidade industrial Falual Metalomecânica, na Trofa, onde será simultaneamente instalada, também pela Goldbreak, uma central de produção fotovoltaica.

    As baterias de longa duração de fluxo de ferro possibilitam o armazenamento de energia eléctrica em segurança, disponibilizando-a por longos períodos, sem limite de ciclos e a baixo custo. Garantem a disponibilidade de energia até 12 horas, permitindo a optimização dos investimentos em produção de energia de fontes renováveis, uma vez que permitem estabilizar o abastecimento de energia eléctrica, reduzindo a perda de excedente e transferindo a energia verde dos períodos em que as fontes renováveis e intermitentes estão disponíveis para fases do dia sem produção.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos

    Ponte D. Luis I (Porto)
    Créditos : DR

    Imobiliário

    Sierra e PGIM investem na área hoteleira

    As empresas anunciam a criação de uma joint venture na área da hotelaria e a aquisição do primeiro hotel no Porto. A gestão estará a cargo da IHSP liderada por Gonçalo Batalha

    A Sierra e a PGIM, um dos maiores gestores de imobiliário do mundo, assinaram um acordo para lançar um novo veículo de investimento sob a forma de joint venture com a experiente equipa de gestão operacional na área da hotelaria da Iberian Hospitality Solutions (IHSP), liderada por Gonçalo Batalha.

    “O mercado hoteleiro e de lazer é, desde há muito tempo, um sector fundamental para a economia ibérica. Portugal é um dos principais mercados hoteleiros do sul da Europa, atraindo uma procura internacional crescente, e com potencial significativo decorrente de melhorias na qualidade da oferta para satisfazer as exigências da procura internacional. Na actual conjuntura, os investidores procuram investimentos que acrescentem valor, que ofereçam protecção face à inflação e que gerem fluxos de caixa para obterem retornos atractivos. A nossa estratégia tem como objectivo consolidar os operadores locais e melhorar a qualidade da oferta para os hóspedes. A nossa parceria com a Sonae Sierra e a IHSP e a aquisição do primeiro hotel no Porto confirmam as nossas perspectivas positivas para a região e a estratégia implementada”, refere Nabil Mabed, head of France, Spain and Portugal na PGIM Real Estate.

    Esta joint venture marca mais um passo na estratégia de diversificação da Sierra, tanto do ponto de vista sectorial (hotelaria) como do tipo de investimento (activos de hotelaria value-add) e tem como objectivo um valor bruto de activos (GAV) de 200 milhões de euros.

    Luis Mota Duarte, chief financial officer and executive director, Investment Management na Sierra, sublinha “a oportunidade para executar uma estratégia evidente de criação de valor no segmento europeu da hotelaria, reunindo as nossas distintas capacidades de investimento e de gestão de activos. Este é o nosso primeiro veículo dedicado à hotelaria, o que comprova a nossa ambição de cobrir o espectro completo de classes de activos e sectores com competências específicas, incluindo a nossa recente aquisição no Porto”.

    A joint venture visará hotéis de dimensão considerável em destinos turísticos consolidados e irá procurar implementar estratégias para maximizar a criação de valor. A primeira aquisição é um hotel de categoria superior em pleno centro do Porto. Situado a uma curta distância das principais atracções da cidade, tem inauguração prevista para a segunda metade de 2024 e o objectivo de se tornar uma referência no mercado turístico do Porto.

    “No actual contexto de mercado, marcado por taxas de juro mais elevadas e por requisitos de investimento consideráveis para restabelecer padrões de qualidade mais elevados na hotelaria, vemos nesta nova plataforma a oportunidade de obter retornos superiores ajustados pelo risco. Acreditamos numa tendência positiva a longo prazo para o sector do turismo, uma vez que a percentagem de rendimentos alocada a experiências continua a crescer, fortemente suportada por um conjunto de factores estruturais atractivos”, disse Gonçalo Batalha da IHSP.

     

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Imobiliário

    Monday inicia expansão internacional com primeiro espaço em Lisboa

    O novo espaço, localizado na Praça Marquês de Pombal, nº 2, terá uma superfície de 4.500 m2 (o maior da rede Monday), distribuídos por 11 andares e capacidade para quase 600 utilizadores. A sua abertura está prevista para o terceiro trimestre de 2024

    A rede espanhola de espaços de escritórios flexíveis Monday, propriedade do grupo Urbania, abre o seu primeiro coworking em Portugal, no centro de Lisboa, no âmbito do “ambicioso” plano de expansão que a empresa tem para 2024.

    Ainda este ano, deverão inaugurar mais dois espaços em Espanha, para alcançar uma carteira de 13 centros que, traduzidos em superfície, significariam um total de cerca de 35 mil metros quadrados (m2).

    ”Cidades como Madrid, Barcelona ou Málaga, onde já estamos presentes, ou outras localidades, são algumas das opções que estamos a considerar”, explica Xavi Bassons, CEO da empresa.

    “Com uma presença sólida no mercado, activos nas melhores localizações das capitais espanholas, a integração de Lisboa e uma equipa de cerca de 50 profissionais dedicada e empenhada que funciona como o motor da nossa empresa, prevemos um aumento de receitas de 25% em 2024, face aos 12 milhões de euros do exercício anterior”, assegura Bassons.

    O novo espaço, localizado na Praça Marquês de Pombal, nº 2, terá uma superfície de 4.500 m2 (o maior da rede Monday), distribuídos por 11 andares e capacidade para quase 600 utilizadores. A actual remodelação integral do edifício, que é propriedade da empresa Zurich, está a cargo da empresa de construção Lock, do gabinete de arquitectura e design Vivim Studio. A sua abertura está prevista para o terceiro trimestre de 2024.

    Tal como todos os centros Monday, o novo espaço destina-se tanto a profissionais independentes como a grandes equipas. As instalações caraterizam-se pelo “alto nível de conforto e tecnologia” que proporcionam, com salas de reunião “espaçosas e bem iluminadas”, terraço, cantina, booth office, área de jogos de mesas e parque de estacionamento, além de um ginásio.

    Os utilizadores podem beneficiar, ainda, de aconselhamento empresarial para procedimentos administrativos em matéria de contabilidade, gestão, consultoria e marketing.

    Além disso, qualquer membro tem acesso gratuito a qualquer um dos outros 10 centros da rede Monday em Espanha e Andorra (cinco em Barcelona, três em Madrid, uma em Málaga e uma em Andorra).

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Em 2024 a Teka celebra 100 anos

    A Teka comemora o centenário da sua fundação em 2024, o que a torna uma das marcas de electrodomésticos mais antigas da Europa. Durante este ano, a marca celebrará o seu centenário a nível mundial, estando previstos diversos lançamentos e eventos

    Nos seus 100 anos de história, a Teka vendeu mais de 300 milhões de produtos em todo o mundo. A empresa estima que mais de 200 milhões de casas, em todo o mundo possuam algum produto da marca.

    A Teka é uma marca histórica e com uma forte ligação à memória colectiva dos portugueses, contando já com 46 anos de presença no mercado nacional. A fábrica de Ílhavo, onde foram desenvolvidos um sem número de produtos, é ainda hoje um ponto de pesquisa de desenvolvimento de electrodomésticos, nomeadamente microondas, alguns fornos e também exaustores. Conta com um quadro de cerca de 350 colaboradores, desde a fábrica à equipa de desenvolvimento e produção, e à área comercial, tendo um papel activo no desenvolvimento da região.

    A Teka é actualmente o segundo maior fabricante de lava-louças na Europa. Os seus produtos são comercializados em mais de 150 países, nos cinco continentes e possui 10 fábricas espalhadas pela Europa, Ásia e América, 35 centros de distribuição e 6 centros de excelência e pesquisa.

    Uma empresa pioneira

    Fundada por Karl Thielmann em 1924, a Teka iniciou a sua actividade como uma empresa dedicada ao fabrico de máquinas agrícolas. Com a incorporação de Helmut Klein como sócio em 1957, a empresa adquiriu o nome actual das iniciais de ambos os fundadores. Especializada em produtos de aço inox, a empresa foi a primeira a produzir lava-louças com este material, desenvolvendo um produto que revolucionaria as cozinhas. Em 1968 foi pioneira na produção de lava-louças encastrados em aço inox.

    Na área de electrodomésticos, a Teka foi a primeira empresa a produzir placas de cozinha em aço inox, em 1959. Este produto teve ampla aceitação no mercado pela facilidade de limpeza, resistência e durabilidade deste material. Em 1978, a empresa patenteou a primeira placa de cozinha de encastrar, o que representou uma inovação no design de cozinhas. Até então, as placas eram vendidas num conjunto que também incorporava o forno, o que obrigava a ter um espaço maior para a sua colocação. A sua produção iniciou-se simultaneamente em 1983 em fábricas na Alemanha e em Espanha, de forma a responder à grande procura do mercado.

    Em 1984, a Teka foi também pioneira no fabrico de microondas na Europa, o que facilitou o acesso deste electrodoméstico aos consumidores europeus, já que até então, os microondas eram apenas comercializados nos Estados Unidos da América.

    Nos últimos anos, a empresa tem feito uma grande aposta na inovação, com o lançamento de novos produtos como SteakMaster, MaestroPizza ou a série Infinity G1. Todos eles contam com o design como uma peça importante do seu desenvolvimento, e procuram responder às no-vas necessidades do cliente que tem em casa um espaço de convívio e entretenimento, onde a cozinha se torna o verdadeiro coração da casa.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Topeca reforça gama de argamassas

    São três os novos produtos que vão reforçar a gama de argamassas de reboco. O seu desenvolvimento foi feito em conjunto com aplicadores profissionais

    A Topeca aliou a sua experiência no fabrico de argamassas, com as mais recentes tecnologias, aplicadas aos novos materiais para fazer crescer a sua gama de rebocos à base de cimento.

    Em conjunto com aplicadores profissionais, foram desenvolvidas três novas argamassas de reboco, que vêm reforçar a gama Rebetop.

    Estas novas argamassas caracterizam-se por terem uma morfologia híbrida, conjugando no mesmo produto os benefícios do ligante cimento com a agregação de materiais 100% naturais, com pegada de carbono reduzida. Para além de mais ecológicos, os novos rebocos de base cimentícia são moldáveis e por isso mais fáceis de regularizar e cortar, mais rentáveis, permitindo rebocar mais área em menos tempo, e apresentando texturas areadas e raspadas.

     

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Mapei investe 13M€ na nova fábrica de Cantanhede

    Os responsáveis da Mapei defendem que a nova unidade, que ocupa uma área total de 26.500 m² de área total, dos quais 12.000 de área coberta, vai permitir o crescimento do portfolio produzido em Portugal. Para o CEO da companhia italiana, “Portugal é um mercado muito particular e de forte procura, o que motivou a empresa a encontrar soluções que respondessem às limitações existentes na fábrica de Anadia”

    Está avaliado em 13 milhões de euros o investimento realizado pela Mapei na construção da sua nova casa. A nova fábrica da companhia italiana, especialista na área dos adesivos, impermeabilizantes e produtos químicos, está localizada na zona industrial de Cantanhede e coloca a Mapei num patamar privilegiado para responder às necessidades do mercado nacional.

     


    Dotada de tecnologias de vanguarda, a nova unidade fabril dedica-se à colagem de cerâmica, impermeabilização, pavimentos industriais, reparação de betão, revestimentos e apresenta uma área total de 26.500 m² de área total, dos quais 12.000 de área coberta, sendo que o arranque fica marcado pela produção do adesivo Keraflex Zero, com o total das emissões de CO2 emitidas em todo o seu ciclo de vida compensadas através da compra de créditos ambientais certificados.

    Portugal tem mercado importante

    A cerimónia de inauguração contou com a presença do CEO da Mapei Internacional. Marco Squinzi reconhece que pese não ser um dos maiores mercados do grupo, “Portugal é um mercado muito particular e de forte procura, o que motivou a empresa a encontrar soluções que respondessem às limitações existentes na fábrica de Anadia”. O terreno onde agora nasceu a nova fábrica do grupo italiano foi adquirido à Câmara Municipal de Cantanhede, que vê a marca a reforçar o investimento na região, de acordo com a palavras da autarca Helena Teodósio. Squinzi sublinha que os 20 postos gerados pela nova fábrica, aos quais se juntam os 20 outros que transitam da fábrica de Anadia, vão operar numa unidade “muito eficiente, com muita automação, e um consumo de energia muito baixo, na qual teremos capacidade de produção adicional para podermos continuar a crescer neste país”. “Começámos a nossa aventura em Portugal em 2001 como uma pequena empresa, hoje somos uma das empresas líderes no setor dos produtos químicos para a construção. Graças a esta nova e moderna fábrica, seremos capazes de responder às exigências do mercado local e continuar a crescer, oferecendo soluções inovadoras, duradouras e de qualidade, respeitando o ambiente, como a nossa Linha Zero de produtos com emissões de CO2 totalmente compensadas”, acrescentou o CEO da Mapei.  Ao CONSTRUIR, a directora geral da Mapei em Portugal reconhece que “o aumento da capacidade produtiva é muito importante. As limitações da fábrica de Anadia são agora ultrapassadas com uma fábrica moderna que vai permitir o aumento e alargamento do portfolio de produção, algo que era crucial para nós”. Carla Santos acrescenta que “a eficiência e a optimização dos custos são fundamentais para responder a um mercado que consideramos cada vez mais exigente”. “O caminho que temos feito ao nível de especialização, a atenção que temos prestado à prescrição, do pré e do pós-venda, do acompanhamento ao cliente, faz parte desta estratégia de crescimento e a fábrica é um ponto crucial para que a nossa resposta ao cliente e ao mercado seja mais e mais importante”.

    Mão-de-obra é um desafio

    Carla Santos explica também que um dos grandes desafios que empresas como a Mapei têm pela frente prendem-se com a mão-de-obra. “Estamos a viver um momento difícil para encontrar mão de obra qualificada. No sentido das flutuações, quer a nível de matérias-primas, o nosso grupo, o tamanho do grupo também nos dá a capacidade e o poder negocial, não é? E isso é importante para países como o nosso, que são mais periféricos, obviamente. Mas acreditamos que estamos preparados e o grande desafio é, efectivamente, a eficiência. Dotar, dimensionar a nossa estrutura de forma a responder às expectativas que temos do mercado”, defende a directora-geral da Mapei Portugal. Carla Santos reconhece que a importância do mercado português e da estrutura portuguesa da companhia “não se resume seguramente aos 10 milhões de habitantes. Eu acho que nós temos reconhecidamente uma performance elevada. Conseguimos trabalhar todas as linhas de produto lançadas pelo grupo Mapei e eu acho que temos uma empresa muito saudável e somos referência num país que também tem dado passos para ser referência na Europa”.  Já Veronica Squinzi, proprietária do Grupo Mapei Internacional, adiantou que um dos objectivos é “continuar a crescer de forma sustentável, reforçando a nossa presença nos mercados que consideramos estratégicos, uma economia estável, sectores em constante crescimento como as energias renováveis, o imobiliário, o turismo e a tecnologia. Portugal representa uma oportunidade de investimento promissora para o nosso grupo. Graças ao profissionalismo e à visão da nossa equipa local, estamos confiantes de que continuaremos a expandir a nossa presença no país.”

    Alargamento da gama

    Com este investimento a Mapei pretende alargar a gama de produtos produzidos em Portugal e aumentar o orçamento de vendas, ultrapassando o volume de facturação de 2023 na ordem dos 30 milhões de euros, enquanto o grupo internacional facturou 4,2 mil milhões de euros a nível mundial. Em Cantanhede, a Mapei tem uma capacidade de armazenamento em racks superior a 3.500 paletes e uma capacidade de expedição de 30 camiões por turno. Gera mais de 70 guias de remessas emitidas, mais de 250 linhas de produtos preparadas e mais de 250.000 kg de produto expedido, por turno. Neste investimento, a Mapei recorreu a soluções inovadoras, nomeadamente o pavimento de toda a área logística  que recorre, pela primeira vez, ao sistema Concrete Flooring System da Mapei, sistema que permite a construção de um piso sem juntas, com ganhos evidentes na manutenção, mas acima de tudo oferece um piso estável e sem vibrações para a circulação de máquinas com ganhos evidentes na saúde dos operadores”. O grupo Mapei tem mais de 12.000 colaboradores em 57 países com 102 subsidiárias. Em Portugal, a Mapei conta com cerca de 100 colaboradores e tem apresentado uma evolução consistente no mercado nacional com o crescimento de 50% nos últimos dois anos. Situados no Parque das Nações, em Lisboa, os escritórios centrais da empresa portuguesa são dotados do Mapei World Lisboa, um espaço para os projectistas inspirar-se para conceber os projectos do futuro, um conceito do grupo Mapei já implementado em Paris Londres e Milão. Em Cantanhede será produzida a argamassa, uma das soluções centrais no portfólio do fabricante, mas a fábrica está preparada para receber, já em 2025, novas linhas de produção para o fabrico de gamas adicionais. Carla Santos recorda que a Mapei Portugal cresceu 50% nos últimos dois anos, com o mercado da reabilitação a ganhar um peso significativo nas receitas. A fábrica está igualmente voltada para o programa de formação do Grupo. Através da Mapei Academy, que existe em vários países, e agora também em Portugal – quer em Cantanhede, quer nas instalações de Lisboa – a empresa partilha conhecimento com o seu ecossistema externo, mas igualmente com as suas equipas. Manter os colaboradores actualizados e requalificar sempre que necessário contribui, como explica Carla Santos, para colmatar a falta de recursos humanos no sector.

    Sobre o autorRicardo Batista

    Ricardo Batista

    Director Editorial
    Mais artigos
    Construção

    Litehaus quer “imprimir” 100 casas por ano em Portugal

    O arquitecto Rui Barbosa é o vencedor do concurso de arquitectura lançado pela Litehaus para desenhar a casa impressa em 3D na Comporta. Com vários projectos já em carteira a empresa estabeleceu como meta a construção de 100 unidades/ano

    CONSTRUIR

    A Litehaus, lançou em Março o concurso de arquitectura, direccionado a estudantes e profissionais de arquitectura residentes em Portugal para desenhar o projecto de uma casa impressa em 3D para o empreendimento na zona da Comporta, perto de Melides.
    “Sendo a impressão 3D a mais recente tecnologia capaz de revolucionar o sector da construção, foi com grande entusiasmo que participei neste desafio lançado pela Litehaus e sinto-me muito honrado por ver o meu projecto seleccionado como vencedor. Na proposta com a qual concorri, procurei aliar este novo método de construção à repetição modular, fácil de ajustar às várias necessidades dos futuros utilizadores e desafios criados pelo ambiente envolvente. Procurei conjugar elementos contemporâneos com a linguagem arquitectónica tradicional de Melides, respeitando sempre o contexto urbanístico”, comenta Rui Marta Barbosa.
    A unidade destaca-se pelo seu carácter modular. O azulejo da piscina, que confere uma cor avermelhada à água, e os tons acastanhados e beges presentes nos materiais que compõem a volumetria da casa dão um toque convidativo, acolhedor e quente ao edifício. Adicionalmente, a disposição e número das divisões da casa podem ser organizadas e ajustadas de acordo com a vontade dos clientes e condicionantes do terreno, devido aos espaços modulares e ao corredor central que os conecta.

    Esta nova villa vai integrar a rede habitacional zero waste construída com recurso à tecnologia de impressão 3D, desenvolvida pela espanhola Cosmos e que a Litehaus trouxe para Portugal.

    A empresa está já desenvolver vários projectos habitacionais no mercado nacional. “Prevê-se que o mercado da construção com impressão 3D cresça 88%, anualmente, podendo valer 400 mil milhões de dólares em 2030, e nós pretendemos fazer parte dessa evolução, contribuindo para um marco na história da arquitectura portuguesa. O nosso objectivo é o de construir 100 habitações por ano em Portugal. Estamos a construir 13 casas em Torres Vedras e estão mais 50 planeadas, temos 73 apartamentos modulares turísticos contratados em Braga e estamos prestes a fechar um empreendimento de 108 acomodações para estudantes em Famalicão”, afirma Simi Launay, chief creative officer da Litehaus.

    A tecnologia de impressão em 3D desenvolvida pela Cosmos permite que sejam erguidas 45 m2 de paredes em menos de 24 horas. O segredo para tornar estas casas mais amigas do ambiente centra-se, principalmente, na construção das paredes, compostas, maioritariamente, por ECOMortar, um material que substitui o cimento e produz entre 40 a 50% menos de emissões de CO2. Adicionalmente, a tecnologia modular e de impressão 3D aplicadas na fabricação destas paredes reduz o desperdício em 90%.

    A elevada eficiência dos materiais e técnicas de construção utilizados resulta do facto de os módulos serem impressos num local fechado, sob condições ambientais controladas e sem produção em excesso, uma vez que é apenas impressa a quantidade necessária. Nos módulos são, ainda, previamente instalados isolamento, electricidade e canalização, acelerando significativamente a montagem no local.

     

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    IP lança concurso público de 58,3M€ para Variante Nascente de Évora

    No final da semana passada a IP lançou o concurso para a construção da Variante Nascente de Évora. Já esta semana foi lançado concurso público, no valor de 5,5M€ para reabilitação da Ponte da Arrábida

    CONSTRUIR

    A empreitada a contratar visa a construção de uma nova ligação rodoviária alternativa ao actual troço do IP2, com início no Nó de Évora Nascente da A6/IP7, imediatamente após a praça de portagem, e termina na conexão com o actual IP2, em S. Manços.

    A futura Variante terá cerca 12,8 quilómetros de extensão com dupla faixa de rodagem. Ao longo do traçado serão construídos restabelecimentos desnivelados, sendo a interligação com a rede existente assegurada através dos seguintes nós: Nó de Vale de Figueiras; Nó da Fonte Boa do Degebe; Rotunda de Ligação à EN18.

    O empreendimento prevê ainda a construção de 8 Passagens Superiores, duas das quais sobre linhas de caminho de ferro.

    O projecto da Variante Nascente de Évora constitui o maior investimento a executar pela Infraestruturas de Portugal no âmbito do PRR. Integrado na Componente C7 – Infraestruturas, investimentos em Missing Links e Aumento de Capacidade da Rede, este empreendimento irá contribuir decisivamente para a melhoria das ligações rodoviárias na região de Évora, melhorar a segurança rodoviária e promover a competitividade das empresas e a mobilidade das populações da região.

    Concurso público de 5,5 M€ para reabilitação da Ponte da Arrábida
    Já esta segunda-feira foi publicado o concurso público com um preço base de 5,5 milhões de euros para reabilitar a face interior do tabuleiro e pilares da Ponte da Arrábida. O prazo para apresentação de propostas vai até ao dia 17 de Maio e a empreitada tem um prazo de execução de 540 dias.

    Neste concurso público, o preço tem um factor de ponderação de 80% e a qualidade 20%, estando ainda este último ponto dividido em três subfactores de ponderação: programa de trabalhos (60%), memória descritiva e justificativa (30%) e cronograma financeiro (10%).
    Esta operação de manutenção, cuja despesa foi autorizada pela IP, compreende uma dotação de 2,8 milhões de euros a alocar em 2025 e 2,7 milhões de euros em 2026. Ao montante fixado para cada ano pode “ser acrescido do saldo apurado no ano anterior”.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    O novo EVlink Pro DC 180 kW da Schneider Electric

    Schneider Electric lança estação de carregamento rápido para veículos eléctricos que promove a electrificação dos edifícios, parques de estacionamento e frotas

    CONSTRUIR

    A Schneider Electric, lança EVlink Pro DC 180 kW, uma solução de carregamento rápido para veículos eléctricos (VE) que maximiza a eficiência energética e minimiza os custos eléctricos. Em 2023, Portugal registou um aumento de 69% no número de utilizadores que carregaram os seus veículos em postos de carregamento de redes públicas. Com o carregamento rápido do EVlink Pro DC, que permite que os veículos atinjam os 80% de carga em apenas 20 minutos, é possível optimizar a utilização da energia do edifício e fazer os veículos de frota voltar à estrada mais rapidamente.

    Actualmente, o sector dos transportes representa 23% do consumo mundial de energia, e os edifícios 26%. Para alcançar os objectivos de neutralidade carbónica, é necessário acelerar a transição para a electrificação, de forma a permitir a adopção de mais energia limpa, como é o caso da energia solar nos telhados, para alimentar os edifícios e veículos. Ao combinar soluções eficientes de carregamento de veículos eléctricos e infraestrutura de distribuição eléctrica com software inteligente de gestão de energia – apoiado por uma rede de especialistas certificados em serviços de consultoria, no local e à distância –, os proprietários e operadores podem cumprir os seus objectivos de sustentabilidade, manter a fiabilidade da energia e oferecer uma experiência confortável aos condutores de VE.

    Integração perfeita para maximizar o controlo e a distribuição de energia
    O EVlink Pro DC integra-se perfeitamente com sistemas de gestão de carregamento, como o EcoStruxure EV Charging Expert, para distribuir de forma inteligente a energia do edifício para os postos de carregamento de veículos eléctricos em tempo real, o que garante a máxima eficiência e poupança de custos. O novo equipamento é também interoperável com sistemas de gestão de edifícios como o EcoStruxure Power Monitoring Expert e o EcoStruxure Building Operation, o que simplifica as operações diárias dos operadores de edifícios, consolidando todas as informações numa única solução. A solução também está certificada com múltiplos sistemas de gestão de carregamento de estações (CSMS), o que proporciona aos proprietários de edifícios e operadores de pontos de carregamento a liberdade de integrar e gerir um sistema de carregamento que se adapta às suas necessidades específicas, graças à visibilidade dos dados e à supervisão de back-end necessária para gerir eficientemente o seu sistema.

    “O EVlink Pro DC 180 kW tira partido da nossa longa experiência na distribuição eléctrica e no sector dos edifícios para oferecer uma abordagem inovadora de infraestrutura e carregamento de veículos eléctricos. O nosso compromisso com a interoperabilidade e a integração sem falhas significa que os operadores de edifícios e frotas ganham mais visibilidade, eficiência energética e controlo, enquanto os condutores têm acesso fácil a uma rede de postos de carregamento, uma melhoria muito necessária para a experiência geral de quem tem um VE,” afirma Patricia Pimenta, VP Home & Distribution Iberia da Schneider Electric. “Reforçados por uma rede mundial de técnicos com experiência dedicada, os clientes podem contar com uma experiência de eMobility melhorada em que podem confiar.”

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Dstgroup abre candidaturas para os estágios de Verão

    Está de regresso a iniciativa que pretende aproximar os estudantes da actividade laboral do universo do grupo DST. A edição 2024 dos cursos de Verão prevê 50 vagas, direccionados para as diferentes áreas onde o grupo actua. Em 2023, o Dstgroup recebeu mais de 300 candidaturas para 32 estágios

    CONSTRUIR

    O Dstgroup vai abrir 50 novas vagas para os estágios de Verão de 2024, que decorrerão de Junho a Setembro, com remuneração 820€/mês. Esta iniciativa tem como objectivo a abertura de portas para o universo da empresa a todos os jovens que estejam a frequentar qualquer tipo de ensino, seja profissional ou superior.

    O grande propósito do grupo liderado por José Teixeira, é potenciar a aproximação de estudantes ao contexto real de trabalho e à cultura da empresa, com o intuito de enriquecer os participantes a um nível pessoal e profissional.

    “A edição de 2024 dos estágios de Verão do Dstgroup conta com o amadurecimento de edições de anos anteriores e com novidades certamente enriquecedoras para todos os seus participantes. Queremos aproximar os estagiários das realidades, dos desafios do mundo do trabalho em pleno séc. XXI, em particular nas áreas em que actuamos, e demonstrar a nossa proposta de valor diferenciada. O nosso ADN assente na arte, na cultura, além da aposta na formação, em estratégias de bem-estar e de conciliação entre vida profissional e pessoal serão pontos chave a ser percepcionados pelos estagiários. Atingiremos o nosso objectivo se criarmos boa memória, para sermos vistos como a melhor escolha quando ingressarem no mundo do trabalho”, esclarece José Machado, director de Recursos Humanos do grupo.

    Os estágios estão direccionados para as seguintes áreas: Engenharias Civil, Electrotécnica, Electrónica Industrial e Computadores, Mecânica, Energias Renováveis, Telecomunicações e Informática; Gestão e Sistemas de Informação; mas também Mecânica Automóvel; Desenho Técnico e Maquinação; Preparação e Gestão de Obra; Soldadura Avançada e Técnico de Manutenção Industrial. Para além destas áreas em destaque, o grupo disponibiliza ainda vagas noutras áreas especializadas.

    Em 2023, o Dstgroup recebeu mais de 300 candidaturas e acolheu 32 estágios. Dos candidatos que já tinham o seu percurso escolar concluído, dois alunos transitaram para estágio curricular, um para estágio profissional e outro para contrato de trabalho.

     

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB

    Navegue

    Sobre nós

    Grupo Workmedia

    Mantenha-se informado

    ©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.