Antevisão 2018: Turismo e alojamento local impulsionaram maior investimento no Porto

Por a 25 de Dezembro de 2017

João Nuno Magalhães
Diretor-geral da Predibisa



Tudo indica que o balanço deste ano aponta para um dos melhores da última década, com os resultados no investimento em imobiliário nacional a expressarem tal cenário. Se 2017 foi um ano notável, com a concretização de grandes transações nos segmentos de reabilitação, habitação, retail, hotelaria, escritórios e indústria, nós, na Predibisa, já começamos a desenhar 2018 com bastante expetativa. Perspetivamos um ano animador, não só devido aos negócios que temos em desenvolvimento, mas também aqueles que já temos em carteira para 2018.
A região Norte, onde somos especialistas, tem-se traduzido por uma curva crescente em negócios imobiliários. O investimento estrangeiro, principalmente em short-rental, hotelaria e mais recentemente em residências de estudantes, destacam-se como áreas de grande potencial, cuja evolução tem sido muito favorável nos seus principais indicadores de performance. Também a reabilitação urbana, uma das apostas da Predibisa e que está intrinsecamente ligada ao setor residencial, mas também ao retail, à hotelaria e à promoção, continua bastante robusta. Tal se deve a negócios com clientes investidores, que procuram rendimentos no comércio, restauração, hotelaria, short-rental e escritórios. Para esta dinâmica de transações muito tem contribuído o forte potencial do turismo e o alojamento local. De destacar também a procura acentuada em segmentos como o de escritórios, com várias multinacionais a elegerem o Porto como uma boa alternativa para se instalarem, face a outros mercados europeus. Todavia, a escassez de oferta de qualidade tem vindo a limitar um crescimento ainda mais exponencial.
Se anteriormente o investimento em imobiliário estava somente centralizado no Centro Histórico do Porto, começa agora também a verificar-se grande procura noutras zonas, nomeadamente a Foz, Boavista, Matosinhos, entres outras zonas do Grande Porto. Uma tendência é que em 2018 os valores possam subir ligeiramente, como resultado do excesso de procura e da falta de oferta.
Cada vez mais temos constatado que há muita vontade em investir no Porto, uma cidade na moda, que já não é a mesma de há dez anos e que muito se deveu à chegada de voos low cost, os grandes impulsionadores para tornar a cidade naquilo que é hoje: o Melhor Destino Europeu, pela terceira vez, segundo o site “European Best Destinations”. Ao dar a conhecer ao mundo todo o património do Porto foi sem dúvida um grande convite ao investimento nacional e internacional.
Para o próximo ano, as perspetivas da Predibisa são bastante positivas, pelo que estamos convictos que o mercado imobiliário português continuará a assumir um papel de afirmação, a par de uma evolução consistente.

Bons negócios!

Nota: O CONSTRUIR manteve a grafia original do artigo

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *